Categories
Defesa Sistemas de Armas Vídeo

Novo UCAV do Irã Shahed-129 com raio operacional de 1700 km

UCAV Iraniano

O Irã lançou produção em série do Shahed 129 em uma configuração armada, transportando quatro mísseis guiados (Sadid) em dois lançadores duplos.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/14TpItq” standard=”http://www.youtube.com/v/7GPKMieHiKY?fs=1″ vars=”ytid=7GPKMieHiKY&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep1525″ /]

Fontes iranianas dão conta que o novo drone pode transportar até oito “armas”, e que foi projetado para disparar contra alvos fixos e móveis.

Categories
Defesa Defesa Anti Aérea Mísseis Negócios e serviços Sistemas de Armas

US Army assina contrato para sistema de defesa THAAD

pac-3_mse_thaadTradução e adaptação: E.M.Pinto PB

A Lockheed Martin recebeu nesta sexta-feira, um contrato de produção estimado US $ 3,9 bilhões que contempla a produção de elementos do sistema  Terminal High Altitude Area Defense (THAAD), sistema Armas da Agência de Defesa de Mísseis dos EUA (MDA) e Emirados Árabes Unidos.

O contrato inclui a fabricação e entrega de um máximo de 110 interceptores para o Exército dos EUA, incluindo já na opção fiscal de 2014. Estes Lote 4, 5 e 6 de interceptores serão desdobradas para o Exército dos EUA em Fort. Bliss, Texas. 

O contrato também inclui interceptores e outros hardwares de terreno para o exército dos Emirados Árabes Unidos. A empresa  atualmente trabalha sob contrato para fornecimento de cinco baterias THAAD para o Exército dos EUA. As entregas das Baterias 3 e 4 estão em andamento, com conclusão prevista para final de dezembro de 2013. A Bateria 5 foi concedida no final de 2012.

thaadOs mísseis interceptores THAAD  são produzidos na Lockheed Martin nas instalações  Pike County ‘s em Troy, Alabama, já os lançadores e unidades de controle de fogo são produzidos em Camden, Arkansas, nas instalações da empresa.

Elemento-chave do sistema de defesa de mísseis balísticos do país (BMDs), o THAAD é um programa da Agência de Defesa de Mísseis, com o escritório de programa localizado em Huntsville, Alabama.  A agência está desenvolvendo o BMDs para defender os Estados Unidos e as suas forças destacadas, bem como os aliados contra o ataque de mísseis balísticos de todas as faixas e em todas as fases do voo.

Desde 2005, o programa de desenvolvimento do THAAD completou 13 testes de voo, com 11 interceptações de sucesso em 11 tentativas. O THAAD é o único sistema de defesa antimísseis com a flexibilidade operacional para interceptar em ambos os ambientes endo e exo-atmosférico.

No início deste mês, o MDA realizou uma interceptação conjunta para testar a integração do Sistema de Armas do THAAD e o sistema de defesa antimísseis balísticos Aegis (BMDs).

thaad_2

O Radar operando em modo de avanço Baseado (FBM), efetuou a vigilância por um Radar AN/TPY-2 que detectou o alvo e retransmitiu as informações para o comando de gerenciamento de batalha do sistema de comando e controle de Comunicações (C2BMC). Foi então sugerida a ação dos mísseis interceptores.

Esses interceptores SM-3, mísseis Block1A, foram lançados do destroyer USS Decatur (Aegis BMD)  que detectou e rastreou o míssil com a seu radar AN/SPY-1.

O radar FBM adquiriu o alvo e enviou informações de controle para o sistema C2BMC. O sistema THAAD, usando um segundo radar AN/TPY-2 , acompanhou o alvo.

O THAAD desenvolveu uma solução de controle de fogo, lançou um míssil interceptor THAAD e conseguiu interceptar o míssil balístico de médio alcance.

O THAAD foi operado por soldados da Bateria Alpha Regiment, segundo a Defesa.

A unidade de artilharia anti aérea designada Flight Test Operacional-01 realizzou o teste em 11 de setembro de 2013. O ensaio foi realizado no centro de testes do Exército dos EUA em Kwajalein Atoll / Reagan  e áreas circundantes do Pacífico ocidental.

