Categories
Defesa Rússia Sistemas de Armas Tecnologia

Rússia projeta navio anfíbio que substituirá os Mistral

Mistral

O Escritório de Design de Neva (São Peterburgo) criou um projeto de navio de assalto anfíbio que será uma alternativa aos porta-helicópteros franceses do tipo Mistral, informou nesta terça-feira uma fonte do setor de Defesa russo.

“O navio de desembarque do projeto Priboi terá capacidade para carregar 14 mil toneladas e medirá 165 metros de comprimento”, disse a fonte à Sputnik.

O navio poderá alojar até 500 pessoas e carregar até oito helicópteros Ka-27 e Ka-52. Além disso, terá espaço para transportar entre 40 e 60 equipamentos militares. A construção do novo navio pode começar em 2016, informou a mesma fonte.Russian helicopter carrier in response to the failed Mistral deal 1

O contrato de fornecimento dos porta-helicópteros da classe Mistral foi assinado entre a empresa francesa DCNS/STX e a russa Rosoboronexport em 2011. A França deveria ter entregado o primeiro navio, chamado Vladivostok, em novembro do ano passado, mas não cumpriu o compromisso alegando a escalada do conflito na Ucrânia.Russian helicopter carrier in response to the failed Mistral deal 3
A Rússia espera que a Paris cumpra o contrato ou devolva o dinheiro.

Fonte: Sputniknews

28 replies on “Rússia projeta navio anfíbio que substituirá os Mistral”

[…] O Escritório de Design de Neva (São Peterburgo) criou um projeto de navio de assalto anfíbio que será uma alternativa aos porta-helicópteros franceses do tipo Mistral, informou nesta terça-feira uma fonte do setor de Defesa russo. © REUTERS/ STEPHANE MAHE Vice-premiê russo nega desistência dos Mistral “O navio de desembarque […] …read more […]

Falando em Rússia,
segue tradução (Google, sem correções) de um texto muito bem sacado 🙂
—————————–

NÃO-INVASÃO RUSSA CAUSA PREOCUPAÇÃO EM CAPITAIS EUROPEIAS

As tensões em todo os Estados Bálticos e na Polônia atingiu seu auge nos últimos dias como se tornou cada vez mais claro que os russos têm qualquer intenção de atacar qualquer um desses países. Para o ano passado, a Polônia, Letônia, Lituânia e Estônia foram dando advertências cada vez mais urgentes da invasão russa e vêm tentando convencer o resto do mundo de que deve agir de forma decisiva, a fim de parar o presidente Vladimir Putin a realização de seu plano para recriar a União Soviética, desta vez a partir de Vladivostok para Joanesburgo.

No entanto, apesar de emissão repetidas advertências de perigo iminente, os russos estão ainda mostrando sinais de transformar-se e até mesmo parecem estar dizendo que eles têm coisas melhores para fazer com seu tempo. Só na semana passada, Putin afirmou em uma entrevista ao jornal italiano, Il Corriere della Sera, que a idéia de atacar um país da OTAN foi apenas no “pesadelo de uma pessoa insana”.

A recusa de invadir tornou-se uma fonte de muita consternação em Varsóvia, Riga, Tallinn e, mas ele vem como um golpe particularmente amarga para o Presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaite, que tem sido cada vez mais vocal sobre a ameaça e que colocou o país em modo de pânico por algum tempo. No início deste ano, em preparação para a invasão iminente, o governo em Vilnius colocar para fora um de 100 páginas de informações públicas panfleto – Como agir em situações de guerra ou casos de extremos – que aconselhou os cidadãos como sobreviver a uma invasão russa, e que contém seções sobre “a organização da resistência civil” e “como agir em condições de campo de batalha.”

Um porta-voz do ministro da Defesa, Juozas Olekas, que lançou o livreto em janeiro, foi claramente chateado com a resposta russa:

“Fomos para todos os problemas que a produção de um folheto sobre o que fazer quando eles invadem, e então eles não têm sequer a decência comum para vir e invadir-nos”, disse ele. “É apenas típico dos russos. Você simplesmente não pode confiar neles com qualquer coisa. ”

Ele passou a dizer que o país estava agora aconselhar os seus cidadãos sobre o que fazer no caso de uma não-invasão russa, e um segundo panfleto – Como agir em situações ou ocorrências de paz normais – já está a ser preparado no caso de os russos realizar sua ameaça não vir. A nova brochura é dito para aconselhar os lituanos sobre como lidar com a idéia de que seu país pode não ser tão importante para a Rússia depois de tudo, e que contém uma série de outras coisas que as pessoas podem obter trabalhou sobre a Rússia, a fim de prejudicar a próprios problemas internos do país.

