Defesa & Geopolítica

O retorno às asas da frota! uma visão geral sobre a aviação naval russa

Posted by


Su 33 naval

 Autor: Alexander Brain

Sugestão: Leandro Mello

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

 

O potencial de fortalecimento da  aviação naval

Segundo a agência “Interfax”, o comando das Forças Armadas da Federação Russa decidiu por uma resubordinação das unidades da de aviação do Distrito Militar Ocidental, situado em Kaliningrado, sede da Frota do Báltico. Atualmente o regimento é equipado com caças Su 27 e Su 24, com a modificação, tal regimento será baseado no aeródromo de Chernyakhovsk, e o segundo regimento, composto por um destacamento de aviões de transporte militar e de esquadrões de helicópteros, que será localizado em  “Hrabrovo”  perto da aldeia de Don.

 

Russian_Naval_Aviation_aircraft_at_Novofedorovka

Caças navais SU 33 e treinadores embarcados Su 25 na antiga base aeronaval de Novofedorovka

Se esta informação for verdadeira, então podemos falar sobre o evento, que marca uma nova etapa na correção de erros das lideranças anteriores que comandavam o Ministério da Defesa.

Lembre-se que em 1 de abril de 2011, uma parte significativa da frota de aeronaves da Marinha da Rússia foi transferida para a Força Aérea. A Força Aérea operando a frota de caças Su-27 caças-interceptadores MiG-31 e bombardeiros de longo alcance Tu-22M3, bem como uma parte significativa da aeronave de transporte e os caças Sukhoi Su-24, passou também a operar as aeronaves IL-38 e Tu-142, hidroaviões Be-12 caças navais Su-33 e helicópteros Ka-27.

Bombardeiro Tu-22M abandonado na base aérea de  Vozdvizhenka após o colapso da URSS

Bombardeiro Tu-22M abandonado na base aérea de Vozdvizhenka após o colapso da URSS

No colapso da União Soviética, em 1991, a componente aérea da Marinha Soviética totalizava 1.702 aeronaves, incluindo 372 bombardeiros de longo alcance, equipados com mísseis de cruzeiro e anti-navios, 966 aviões de combate táticos e 455 helicópteros. Como resultado das “reformas” na Marinha após a queda do regime soviético este número despencou para irrisórios 25 Il-38 e 15 Tu-142 responsáveis pela defesa dos mares do Norte e Pacífico.

APesar d emodernizados os caças Su 24 Fencer necessitam ser substituídos por modelos mais modernos e multifunção capazes de garantir tanto a superioridade aérea quanto a capacidade de ataque naval.

Apesar de estarem sendo submetidos a um amplo programa de modernização, os caças bombardeiros Su 24 Fencer necessitam ser substituídos por modelos mais modernos e multifunção, capazes de garantir tanto a superioridade aérea quanto a capacidade de ataque naval.

A Frota do Báltico perdeu todas as aeronaves militares e a Frota do Mar Negro no fundo desfrutou de um destino menos cruel. Além dos antigos hidroaviões Be-12 esta frota manteve em estado de sobrevida o 43º Esquadrão de ataque aéreo da marinha, composto por 18 Sukhoi Su-24, baseados na Criméia. Essa exceção foi feita devido aos acordos russo-ucranianos sobre a Frota do Mar Negro em 1997. De acordo com a sua posição, a Rússia tem o direito de estacionar na Crimeia apenas unidades militares pertencentes à Marinha. Algo aceito por Kiev!

A obsoleta frota de hidroaviões Be-12 necessita urgentemente ser substituida por uma capaz de realizar efetivamente as missões de busca e salvamento, bem como anti-submarino e guerra de  superfície

A obsoleta frota de hidroaviões Be-12 necessita urgentemente ser substituída por uma capaz de realizar efetivamente as missões de busca e salvamento, bem como anti-submarino e guerra de superfície

Mas sem frota de aeronaves e com seus braços amarados, a Rússia insiste em confirmar repetidamente a prática da guerra no mar, a Rússia tem negligenciado o componente aéreo para a Marinha dos Estados e efetivamente perdendo espaço para esta em todos os quesitos.

“Navios de superfície não podem resistir completamente ao ataque aéreo Saturado”, – afirmou em suas memórias o Contra-almirante da Marinha Imperial Japonesa Reydzo Tanaka, que se tornou famosa por ser o mais antigo “engenheiro” do chamado “Expresso de Tóquio” – que entregou as ilhas e as unidades militares em Guadalcanal. Munições, alimentos e o contingente do exército, foram entregues ao Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos com quem combateram naquele episódio (veja a revista “Defesa Nacional» № 1/2013). Aliás, ele acreditava que, sem garantir a superioridade aérea, até mesmo ações bem-sucedidas os navios da marinha japonesa estavam condenados ao fracasso.