Este teste demonstrou como vários meios de defesa de mísseis podem ser integrados à capacidade de defesa antimísseis regionais em camadas. Os dois sistemas colaboraram para interceptar com sucesso dois alvos de mísseis balísticos de médio alcance em um ambiente operacional realista, simulando um ataque de invasão por dois quase simultâneos mísseis balísticos de médio alcance.

Thaad Batery

Fonte: Defense-update

Categories
Conflitos Geopolítica

Ministro da Defesa Russo anuncia “Plano de Guerra” e alerta indústria bélica para que se prepare para o caso de um conflito militar

Russian Defense Minister Sergei Shoigu
Ministro da Defesa Sergei Shoigu

 

Tradução: E.M.Pinto PB

MOSCOU, 28 de setembro (RIA Novosti) – O ministro da Defesa russo anunciou nesta sexta feira o “plano de guerra da Rússia” , exaltando as empresas privadas e estatais a se prepararem para fornecer de pronta resposta, as armas as forças armadas russas com tudo o que precisam em caso de um conflito militar.

Destacando que as empresas petrolíferas, como a Gazprom, Lukoil e Rosneft “devem ter essas reservas, planos de aquisições e contratos celebrados antecipadamente. Essas empresas devem saber com clareza, o que, quando e em que momento elas devem nos fornecer oque necessitamos”, disse ele.

O mesmo se aplica a empresas de geração de energia e transporte, como RZD que detém o monopólio ferroviário,a  estatal de energia hidrelétrica holding RusHydro e outros, afrimou o Ministro Sergei Shoigu.

Shoigu informou que um Centro de Defesa Nacional do Estado, agindo como o quartel-general do Alto Comando Supremo em tempos de guerra, será construído em Frunzenskaya próximo à Moscou.

O ministro disse anteriormente que o centro iria consolidar o comando sobre as forças armadas do país, em especial a tríade nuclear e forças de reação rápida. Ele também irá permitir o monitoramento em tempo real das atividades do dia-a-dia das unidades militares em todo o país.

Neste verão, o exército russo começou a trabalhar na criação do centro, o que irá melhorar a gestão operacional das forças armadas e garantir resposta rápida a ameaças estratégicas.

Fonte: Ria Novosti

 

Categories
Brasil Defesa Destaques Mísseis Negócios e serviços Sistemas de Armas Tecnologia

AV-TM 300 é testado de forma simulada

O AV-TM300 representa um significativo passo a frente no aumento do poder de dissuasão e de fogo “stand-off” do Exército Brasileiro (Fotomontagem: Avibras)

Ivan Plavetz

Míssil tático de cruzeiro AV-TM 300 é testado de forma simulada durante Operação Laçador 2013.

O Exército Brasileiro testou de forma simulada durante a Operação Laçador 2013 o míssil de cruzeiro superfície-superfície AV-TM300, cujo alcance útil é da ordem de 300 km.

O vetor foi disparado a partir da plataforma de lançamento sobre rodas Astros III da variante Mk6 e conduzido com precisão até o alvo por um avançado sistema de telemetria e orientação.

O lançamento simulado do AV-TM300 durante a Operação Laçador comprovou o alcance da arma contra alvos pré-determinados situados a longas distâncias, poder de fogo só superado no Brasil por aquele possuído pelos aviões de combate da Força Aérea Brasileira (FAB).

O AV-TM300, desenvolvido sob liderança da Avibras Aeroespacial no âmbito do projeto Astros 2020 é uma das prioridades do processo de modernização do Exército Brasileiro.

O AV-TM é um programa 100% nacional, tecnologicamente independente e de propriedade intelectual do EB.

A primeira entrega esta prevista para acontecer em 2016. O AV-TM 300 será disponibilizado em duas versões.

A primeira terá cabeça de guerra auto-explosiva (AE) de 109 kg e a outra será municiada com mais de 60 submunições anti-carro de 70 mm.

 

Fonte: Tecnologia & Defesa

Categories
Defesa Destaques Sistemas de Armas Tecnologia

Elbit Systems lança novo sistema que interfere em explosivos ativados remotamente

Ivan Plavetz

A israelense Elbit Systems esta lançando um novo sistema de guerra eletrônica que interfere nos dispositivos explosivos improvisados remotamente controlados (RC-IED- Remote Controlled Improvised Explosive Devices) ativados contra veículos blindados, entre outros meios de transporte de superfície.

