Defesa & Geopolítica

Rússia confirma o envio do sistema de defesa S-300 à Síria

Posted by

O porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov, confirmou nesta-terça-feira (4) o envio do sistema de defesa S-300 para a base naval russa na Síria.

“De fato, o sistema de defesa antimísseis S-300 foi enviado para a República Árabe da Síria . Este complexo foi concebido para garantir a segurança da base naval em Tartus”, disse ele.

Konashenkov acrescentou que não está claro por que a entrega do sistema S-300 na Síria causou um rebuliço no Ocidente.

“Quero lembrar que o S-300 é um sistema puramente defensivo, e não representa nenhuma ameaça a ninguém. Além disso, anteriormente, como vocês sabem, na região havia um sistema semelhante em execução marítima — o complexo “Fort”, que está equipado com o cruzador de mísseis guiados ‘Moskvá’ [Moscou, em russo] da Frota do Mar Negro”, frisou.

Foto: © Sputnik/ Alexei Danichev

Fonte: Sputnik News

Rússia envia mísseis antiaéreos para a Síria

Sistema de mísseis será posicionado no porto de Tartus. Moscou diz que medida visa garantir segurança de base naval e de navios de guerra na região. EUA questionam intenções russas.

O Ministério de Defesa da Rússia anunciou nesta terça-feira (04/10) o envio de uma bateria de mísseis antiaéreos S-300 para a Síria, com o objetivo de defender a base naval no porto de Tartus.

“O sistema destina-se a garantir a segurança da base naval de Tartus e dos navios de guerra na zona costeira. Lembro que o S-300 é um sistema de defesa e não ameaça a ninguém. Não sabemos por que o envio dos S-300 causou tanto alvoroço entre nossos parceiros do Ocidente”, ressaltou o porta-voz do ministério Igor Konashenkov, num comunicado.

O anúncio foi feito um dia após os Estados Unidos suspenderam as negociações com a Rússia para um cessar-fogo no conflito sírio. O porta-voz do Pentágono, Peter Cook, disse que o sistema de mísseis russo não afetará as operações da campanha aérea da coalizão liderada pelos americanos contra o grupo extremista “Estado Islâmico” (EI).

Cook questionou ainda o motivo que levou Moscou a enviar o sistema para a região. “Os russos disseram que seu objetivo na Síria era combater extremistas, como o grupo ‘Estado Islâmico’ e a Frente al-Nusra. Nenhum deles possuiu uma força aérea. Por isso, observarmos com atenção o movimento”, acrescentou.

Os EUA acusaram Moscou e o regime de Bashar al-Assad de bombardear indiscriminadamente a cidade de Aleppo, além de atacar alvos civis e um comboio de ajuda humanitária do Crescente Vermelho e da ONU.  A Rússia negou que os bombardeios tenham atingidos hospitais e instalações civis.

CN/rtr/afp/dpa/lusa

Edição: Konner/Plano Brasil

Fonte: DW

 

38 Comments

  1. Filipe says:

    Porque colocar S-300 na Síria se os Russos já tem o S-400 lá?

    • Athos says:

      Está tudo na fronteira oeste! Houve divulgação da ativação de duas baterias de 400.

      Dizem as más línguas que há um s400 ativo no Irã.
      E essa teria sido a condição para o uso futuro da base iraniana que ESTA em obras para obedecer aos padrões Russos.

  2. Topol says:

    Quem estava fazendo proteção da base naval de Tartus era o cruzador Moskva que utiliza o mesmo sistema S-300 versão naval… certamente com a instalação de baterias terrestres irá liberar o cruzador para dar cobertura anti aérea para o Admiral Kuznetsov que está chegando em Novembro para assombrar os moderados da CIA

    • S-88 says:

      Resumindo, trocou um pelo outro para liberar o aludido cruzador para integrar o Grupo de batalha do Kuzsnetsov

  3. Rprosa says:

    O sistema entregue a Síria e o S-300V4, também denominado de Antey 2500, consubstanciando-se numa versão modernizada do S-300 lançada em 2013, apta a abater misseis balísticos de curto e médio alcance, misseis de cruzeiro e munições guiadas, além de aviões, UAV e helicópteros, possuindo um alcance de 400 km, bem como sendo capaz de rastrear e atacar 24 alvos diferentes.

