Defesa & Geopolítica

Em tempo, CERN: “Brasil (da Ilha da Fantasia), é um buraco negro”

Posted by

avestruz“Lamentável…Já passamos vergonha com a falta de cumprimento de contrato na ISS, agora isso.” Guilherme Amorim (comentário feito ao Blog Forças Terrestres em 9 de outubro de 2013 às 13:59 horas)

“Jamais perdemos uma oportunidade de perder uma oportunidade.” Vader (comentário feito ao Blog Forças Terrestres em 9 de outubro de 2013 às 13:28 horas)

Para diretor de centro europeu nuclear, País é um buraco negro

Para Rolf Heuer, demora do Brasil para aderir ao Cern éincompreensível; carta de intenções foi formalizada há três anos

Jamil Chade, Correspondente / GENEBRA – O Estado de S.Paulo

O governo brasileiro caiu em desgraça no maior laboratório de física do mundo, depois de arrastar por três anos a adesão do País ao Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern), sede do principal experimento da física na história: o acelerador de partículas.

“É um buraco negro, declarou ao Estado o diretor da instituição, Rolf Heuer, ao ser questionado sobre o Brasil e sua adesão à entidade. “Você sabe o que é um buraco negro?, ironizou Heuer, fazendo um jogo de palavras entre o que seu laboratório estuda e o comportamento do governo. “É incompreensível a demora do Brasil em apresentar a documentação, disse.

Há três anos, diplomatas brasileiros mediaram a assinatura de uma carta de intenções entre o Ministério da Ciência e Tecnologia e o Cern. O Cern convocou seu conselho e autorizou a entrada do Brasil, a um custo anual de US$ 10 milhões. O evento foi comemorado como o primeiro passo para o ingresso do País no centro. Mas, desde então, nada ocorreu. O então ministro da Ciência, Aloizio Mercadante, visitou Genebra e prometeu acelerar o processo. A direção do Cern entendeu a visita como um sinal de que o processo avançaria. Mais uma vez, nada ocorreu.

O diretor deixou claro que, com o governo fora do Cern, as empresas nacionais não poderão participar da licitação de peças e serviços que o acelerador de partículas lançará. Segundo Heuer, para que o Brasil consiga a adesão neste ano, a documentação deve ser enviada até novembro. Em dezembro, ocorrerá reunião do conselho que autoriza novas entradas.

Fonte: Estadão (http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,para-diretor-de-centro-europeu-nuclear-pais-e-um-buraco-negro,1083245,0.htm)

Em tempo, leia também:

Brasil está fora do projeto da Estação Espacial (ISS)

Conselheiro da Nasa afirma que País deixou “gosto ruim” por atrasos e envio de astronauta

Herton Escobar,

BOSTON

O Brasil está fora do projeto de construção da Estação Espacial Internacional (ISS). Após quase dez anos de participação, mas sem nunca ter contribuído com um único parafuso para o programa, o País perdeu definitivamente a chance de assinar seu nome na lista de fabricantes da base orbital. Segundo o especialista John Logsdon, diretor do Instituto de Políticas Espaciais da Universidade George Washington e membro do Comitê de Conselho da Nasa, “já é tarde demais para o Brasil fazer qualquer coisa, a não ser tornar-se um usuário da estação”.

“Apesar de ser improvável que a Nasa vá tomar qualquer atitude formal para cancelar seu contrato com a Agência Espacial Brasileira, o Brasil não aparece mais em seus documentos como um contribuinte da ISS”, disse Logsdon, em entrevista ao Estado. “Na prática, portanto, o Brasil não faz mais parte da parceria da estação.”

Após uma série de atrasos e complicações causadas pelo acidente com o ônibus espacial Columbia, em 2003, a meta do consórcio internacional da ISS, formado por 16 países (agora 15), é concluir a montagem da estação até 2010. O Brasil entrou para o projeto em outubro de 1997, incumbido da produção de seis peças, no valor de US$ 120 milhões – um acordo que se mostrou muito além da capacidade orçamentária da Agência Espacial Brasileira (AEB).

