Defesa & Geopolítica

Para USAF, caças de quinta geração são cruciais para superioridade aérea

Posted by
O caça F-35 (a frente) e o F-22 representam os mais modernos caças da atualidade, e são essenciais para manter a superioridade aérea dos EUA. (Foto: Lockheed Martin)

A Força Aérea dos EUA é o força aérea e espacial mais avançado do mundo e, com a integração de aeronaves de quinta geração, está ganhando novas vantagens táticas que transcendem além da furtividade em áreas como a capacidade de manobra aprimorada, capacidade multi-tarefa e sensores e sistemas integrados que pode se comunicar com outros sistemas de armas.

É por isso que é imperativo que as forças americanas continuem desenvolvendo e comecem a usar a quinta geração de caças enquanto elas mudam para nova estratégia baseada no Pacífico, de acordo com o tenente-general Herbert J. “Hawk” Carlisle, vice-chefe do Estado Maior de Operações, Planejamento e Requisições, da sede da Força Aérea dos EUA.

Durante o café da manhã mensal da Associação da Força Aérea em Washington, no dia 28 de fevereiro, o general disse que os caças de quinta geração, como o F-35 Joint Strike Fighter e o F-22 Raptor, são essenciais para manter a superioridade aérea e as competências essenciais de ataque de precisão global.

“O ambiente de ameaça continua a crescer, assim enquanto nós olhamos como vamos manter essas competências no futuro, e é onde os caças de quinta geração surgem”, disse ele. “Não é apenas sobre a capacidade stealth”.

O furtivo F-22 Raptor, o único caça de quinta geração em operação. (Foto: Senior Airman Vernon Young / U.S. Air Force)

“O F-22 é melhor do que qualquer outra aeronave do mundo no cenário ar-solo, exceto para o F-35, e o F-35 é melhor do que qualquer outra aeronave do mundo no cenário ar-ar, exceto para o F-22″, disse Carlisle.

O general disse que a Força Aérea pode continuar a manter a quarta geração de aeronaves de elite do mundo, mas isso não irá preparar os EUA para lidar com as ameaças no futuro. “A nossa Força Aérea tem de continuar a evoluir para atender a esses novos desafios à medida que avançamos para o futuro”, disse Carlisle.

Além da furtividade, a super manobrabilidade e a integração de sensores e equipamentos é essencial para a supremacia aérea com os caças de quinta geração. (Foto: Lockheed Martin)

Para ilustrar esta evolução e a tecnologia de quinta geração de jatos de combate, o general partilhou um cenário no qual um links de dados coordenadas por um F-22 com um submarino da Marinha lançava um míssil Tomahawk num alvo.

“Agora você tem duas plataformas furtivas, um submarino e um F-22, comunicando-se com a artilharia naval”, disse ele.

Esse nível de interoperabilidade é uma grande parte do que faz o avião de quinta geração, tão vital para a Força Aérea e para os militares dos EUA em geral, acrescentou. A aeronave não deve apenas ser invisível, mas também de ser altamente manobrável, ser capaz de realizar várias funções, e estas aeronaves devem também ser capazes de lidar com sensores e informações da aviônica de uma maneira em rede integrada não só para o piloto mas para toda a força combinada .

“Temos que ter uma capacidade de sistema integrado e tê-los em rede e integrados em toda a força”, disse ele. “Para mim, isso é tão importante em um caça de quinta geração como qualquer outra coisa.”

Texto: Tech. Sgt. Jess Harvey, Air Force Public Affairs Agency – Tradução: Cavok

22 Comments

shared on wplocker.com