Categories
Defesa Mísseis Sistemas de Armas

Sea Ceptor para a Nova Zelândia

O Ministério da Defesa da Nova Zelândia confirmou o sistema Sea Ceptor como o preferido para instalação no programa de modernização de suas fragatas, o que deverá se configurar no primeiro sucesso de exportação desse sistema da MBDA.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/16vyRtg” standard=”http://www.youtube.com/v/Vi-BsEJQ1t0?fs=1″ vars=”ytid=Vi-BsEJQ1t0&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep3476″ /]

O Sea Ceptor emprega o míssil CAMM (Common Anti-Air Modular Missile) — visto na ilustração da própria MBDA —, e já foi encomendado no dia 9 de setembro de 2013 pela Royal Navy para substituir o Seawolf a bordo das fragatas Type 23.

Fonte Segurança&Defesa

Categories
Defesa

Deslocamentos, em dois tempos, de blindados do Exército Brasileiro (EB) no Estado do Paraná

Exército-Brasileiro

Primeiro tempo (2008): Três sequências de levas de  comboios de blindados do Exército Brasileiro (EB) apresentados no Desfile Militar de 7 de setembro de 2008 em Curitiba, Paraná, compostos por M113, Tanques M60 e Canhões Autopropulsados 108 AP.  Primeira leva no primeiro 1:50 minuto, a segunda leva no segundo 1:26 minuto e a terceira leva nos últimos 54 segundos de um tempo total de 4:20 minutos de vídeo do YouTube.

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/16vrDW2″ standard=”http://www.youtube.com/v/z_peHkYN9UA?fs=1″ vars=”ytid=z_peHkYN9UA&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep3772″ /]
 M113, M60, M 108 do Exército Brasileiro (EB), Curitiba/PR – 2008

Segundo tempo (1999): Trem carregando comboio de M-113 do Exército Brasileiro (EB), de Guarapuava para Ponta Grossa , Paraná,  no ano de 1999, ainda pela extinta RFFSA, atual ALL .

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/16vrDp5″ standard=”http://www.youtube.com/v/56xYhTNB3Jc?fs=1″ vars=”ytid=56xYhTNB3Jc&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep2668″ /]
Trem carregando comboio de veículos M113 do Exército Brasileiro (EB) – Irati/PR – 1999

Categories
Defesa Geopolítica Sistemas de Armas

Novos mísseis para escudo nuclear da Rússia

014-1Ilia Kramnik

Os fatos citados são da responsabilidade do autor.

As tropas de mísseis estratégicos russas deverão receber em breve mísseis e ogivas RC-24 Yars e RC-26 Rubezh que irão substituir os aparelhos soviéticos antigos. Os novos mísseis são capazes de superar sistemas de defesa antiaérea modernos.

Manobra em todas as etapas

RT-2PM2_Topol-M-20

Uma característica-chave de novos complexos passa pela sua capacidade de manobra em todas as etapas de emprego. Na terra, os Yars semelhantes aos seus antecessores Topol e Topol-M de estacionamento móvel, estão protegidos melhor contra as armas de alta precisão que os sistemas de mísseis baseados em poços, cuja localização se conhece muito bem.

Na fase de lançamento, os Yars e os Rubezh levam uma certa vantagem: ganham a velocidade mais depressa e podem efetuar manobras limitadas no segmento ativo da trajetória.

Estas características vêm complicando a tarefa de intercepção em comparação com os mísseis balísticos intercontinentais baseados em poços. Além disso, para ambos as novas máquinas estão sendo projetadas blocos de manobra hipersônicos.

Os dispositivos facilitam a rotura definitiva da defesa antiaérea: será difícil interceptar tais alvos devido à elevada velocidade de queda do bloco combativo, a qual se estima em segundos. Ao mesmo tempo, a sua alta capacidade de manobra vem aumentando a probabilidade de falha do atirador. Com isso, não haverá, pelo visto, a segunda chance de fazer intercepção eficaz.

RT-2PMTopoltransporter1a_zpsf2635c74

Os Topol serão substituídos

Os complexos de mísseis RT-2PM Topol, conhecidos no Ocidente como RS-12M e designados pela OTAN de SS-25 Sickle, eram produzidos de 1984 a 1993, devendo passar à “reforma por idade”. O sistema RS-26 Rubezh deverá substituir os Topol, diferindo dos Yars por um alcance menor (supostamente 8-9 mil km versus 11 mil) e por preço baixo. Estes fatores, aliados ao aspecto tecnológico seguro, permitem lançar a produção em série dentro em breve e, juntamente com os Yars, garantir a substituição de antigos sistemas de fabricação soviética.