Em Varsóvia, onde a hostilidade a Rússia tem vindo a crescer devido a um programa de sensibilização do Governo em curso, porta-voz do Governo polaco, que desejou permanecer anônimo, disse o seguinte:

“A Rússia invadiu a Ucrânia em nada menos que 47 vezes durante os últimos 12 meses ou mais. Nós não sabemos por que eles continuam invadindo, e, em seguida, recuar e, em seguida, reinvading novamente, mas sabemos que eles têm, porque temos vindo a manter um olhar atento sobre Twitter e Facebook, e porque Arseniy Yatsenyuk diz isso. Claro que, naturalmente, supor que, mais cedo ou mais tarde, isso significaria que eles viriam para nós – pelo menos é o que temos vindo a dizer aos nossos povos para o último ano – e assim a idéia de que eles poderiam ficar em casa depois de tudo é má notícia de fato. Se eles não continuam a vir, as pessoas podem realmente começar a pensar que era tudo uma brincadeira boba para prejudicar a sua atenção para longe de questões próprias da Polónia, e que poderia ser desastroso para nós, como uma nação. ”

O temor de que a Rússia poderia ficar em casa é ecoado em Washington, com um porta-voz do Departamento de Estado, parecendo genuinamente perplexa:

“Temos a certeza de que os russos querem recriar a União Soviética. Isso é o que nosso presidente disse no outro dia e nós não temos nenhuma razão para não acreditar nele. O primeiro porto de escala antes de chegar a Joanesburgo deve certamente ser os Estados Bálticos e, em seguida, Polónia. Então, por que eles não vão invadir? É um mistério para nós, mas estamos continuando a trabalhar com os nossos vassalos … desculpe eu quis dizer aliados, para assustar as pessoas a compreender a ameaça, e eu acho que é importante notar que, mesmo não-invasão pode ser considerada uma parte da sua agressão em curso ”

Na semana passada, havia esperanças de que a invasão pode estar prestes a acontecer, quando dois tufões do RAF britânicas estacionadas na Estônia foram mexidos para interceptar e sombra dois aviões militares russos ao longo do Mar Báltico. No entanto, as esperanças foram frustradas quando foi apontado por especialistas, que olhou para um mapa, que a Rússia está ao lado do Mar Báltico e uma visão alegre mais perto do que a Grã-Bretanha é.
————————-

*Original em inglês:

http://www.theblogmire.com/russian-non-invasion-causing-concern-in-european-capitals/

helveciofilhosays:

Sr.Alvez8O

Já irão dizer a estes malucos capitaneados pelos EUA, como foram os nazistas daquelas republiquetas dos Balticos; a atacar os russos de forma preventiva… rsrsrs..
.
.
“Se você vê um russo, ataque logo ele antes que ele faça o mesmo com você ” … coisa de estado paranoico como já é os EUA .

“Se você vê um russo, ataque logo ele antes que ele faça o mesmo com você ” … coisa de estado paranoico como já é os EUA .

Infelizmente, é verdade!

César Pereirasays:

Tem se tentando criar uma mentalidade anti Rússia, demonizando atitudes normais como se fossem ameaças, como é o caso dos patrulheiros russos que voam em espaço aéreo internacional, e a reação natural da Rússia a quebra de acordo mútuo por parte da Otan !

Nao duvido nao ,pois vc eh uma destes idiotas teleguiados que sofreu este tipo de lavagem,kkkk,soque anti-americana !

so 165 metros o navio vai ter achei pequeno o mistral tem 200 metros????
parece que so pra regiao mesmo tipo regiao da europa, mar negro medierranio e fazer um ponte entre a base da marinha do pacifico e as ilhas disputadas com o japao

E só uma maquete, faltam anos para sair alguma coisa próxima do Mistral.

Caro Deagol

Lá na Russia seria realmente anos para desenvolver, já aqui no Brasil, levaria décadas.

Sds

Na verdade eu acho mais interessante um número maior de navios de menor envergadura.

