Defesa & Geopolítica

Patriota pede demissão e será substituído por Luiz Alberto Figueiredo

Posted by

dilam x patriota

BRASÍLIA — A operação que trouxe o senador boliviano Roger Pinto para o Brasil foi vista pelo Palácio do Planalto como um verdadeiro desastre e a permanência de Antonio Patriota no cargo se tornou insustentável. O ministro das Relações Exteriores pediu demissão nesta segunda-feira e será substituído por Luiz Alberto Figueiredo, representante do Brasil junto à ONU. Figueiredo também foi o negociador-chefe para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio + 20, realizada no Rio de Janeiro, no ano passado.

Patriota – que estava à frente do Itamaraty desde a posse da presidente em 2011 – já vinha enfrentando uma série de desgastes com a presidente e o episódio envolvendo o encarregado de negócios da embaixada brasileira na Bolívia, Eduardo Saboia, foi considerado uma quebra de hierarquia, e, principalmente, uma quebra do princípio internacional do asilo. Mais cedo, O GLOBO informou que a operação foi vista pelo Palácio do Planalto como um verdadeiro desastre.

Patriota irá para o lugar que era de Luiz Alberto Figueiredo na ONU. Em nota à imprensa, a presidenta Dilma Rousseff anunciou a indicação de Patriota para a Missão do Brasil na ONU e agradeceu a atuação do ex-ministro “nos mais de dois anos que permaneceu no cargo”. Nesta tarde, a presidenta se reuniu com Antonio Patriota, no Palácio do Planalto, por cerca de 50 minutos.

“A presidente Dilma Rousseff aceitou hoje, 26, o pedido de demissão do ministro Antonio de Aguiar Patriota, e indicou o representante do Brasil junto às Nações Unidas, em Nova York, embaixador Luiz Alberto Figueiredo, para ser o novo ministro das Relações Exteriores. A presidente agradeceu a dedicação e o empenho do ministro Patriota nos mais de dois anos que permaneceu no cargo e anunciou a sua indicação para a Missão do Brasil na ONU”, afirmou o Planalto em nota.

Figueiredo já trabalhou no Chile, no Canadá, nos Estados Unidos e na França, entre outros países. Especialista no tema, ele começou sua carreira como assistente da Divisão da ONU no Itamaraty. Em 1986, o diplomata serviu como segundo secretário na Missão da organização, em Nova York.

O novo ministro das Relações Exteriores dedicou as últimas duas décadas em defender a posição do Brasil em conferências internacionais sobre meio ambiente e desenvolvimento.

Incidente diplomático com a Bolívia

Durante a tarde desta segunda-feira, o senador Roger Molina, que está abrigado na casa do advogado Fernando Tiburcio, em Brasília, apareceu na porta da residência e posou para fotógrafos que estão fazendo plantão no local. Ele se recusou a responder perguntas sobre seus planos de agora em diante e limitou-se a dizer que ama o Brasil. Seu advogado disse que não há risco de o senador ser deportado ou extraditado. E comparou seu status ao do ativista Julian Assange, no Equador, e do ex-técnico da CIA Edward Snowden, na Rússia.

– Só (será extraditado) se acontecer uma coisa heterodoxa, que acho que não tem o menor sentido – disse Tiburcio. – Ele é um asilado político. Foi concedido asilo a ele.

Mais cedo, o governo boliviano acusou o Brasil de descumprir normas de direito internacional na forma como recebeu o senador e exigiu à representação brasileira explicações oficiais sobre o caso. Ele estava asilado havia mais de um ano, alegando perseguição política do governo de Evo Morales.

Mas, de acordo com o blog “Panorama Político”, há sete meses os ministério da Justiça e das Relações Exteriores do Brasil negociam com a Bolívia a concessão e um asilo para o senador. Segundo integrantes qualificados do governo Dilma, foram as autoridades do governo boliviano que fizeram a sugestão informal para que Roger Pinto saísse da embaixada, viajasse por terra ao Brasil, com a garantia de que ele não seria barrado.

Fonte: O Globo

23 Comments

shared on wplocker.com