Denominado Miniature Reactive Jammer (MRJ), o equipamento opera em altas bandas de frequência, sendo indicado para emprego em tarefas de segurança de fronteiras e pessoal, incursões em áreas hostis e proteção de comboios, entre outras aplicações.

Ao contrario dos sistemas anteriores, o MRJ é ativo e opera continuamente, bem como é reativo e dotado de capacidade de analisar os sinais interceptados, perturbando as potenciais ameaças de forma mais eficiente a custos reduzidos e concentrando a energia irradiada sobre uma variada gama de frequências ou somente sobre uma especifica.

Segundo a Elbit Systems, o MRJ consome menos recursos, proporciona elevada qualidade de interferência e gerencia em tempo real todos os tipos de ameaça através do espectro eletromagnético compreendido entre 25 e 6000 MHz.

Em resposta aos últimos requerimentos exigidos pela arena de combate terrestre moderna em termos de tamanho, peso e potência (SWAP- Size, Weight and Power), o equipamento é leve, modular e projetado para ser transportado por apenas um soldado ou instalado em qualquer espaço disponível no interior de um veículo de médio ou pequeno tamanho.

O MRJ possui um painel de comando remoto e controle com indicadores de alerta e falhas.

Os RC-IEDs tornaram-se nos últimos anos uma das principais ameaças encontradas na moderna arena do combate terrestre (acima). O MRJ (embaixo) surge como resposta econômica e eficiente para enfrenta-las. Fotos: Elbit Systems e US Army.

http://www.tecnodefesa.com.br/materia.php?materia=1344

Fonte: Tecnologia & Defesa

Categories
Defesa Destaques Fotos do Dia Negócios e serviços Opinião Sistemas de Armas Vídeo

Armas Kalashnikov poderá abandonar o Exército russo

AEK-971 da fabricante Degtiarev

O comando das Forças Terrestres informou que, no lugar do Kalashnikov AK-12 e de outros artigos da mesma linha, foi escolhido o fuzil da fábrica Degtiarev da linha do AEK-971.

A famosa marca de armas Kalashnikov poderá abandonar o Exército russo. O Ministério da Defesa não permitiu testar nas fileiras do Estado o mais recente protótipo do consórcio: o fuzil de assalto AK-12, concebido como parte do equipamento militar de última geração “Rátnik” (Guerreiro, em português). O comando das Forças Terrestres informou que, no lugar do AK-12 e de outros artigos da mesma linha, foi escolhido o fuzil da fábrica Degtiarev, localizada na cidade de Kovrov, região de Vladímir.

Kalashnikov AK-12

O projetista-chefe da fábrica Degtiarev, Vladímir Gromov, informa que se trata da nova arma da linha do AEK-971, desenvolvido na década de 1980. A sua característica distintiva é um sistema de equilíbrio da arma que permite o recuo do disparo ser compensado por um dispositivo especial –um prumo.

“Testes preliminares foram realizados em cinco protótipos: dois fuzis, duas metralhadoras e uma espingarda de precisão. Em qualquer uma das cinco categorias fomos aprovados para os testes estatais de aceitação, que estarão concluídos até o final do ano”, disse Gromov.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/18zf64c” standard=”http://www.youtube.com/v/RLb8RdnaXyw?fs=1″ vars=”ytid=RLb8RdnaXyw&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep7649″ /]

O fuzil da fábrica Degtiarev apresentou melhor agrupamento e precisão de tiro, incluindo em caso de rajadas disparadas a partir de posições instáveis. Os protótipos apresentados pelo consórcio Kalashnikov não satisfizeram os militares pelos parâmetros de fiabilidade, exatidão e ergonomia. Agora o consórcio tem cerca de um mês para suprir as lacunas e apresentar um novo protótipo. Se ele possuir as características necessárias será então dada permissão para que siga para os testes estatais de aceitação. No entanto, na sede das Forças Terrestres do Exército os comentários são de que a probabilidade de isso acontecer é pouca, uma vez que as exigências eram conhecidas há dois anos e, no entanto, a Kalashnikov não conseguiu criar uma arma que as satisfizesse.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/18zfcZy” standard=”http://www.youtube.com/v/f7Cg6uxRfeU?fs=1″ vars=”ytid=f7Cg6uxRfeU&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep3874″ /]

Agora, o recém-formado consórcio terá que procurar outros mercados de escoamento da produção. O professor Viktor Korablin, da Academia de Ciências Militares, acredita que o AK-12 pode ser proposto a mercados estrangeiros, cujos volumes das encomendas são medidos em centenas de milhares de exemplares.