Atualmente, as tropas de mísseis estratégicos contam com 96 complexos de nova geração: um parque de 78 Topol-M e 18 Yars. Os mísseis projetados e produzidos na União Soviética – 50 unidades Voevoda (R-36M2), 50 unidades UR-100 e 170 Topols – constituem o grosso das Tropas de Mísseis Estratégicos (TME) da Rússia.

Nos próximos 15 anos, a Rússia irá produzir cerca de 200 mísseis de nova geração para as TME e cerca de 150 para a Marinha de Guerra a fim de substituir os antigos e preservar o potencial estratégico nuclear nos marcos do START-3. Os testes bem sucedidos de Yars e de Rubezh tornam reais tais planos.

 


Fonte: Voz da Rússia

Categories
Conflitos Defesa Geopolítica Negócios e serviços

Rússia fornecerá ao Irã S-300 modernizados

Rússia fornecerá ao Irã S-300 modernizados

A Rússia e o Irã irão retomar as negociações sobre o fornecimento de sistemas de mísseis, informa o jornal russo Nezavisimaya Gazeta.

No entanto, de acordo com uma fonte militar da edição, em vez dos S-300 PMU-1, o contrato para o fornecimento dos quais já foi assinado, mas não foi cumprido, a Rússia poderá fornecer ao Irã os sistemas de mísseis de defesa aérea mais modernos.

Trata-se dos complexos S-300VM Antei-2500. Teerã está pronto para desistir de pretensões financeiras contra a Rússia, que surgiram após o cancelamento do contrato anterior, no caso da retomada das negociações sobre o fornecimento dos complexos.

Anteriormente, as informações similares tinham aparecido na mídia, no entanto, o Kremlin os refutara quase imediatamente.

Fonte: Voz da Rússia

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Defesa Negócios e serviços Sistemas de Armas

RUWAS o novo UCAV da Agusta/Westland?

aw-uas
AW-RUWAS

Exibido com surpresa para todos os partcipantes da Defense Service Equipament Internetional  (DSEI) exposição aeroespacial realizada em Londres. O Curioso, é que o conceito do UAV Anglo Italiano RUWAS, passou desapercebido pela mídia internacional, especialmente no Brasil, onde sequer uma nota foi lançada em referência ao modelo.

No estande da Finmeccanica um dos elementos mais atraentes da exposição era a  imagem de uma aeronave  denominada RWUAS, um helicóptero não tripulado realizando uma série de tarefas ao redor do campo de batalha com cargas de armas, realizando missões de recolha de informações, chama a atenção, notar ao fundo fragatas coreanas KDXII (provável cliente?).

Ao que parece, a aeronave exibida no estande se assemelha ao novo AW169, porém se notarmos o rotor de cauda ficaremos com a impressão de ele não corresponde a nenhum produto atual na linha de família AgustaWestland. A empresa está desenvolvendo um monomotor, um  helicóptero 2,5 toneladas em conjunto com as empresas russas segundo acordo firmado recentemente em Moscou na MAKS 2013.

Uma aeronave de 2,5 toneladas seria, evidentemente, um tamanho razoável para esse tipo de aeronave.

Funcionários da empresa afirmaram que a aeronave era simplesmente a impressão de um artista e, é claro, é possível que a aeronave é simplesmente uma invenção da imaginação de um designer, mas na maioria das vezes, esses projetos são muitas vezes baseadas na realidade.

PZL SW-4
PZL SW-4

A AgustaWestland tem garantido  £ 2.400.000 em um contrato  para desenvolver um conceito UAS de asa rotativa para operações marítimas, a empresa trabalha em conjunto com a PolonesaPZL-Swidnik-built numa variante da aeronave SW-4 Solo para o Demonstrator Concept Capability (CCD). A empresa revelou um plano para desenvolver uma aeronave não-tripulada baseada no SW-4 em 2012.

Categories
Conflitos Geopolítica Opinião

¿Nuevo Jueves Negro en Wall Street?

