Defesa & Geopolítica

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA fazem exercício de treinamento conjunto e estreitam seus laços

Posted by

Por Claudia Sánchez-Bustamante

Após seis semanas de exercícios conjuntos de treinamento no Rio de Janeiro, Brasil, foi encerrado no final de setembro o primeiro exercício de Treinamento de Intercâmbio Conjunto e Combinado (JCET) entre o 3º Batalhão de Comando de Operações Especiais e Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (MARSOC) e a elite do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil.

O Tenente-Coronel Jon Duke, Comandante do 3º Batalhão de Comando de Operações Especiais e Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, explicou que a equipe do JCET vem sendo preparada para aumentar seu comprometimento com o Corpo de Fuzileiros Navais brasileiro desde 2010, com o objetivo de aprofundar os laços com as contrapartes do Brasil.

“Devido ao crescente papel do Brasil como potência global e como importante parceiro dos EUA, a equipe do JCET do MARSOC se preparou para este exercício durante 18 meses”, disse o Tenente-Coronel Duke. A iniciativa militar com os Fuzileiros brasileiros concentrou-se no intercâmbio de procedimentos táticos incluindo táticas de ação direta e reconhecimento especial, tais como as habilidades de combate homem a homem.

Por sua vez, o Capitão Fernando José Afonso Ferreira de Sousa, Comandante do Toneleros, o batalhão de operações especiais dos Fuzileiros Navais brasileiros, declarou: “O intercâmbio entre as unidades foi importante para que aprendêssemos com as experiências mútuas”.

Os principais destaques incluíram a visão dos diferentes tipos de terreno onde os Fuzileiros brasileiros treinam e atuam, porque os Fuzileiros Navais dos EUA estavam habituados a operar no Oriente Médio. “Uma lição geral que todos nós aprendemos foi que Fuzileiros são Fuzileiros em qualquer lugar do mundo”, declarou o Tenente-Coronel Duke.

Entre outras coisas, os participantes também treinaram habilidades específicas de tiro, incluindo tiro livre, o que trouxe benefícios para ambas as partes.

“Ficamos muito impressionados com o profissionalismo e a experiência em habilidades de reconhecimento demonstrados pelos Fuzileiros”, disse o Tenente-Coronel Duke ao avaliar com os Fuzileiros Navais norte-americanos o que eles aprenderam com as contrapartes do Brasil. “A cultura brasileira é muito rica, e este foi um aspecto da experiência em geral que nos impressionou muito também”, acrescentou.

Com o trabalho conjunto, no entanto, os EUA também deixaram importantes legados para os brasileiros. A integração da inteligência e das operações em nível de equipe e a integração da inteligência em um nível muito tático foram aspectos importantes do treinamento conjunto que os Fuzileiros Navais norte-americanos mostraram aos parceiros do Brasil.

“A equipe do MARSOC trouxe pessoal, treinamento e capacitações da mais alta qualidade, e desenvolveu uma camaradagem duradoura com os Toneleros”, acrescentou o Capitão Ferreira de Sousa.

Durante as seis semanas de treinamento, os participantes de ambos os países construíram laços sólidos que abrirão o caminho para futuras iniciativas.

Fonte: Diálogo

21 Comments

shared on wplocker.com