“O fuzil é a principal arma dos exércitos de todo o mundo e é por isso que todos os fabricantes de armas concorrem por este mercado. É claro que hoje ninguém fala em encomendas de milhões de unidades, mas lotes de dezenas de milhares de unidades podem muito bem encontrar comprador”, disse Korablin.

O editor-chefe da revista “Arsenal da Pátria”, Víktor Murakhóvski, explicou que o fuzil de Kovrov ainda não é produzido em série e que, por isso, a fábrica de Degtiarev terá que agilizar significativamente o processo de fabricação.

Degtiarev AEK-971

“Falando de um modo geral, a fábrica de Kovrov é uma empresa privada. Ela não faz parte de nenhum consórcio. E os artigos militares, de acordo com os dados mais recentes, ocupam de 12% a 15% da sua produção total. Por isso, se a demanda por estes fuzis for elevada, eles terão que aumentar a produção”, disse Murakhóvski.

Paralelamente, Gromov informou que a direção da fábrica está contando com a ajuda estatal para estabelecer uma cadeia de produção em série.

“O número de soldados que vão necessitar dos fuzis irá determinar quais as máquinas de fabricação necessárias para produzi-las e, consequentemente, o custo final do artigo”, disse Gromov.

Ele acrescentou que a fábrica Degtiarev espera comprar no exterior um grande lote de novas máquinas de fabricação para conseguir criar uma linha de produção dos novos fuzis.

Entretanto, o consórcio Kalashnikov não vão desistir da luta por uma encomenda do Ministério da Defesa. A decisão final sobre as compras do exército será tomada apenas em 2014 e não está ainda excluída a possibilidade de se encontrarem alguns AK-12 entre os protótipos a serem comprados para testes militares.

Publicado originalmente pelo Izvéstia

 

Fonte: Gazeta Russa

Categories
Defesa Sistemas de Armas Tecnologia

Colômbia produz sua bomba inteligente a partir do Kit Friulli

Bomba Indumil Xué con sistema de guía Friuli FPG-82
Bomba Indumil Xué con sistema de guía Friuli FPG-82

Sugestão: SantaCatarinaBR

La primera bomba inteligente hecha por la industria militar colombiana sería usada en el conflicto interno, según la FAC.

“Lo que estamos buscando es reducir la capacidad explosiva y aumentar el nivel de precisión”, señaló el general Guillermo León aCaracol Radio.

Según el oficial con esta bomba “será menor la posibilidad de causar un daño colateral y la sFuerzas Armadas podrán ser más selectivas a la hora de aplicar la fuerza por lo que estarán bajo el manto de los Derechos Humanos y el Derecho Internacional Humanitario”

Agregó que en un año se podría tener el primer prototipo de esta nueva arma con la que van a contar las Fuerzas Armadas en el futuro.

El uso de esta bomba también bajaría los costos y evitaría comprar ese armamento en el exterior.

En la pasada Feria Internacional de Aviación, realizada en Rionegro, Antioquia, pudimos apreciar un kit especial de guiado presentado por la empresa Friuli Aeroespacial, que estaba aplicado a un bomba Indumil Xué. Los representantes de esta empresa brasilera explicaron que estaban en negociaciones con Indumil para llegar a algún acuerdo que permitiera la transferencia de tecnología a Colombia. En estos momentos se están realizando pruebas con este kit de guiado para evaluarlo, y es posible que éste termine siendo fabricado en Colombia para uso por las Fuerzas Militares y de Policía.

Valga anotar que Indumil ya fabrica bombas de caída libre o “tontas” (en contraposición a las “inteligentes”), de una línea llamada Xué, que incluye bombas de 125, 250 y 500 libras. Éstas son un desarrollo nacional que tomó como modelo a las bombas estadounidenses de la serie Mk-82. También fabricamos una espoleta especial para bombas de aviación. La aplicación del kit de guiado FPG-82 de la empresa Fruili, permitiría convertir en “Inteligente” a cualquiera de las bombas Xué.