TheJokerMyCardGERMÁN GORRAIZ LOPEZ

El enconamiento visceral de demócratas y republicanos en EEUU  podría hacer que no se alcanzara el necesario acuerdo para elevar el techo de deuda de EEUU y así evitar “in extemis” la suspensión de pagos, con lo que se podría repetir el jueves negro de Wall Street (crash bursátil del 24 octubre de 1.929), estallido que por mimetismo se extenderá a todas las Bolsas mundiales y provocará la consiguiente inanición financiera de las empresas y la subsiguiente devaluación de sus monedas nacionales  para incrementar sus exportaciones.Dicho crash bursátil tendrá como efectos benéficos el obligar a las compañías a redefinir estrategias, ajustar estructuras, restaurar sus finanzas y restablecer su crédito ante el mercado (como ocurrió el viernes negro de Wall Street) y como daños colaterales la ruina de millones de pequeños inversores todavía deslumbrados por las luces de la estratosfera, la inanición financiera de las empresas y el consecuente efecto dominó en la declaración de quiebras con tasas de paro desconocidas desde el 2009.

Asimismo, asistiremos al finiquito del consumismo compulsivo imperante en la pasada década debido a las  tasas de paro galopantes y a la pérdida del poder adquisitivo de los trabajadores, lo que  unido al deterioro progresivo de sus condiciones laborales provocará frecuentes estallidos de conflictividad laboral y la agudización de la fractura social, quedando diluidos los efectos benéficos de las pretéritas medidas sociales de Papá Estado al darse por finiquitado el estado asistencial.  Finalmente, el escenario post-batalla se terminará de dibujar con unos incrementos espectaculares del déficit Público y de la Deuda Externa y el estancamiento de la crisis económica mundial, lo que representará el retorno al proteccionismo, la consiguiente contracción del comercio mundial, el subsiguiente finiquito a la globalización económica y el retorno a escenarios económicos de compartimentos estancos.

En cuanto a los países emergenes (BRICS, México, Corea del Sur y Tigres asiáticos), sufrirán un severo estancamiento de sus economías, no siendo descartable su entrada en recesión tras un decenio espectacular con tasas de crecimiento superiores a los dos dígitos, debido a la brutal constricción de las exportaciones por la contracción del consumo mundial y a la elevación de los parámetros de calidad exigidos por los países del Primer Mundo que obligará a los países emergentes a adoptar leyes laborales y medioambientales más estrictas, lo que conllevará la aparición de los primeros Déficit por cuenta corriente. Asimismo, deberán padecer tasas de inflación desbocadas, debido al rally alcista de los precios del crudo y a la necesidad imperiosa de importar cantidades ingentes de alimentos para abastecer a sus habitantes ante la alarmante carestía de productos agrícolas básicos para su alimentación, lo que acelerará la agudización de la fractura social, el incremento de la inestabilidad social y un severo retroceso de sus incipientes libertades democráticas .

Respecto a los países del Tercer mundo, el estrangulamiento de sus exportaciones y la depreciación generalizada de sus monedas a causa de la severa crisis económica global plasmada en la contracción de la demanda mundial de materias, obligará a una gran parte de su población a vivir por debajo del umbral de la pobreza al sufrir tasas de inflación desbocadas cercanas a los dos dígitos e incrementos espectaculares de la Deuda Exterior.

Así, el cambio de patrones de consumo de los países emergentes, el rally alcista de los precios del crudo (rondando los 110 $) aunado con inusuales sequías e inundaciones y la aplicación de restricciones a la exportación de los principales graneros mundiales para asegurar su auto-abastecimiento podría provocar el desabastecimiento en los mercados mundiales de productos agrícolas básicos para la alimentación (trigo, maíz, mijo, sorgo y arroz) , elevar sus precios hasta niveles estratosféricos y provocar una nueva crisis alimentaria mundial.Dicha crisis irá “in crescendo” hasta alcanzar su cenit en el horizonte del 2.016 y afectará especialmente a las Antillas, América Central, México, Colombia, Venezuela, Egipto, Corea de Norte, India, China, Bangladesh , Sudeste Asiático y Este de Europa, ensañándose con especial virulencia con el África Subsahariana y pudiendo pasar la población atrapada en la hambruna de los 1.000 millones actuales a los 2.000 millones estimados por los analistas.
GERMÁN GORRAIZ LOPEZ- Analista

Categories
Defesa Negócios e serviços

A Guerra não acabou! “F-X2: Lobby turbinado da Boeing em Brasília (DF)”

Donna-Hrinak

“A presidente da Boeing no Brasil, Donna Hrinak, refez a sua estratégia com o slogan: “Boeing e Brasil. Oportunidades infinitas”, reuniu-se com dois ministros de estado, além de solicitar uma audiência com a Presidente da República, Dilma Rousseff.

