Defesa & Geopolítica

Para especialista J -10B Seria o caça mais indicado para Argentina

Posted by

Chengdu-J-10BAR

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

Original  Editor: Zhang Tao  do artigo original extraído do China Military Online.

O J-10 é a aeronave mais adequado para Argentina (Fonte: China Militar Online) 2015/02/11

BEIJING, 11 de fevereiro (ChinaMil) – O “Chengdu FC-1 é um caça leve desenvolvido pela Chengdu Aircraft Industry Co. Ltd especificamente para o mercado nos países do terceiro mundo. Suas vantagens incluem uma alta relação preço-desempenho, com um preço unitário de apenas US$ 30 milhões, ” Afirmou  Xu Yongling, piloto de testes meritório do caça J-10 e especialista  teórico da PLAAF.

No entanto, Xu Yongling também apontou que o Chengdu FC-1 se originou a partir do J-7, afinal, não é um caça de  quarta geração em um sentido estrito, portanto, com relativamente baixa eficácia operacional.

Typhoon-Image-2

“Os britânicos  possuem agora seis caças Typhoon na Malvinas (Falkland), enquanto que a cinco anos atrás este efetivo era de quatro ou cinco. Uma vez que a situação tornar-se tensa, ou simplesmente se Argentina atualizar seu equipamento da força aérea, a Grã-Bretanha pode continuar enviando seus Typhoon ou mesmo aeronaves AWACS E-3 ao longo da rota “Grã-Bretanha-Gibraltar- Ilhas Ascenção- Malvinas (Falkland )a qualquer momento.Para tal, 14 FC-1 parecem ter superioridade quantitativa sobre seis caças Typhoon, mas a Grã-Bretanha pode absolutamente implantar um ou dois esquadrões de caças Typhoon e aviões de alerta antecipado na Malvinas a qualquer momento.”

Aos olhos de Xu Yongling, a introdução do caça FC-1 realmente não ajuda substancialmente a melhorar a situação nas Malvinas já que não há superioridade quantitativa e a capacidade de combate de simples aeronaves como o FC-1 é obviamente inferior às do Oponente. “Mesmo que se compare o pouco recurso gasto em comparação ao J-10, isso seria um desperdício”, disse Xu.

J10 (3)

Somente os novos caças  J-10B podem se opor aos Typhoon. “Se a Argentina possuir o novo modelo J-10B, que também é um caça 4,5G  equipado com o radar Phased Array, ela seria completamente capaz de combater os Typhoon equipados com radar Doppler pulsado tradicional.  Com o equipamento de navegação avançado que atinge o nível para caças 5G, o J-10B também pode levar mísseis ar-ar que atingem o nível de elevação mais alto do mundo, isso inclui o míssil de médio alcance guiado por radar ativo PL-12 e os mísseis guiados por infravermelhos PL -10, que são nada inferior aos mísseis de médio alcance AIM-120 e Sidewinder.”

Jian-10 (J-10B) AESA RADAR fc-20 PLAAF PAF (5)

No entanto se o J-10 for lançado na direção das Malvinas? seu raio de combate será limitado, é preocupante, uma vez que as Ilhas Malvinas estão a 500 km de distância do continente Sul Americano e da Argentina. Porém o J-10B pode reabastecer em voo, e isso não é um grande problema se a aeronave de reabastecimento também for incorporada a Força Aérea Argentina.Alcance J-10 Operando na Argentina

“Diante da Grã-Bretanha, uma nação poderosa, bem como dos países vizinhos, como Chile e Brasil, que têm aviões de guerra de quarta geração, a Argentina sente-se inferiorizada pelos seus obsoletos aviões de combate”, disse Xu Yongling, “Os caças 46 caças F-16 Chilenos juntamente com o Awacs “Condor” adquirido de Israel e os três reabastecedores KC-135 recém adquiridos , dão ao Chile uma superioridade aérea incontestável.”

“O Brasil assinou recentemente um acordo com a Suécia no ano passado, o qual visa a aquisição de 108 caças Gripen NG, o primeiro lote de 28 caças será entregues em 2019.”

Em tal ambiente estratégico sombrio, a Argentina tem de escolher o equipamento do mesmo nível, e ai só há uma saída, o novo modelo do J-10, que lhe proporciona a liberdade de escolha e  margem de manobra.

Uma vez que as linhas de produção para caças e munições estão disponíveis na Argentina, isso a torna capaz de produzir seus caças avançados sem parar, fazendo com que o custo da entrega das forças de combate do continente da Grã-Bretanha se eleve demais para suportar, não importa a aviação das forças terrestres ou esquadrões baseados nos porta-aviões.

Na  América do Sul a argentina é o ponto de entrada ideal para a exportação de caças bombardeiros chineses mas, venda de sistemas de  armas é um campo sensível. Cada país avalia com muito cuidado quando começa a compra armas de outros países. Mas uma vez que esta porta seja aberta, as relações de venda de armas serão altamente estáveis ​​e durarão por muito tempo.J10 (1)

Xu Yongling deu um exemplo. Índia começou a comprar armas da União Soviética a partir da década de 1960, e agora se adapta muito bem e confia no equipamento russo.

“Embora os caças franceses Dassault Rafale tenham vencido a licitação para a mais recente grande encomenda da Força Aérea indiana por 126 caças, nenhum progresso foi feito até agora. Nesse momento o negócio muito provavelmente falhará porque os franceses querem aumentar o preço. Não é fácil, mesmo para a América, e muito menos para a França vender armas para a Índia. “

“Aeronaves militares chinesas nunca foram sucesso de vendas no passado, porque, por um lado, alguns países estavam em dificuldades econômicas e por outro a fabricação chinesa tinha defeitos. Mas a indústria chinesa de aviação hoje não é o que costumava ser. ” Xu Yongling acredita que a China deve tomar medidas sólidas para encontrar um ponto de entrada no mercado internacional para os seus caças avançados e como ponto de entrada pode simplesmente deitar em tais países sul-americanos como Venezuela e Argentina.

Fonte: China Defence Blog

Nota do Editor: Segundo matéria veiculada pela fonte oficial do PLA em 2014, o caça J-10B não estará disponível para exportação nem mesmo para seu parceiro estratégico o Paquistão, a menos que o Partido Comunista Chinês resolva abrir esta exceção a Argentina teria que se contentar com o J-10A ou pelo FC-1 como tem sido propagado pela mídia recentemente.

E.M.Pinto

shared on wplocker.com