Fonte: Fuerzas Militares

Categories
Defesa EVENTOS Negócios e serviços Sistemas de Armas

Videos: RAE 2013, Feira militar Russa apresenta novidades e surpresas

Russia Arms Expo 2013: novos conceitos, novos mercados

Russia Arms Expo 2013, RAE 2013, técnica militar, exposição

© Ilia Kramnik / Voz da Rússia

Ilia Kramnik
Edição de imagens e vídeos: Rustam & E.M.Pinto

 

Na IX exposição internacional de armamentos Russia Arms Expo 2013 (RAE 2013) em Nizhny Tagil, são tradicionalmente apresentados os modelos mais modernos de equipamentos militares utilizados nas Forças Armadas da Rússia, suas variações para exportação, bem como desenvolvimentos fundamentalmente novos.

Veja as fotos da exposição

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/18z49zq” standard=”http://www.youtube.com/v/fZJmg_ZPR0A?fs=1″ vars=”ytid=fZJmg_ZPR0A&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep5942″ /]

As novidades mais interessantes da RAE 2013 são veículos de combate de nova geração em chassis Armata, Kurganets 25 e Bumerang, que passarão a ser produzidos em série para o Exército russo. Destacam-se também os projetos mais recentes de munições e diferentes equipamentos militares. A característica comum de toda essa tecnologia é a novidade conceitual de uso de componentes estrangeiros, o que proporciona acesso a novos mercados.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/18z7z5k” standard=”http://www.youtube.com/v/MlTahtVlJ7Q?fs=1″ vars=”ytid=MlTahtVlJ7Q&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep3327″ /]

Veículo de combate de infantaria (VCI) híbrido russo-francês

RAE 2013 (4)

Talvez o exemplo mais notável deste tipo seja o modelo-conceito operacional de um VCI de rodas criado em resultado da cooperação entre a empresa de armamentos russa Uralvagonzavod e as empresas francesas Renault Trucks Defense e Nexter Systems. O carro de 8×8 está equipado com um novo sistema de fogo, que inclui um novo canhão de 57 milímetros, criado a partir do conhecido modelo S-60.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/18z4G4z” standard=”http://www.youtube.com/v/hh9Is89-wkk?fs=1″ vars=”ytid=hh9Is89-wkk&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep6712″ /]

De certa forma, a criação de uma máquina dessas é uma etapa extra do programa de criação do VCI de rodas Bumerang, que está sendo desenvolvido para as Forças Armadas da Rússia pela Corporação Militar-Industrial. Obviamente, um carro feito com uso extensivo de componentes estrangeiros é improvável de ser colocado em serviço do Exército russo. No entanto, no mercado externo, ele pode competir tanto com o Bumerang doméstico como com as propostas estrangeiras existentes, incluindo, por exemplo, a atualmente popular família de veículos blindados de combate da empresa Patria.

Protótipo de VCI do futuro apresentado em feira de armas de Nizhny Tagil

Tal competição só pode ser considerada como um fator positivo – a criação de tais máquinas permite às empresas russas expandir a sua presença no mercado de veículos blindados de rodas. Neste segmento, a indústria russa é representada hoje principalmente por veículos blindados BTR-80, de conceção ainda soviética, e suas modificações. O desenvolvimento conjunto com a França permite contar com o sucesso nos mercados dos países que preferem principalmente modelos ocidentais. Neste caso, os cascos blindados e armamentos russos podem vir a ser um atrativo “empoderamento” para os potenciais compradores.

Nova vida de velhos projéteis da empresa Kompas

Veja imagens da Feira clique para ampliar

Entre os objetos expostos nos pavilhões merece atenção especial a exposição da empresa Kompas, na qual, entre outras coisas, estão demonstrados conjuntos de orientação de precisão Glonass/GPS. Estes dispositivos permitem atualizar velhos projéteis de artilharia, morteiros, e foguetes não guiados, transformando-os em armas guiadas com precisão.

Veja mais fotos da Russia Arms Expo 2013

O conjunto é um módulo que inclui uma unidade de controle, um recetor do sistema de navegação por satélite, e pequenas “asas” como têm os mísseis, ativadas durante o lançamento. O módulo é montado na cabeça do projétil ou morteiro, no lugar do detonador regular. O desenvolvimento deste conjunto começou no âmbito do programa Dinamika ainda no final dos anos 2000, mas uma demonstração pública com modelos reais é realizada pela primeira vez.