Será que dessa vez bater-se-á o martelo?


F-X2: Lobby turbinado da Boeing
A Boeing teme que a revelação de que o governo brasileiro foi alvo de espionagem dos Estados Unidos possa prejudicá-la na concorrência para a compra de 36 caças para a Força Aérea Brasileira, projeto orçado em 10 bilhões de reais no qual ela participa com o modelo F-18 Super Hornet.

Para tentar reverter a desvantagem, a fabricante americana reforçou seu lobby.

A presidente da empresa no Brasil, Donna Hrinak, reuniu-se nas últimas semanas com dois ministros e solicitou uma audiência com Dilma Rousseff.

Uma réplica da aeronave será exibida a empresários no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP).

E uma campanha publicitária foi lançada, com outdoors espalhados por Brasília com o tema: “Boeing e Brasil. Oportunidades infinitas”.

Fonte: Veja via Defesa Aérea & Naval (DAN) 

Categories
Conflitos Geopolítica

Universitário se recusa a fazer trabalho sobre Marx e escreve carta

João Victor Gasparino da SilvaJovem diz que foi uma forma de protesto por universidade sem doutrinação.

Universidade na qual ele estuda não vai ser pronunciar sobre o caso.

Por Géssica Valentini

Do G1 SC, 02/10/2013

Um estudante universitário de Santa Catarina se recusou a fazer um trabalho sobre o cientista político e economista alemão Karl Marx e resolveu escrever uma carta ao professor do curso de Relações Internacionais e divulgar o conteúdo na internet.

A carta, segundo João Victor Gasparino da Silva, de 22 anos, foi uma forma de protestar. “Queria uma universidade com o mesmo espaço para todas as ideias e ideologias, sem proselitismo, sem doutrinação”, explicou. A Universidade do Vale do Itajaí (Univali), na qual o jovem estuda, disse que não vai se pronunciar sobre o assunto.

Segundo João Victor, que estuda Relações Internacionais, o pedido do professor foi para que os estudantes respondessem três questões sobre a teoria de Marx.

Ele contou que chegou a pensar em responder de forma neutra, mas mudou de ideia. “Algo me segurava, nem cheguei a considerar dar a minha opinião no trabalho. Até que veio a ideia da carta”, disse.

Conforme o estudante, o protesto não foi contra o professor, mas foi uma forma de demonstrar descontentamento em relação à academia. “Faz tempo que estou indignado com o que vem acontecendo em nosso país. Os meios acadêmicos e culturais cada vez mais fechados, os intelectuais de direita cada vez mais lançados ao ostracismo. Resolvi ser a voz de brasileiros que não encontravam espaço para se manifestar, seja por falta de meios, seja pelo próprio medo”, disse.

Ao escrever a carta, o estudante disse que já sabia que iria divulgar na internet, não seria apenas destinada ao professor da disciplina. “Uma amiga blogueira do Maranhão sugeriu divulgar na internet, ela se encarregou disso.Se nosso país realmente tivesse um meio acadêmico e cultural ideologicamente equilibrado, não seria tão necessária esta carta“, argumentou.

Confira abaixo a íntegra da carta


Caro professor,

Como o senhor deve saber, eu repudio o filósofo Karl Marx e tudo o que ele representa e representou na história da humanidade, sendo um profundo exercício de resistência estomacal falar ou ouvir sobre ele por mais de meia hora. Aproveito através deste trabalho, não para seguir as questões que o senhor estipulou para a turma, mas para expor de forma livre minha crítica ao marxismo, e suas ramificações e influências mundo afora. Quero começar falando sobre a pressão psicológica que é, para uma pessoa defensora dos ideais liberais e democráticos, ter que falar sobre o teórico em questão de uma forma imparcial, sem fazer justiça com as próprias palavras.

