Defesa & Geopolítica

Novo Congresso dos EUA deve focar América Latina

Posted by

ANDREA MURTA
DE WASHINGTON

O Congresso americano que será inaugurado em janeiro promete novas disputas na discussão da política externa americana. E, ao que tudo indica, a América Latina estará sob holofotes mais fortes –e sob mais pressão.

Republicanos que dominarão a Câmara dos Representantes levarão alguns de seus membros mais linha-dura e conservadores para lideranças das comissões e subcomissões da área.

Por um lado, o controle republicano traz chance de avanço em pontos importantes, como nos tratados de livre comércio. Acordos com Panamá e Colômbia, parados há anos, têm mais chances de ser aprovados agora.

Por outro, a retórica certamente ficará mais ácida.

Um dos principais nomes em ascensão após a vitória republicana de novembro é o de Ileana Ros-Lehtinen, que chefiará a Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Ela nasceu em Cuba e representa o sul da Flórida, região de forte eleitorado anticastrista e de lobby poderoso contra as esquerdas latinas.

Ros-Lehtinen já mostra há anos interesse forte na América Latina e provavelmente lhe dará atenção maior do que a do antigo líder democrata da comissão, Howard Berman, que privilegiava Oriente Médio e Ásia.

Mas progressistas estão em alerta. “Ela é louca”, disse à Folha Larry Birns, diretor do think tank Council on Hemispheric Affairs. “Chegou a dizer que não se importaria em ver certos venezuelanos assassinados.”

O foco na região será fortalecido por Connie Mack, também da Flórida, que assume a subcomissão para o Hemisfério Ocidental. Ele é descrito como “arquiconservador”, diz Peter Hakim, presidente emérito do think tank Diálogo Interamericano.

CONCESSÕES

Hakim aponta que os republicanos, se não serão capazes de ditar a política externa –já que democratas seguem no poder na Casa Branca e no Senado–, estarão em posição para “determinar o tema e o momento de audiências e investigações”.

A julgar pela história recente do Capitólio, a Venezuela será o primeiro alvo.

Ros-Lehtinen já deixou claro que pressionará a Casa Branca para endurecer a posição em relação a Caracas. E Mack se destaca como uma das principais vozes anti-Hugo Chávez de Washington.

Republicanos também terão capacidade para bloquear as poucas e modestas propostas que o governo do presidente Barack Obama ofereceu para a região até agora, como o leve afrouxamento das restrições a Cuba.

“Se Obama mantiver essa postura de concessões a oposição, vai abrir espaço para extremistas como o senador Jim DeMint [republicano da Carolina do Sul]”, diz Birns.

DeMint é um expoente do movimento ultraconservador Tea Party e, entre outras posições polêmicas, apoiou o golpe em Honduras e emperrou por meses a nomeação do embaixador americano no Brasil, Thomas Shannon.

E há incógnitas, como nas políticas de defesa para o continente. Enquanto favorecem posições militaristas fortes, por exemplo na Colômbia, republicanos que prometem cortar gastos públicos poderão hesitar em manter recursos para algumas iniciativas.

Fonte:  Folha

25 Comments

shared on wplocker.com