Defesa & Geopolítica

Kerry comenta “intervenção” na Ucrânia e guerra com Irã

Posted by

Kerry comenta “intervenção” na Ucrânia e guerra com Irã

Foto: EPA

O secretário de Estado americano, John Kerry, qualificou como “agressão descarada” o reforço da proteção das bases russas na Crimeia.

Ucrânia quer repetir receita sérvia

“Não se pode invadir um outro país sob pretexto inventado de proteger seus próprios interesses”, disse Kerry em 3 de março em uma entrevista à NBC.

Este não foi um reconhecimento de que os métodos falsos e imprestáveis da execução de “companhias orientais” insensatas da América levaram à morte de milhares de seus cidadãos e de cidadãos dos países aliados pela OTAN em países distantes.

O secretário de Estado não lamentou o fato de, em resultado de intervenções americanas naqueles “outros países”, o balanço de civis mortos ter atingido centenas de milhares e o de refugiados – milhões.

Kerry não lamentou também a inutilidade de trilhões de dólares perdidos nas guerras no Afeganistão e no Iraque, que os contribuintes americanos terão de compensar ainda durante muitos anos.

A sua declaração sobre “agressão descarada”, feita no domingo passado, diz respeito aos atos da Frota do Mar Negro da Rússia, decorridos sem um único tiro e voltados para reforçar a proteção da ordem pública em torno das estruturas militares russas na Crimeia.

Um pouco antes, num encontro com jornalistas, Kerry comunicou: “Não penso que devem haver dúvidas de que qualquer tipo de intervenção militar que viola a integridade territorial soberana da Ucrânia, é um erro grande e fatal”. Naquela altura já foi conhecido que Moscou não estuda a possibilidade da divisão da Ucrânia e da anexação da Crimeia à Rússia. Naquela conversa, naturalmente, não foi mencionada a influência fatal da intervenção dos EUA e da OTAN na desintegração da Iugoslávia, Iraque e Líbia.

Não é segredo que o secretário de Estado americano dá regularmente avaliações estranhas à situação mundial em rápida evolução. Anteriormente, ele aludiu que o Pentágono continua a preparar-se para atacar o Irã. Em palavras de analistas americanos, John Kerry, como porta-voz da Casa Branca, “irá executar exatamente e sem quaisquer surpresas aquilo que lhe for dito e sempre irá seguir nitidamente o cenário antecipadamente composto”. Respectivamente, enquanto o cenário “ucraniano” incluía uma variante fantástica da agressão da Rússia contra a Ucrânia, Kerry, ao que tudo indica, irá citá-lo até que o texto não seja substituído”.

Esta particularidade foi notada em 2011 por Bret Stephens, do Wall Street Journal, ainda antes de Kerry ter sido nomeado secretário de Estado. “Um dia após a primeira manifestação maciça contra o regime, em 16 de março, John Kerry declarou que Assad ‘é um homem da palavra, que me tratava nobremente’. Mais tarde, regressando a Washington, ele chamou Assad de ‘caro amigo’. Mas dia 2 de setembro de 2013 Kerry recebeu outro texto e comparou ‘caro amigo’ com Hitler e Saddam Hussein”.

Há pouco aconteceu uma outra confusão perigosa. Anteriormente, Kerry havia referido indiretamente que o Pentágono continua a preparar-se para agredir o Irã. Como se sabe, a comunidade mundial já alcançou uma virada nas conversações com o Irã sobre o problema nuclear. Contudo, na semana passada, Kerry voltou a comunicar aos jornalistas sua visão da situação: “Avançámos a iniciativa e encabeçámos os esforços voltados para esclarecer, antes de começar a guerra, se for possível aqui uma solução pacífica”. Os próprios americanos ficaram perplexos: se ele diz ao país e ao mundo que a guerra com o Irã já se planifica e é inevitável ou simplesmente não entende que a situação mudou?

O costume de ver aquilo que se imagina em vez de ver as coisas reais é bom para um escritor, mas é perigoso para um diplomata.

Fonte: Voz da Rússia

10 Comments

shared on wplocker.com