Me é uma pressão terrível, escrever sobre Marx e sua ideologia nefasta, enquanto em nosso país o marxismo cultural, de Antonio Gramsci, encontra seu estágio mais avançado no mundo ocidental, vendo a cada dia, um governo comunista e autoritário rasgar a Constituição e destruir a democracia, sendo que foram estes os meios que chegaram ao poder, e até hoje se declararem como defensores supremos dos mesmos ideais, no Brasil. Outros reflexos disso, a criminalidade descontrolada, a epidemia das drogas cujo consumo só cresce (São aliados das FARCs), a crise de valores morais, destruição do belo como alicerce da arte (funk e outras coisas), desrespeito aos mais velhos, etc. Tudo isso sintomas da revolução gramscista em curso no Brasil. A revolução leninista está para o estupro, assim como a gramscista está para a sedução, ou seja, se no passado o comunismo chegou ao poder através de uma revolução armada, hoje ele buscar chegar por dentro da sociedade, moldando os cidadãos para pensarem como socialistas, e assim tomar o poder. Fazem isso através da educação, o velho e ‘’bom’’ Paulo Freire, que chamam de ‘’educação libertadora’’ ou ‘’pedagogia do oprimido’’, aplicando ao ensino, desde o infantil, a questão da luta de classes, sendo assim os brasileiros sofrem lavagem cerebral marxista desde os primeiros anos de vida. Em nosso país, os meios culturais, acadêmicos, midiáticos e artísticos são monopolizados pela esquerda a meio século, na universidade é quase uma luta pela sobrevivência ser de direita.

Agora gostaria de falar sobre as consequências físicas da ideologia marxista no mundo, as nações que sofreram sob regimes comunistas, todos eles genocidas, que apenas trouxeram miséria e morte para os seus povos. O professor já sabe do ocorrido em países como URSS, China, Coréia do Norte, Romênia e Cuba, dentre outros, mas gostaria de falar sobre um caso específico, o Camboja, que tive o prazer de visitar em 2010. Esta pequena nação do Sudeste Asiático talvez tenha testemunhado o maior terror que os psicopatas comunistas já foram capazes de infligir sobre a humanidade, primeiro esvaziaram os centros urbanos e transferiram toda a população para as zonas rurais. As estatísticas apontam para uma porcentagem de entre 21% a 25% da população morta por fome, doenças, cansaço, maus-tratos, desidratação e assassinadas compulsoriamente em campos de concentração no interior. Crianças também não escaparam, separadas dos pais, foram treinadas para serem ‘’vigias da Revolução’’, denunciando os próprios familiares, quando estes cometiam ‘’crimes contra a Revolução’’. Quais eram os crimes? Desde roubar uma saca de arroz para não morrer de fome, ou um pouco de água potável, até o fato de ser alfabetizado, ou usar óculos, suposto sinal de uma instrução elevada. Os castigos e formas de extermínio, mais uma vez preciso de uma resistência estomacal, incluíam lançar bebês recém-nascidos para o alto, e apanhá-los no ar, utilizando a baioneta do rifle, sim, isso mesmo, a baioneta contra um recém-nascido indefeso.

Bem, com isto, acho que meu manifesto é suficiente, para expor meu repúdio ao simples citar de Marx e tudo o que ele representa. Diante de um mundo, e particularmente o Brasil, em que comunistas são ovacionados como os verdadeiros defensores dos pobres e da liberdade, me sinto obrigado a me manifestar dessa maneira, pois ele está aí ainda, assombrando este mundo sofrido.

Para concluir gostaria de citar o decálogo de Lenin:

1. Corrompa a juventude e dê-lhe liberdade sexual;
2. Infiltre e depois controle todos os veículos de comunicação em massa;
3. Divida a população em grupos antagônicos, incitando-os a discussões sobre assuntos sociais;
4. Destrua a confiança do povo em seus líderes;
5. Fale sempre sobre Democracia e em Estado de Direito mas, tão logo haja oportunidade, assuma o Poder sem nenhum escrúpulo
6. Colabore para o esbanjamento do dinheiro público; coloque em descrédito a imagem do País, especialmente no Exterior e provoque o pânico e o desassossego na população;
7. Promova greves, mesmo ilegais, nas indústrias vitais do País;
8. Promova distúrbios e contribua para que as autoridades constituídas não as coíbam;
9. Contribua para a derrocada dos valores morais, da honestidade e da crença nas promessas dos governantes, nossos parlamentares infiltrados nos partidos democráticos devem acusar os não-comunistas, obrigando-os, sem pena de expô-los ao ridículo, a votar somente no que for de interesse da causa;
10. Procure catalogar todos aqueles que possuam armas de fogo, para que elas sejam confiscadas no momento oportuno, tornando impossível qualquer resistência à causa.

Obrigado, caro professor, pela compreensão.