Sem a cobertura dos grupamentos aéreos a Marinha Russa está sujeita a derrota certa, num hipotético confronto com uma potência naval equipada com grupos embarcados de caças ou bombardeiros de longo raio.

Sem a cobertura dos grupamentos aéreos a Marinha Russa está sujeita a derrota certa, num hipotético confronto com uma potência naval equipada com grupos embarcados de caças ou bombardeiros de longo raio.

A prática da guerra no mar também demonstra convincentemente que a transferência de funções para apoiar a frota da Força Aérea é improdutivo, além de uma variedade de razões. Na Força Aérea a visão sobre as necessidades da Marinha, são abordadas de maneira diferente e por regra sem preocupações suficientes. Durante os combates, as solicitações e necessidades da marinha são usualmente resolvidos na segunda, terceira “chamada” e, por conseguinte, é perdido um tempo valioso.

Para combater as missões no mar exigem-se pilotos especialmente treinados. Pilotar durante uma grande vastidão dos oceanos, onde o céu se funde com o mar, especialmente em baixas altitudes, é um verdadeiro desafio e aperfeiçoa-se apenas pela prática regular e por vôos esporádicos. É por isso que nos EUA, por exemplo, os pilotos Navais são a elite das Forças Armadas. E este fato é refletido na recompensa monetária. Pilotos com o posto de Tenente-Comandante equiparam-se aos nossos Majores, mas com 15 anos de experiência de voo sobre o mar, com mais experiências que os almirantes, comandantes do nosso porta-aviões.

O poder  aeronaval dos EUA  é inquestionável, esta nação é a única do planeta a possuir esta capacidade em âmbito Global, pode atuar em qualquer canto do  Planeta com eficácia e superioridade aérea

O poder aeronaval dos EUA é inquestionável, esta nação é a única do planeta a possuir esta capacidade em âmbito Global, pode atuar em qualquer canto do Planeta com eficácia e superioridade aérea

Atualmente os Estados Unidos é o senhor dos mares que rodeiam a Rússia, em camadas do sistema de defesa de mísseis que ameaça a sobrevivência do potencial nuclear do nosso país, sem aviões de combate a Marinha não será capaz de resolver os problemas da defesa anti-míssil americano. Apenas os esforços conjuntos des forças navais (submarinos, aviões e navios) podem anular os esforços para erguer um muro em torno dos sistemas dissuasórios russos baseados em Mísseis de longo alcance.

Como é sabido a Marinha russa passou nas últimas duas décadas por tempos difíceis, com a perda inestimável de sua frota naval e de suas aeronaves. A decisão do Ministério da Defesa em 2011 de colocar tudo isso à beira da eliminação total não passou desapercebido nem mesmo pelos incautos. Bombardeiros de longo alcance eram mais propensos a atrair a patrulhar o mar e as águas do oceano. A permanência em serviço de cerca de 40 Tu-22M3 é quase totalmente ligado à prática de tarefas de busca e destruição de grupos de navios. Seus mísseis de cruzeiro supersônicos Kh-22H, com um alcance de 400 km e uma ogiva de 930 kg é capaz de afundar porta-aviões, abrindo uma cavidade de cerca de 20 m2.

Tu-22M continuam coluna vertebral das forças de reação da Marinha Russa, estas aeronaves são equipadas com mísseis de cruzeiro e de ataque naval que constituem a primeira linha de defesa Russa

Tu-22M continuam coluna vertebral das forças de reação da Marinha Russa, estas aeronaves são equipadas com mísseis de cruzeiro e de ataque naval que constituem a primeira linha de defesa Russa

No ano passado, foi noticiado a ideia bastante sensata do Ministério da Defesa de implantar esquadrões de caças MiG-31BM  de modo à manter um confiável controle de uma parcela significativa do espaço aéreo sobre o Ártico. Mas, em seguida, descobriu-se que para operar um esquadrão destes caças prontos para o combate num distante arquipélago congelado, além da reconstrução  de aeródromos e serviços, o problema do fator distância era imperativo, é difícil recrutar pilotos para o serviço nas guarnições distantes, e é inviável economicamente . Nesta lista há problemas reais e imaginários. Mas, como vemos, mais cedo ou mais tarde, este plano terá de retornar as mesas de discussões, mesmo que apenas a Rússia, não em palavras, mas na verdade tenha a intenção de defender os seus interesses no Ártico.

A disputa pelo Ártico tem fomenato o reaparelhamento da Marinah Russa, Nações ocmo a Dinamarca podem em breve adquirir a superioridade aérea naquela região, enfraquecendo o poder de dissuasão Russo.

A disputa pelo Ártico tem fomentando o reaparelhamento da Marinha Russa, Nações como a Dinamarca podem em breve adquirir a superioridade aérea naquela região, enfraquecendo o poder de dissuasão Russo.

A este respeito, o reaparelhamento da Força Aérea da Dinamarca que busca um novo caça, encontra um argumento bastante convincente, onde o consórcio Eurofighter que oferece o seu caça, Typhoon, apresenta como o principal argumento, o de “fazer frente a capacidade de controlar o espaço aéreo sobre o Ártico.”

É por isso que de forma mais eficaz aos desafios do mar e águas oceânicas, incluindo o Ártico, é necessário que a força aeronaval russa retorne para as asas da Marinha, pois atualmente estão subordinadas à Força Aérea. O segundo problema – uma renovação radical da frota operacional no interesse da Marinha.

Agora vamos ver uma imagem deprimente. O Avião anfíbio Be-12 com cinquenta anos de voo, se não mais, seria substituído por novos hidroaviões.

Por inúmeras razões o projeto A 42, para um hidroavião d epatrulha antsubmarino e salvamento foi engavetado, deixando aberto o espaço para o seu rival o Tu-204 MP

Por inúmeras razões o projeto A 42, para um hidroavião de patrulha anti-submarino e salvamento foi engavetado, deixando aberto o espaço para o seu rival o Tu-204 MP

Em setembro do ano passado, afirmou-se estar em preparação um contrato para fornecer ao Ministério da Defesa oito aviões anfíbios Be-200. A primeira aeronave seria entregue em 2014 e a última em 2016. Supõe-se que quatro aeronaves Be-200ES, serão destinadas a busca e salvamento e as duas máquinas são projetadas para executar tarefas específicas da Marinha. No entanto, o destino do contrato ainda não está claro.

Mas, em dezembro do ano passado, foi noticiado que a Marinha da Rússia recusou-se a financiar o desenvolvimento de aeronaves promissora o hidro avião A-42 de longo alcance. De acordo com pilotos navais, a sua velocidade de aproximação é muito alta, então a probabilidade de impacto dinâmico é elevada.  Segundo eles, o A-42 consumiria muito combustível. No entanto, nem um único protótipo voando da A-42 existe de fato, e com base no que vem de comentários negativos sobre o projeto este é incerto.

O renascimento do Programa Tu 204 de patrulha naval é a aposta para a efetiva capacidade de luta anti-submarino da Marinha Russa, que precisa substituir praticamente todos os modelos atualmente destacados para esta função

O renascimento do Programa Tu 204 de patrulha naval é a aposta para a efetiva capacidade de luta anti-submarino da Marinha Russa, que precisa substituir praticamente todos os modelos atualmente destacados para esta função

Porém, a incerteza do A-42 deve abrir o sinal verde para o seu adversário o patrulheiro naval  Tu-204P com dois motores PS-90A, que substituiria os veteranos Il-38 e Tu-142. Em 1998, o Ministério da Defesa aprovou o projeto. Pilotos navais naquele mesmo ano voaram  com sucesso o protótipo do Tu-204P. Então, devido à falta de recursos, o programa foi congelado. No entanto funcionários da empresa “Tupolev” e, iniciativa em conjunto com os contratantes continuaram a trabalhar para melhorar a aeronave. Mas as ordens oficiais para o desenvolvimento do programa ainda não foram dadas.

Recentemente decidiu-se atualizar os IL-38 para a versão IL-38N. Eles devem ser equipados com sistema de busca e reconhecimento em estado de arte. Ele pode detectar alvos aéreos a distâncias de até 90 km, e à superfície em até 320 km. No modo de busca, o submarino seu computador produz 3,3 bilhões de operações por segundo. Além disso, o novo sistema de comando orienta com precisão as armas.

As aeronaves Il38 estão sendo convertidas para o padrão "N" Entretanto espera-se para um futuro próximo a decisão de substituição desta aeronave por outra mais moderna e adaptada a nova realidade da guerra naval e anti-submarina

As aeronaves Il38 estão sendo convertidas para o padrão “N” Entretanto espera-se para um futuro próximo a decisão de substituição desta aeronave por outra mais moderna e adaptada a nova realidade da guerra naval e anti-submarina

O sistema foi projetado em 2002, desde então, a Marinha recebeu apenas dois Il-38N. Muito antes havia dominado a versão de exportação que é chamado de Dragão do Mar dos quais cinco aviões patrulha Il-38SD estão em serviço na Marinha indiana. São capazes de realizar as funções de ataque com mísseis Kh-35E para destruir navios de superfície. No entanto, o destino da aeronave modernizada indiana não se desenvolveu. Três deles foram perdidos em acidentes. Estes incidentes trágicos nada têm a ver com o sistema Sea Dragon, mas, obviamente, não corroboram para a maturidade e reconhecimento do programa.

A reconfiguração do IL-38 para opadrão N para a  Marinha russa será iniciado  este ano nas instalações do Pólo de Aviação Ilyushin chamado Myasishcheva EMRs. Nova motorizaçãoe novos componentes permitirão a aeronave adquirir uma velocidade elevada. No entanto, até agora não há simuladores para treinamento de pilotos e operadores do Il-38N.

Deve-se notar que o comando da Marinha da Índia simultaneamente à modernização dos Il-38 para o novo padrão “Sea Serpent”  iniciou a busca por uma nova aeronave de patrulha o P-8 Poseidon norte americano. É evidente que o Il-38 não faria frente ao P-8 e por isso, o ajuste fino do Tu-204P faz-se necessário e urgente.

Mas com o lançamento de aviões de caça-ataque para a Marinha não deve ter quaisquer problemas. Para substituir os desatualizado Su-24 a marinha vai dispor do mais adequado Sukhoi Su-34, o qual os seus desenvolvedores chamam de sistemas de aviação multifuncional. Agora, eles são produzidos comercialmente para as necessidades da Força Aérea. De um total de 124 aeronaves foi encomendadas, 27 já entraram em serviço. Estes aviões transportam 8 toneladas de carga, até o momento apenas na Força Aérea Russa é capaz de aplicar toda a gama de armas de precisão disponível a aviação.

O su 34 é a aeronave multifunção ideal para Marinha, congrega, autonomia, armamentos e sistemas de guerra eletrônica que o permitem atuar nos mais variados campos da defesa costeira, superioridade aérea e ataque naval em profundidade

O su 34 é a aeronave multifunção ideal para Marinha, congrega, autonomia, armamentos e sistemas de guerra eletrônica que o permitem atuar nos mais variados campos da defesa costeira, superioridade aérea e ataque naval em profundidade

O Su-34 é ideal para aviação da marinha. Não se esqueça de que a versão de exportação do bombardeiro o Su-32FN foi criado especialmente para a ação no mar. A aeronave é completamente equipada com uma grande variedade de meios eletrônicos de navegação, detecção no ar, mar e alvos terrestres bem como, reconhecimento, mapeamento, interferência e informações. Podem lançar ataques preventivos contra qualquer objeto, incluindo alvos pequenos. O Su 34 foi concebido para combater todas e quaisquer ameaças dos caças modernos, aviões de guerra eletrônica, alerta aéreo antecipado e controle, posto de comando aéreo, de quebra foi desenhado para suprimir as defesas aéreas inimigas e atacar a sua marinha e forças terrestres sem entrar na zona de defensiva. Mísseis e bombas são alocados nos seus 12 pontos duros. Numa configuração particular, inclui-se até seis unidades de mísseis “ar-superfície” do X-31A, e o  míssil supersônico 3M-80EA – versão anti-navio do “Moskit” – com um alcance de  250 km e uma ogiva de alto explosivo de 300 kg, capaz de destruir ou desabilitar qualquer navio de guerra, incluindo os porta-aviões. Nas águas costeiras relativamente rasas o Su-34 com o seu sistema de navegação e busca pode executar tarefas de guerra anti-submarino.

A velocidade máxima de Su-34 é de 1900 km.h-1, o alcance sem reabastecimento é de  mais de  4000 km. Reabastecendo no ar, a aeronave pode patrulhar por 10-16 horas e ainda combater. Naturalmente, isso exigiu um conforto especial para a tripulação. A cabine foi apropriadamente concebida numa célula de titânio selada, em que o piloto e o navegador-operador são localizados em assentos de ejecção “lado a lado”, o sistema tem ergonomia melhorada. Entre os bancos – uma pequena passagem para os pilotos, se a situação permitir voos de cruzeiro, estes podem se levantar e esticar as pernas um pouco. A bordo existem as condições para a preparação de pratos quentes e um pequeno banheiro.

Os caça-bombardeiros Su-34 são adequados para a operação nos mares polares e nos teatros do Pacífico. Em 2011 havia informações sobre o iminente fim dos 12 Su-30SM (versão de exportação da produção Su-30MKI da Corporação “Irkut”) que viriam substituir os obsoletos bombardeiros Su-24 da frota do Mar Negro. No entanto, o desenvolvimento deste tema não é conhecido.

O caça 4,5G SU 35 é a aeronave multifunção ideal para atuar em par com os Mig 29K na defesa aérea sobre o Mar, aeronave possui o que há d emais moderno em aviônica  e sistemas de armas

O caça 4,5G SU 35 é a aeronave multifunção ideal para atuar em par com os Mig 29K na defesa aérea sobre o Mar, aeronave possui o que há d emais moderno em aviônica e sistemas de armas

Armado com os mísseis Kh-31A anti-navio, o Su-35 com impulso vetorizado possui a capacidade de defender o espaço aéreo no mar e ainda atacar alvos em superfície. Seu peso de decolagem aumentou para 34.000 kg. Mas o peso “extra” não se provou prejudicial. Tem capacidade aumentada de combustível nos tanques internos de 800 kg, e chegou a 10.250 kg. Graças a um radar multi-modo de nova geração o Su-35 detecta o tipo de alvo aéreo  como um caça F18 E, a uma distância superior a 180 km, e um navio no mar a mais de 300 km. Este radar acompanha automaticamente a 20 alvos e permite a operação multi-canal e simultaneamente disparar em até 8 deles.

A principal arma anti-navio aeronaves Sukhoi é o míssil Kh-31A que foi projetado para engajar todas as classes de navios de superfície e destruí-los em condições climáticas adversas, seja dia seja de noite. Sua velocidade máxima  é de 1000 m.s-1, o alcance máximo é de até 70 km.

Os Sukhoi Su 35 também podem ser equipados com o míssil subsônico Kh-35 versão anti-navio dos mísseis terra mar “Uran”, do qual possui cerca de 90% de itens comuns. Porém, de menor dimensão, o seu peso é inferior em 100 kg. Os Uran tem um alcance de cerca de 130 km, esta é a distância na qual o porta-aviões está fora do alcance das defesas aéreas. O Kh-35 pode voar a uma altura de 10-15 metros da superfície da água, o que o torna difícil detectar pelo radar do navio. E quando se aproxima do alvo a uma distância de cerca de 14 km o míssil cai para uma altura de cerca de 4 metros, de onde não é mais possível acompanhá-la. O míssl ativa o seu radar e passa ao modo ativo e com a sua ogiva de alto explosivo de 145 kg conclui a destruição do alvo.

A preocupação com a atualização dos “mísseis táticos” fez surgir uma nova versão do míssil com maior alcance de cerca de duas vezes a do Uran. Este “Super-Uran”, com um sistema de orientação combinada que consiste em um sistema inercial, sistema de navegação por satélite e um novo radar ativo-passivo é uma arma formidável.

O Mig 29K é a aposta atual para substituição dos caças Su- 33 embarcados, A aeronave multifunção cobre as funções de caça de superioridade aérea e ainda possui capacidade de ataque naval e à superfície.

O Mig 29K é a aposta atual para substituição dos caças Su- 33 embarcados, A aeronave multifunção cobre as funções de caça de superioridade aérea e ainda possui capacidade de ataque naval e à superfície.

Para as operações na zona costeira os MiG-35 e MiG-35D , aparecem como aeronaves mais multifuncionais mais leves, sua autonomia de vôo sem reabastecimento é cerca de 1650-1800 km. No ano passado, a RAK MIG ganhou um contrato para o fornecimento de 20 aviões da versão naval baseada em porta-aviões, sendo 16 MiG-29K e quatro MiG-29KUB, as aeronaves destinam-se a substituir o Su-33 no porta aviões Almirante Kuznetsov. O Mig 29K possui oito pontos de suspensão para armas e com um peso normal de decolagem reduzido a aeronave opera armas anti-navio Kh-31 e Kh-35.

Os Mísseis kH-35E são um importante reforço na capacidade de ataque naval da Força Aeronaval Russa que para muitos deveria ser restaurada saindo do comando da Força Aérea

Os Mísseis kH-35E são um importante reforço na capacidade de ataque naval da Força Aeronaval Russa que para muitos deveria ser restaurada saindo do comando da Força Aérea

Projetado para o combate aéreo, o caça é equipado com os modernos mísseis R-73 e R37 da última geração, os mesmos operados pelos caças SU 35S. Porém a preocupação agora é com os “mísseis táticos” onde se cria uma ampla gama de armas de alta precisão, mísseis de longo alcance de uma nova geração e mísseis “ar-superfície”, “ar-ar”. Em outras palavras, o potencial da aviação naval tem muito para ser fortalecido e é uma necessidade urgente.

Fonte: Oborona

shared on wplocker.com