Ao contrário dos mísseis guiados tradicionais com sistema de orientação a laser, um projétil equipado com um tal conjunto não depende das condições climáticas e não necessita de iluminação exterior do alvo, o que permite atingir rapidamente alvos isolados com coordenadas conhecidas. O provável desvio do alvo de tais projéteis modernizados é de 3-5 metros, uma ordem superior a precisão dos projéteis não guiados tradicionais.

Mira de tanque com matriz russa

Entre outros modelos de equipamentos merece uma menção especial o sistema de mira de tanque Agat-MDT, que permite detetar alvos na escuridão total a uma distância de até quatro quilômetros. O interesse nesta mira desenvolvida pela usina Zverev de Krasnogorsk (KMZ, na sigla russa) é devido ao fato de que ela foi criada com base em elementos de produção russa. A base do Agat é uma matriz da empresa russa Orion com uma resolução de 640×512 pixéis. Essas características colocam o Agat ao nível dos produtos da empresa francesa Thales, que atualmente são instalados nos tanques T-90 – tanto para o Exército russo como para exportação.

No entanto, o Agat-MDT em sua forma atual é apenas uma etapa intermédia no caminho para a criação de miras mais avançadas de visão térmica, inclusive as que serão instaladas nas máquinas das famílias Armata, Kurganets e Bumerang. A criação da mira Agat-MDT permite no mínimo reduzir o tradicional atraso de desenvolvimentos russos nesta área sensível e abre perspetivas de desenvolvimento de produtos eletrônicos militares russos. Em caso de sucesso, os desenvolvedores russos de sistemas optoeletrônicos ganharão a independência que lhes permitirá sobreviver em condições de mercado sem o apoio permanente do Estado.

Os fatos citados são de responsabilidade do autor.

Terminator 2 Mais letal, mais terrível
RAE 2013 (1)
Rustam& Edilson
A feira também foi palco da estréia de surpresas como o veículo de combate urbano Terminator 2, que debutou no evento surpreendendo muitos dos participantes.
O Terminator 2 foi desenvolvido pela fabricante russa Uralvagonzavod e é uma evolução do seu antecessor Terminator, desenvolvido para contra insurgência em combate urbano. A nova variante consegue engajar alvos a qualquer altura em ambientes fechados e atingir alvos a 6km de distância, sobre quaisquer condição climáticas ou de terreno.
 O Novo Terminator 2 reduziu  a tripulação necessária de 5 para a versão para apenas 3 tripulantes, devido a uma maior automação nos sistemas.Na ocasião da feira o vice primeiro-ministro russo, Dmitry Anatolyevich Medvedev chegou a elogiar a atuação e exibição do veículo.
RAE 2013 (6)
De acordo com os desenvolvedores do veículo, esta nova versão pode ser produzida para quaisquer operadores do veículo T-72, através de uma modernização e reconversão dos veículos velhos para este padrão, o que reduz significativamente os custos de produção.
O Terminator 2 possui um novo sistema de gerenciamento de  combate conectado a inúmeros sensores dispersos pelo carro, que permitem a tripulação detectar todas e quaisquer ameaças vindas de alvos ocultos através de paredes, vegetação e terreno. o sistema autônomo também aciona as contra medidas as ameaças como RPGs e armas de mão, IEDS entre outras. O veículo conta ainda com uma maior proteção para atorre que confere maior sobrevivência aos tripulantes e ao próprio veículo.
[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/18z5KWb” standard=”http://www.youtube.com/v/3MTdwRUQo6I?fs=1″ vars=”ytid=3MTdwRUQo6I&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep2156″ /]

Rússia apresenta novos sistemas de mira na RAE 2013

Russian Arms Expo 2013, RAE 2013, Nizhny Tagil, Rússia, Nizhny Taguil, Nizjny Taguil, optoeletrônica, Schwabe, Zverev

© Ilia Kramnin / Voz da Rússia

A fábrica Zverev (Krasnogorsk, região de Moscou) pertencente à holding Schwabe, que integra as principais empresas russas da indústria optoeletrônica, apresentou na exposição de armas Russia Arms Expo 2013 em Nizhny Tagil novos sistemas de mira para equipamentos pesados – Agat-MDT e Irbis-K.

Os complexos visam garantir a cobertura da área, busca, detecção, identificação e destruição de alvos, podendo ser usados em estado estacionário ou em movimento.
Fonte: Voz da Rússia

Categories
Defesa Mísseis Sistemas de Armas

Líbia recebe primeiras unidades do sistema Anti-carro de combate “Crisântemo-S”

Cristantemo-S (3)
Rustam (Moscou)

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

Leia Mais sobre em 

Exército russo aguarda testes com “Crisântemos”

A entrega ocorreu em 24 de setembro na base aérea de Mitiga. O evento contou com a presença do Chefe do Estado Maior, o general Abdel-Salam Jadallah Obeidi e o Chefe do Estado-Maior do Exército da Líbia, o general Yousef Abu Hajar, juntamente com o embaixador russo na Líbia, Ivan Hammers, e os representantes da delegação russa.
Cristantemo-S (1)
O “Crisântemo-S” é o sistema de mísseis  anti-carro mais moderno produzido pela indústria bélica Russa Kolomna KBM, que faz parte da holding Rostekhnadzor.

Cristantemo-S (2)

Construído sobre o chassi do novo veículo de combate de infantaria russo BMP-3 os lançadores móveis dos “Crisântemos” podem facilmente atingir na estrada uma velocidade de 70 km / h, bem como transpassar os rios e outros obstáculos de água.

National Transitional Council fighters f

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Defesa Opinião Sistemas de Armas

Alto secretariado da OTAN afirma que os helicópteros Russos são os mais confiáveis e tem prestado inestimáveis serviços no Afeganistão

Mi1713

Rustam (Moscou)

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

Segundo citação de Secretário Geral adjunto da OTAN em Bruxelas, o acordo firmado entre a OTAN e as empresas russas para fornecimento e repotencialização dos helicópteros Russos Mi 171 tem sido um sucesso. O secretário destaca ainda a facilidade de conversão de tripulações e pilotos e a confiabilidade das aeronaves em operações em condições adversas, proibitivas para outras aeronaves equivalentes.

Em 19 de setembro passado o Embaixador Alexander Vershbow, Secretário-Geral Adjunto da OTAN, destacou o sucesso da cooperação entre a Rússia e a OTAN nas oeprações de combate às drogas,  prestação de  serviços de transporte para os Estados membros da Força Internacional de Assistência e Segurança no Afeganistão e no fortalecimento da força aérea do país .

Mi 171 (1)

Em seguida, citando Anders Fogh Rasmussen, secretário geral da OTAN, Vershbow deu detalhes da contribuição russa para a reconstrução de frota de helicópteros e  do treinamento das forças militares Afegãs. Segundo ele, a ideia de trazer a Rússia para obter ajuda  nestas operações, foi inicialmente proposta por Rasmussen, que durante a sua visita à Rússia em 2010 e posteriormente ao Afeganistão, percebeu na época que as aeronaves necessitavam de  peças de reposição e de pessoal para as aeronaves Mi-17 e Mi -35.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/18yUskx” standard=”http://www.youtube.com/v/hrj9stcqYLQ?fs=1″ vars=”ytid=hrj9stcqYLQ&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep9561″ /]

A Rússia concordou em fornecer peças de helicópteros sobressalentes  à Força Aérea Afegã à preços baixos. Os Russos também concordaram em fornecer o treinamento para os especialistas afegãos na cede da Novosibirsk Aircraft Repair Plant. Através destes cursos  três grupos de dez pessoas (um total de 30 afegãos, o que representa 20% dos técnicos da Força Aérea do país) puderam se especializar na manutenção das aeronaves.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/18yUyIW” standard=”http://www.youtube.com/v/nTuDWPrpo1A?fs=1″ vars=”ytid=nTuDWPrpo1A&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep8162″ /]

Em abril de 2013, a Força Aérea do Afeganistão possuia 36 helicópteros Mi-17 e oito  Mi-35. Espera-se que até 2016 as agências de segurança afegãs terão em operação de mais 80 Mi-17.

Mi 171 (2)

Ambos os secretários destacam o cumprimento dos acordos pro parte dos Russos, e destacam que as aeronaves respondem hoje por cerca de 75% do transporte das forças Afegãs, especialmente em regiões proibitivas para modelos ocidentais devido as adversas condições de operação.

Segundo o Secretário hoje 50% das aeronaves são operadas por aviadores americanos e as aeronaves tem obtido índices de operacionalidade superiores aos ocidentais, o que os torna sem dúvidas as mais confiáveis de se operar naquela região.