Ass.:  João Victor Gasparino da Silva

Fonte: G1 

Em tempo, leia também:

Requião: Esquerda brasileira foi abduzida pelo pragmatismo

 

Discurso do senador Roberto Requião (PMDB/PR) feito no dia 30/03/2012 no Senado da República

Faz quase um ano que morreu, em Paris, o militante e escritor espanhol Jorge Semprún. Ele foi um dos intelectuais e dirigentes políticos mais fascinantes do século passado e início deste. Lutou na Guerra Civil Espanhola, contra os fascistas; participou da Resistência Francesa, contra o nazismo; conheceu os horrores dos campos de concentração de Hitler, ao ficar preso em Buchenwald. E, por muitos anos, correndo o risco da prisão, tortura e morte foi o principal dirigente clandestino do Partido Comunista na Espanha ditatorial do generalíssimo Franco.

Quando já estava no fim da vida, perguntam a Semprún se se arrependia de alguma coisa.

Ele mesmo formula a pergunta e responde:

“Arrependo-me e renego ter sido militante do comunismo estalinista? Não. Creio que naquele momento havia uma justificativa para tal”.

“Arrependo-me de não haver saído do Partido Comunistas em 1956, ano dos movimentos anti-estalinistas populares na Polônia e na Hungria? Não. Porque sou espanhol. Se fosse francês, teria sido o momento de romper. Mas na Espanha, quaisquer que fossem os crimes de Stalin, lutar com o Partido Comunista contra Franco valia a pena”.

Por fim, querem saber se a palavra-de-ordem “o bem é roubar o pão e reparti-lo bem”, usada pelos prisioneiros de Buchenwald, continuava válida. Ele responde. “Não. Essa fórmula não a repetiria hoje. No entanto, o bem, desde sempre, é repartir. E é possível repartir melhor. O absurdo da situação é que se pode repartir melhor”. E não se faz.

Essas reflexões finais de Jorge Semprún deveriam dar o que pensar a todos os que se dizem de esquerda em nosso país, especialmente ao partido que, com frequência, reivindica, se não o monopólio, pelos menos a co-autoria da posição.

Fonte: VIOMUNDO 

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Brasil Defesa em Arte

Sábado Aéreo na Base Aérea de Brasília

Portões Abertos da Base Aérea de Brasília
Portões Abertos da Base Aérea de Brasília

Como tradicionalmente ocorre todos os anos, a Base Aérea de Brasília teve seu evento de Portões Abertos no sábado dia 07.

Com o reforço da presença de alguns dos expositores da II BID Brasil, que ainda estavam situados no Hangar do CAN (Correio Aéreo Nacional) os visitantes puderam ver além dos aviões alguns dos produtos de nossa indústria de defesa.

A edição desse ano contou com a presença de helicópteros da FAB (Super Puma) e do Exército (EC-725), além da exposição das aeronaves do GTE (o ACJ319 – Santos Dumont e Emb-190 – Augusto Severo) um A-319 da companhia Aérea Avianca, além de outras aeronaves como helicóptero Esquilo do Detran-DF e uma aeronave de combate a incêndio do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal e diversas presenças de aeronaves do aeroclube local.

R-99
R-99

Na parte das aeronaves de combate tivemos a presença de Super Tucano e Mirage 2000 além de um Super Tucano da Esquadrilha da Fumaça e também uma aeronave P-3AM e um R-99. Quanto as aeronaves de transporte a presença foi garantida por um C-130M, além de outras aeronaves do GTE.

Curiosidades do Evento ficaram com a presença de um modelo do Demoiselle que efetuou um vôo demonstrativo no final do dia e duas aeronaves Clássicas como um Antonov An-2 e a presença do Exército Brasileiro, com alguns veículos além de veículos antigos e novos expostos.

Antonov An-2
Antonov An-2

Dentro do hangar, diversos expositores como clube de modelismo, esquadrões da força e escolas de aviação além de uma participação interessante da Fazenda a Aeronáutica fazendo a exposição de seus produtos.

Momentos importantes de Portões Abertos ficaram com as passagens de Aeronaves T-27 Tucano, com a demonstração de Paraquedistas do Exército pulando de um C-95 Bandeirante e por último com a simulação de um resgate efetuado apartir de um Super Puma do 3º Esquadrão do 8º Grupo de Aviação. O Mirage 2000 roubou a cena fazendo duas passagens sobre a área do evento, marcando sua despedida.

Mirage 2000C
Mirage 2000C

O público teve boa presença no evento, mesmo com o clima nublado e chuvoso e a ausência da Esquadrilha da Fumaça.

Além disso foi possível ver um Fokker F.28 Mk.1000 da Força Aérea Argentina, um visitante próximo ao hangar do GTE.

Visitante argentino
Visitante argentino

Fiquem agora com uma galeria com algumas das imagens do evento: