Defesa & Geopolítica

Por Copa-2006, Alemanha ofereceu 1.200 morteiros para Árabia Saudita, revela mídia

Posted by

622_69f4d1ce-4f5e-3ec4-be62-b85fc11cf7fa

As acusações de compra de votos contra os países que brigaram para sediar uma Copa do Mundo não param de aparecer depois do escândalo na Fifa. Nesta semana, duas mídias da Alemanha (o jornal Die Zeit e a revista Der Spiegel) revelaram que o país também pagou propina para conquistar o direito de receber o maior evento do futebol mundial em 2006. Segundo as mídias, o ex-primeiro ministro alemão Gerhard Schroder, junto à federação local, conseguiu mudar o voto da Árabia Saudita, que apoiava a candidatura de Marrocos, na eleição realizada pela Fifa em 2000 oferecendo 1.200 morteiros (lançadores de granada) para o exército do país do Oriente Médio. E tal mudança se mostrou fundamental, pois a Alemanha eliminou Marrocos e Inglaterra nas rodadas iniciais e superou a África do Sul por apenas um voto, 12 a 11.

Os diários afirmam que Gerhard Schroder autorizou o envio dos suplementos militares para a Árabia Saudita uma semana antes da votação de 6 de julho de 2000. As reportagens ainda indicam que outros países com membros no comitê executivo da Fifa também receberam propinas de empresas alemãs: a montadora Daimler ajudou com centenas de milhões de dólares a Hyundai (o filho do dono da fabricante sul-coreana era um dos votantes); e Volkswagen e Bayer AG prometeram investir pesadamente na Coreia do Sul e na Tailândia.

O escândalo da Fifa estourou, na semana passada, com a prisão de sete membros do comitê executivo (entre eles o ex-chefão da CBF José Maria Marin) dois dias antes da eleição presidencial. Joseph Blatter derrotou o príncipe da Jordânia, Ali bin al-Hussein, mas anunciou sua renúncia na última terça. Rússia e Catar, que vão sediar as Copas de 2018 e 2022, respectivamente, também serão investigadas pelo FBI, que, ao lado do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, fez as denúncias e coordenou as prisões na Suíça.

A justiça norte-americana também deve “passar a limpo” todos os contratos da Copa do Mundo de 2014 entre a Fifa, fornecedores e parceiros comerciais, segundo o jornal O Estado de S. Paulo. O foco da operação é Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e Jerome Valcke, secretário-geral da Fifa, suspeitos de crimes financeiros e fraudes. Além disso, um dirigente da Irlanda revelou que a Fifa pagou 5 milhões de euros como compensação pelo lance ilegal que classificou a França nos playoffs das eliminatórias para o Mundial de 2010. Informações publicadas nesta sexta-feira pelo jornal The Irish Times, de Dublin, revelam que o montante não apareceu nos balanços financeiros da federação do país europeu.

Fonte: ESPN

12 Comments

shared on wplocker.com