    Certamente esta arma não é para ser usada contra o ISIS ou os rebeldes moderados de Washington.

    https://southfront.org/syrian-war-report-october-4-2016-russia-deploys-anti-ballistic-missile-system-amid-tensions-with-the-us/

    • Arc says:

      Vale citar alguns fatos até o envio do S-300V4 caro RPROSA.
      A poucas semanas atacou descaradamente tropas sírias, matando quase uma centena de combatentes, Moscou respondeu com um ataque massivo com Kalibr contra rebeldes em Aleppo, que acabou por matar sem querer querendo 30 agentes dos EUA, AS, Inglaterra e Israel, após isso os EUA deu uma declaração subjetiva que a Rússia com essa política atrairia ataques terroristas ao seu território, teria problemas diversos, em suma, uma ameaça implícita pra quem sabe ler as entrelinhas, Moscou respondeu prontamente que aumentando seu poder na Síria, inclusive uma nova base está sendo acordada, e o envio do S-300V4 é um aviso de “repensem seus atos” pois a Rússia está aumentando seu poder na Síria para destroçar qualquer ameaça, oriunda de qualquer lado, de qualquer país.

      • Arc says:

        Corrigindo: a poucas semanas os EUA atacou.

      • S-88 says:

        Sem dúvida essa história de que 30 agentes dos EUA, Israel e outros países que teriam sido mortos em Aleppo é muito engraçada! Não sei se é obra do conspiracionismo russo, iraniano, de esquerda ou de extrema-direita.

  4. Alvez8O says:

    É natural que os russos reforcem sua segurança…

    Principalmente depois das mal disfarçadas ameaças que os alucinados de Washington fizeram através do porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby. Coincidindo logo em seguida a estas ameaças, com a embaixada russa em Damasco sendo alvejada por fogo de morteiros da Al-Nusra.

    Mais um sinal de tensão são os repentinos exercícios envolvendo 40 milhões de russos na participação de exercícios para o caso de “Desastre Nuclear”:

    http://www.zerohedge.com/news/2016-10-03/40-million-russians-take-part-radiation-disaster-drill-days-after-us-general-warns-w

    • S-88 says:

      Os conspiracionistas de extrema-direita do Zero Hedge querendo botar fogo no mundo….

  5. Rustam says:

    retratado com-300PMU e transferido para a Síria S-300V4 sobre chassis lagarta

    • Konner says:

      Thank you…
      .
      Saudações,
      .
      konner

  6. Professor says:

    Vamos lá, S-88, Deagol e demais americanófilos. Agora realmente vamos ver a eficácia dos equipamentos russos e a eficácia dos equipamentos “made in USA”. Blá Blá Blá e propaganda, agora não contam. É guerra.

    Resta saber se a Guerra será ainda no governo do Banana, ou se vão esperar a Hiltery assumir.

    • JPC says:

      “”Agora realmente vamos ver a eficácia dos equipamentos russos e a eficácia dos equipamentos “made in USA”””

      Já vimos em diversas guerras e concorrências.

      Já que os russos se consideram vítimas( como você mesmo fala) por que eles não atacam com seus equipamentos superiores?

      • Richard says:

        Deagol

        Rapaz tu é alvo da turma aqui, rsrsrs!!!
        É complicado ser comentarista no Brasil!!

      • Gary says:

        Penso o mesmo. Se vc não for da turma da escolinha do Chaves e do Maduro, é perseguição certa e ordenada.

    • S-88 says:

      Uma coisa é certa “Teacher”: Veremos um aumento substancial nos vôos de aeronaves RC-135 por aquelas bandas, ávidas por obter os sinais dos sistemas SAM russos. Mas vamos ver se os russos terão coragem de alvejar as aeronaves da USAF, não apenas essas como as demais que executam missões em território sírio….

      De igual forma, também veremos se os russos também terão coragem de atirar nas aeronaves da Força Aérea Israelense que rotineiramente atacam o Hezbollah na Síria..

    • Nickless says:

      Não vamos ver nada, se a Russia ficou com o rabo entre as pernas quando seu su-25 foi abatido em território sirio.

      Não fale bobagem nem todo mundo que comenta algo contra a Russia é americanófilo, muitos apenas são realistas .

      • Topol says:

        corrigindo: SU-24… e pelo que me lembro quem passou a noite no bunker e correu clamar a cláusula de apoio mútuo na OTAN foi o presidente turco, este sim murchou as orelhas… para a Rússia foi até bom aquele SU-24 ter sido abatido, pois foi a brecha que eles precisavam para expulsar a força aérea turca dos arredores… e nunca mais foram os vistos os F-16 turcos na região.

        Basta lembrar da declaração de Putin na época: “SE ANTES A FORÇA AÉREA TURCA INVADIA CONSTANTEMENTE O ESPAÇO AÉREO SÍRIO QUE FAÇAM AGORA”

        Quem no final das contas pois o rabinho entre as pernas ???

  7. Arc says:

    Meus caros, está em conversação uma nova base russa na Síria, e atrelado a estes novos fatores é um claro sinal que o Kremlim levará o conflito ao nível que tiver que ser levado para garantir a vitória, enviar o S-300 é simplesmente encurralar os trajetos no espaço aéreo sírio, impedir que caças ataquem o exercito sírio, e se as coisas esquentarem, os caças ocidentais ficarão encurralados por uma gama de sistemas anti aéreos escalonados que já estão na síria.

    • S-88 says:

      Claro! Os caças ocidentais são todos indefesos contra os SAM russos…..

      No mais não custa lembrar que ali do lado está a força aérea israelense, que tem experiência em derrotar os SAMs russos…

      • Arc says:

        S-88, não existe experiência em derrotar sistemas SAM, existe o conhecimento de raio de ação do sistema e seu espectro de atuação, isso Israel conhece dos antigos S-300 posicionados na Síria, contra os quais já atuou algumas vezes para destruir cargas iranianas enviadas para o Hezbollah, mas vc se esquece que todos os sistema posicionados desde a entrada da Rússia são reformulados, e não é só o S-300, e sim o S-400, Pantsir S1 entre outros, sem contar com os avisos antecipados que fazem caças subirem aos céus antes de os invasores saírem do espaço aéreo sírio, as coisas não são tão fáceis, a diferença entre Rússia e outros países na Síria é que eles podem colocar qualquer equipamento lá sem problemas, e os outros não, tendo que entrar no espaço aéreo sírio somente com caças e com a coragem, e por este fato foram feitos acordos entre os lados para não haver acidentes.

      • S-88 says:

        Existe sim experiência em derrotar os SAMs. Israel o fez em 1982 e logrou destruir todo o dispositivo sírio que existia no Líbano. E hoje em dia com uso de novas armas como é o caso do IAI Harpy/Harop (UAVs suicidas usados em missões SEAD) o potencial israelense de neutralizar os sistemas SAM ali existentes aumentou.

        E não há nenhuma aeronave de alerta aéreo antecipado a serviço dos russos na Síria ao passo que tanto norte-americanos quanto isralenses possuem aeronaves assim naquele teatro de modo que eventual decolagem de aparelhos russos para interceptar os caças desses países seria detectada.

      • Arc says:

        1982? Sério que vc está comparando a atual rede de defesa russa naquele país com sistemas de 1982?! Poxa meu caro, aí não né, os sistemas avancaram anos luz de lá pra cá, antes de um míssil anti radar ou um Vant tentar acertar um dos sistemas ou mesmo todos, teria uma gama de sistemas escalonados trabalhando pra auto defesa, não é fácil assim como vc cita. O que estou querendo citar é que sim, o Ocidente está cada vez com menos espaço para evitar coisas na Síria, pois o poder russo está aumentando cada vez mais, e isso é inquestionável, e vai chegar a hora, em que. Moscou vai dar o golpe de misericórdia nos rebeldes, restando fechar um acordo de paz ou continuar tomando no lombo.

      • S-88 says:

        Pois é! Só que você esqueceu de 1982 para cá TAMBÉM o potencial de neutralização das defesas antiaéreas pelos israelenses também aumentou. Basta ver que em todas as incursões dos israelenses sobre território sírio, inclusive em dias recentes e com os novos sistemas de defesa antiaéreo russo, escalonados e tal, não perderam sequer um avião.

      • Arc says:

        Olha, não lembro de nenhum sistema israelense indo contra sistemas russos, o que os israelenses tem feito é lutar nas colinas de Golã, fora isso nada mais.

      • S-88 says:

        Os israelenses não estão apenas nas colinas de Golã como também atacam o Hezbollah dentro de território sírio e mesmo em Damasco.

      • Richard says:

        Caro S-88

        Cabe lembrar que foi um custo alto para os israelenses, não foi simples assim como parece em seu comentário

      • S-88 says:

        O custo foi alto em 1973. Contudo,de 1982 em diante os israelenses foram bem sucedidos em evadir-se ou mesmo destruir os SAM inimigos.

      • Gary says:

        Não podemos nos esquecer que desde então a capacidade tecnológica bélica israelense cresceu e está anos luz a frente de muita gente boa que tem até torcida organizada.

      • Rprosa says:

        S-88 certamente o Pentágono não segue sua cartilha, pois jamais os EUA ou mesmo qualquer membro da trupe dos eurobambis ousariam atacar uma força russa, pois ainda há muito poder dissuassório do outro lado do Volga e dos Urais, assim se os falcões de Washington e Bruxelas perderem o juízo e resolverem criar uma no fly zone na Síria, como forma de proteger os rebeldes moderados criados por eles, criando bastiões para este flahgelo em Aleppo e Deir al-Zor, certamente o ataque seria efetuado com misseis de cruzeiro e munições stand off, e teriam como alvos as bases sírias, sendo que certamente os russos não pensariam duas vezes antes de abater os misseis de cruzeiro americanos, mas também não ousariam a atacar os aviões, sejam estes americanos ou dos eurobambis.

      • S-88 says:

        Nesse mesmo sentido meu caro Rprosa, os russos também não ousariam atacar os aviões norte-americanos e europeus que nesse momento estão a sobrevoar o território sírio. E o mesmo também se dá com os jatos israelenses.

      • Rprosa says:

        Existe um acordo de cavalheiros entre russos e israelenses, ou seja os israelelenses não mexem no borsch russo e os russos não mexem no Jachnun israelense, razão ep,a qual Israel não reclama quando jatos russos voam perto da fronteira e os russos não reclamam quando Israel dá umas sapecadas no Hezbollah, não havendo assim motivos para enfrentamento entre ambos.

        O perigo existe entre o desmiolado do Obama e sua trupe de falcões e os incapacitados da Europa, vez que Obama e incapaz de dominar os falcões e os eurobambis dançam conforme a música de Washington, com Bruxelas se comportando como grande meretriz.

        O tom beligerante e extremamente alto, e os ensaios e avisos de Moscou tem sido no sentido de que uma guerra nuclear com o Ocidente é cada dia mais possível, face a incapacidade de Washington e Bruxelas acatarem as normas do direito internacional e o próprio estatuto da ONU.

        Mas como você somente enxerga as coisas por um viés, certamente culpará os russos e os sírios pela escalada da violência, bem como acusará os russos de ter atacado o comboio de ajuda humanitária do Crescente Vermelho enquanto isenta os EUA de terem atacado tropas sírias em pleno cessar fogo, finalizando com um pomo de ouro exortando só russos a abandonarem Assad deixando-o a mercê dos exemplares rebeldes moderados da OTAN/UE.

        Espero que voc^tenha lugar em algum bunker americano, pois infelizmente há nuvens cada vez mais negras no horizonte, e estas nuvens negras transformar-se-ão em tempestades caso a Hillary Clinton seja eleita.

      • Topol says:

        Durante a chamada guerra de esgotamento as forças armadas egípcias faziam avançar seus SA-6 gainfull enquanto ganhavam terreno e impuseram 73 baixas a caças da força Aérea israelenses. .. lembre-se disso pois está registrado na história.

        Recomendo assistir o documentário ” tudo sobre aviões de combate” “a forca aérea israelense” disponível no YouTube.

      • S-88 says:

        O Sistema SA-6 debutou na guerra do Yom Kippur. Provocou muitas baixas porque usava guiagem por ondas contínuas e os interferidores usados pelos israelenses operavam em ondas alternadas. Na verdade o que neutralizou os SAM egípcios em especial foi a artilharia israelense, após Sharon ter cruzado o canal

      • Topol says:

        Alega-se que Israel só conseguiu se livrar das perdas impostas pelo SA-6 após a chegada de técnicos norte-americanos que analisaram as ondas de rádio e entenderam o tipo de comunicação entre radar e míssil finalmente tornaram possível a utilização de medidas electrónicas contra o míssil.

        Além disso, descobriu-se que na fase de lançamento os mísseis 3M9 descreviam uma trajectória muito baixa, pelo que os aviões de Israel tinham possibilidade de destruir as baterias efectuando ataques de voo picado, ao estilo dos Stuka da II Guerra Mundial. Várias baterias foram destruidas até que foi assinado o cessar-fogo.

  8. Alvez8O says:

    Só espero que a situação não escale ao ponto de confronto direto, porque em tal conflito onde vários atores tem armas nucleares, qualquer lado que se sinta encurralado terá uma grande tentação de usar poder nuclear.

    E ali naquele cantinho do Mediterrâneo, a radiação atômica se propagaria muito fácil, pelo ar e pelo mar…Além da Síria, seriam afetados Israel, Líbano, Chipre, Turquia, Grécia…Isto em um primeiro momento!

  9. Warpath says:

    O S-300 já não foi enviado logo no início da campanha Russa? Foram retirados e agora estão sendo recolocados?

shared on wplocker.com