Defesa & Geopolítica

EUA e tropas curdas rompem cerco e facilitam saída de minoria no Iraque

Posted by

IRAQ-SECURITY_YAZIDIS-KILLINGS-GDC1Q8GI5.1Pentágono vê como ‘bem menos provável’ necessidade de militares em terra para salvar yazidis

Grupo radical Estado Islâmico teria realizado sequestro de mais de 100 mulheres e crianças, diz rede CNN

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Após três bombardeios americanos a posições do grupo radical Estado Islâmico (EI) na montanha Sinjar e a ação de combatentes curdos armados pelos EUA, o cerco aos milhares de yazidis que estavam no monte localizado no norte do Iraque foi rompido, disse o governo americano no fim da noite desta quarta (13).

Isso fez com que o Pentágono considerasse “bem menos provável” uma ação dos EUA em terra para resgatar os civis. A decisão foi tomada após a avaliação de cerca de 20 militares e analistas americanos, que estiveram na montanha na madrugada de terça (12) para quarta.

“A equipe avaliou que existiam muito menos yazidis no monte Sinjar que o previsto. Os yazidis que restaram estão em melhores condições do que pensávamos e continuam a ter acesso à comida e água que nós enviamos”, disse o Pentágono, por meio de um comunicado divulgado na noite desta quarta, acrescentando que a ajuda humanitária americana continuará a ser enviada.

Mais cedo durante esta quarta-feira, a Casa Branca chegou a considerar o uso de tropas terrestres para ajudar os iraquianos em uma ação de resgate.

A rede americana CNN informou que cerca de 100 mulheres e crianças yazidis teriam sido sequestradas por militantes do EI na cidade de Sinjar, segundo um radical.

Também nesta quarta, o presidente da França, François Hollande, decidiu, em coordenação com autoridades de Bagdá, enviar armas às forças curdas que combatem os radicais do EI.

A decisão foi tomada para “responder às necessidades urgentes expressadas pelas autoridades regionais do Curdistão”, disse o governo francês,que anunciou ainda o envio de ajuda humanitária.

A Alemanha, que até o início da semana descartava o envio de armas para zonas de conflito, declarou que está preparada para armar os curdos contra os radicais sunitas do EI.

TENSÃO POLÍTICA

O primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, disse nesta quarta que a nomeação de Haidar al-Abadi para substituí-lo no cargo violou a Constituição e “não tinha nenhum valor”.

Maliki disse que só deixará a função após determinação judicial.

Para ele, a nomeação não era válida sem a decisão final do Tribunal Federal, para o qual apelou na terça (12) contra a decisão de encarregar Abadi com a formação de um novo governo.

Em nota, o Dawa, partido de Maliki, defendeu sua saída, e “pede para os blocos políticos trabalharem em cooperação com o primeiro-ministro constitucionalmente nomeado, Abadi”.

O xiita Maliki ocupa o cargo desde 2006 e tem sido criticado internacionalmente por marginalizar iraquianos sunitas, curdos e minorias.

Fonte: FSP via Resenha CCOMSEX

7 Comments

shared on wplocker.com