Mi1713


Categories
Geopolítica

Petrobras confirma reservas de óleo em águas profundas no Sergipe

Sugestão: Barca

A Bacia Sergipe-Alagoas apresentou dados relevantes de acumulação de óleo próximo à costa. A informação foi confirmada nesta sexta-feira pela presidente da Petrobras, Graça Foster. De acordo com ela, não é possível ainda divulgar a quantidade, “mas tem bastante coisa”.

 “A Petrobras é muito zelosa e não confirma nenhum número. O que a gente diz é que se trata, de fato, de uma nova província petrolífera na Bacia Sergipe-Alagoas, bem em frente a Sergipe. É uma atividade que a gente iniciou há muitos anos, em 2008 veio a decisão de fazer uma investigação bastante detalhada e os resultados que a gente tem tido são muito bons”.

 De acordo com Graça, a produção já foi incluída na curva de óleo do Plano de Negócios e Gestão da empresa, com a previsão de entrada de 100 mil barris por dia em 2018, além de um volume de gás “relevante de fato”. Graça explica que em 2016 será iniciado um teste de longa duração no local.

 “Tudo indica que esse projeto seja tratado como um projeto integrado, com duas áreas colocadas em produção integrada, que são Muriú e Farfan. É algo em que nós já estamos em uma fase além da expectativa, porque já entrou no plano de negócios e os dados que vieram confirmam que se trata de descobertas relevantes, mais próximas da costa, com variação de 50 a 100 quilômetros da costa, são acumulações diferenciadas. É uma bela descoberta”.

 De acordo com a Petrobras, “a campanha de exploração em Sergipe apresentou 16 poços perfurados na área, sendo 13 portadores de hidrocarbonetos. Atualmente, as descobertas se encontram em fase de delimitação”.

Graça falou com a imprensa dentro das comemorações dos 60 anos da empresa e também abordou os projetos para as refinarias Premium 1 e 2 no Maranhão e no Ceará, que estão em fase de projeto para serem licitadas em março ou abril, a parceria com uma empresa chinesa para a Premium 1 e a construção da Abreu e Lima, em Pernambuco, que está com 80% pronto, e do Comperj, no Rio de Janeiro, com 60% concluído. Sobre o plano de eficiência, implantado há um ano, Graça disse que foi possível aumentar o refino em 196 mil barris por dia apenas com otimizações da produção.

 Sobre os 60 anos de Petrobras, Graça disse que a empresa está atualmente em uma situação que ela nunca imaginou que seria alcançada. “Eu vejo a Petrobras hoje, com 60 anos, eu estou nela há mais de 30 anos, nunca imaginei que chegaríamos a ter esse portfólio tão grande, com tantas oportunidades claras, objetivas e materiais. Com esse orçamento que exige uma dedicação muito grande no que se refere a disciplina de capital”.

 Graça informou que a empresa não vai precisar fazer novas captações no mercado este ano e que fechou o segundo trimestre com R$ 73 bilhões em caixa. A presidenta da Petrobras informa que estão para entrar em operação nove novas plataformas, algumas antes do prazo previsto, como a P58 e a P62.

Fonte: Terra

Categories
Defesa Sistemas de Armas Tecnologia Vídeo

TV Marinha: “Primeiro voo da aeronave “AF-1B” modernizada ”

AF-1M-580x386O primeiro voo da aeronave “AF-1B” modernizada foi realizado no dia 13 de agosto de 2013, na fábrica da Embraer Defesa & Segurança, em Gavião Peixoto, no interior de São Paulo. Esta é a primeira de 12 aeronaves que devem ser entregues à Marinha do Brasil até 2015. A aeronave foi desenvolvida para operar a partir de um navio-aeródromo, para a defesa aeroespacial das forças navais.
[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/1fPdTcj” standard=”http://www.youtube.com/v/BNxvVZH2j7w?fs=1″ vars=”ytid=BNxvVZH2j7w&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep8170″ /]
TV Marinha: Primeiro voo da aeronave AF-1B” modernizada
Em tempo, acesse também:
[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/1fPe1bC” standard=”http://www.youtube.com/v/Ls-QpVIkcnA?fs=1″ vars=”ytid=Ls-QpVIkcnA&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep5572″ /]
REAPARELHAMENTO – Mudanças na aeronave A-1 modernizada