Com os armamentos atuais é mais fácil colocar um alvo de grandes dimensões a pique, mas uma força distribuída teria mais condições de cumprir a sua missão.

Por exemplo, no caso de o Brasil ter de recuperar uma área invadida, acho que seria mais inteligente estrategicamente fazer a abordagem com 3 navios de 500 tropas, que apenas com um de 1500 tropas.

Fica óbvio que todo o esforço inimigo seria facilitado por ter que focar em apenas um único alvo de maior valor.

Fica claro também, para mim, que a proposta russa vai ser mais viável para países que quueiram investir neste tipo de embarcação, mas com custos mais “razoáveis” que as versões francesa e espanhola.

Na verdade há até modelos mais antigos de designs semelhantes nesta classe de navio. Os Mistral/Canberra são apenas boas referências de navios modernos nesta classe, mas não os únicos, ou os donos do “mercado”.

http://greenstylo.blogspot.com.br/2013/12/turkey-selects-local-shipyard-for-lpd.html

http://bit.ly/1BFy5M1

http://bit.ly/1Cm7azJ (chinês já tem bons contratos com Rússia, logo este poderia ser mais um projeto conjunto!)

http://2.bp.blogspot.com/-a3qUphsEfDY/T8ZE4aj4D9I/AAAAAAAACVM/Qo2vV8nM6LE/s1600/1335336692_70566.jpg

http://www.forcesdz.com/forum/viewtopic.php?t=131

http://bit.ly/1BFyVsd

Espero realmente que os russos desenvolvam um excelente projeto, e acabem com a banca, e a “excelência” que os franceses vinham ostentando com a classe.

Como era de se esperar, estamos muito mal amarrados com nossos submarinos.

Belos exemplos…. sem dúvida um baita de um tiré dans le pied !!!

lure araujosays:

agora só falta brotar um estaleiro do céu.

Constante Constantesays:

Serve o estaleiro que fez metade de dois navios da classe Mistral em territorio russo?

Não sabia que um estaleiro russo tinha feito a metade de dois navios mistral comprando tecnologia francesa.

Rafa_positronsays:

Pois foi feito sim, Deagol

Uma parte significativa dos mistrais Vladivostok e Sebastopol foi feito em solo russo… Em estaleiros russos

Procure na internet e verá

A França transferiu para a russia a tecnologia do corte e da montagem

Curioso… Parece uma adaptação de um navio cargueiro ou coisa que o valha… Ao contrário do que muitos podem pensar, seria o caminho lógico a ser traçado. E digo mais: nesse caso, dependendo da tonelagem, há chances de sair rapidamente…

_RR_

Eu penso que este deve ser o caminho que irão seguir, pois é mais pratico e sensato, mas …

Sds

Caro Richard,

Não creio que irá ser gerada uma embarcação inferior. Muito pelo contrário. Se for feito um bom trabalho na adaptação do casco e estrutura, então ter-se-á uma embarcação que a princípio não deverá nada a tipos ocidentais similares.

Exemplos de adaptações bem sucedidas desse tipo não faltam, que vem desde os porta-aviões leves de escolta da SGM até os nossos dias, com tipos como a classe Canterbury ( reservadas as devidas proporções/tipo de embarcação ).

Saudações.

Tudo isso, considerando que esse projeto russo seja mesmo uma adaptação de um meio civil…

Creio ser uma questão de honra pra Russia, e só devem estar esperando o externo dos valores pagos para redirecionar os investimentos para seus estaleiros, claro, devem estar correndo contra o tempo pra fechar o projeto final, já que essa construção não era prevista. Sds

*Extorno onde se encontra Externo.

Que seja… Na verdade o que importa mesmo é o equipamento que esse navio vai carregar… É isso que vai fazer a diferença

O negócio nem saiu do papel ainda e já começaram a criticar. Essa foto ai é apenas uma maquete não oficial ainda..

,..Gosto do modo como os Russo responde aos traíras dos francos,é pelo jeito terá às msm dimensões do Mistral ou até > , parabéns ao Urso, c Ivan ñ se brinca, a coisa é séria. O ex KGB sabe das coisas..E ainda vão devolver a grana c juros e correção, dá p 5 ou mais,trouxas traíras, abrolhos BRASIL .Quem viver verá.Sds. 😉

Comments are closed.