Defesa & Geopolítica

Foto do “Módulo de Orientação Inercial” do Míssil Balístico Intercontinental LGM-118 Peacekeeper

Posted by

Módulo de Orientação Inercial do Peacekeeper (MX) ICBM de 1986 (1)

Foto do “Módulo de Orientação Inercial” do Míssil Balístico Intercontinental LGM-118 Peacekeeper

Foto do “Módulo de Orientação Inercial” do Míssil Balístico Intercontinental (ICBM) LGM-118 Peacekeeper (MX) de 1986

LGM-118 Peacekeeper (em português: pacificador) foi um míssil balístico intercontinental criado e usado pelos Estados Unidos da América. Projetado em 1986, era do tipo base-terra, e todos foram desmontados em 2005, restando apenas o Minuteman  a ser o único desse tipo no arsenal dos EUA.

Para os testes foram produzidas 50 unidades de peacekeeper, cada uma podendo carregar até 10 veículos de reentrada, usando “ogivas W87 (*), que tinham cada uma o poder de 300 kt (cerca de vinte vezes o poder da bomba que devastou Hiroshima durante o final da segunda guerra mundial).

O LGM-118 foi desenvolvido para ser superior aos mísseis Poseidon e Tridente, que não possuíam a mesma capacidade retaliação em caso de ataque soviético.

O Peacekeeper conseguia atingir uma velocidade de 23.100 km/h. Tinha 21 metros de comprimento e 2,1 metros de diâmetro.

Foto:  hypescience.com 

Fonte: Wikipedia.org 

(*) Em tempo, leia também:

 W87

Livro: “A Física dos Explosivos Nucleares” (e a Ogiva W87), de Dalton Ellery Girão Barroso

Este livro editado em 2009 pela Livraria da Física trata de temas essenciais à compreensão da física dos explosivos nucleares.

Elaborado com base em atividade científica estritamente acadêmica, destina-se aos que desejam conhecer mais profundamente a teoria e processos físicos envolvidos nas explosões nucleares.

Girão Barroso graduou-se em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) sendo mestre em Engenharia Nuclear e doutor em Ciências dos Materiais pelo Instituto Militar de Engenharia (IME). Exerceu o cargo de pesquisador titular do Centro Tecnológico do Exército (CTEx). Atualmente é pesquisador e professor do programa de mestrado em Engenharia Nuclear do IME.

Mediante um modelo matemático para simulação computacional de um moderno e compacto explosivo termonuclear, com resultados, inclusive, coincidentes com os dados da ogiva W87, um dos artefatos mais modernos do arsenal nuclear estadunidense, Girão Barroso desvendou em sua tese de doutorado os segredos da bomba termonuclear.

Por causa disso, foi citado nos telegramas diplomáticos vazados pelo Wikileaks, primeiramente por suspeitas do governo estadunidense de espionagem, e também pela suspeita por parte dos EUA de um programa nuclear secreto supostamente contrariando o Tratado de Não-Proliferação Nuclear.

Baseado nesta desconfiança os EUA pressionaram a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a exigir explicações do governo brasileiro, e chegando a propor o recolhimento do livro “A Física dos Explosivos Nucleares”, que trata em nível teórico e acadêmico dos temas mais importantes relacionados à física dos explosivos nucleares. Esta exigência foi considerada pelas autoridades militares brasileiras como “intromissão indevida da AIEA em atividades acadêmicas de uma instituição subordinada ao Exército Brasileiro”.

A FÍSICA DOS EXPLOSIVOS NUCLEARES

DALTON ELLERY GIRÃO BARROSO

Editora editora livraria da fisica

Área FÍSICA NUCLEAR

Idioma Português

Número de páginas 439

Edição 2009

One Comment

shared on wplocker.com