Em troca da produção das peças, o País ganharia direitos de utilização da base para o envio de experimentos científicos e de um astronauta brasileiro por tempo predeterminado. O contrato foi revisto e reduzido significativamente ao longo dos anos. Nada jamais foi construído.

Procurada pela reportagem, a AEB não negou as declarações de Logsdon. Em vez disso, anunciou planos para uma parceria ainda mais ampla com a Nasa. “A Agência Espacial Brasileira e o Itamaraty estão iniciando negociações com a Nasa e o Departamento de Estado Norte-Americano para uma nova etapa no relacionamento de cooperação entre Brasil e Estados Unidos, que teve, em certo momento, um abalo por conta do problema da participação americana em Alcântara (veto do Congresso Nacional ao possível acordo de utilização americana da base)”, informou a agência, por meio de sua Assessoria de Comunicação.

“O interesse da AEB não é de participação apenas no projeto da ISS, mas de uma cooperação bem maior, abrangente. Que poderá até incluir a ISS, mas deverá ter um escopo maior. Brasil e EUA têm se aproximado mais ultimamente e os termos de um novo acordo podem ser mais amplos”, conclui a nota.

Na avaliação de Logsdon, porém, a incapacidade do Brasil de cumprir seus compromissos na estação deixou “um gosto ruim” na boca da Nasa, que pode dificultar futuras parcerias. A decisão de fazer o vôo do astronauta Marcos Pontes com a Rússia, em vez de com os EUA, também teria deixado uma má impressão, segundo ele (leia detalhes na entrevista abaixo).

PARTICIPAÇÃO PÍFIA

O Brasil foi desde o início um parceiro minoritário dentro da ISS. Mesmo as peças originalmente encomendadas ao País não eram cruciais para a estação, como plataformas para transporte e colocação de experimentos no exterior da base.

Agora, pressionada por seus próprios atrasos e limitações orçamentárias, a Nasa está numa corrida contra o tempo. A versão final da estação, de fato, deverá ser bastante reduzida em relação ao projeto original.

“Se é algo que ainda está nos planos da estação, os EUA vão construir”, disse Logsdon. A conclusão da ISS até 2010 – ano em que os ônibus espaciais deverão ser aposentados – é o primeiro passo dentro de um plano maior de exploração do sistema solar, que inclui a construção de uma base lunar até 2020.

Com relação ao Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, os EUA não têm mais interesse na base. Os países assinaram um acordo em 2000 que previa o uso do centro pelos americanos para o lançamento de foguetes espaciais. O contrato nunca foi ratificado pelo Congresso brasileiro. “Isso era quando se achava que haveria vários lançamentos de satélites por semana e outras fantasias do tipo”, afirmou Logsdon.

DÓLARES NO ESPAÇO

US$ 120 milhões – seriam investidos pelo Brasil na Estação Espacial Internacional, segundo o primeiro acordo firmado com a Nasa, em 1997

US$ 8 milhões – seriam gastos pelo País após uma renegociação com a Nasa em 2003, já que o primeiro acordo não foi cumprido

US$ 10 milhões – foi o custo do envio do astronauta Marcos Pontes para a ISS no ano passado, pagos para a Rússia – ainda que a viagem tivesse sido contemplada no acordo entre o governo brasileiro e a Nasa

Entrevista

Participação brasileira foi um fracasso

John Logsdon: diretor do Instituto de Políticas Espaciais da Universidade George Washington

Especialista diz que País mostrou entusiasmo, mas não conseguiu cumprir compromissos e resolveu fazer vôo de Marcos Pontes

BOSTON

Já é tarde demais para o Brasil ter papel relevante na Estação Espacial Internacional (ISS). Pode ser usuário, mas só se tiver “bons projetos” para propor. É assim que John Logsdon, membro do Comitê de Conselho da Nasa, avalia as perspectivas do País de eventual envolvimento com os trabalhos da ISS. Não há razão para desistir de cooperação futura, porém. “O Brasil está com o olho roxo, mas não foi nocauteado.” Abaixo, trechos da entrevista concedida ao Estado.

O Brasil entrou para o projeto de construção da ISS há dez anos e nunca construiu uma única peça. Seria justo classificar a participação do País como um fracasso?
Acho que sim. O País mostrou entusiasmo, mas não cumpriu nenhum dos compromissos que assumiu. Depois deu meia volta e decidiu fazer o vôo do astronauta (Marcos Pontes) com a Rússia.

A avaliação do Brasil era de que Pontes não teria mais chances de voar com a Nasa por causa dos atrasos causados com a tragédia da Columbia.
O vôo de um astronauta brasileiro estava diretamente ligado ao cumprimento dos compromissos na ISS. Certamente, o não-cumprimento dessas obrigações e a redução dos vôos após o acidente com a Columbia tornaram pouco provável que (Pontes) conseguisse voar. Mas, ainda assim, foi uma certa surpresa para os Estados Unidos saber que o Brasil tinha recursos para pagar à Rússia por um vôo, mas não para financiar as contribuições que prometera para a ISS.

A opção pelo vôo pago com a Rússia foi bastante criticada no Brasil, inclusive dentro da comunidade científica. Alguns chegaram a comparar Pontes a um turista espacial. O senhor concorda com isso?
Sim. Ele esteve na estação apenas por alguns dias, fez apenas algumas coisas… (pausa) Pensando bem, talvez isso seja injusto. Até o lançamento da ISS, a maioria dos astronautas passava cerca de uma semana no espaço, então sua experiência não foi tão diferente do que ocorria nos anos 80 e 90. Mas, basicamente, ele esteve na estação como um visitante.

O que o Brasil pode fazer para recuperar seu prestígio na ISS?
Acho que já é tarde demais para fazer qualquer coisa, a não ser se tornar um usuário da estação por meio de experimentos. A ISS será um laboratório aberto a todos os usuários, e, se os cientistas brasileiros tiverem bons projetos para propor, o País poderá participar dessa maneira. Mas certamente é tarde demais para propor qualquer tipo de equipamento, mesmo peças modestas, como o palete expresso (que fazia parte do contrato original do Brasil).

Para um país como o Brasil, com recursos limitados e graves problemas sociais, quais devem ser as prioridades de um programa espacial?
O Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE, programa brasileiro) é bastante claro em suas prioridades, que são observação da Terra, telecomunicações e capacidade de lançamento. Não há nenhuma menção a vôos tripulados ou de participação em projetos de exploração espacial. Acho que a ênfase nesses benefícios para a sociedade brasileira é inteiramente apropriada, e é nessa direção que a maior parte dos recursos deve ser alocada.

E quanto a outras missões espaciais, além da ISS?
A discussão sobre participar em explorações além da órbita da Terra deve ser secundária, mas não zero. Nesse momento, a Nasa está discutindo projetos de exploração com 12 outras agências espaciais (Alemanha, França, Inglaterra, Rússia, China, Canadá, Índia, Ucrânia, Austrália, Coréia, Itália e Japão), e os únicos dois países que não participam são Brasil e Israel. Me parece que seria do interesse do Brasil, ao menos, participar das discussões. Afinal de contas, se a previsão de o País se tornar uma potência industrial nas próximas décadas estiver correta, acho que o Brasil vai querer ter um programa espacial completo.

E o Brasil seria bem-vindo nessas discussões, mesmo depois do que aconteceu na ISS?
Acho que sim. O Brasil está com um olho roxo, mas não foi nocauteado. Os Estados Unidos reconhecem a importância estratégica do Brasil no hemisfério e não vão tomar atitudes que possam empurrar o País na direção da China, Rússia ou outros potenciais adversários futuros.

Quem é John Logsdon:

Em 2003, participou do comitê de investigação do acidente com o ônibus espacial Columbia;

Na área acadêmica, é professor e historiador de políticas espaciais; e

Como membro do Comitê de Conselho da Nasa, atua ao lado de especialistas que apóiam a administração da agência espacial americana

Fonte: DefesaNet via pampalivre.info

15 Comments

shared on wplocker.com