Defesa & Geopolítica

Análise da indústria de defesa russa, um jogador importante no mercado de armas para a América Latina em 2016 – 2021

Posted by

RosoboronexportTradução e adaptação: E.M.Pinto

De acordo com uma fonte da indústria de defesa russa, a Rússia é suposto ser um jogador importante no mercado de armas da América Latina no período entre 2016-2021. Empresas de defesa russas estão a aumentar a sua atividade na América Latina.

“Sim, a região da América Latina é suposto ser uma das melhores perspectivas para a indústria de defesa russa. Há uma grande quantidade de unidades obsoletas de equipamento militar nas forças armadas dos países da América Latina, é suposto que sejam  substituídos no futuro próximo. As armas vão de fuzis de assalto, Aeronaves de combate e carros de combate (MBT).

Por exemplo, o Paraguai ainda está mantendo um número limitado de carros M3 e M4 Stuarts Shermans em serviço! Naturalmente, estes veículos da Segunda Guerra Mundial devem ser substituídos em um curto período de tempo, a sua obsolência é óbvia. O Brasil precisa de modernos mísseis de defesa portáteis anti aéreos (MANPAD) e sistemas auto-propulsados de defesa  anti-aéreo (SPAAGM).

Este país já lançou o programa de aquisição de veículos de recuperação blindados (ARV). A Colômbia e o México sentem a necessidade desesperada por helicópteros de transporte militar médios, ou seja, aeronaves da classe dos russos Mi-8/17. Ambos os países estão ativamente usando helicópteros na luta contra militantes e contra o tráfico de drogas. O Peru parece ser um cliente em perspectiva para aeronaves russas e veículos blindados. Assim, o mercado de armas da região da América Latina é suposto ser um futuro promissor “, disse a fonte.

Em 8 de Fevereiro, a Rosoboronexport anunciou o fornecimento de um sistema de manutenção móvel para reparação e revisão de aeronaves de asa rotativa para o Peru. Pouco antes, o país latino-americano recebeu vários lotes de helicópteros Utilitários médios de origem Russa, modelo Mi-171Sh-P. Em janeiro de 2016, o Exército Brasileiro recebeu um lote de mísseis portáteis (MANPAD) 9K333 Igla-S (SA-24 Grinch). Assim, a Rússia está melhorando as suas posições no mercado de armas da América Latina.

De acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso dos Estados Unidos (CRS), o fornecimento de armas russas para os países latino-americanos foram avaliados em cerca de US$ 9.1 bilhões (a segunda posição depois dos Estados Unidos, com US$ 15 bilhões).

As fontes incluem 140 carros de combate (MBT) e canhões autopropulsados ​​(SPG), 140 peças de artilharia, 400 veículos blindados (APC) e carros blindados (AC), 2 navios de superficiais menores, 20 aviões de combate supersônicos, 90 helicópteros, 5260 mísseis terra-ar. Os acordos de transferência de armas assinados entre a Rússia e os países da América Latina nos períodos de 2007-2014 foram avaliados em US$ 10.4 bilhões.

Venezuela

A Venezuela é o maior cliente das armas russas na região da América Latina. A exportação de armas russas para a Venezuela em 2014 foi avaliada em US$ 1.1 bilhões. Segundo consta, o país latino Americano recebe carros de combate T-72M1. Deve-se salientar, que este país latino-americano adquiriu uma vasta gama de armas que incluem fuzis de assalto AK-103 carros de combate T-72M1, veículos de combate de infantaria (IFV) BMP-3, caças Su- 30MK2V (Flanker-G) e  helicópteros de ataque Mi-35M (Hind-e) .

De acordo com os dados fornecidos pelo Instituto Stockholm International Peace Research (SIPRI), o fornecimento de armas russas à Venezuela em 1991-2014 foram avaliados em US$ 4.71 bilhões. No entanto, agora a Venezuela está sofrendo com a baixa dos preços do petróleo. Esse fato pode ter uma influência negativa sobre a cooperação técnico-militar entre a Rússia ea Venezuela.

Brasil

O Brasil adquiriu dois tipos de MANPADS russos, os mísseis 9K33 Igla (SA-18 Grouse) e 9K333 Igla-S. Além disso, um esquadrão de helicópteros de ataque Mi-35M (12 aeronaves) designação nacional AH-2 Sabre.

Devido aos  Jogos Olímpicos no Rio-de-Janeiro 2016, o Brasil pretende comprar cerca de 18 Sistemas Pantsyr-S1 (SA-22 Greyhound) SPAAGM desenvolvidos pela KBP. Os sistemas são supostos ser a melhor opção para a defesa aérea durante os próximos Jogos Olímpicos. Eles são equipados com uma estação de combate combinado, que inclui os mísseis terra-ar 9M311 e  2A38M.

Assim, ambos os pequenos e relativamente grandes alvos aéreos podem ser facilmente destruídos. O Pantsyr-S1 pode efetivamente eliminar até mesmo um enxame de veículos aéreos não tripulados pequenos, utilizando apenas armas Terra-Ar carregadas com munição relativamente baratas. Assim, o SPAAGM russa é suposto ser a de melhor custo-benefício em sua classe. Apesar disso, as dificuldades financeiras podem mudar os termos e prazos do contrato proposto, que ainda pode suspirar à crise.

O Brasil também revelou a sua intenção de ser um fornecedor para o mercado internacional de armas. Tendo em conta a política Russa de licenciamento de fabrico  (ou desenvolvimento conjunto e de produção), segundo consta as ofertas de coprodução russas podem ser ofertas  atrativas para o Brasil. O fornecimento de armas russas para o Brasil em 1991-2014 foram avaliados em US$ 174 milhões.

Colômbia

A Colômbia é operadora de aproximadamente 25 helicópteros de trasporte russos  Mi-8/17 fabricação russa Mi-17. Essas aeronaves estão sendo ativamente explorados durante a “guerra às drogas” campanha contra o tráfico de drogas no país.

As autoridades militares da Colômbia especificamente da aviação do Exército (CAAC) têm enfatizado o mérito da aeronave russa na luta contra o terrorismo e às drogas.

“O Mi-17 pode transportar até 23 militares plenamente equipados das forças especiais , enquanto o seu homólogo norte-americano, UH-60 Black Hawk transporta apenas dez. O  Mi-17 é mais adequado para operações especiais, e evacuação médica “, disse um oficial da CAAC à TASS- DEFENSE.

Na conferência de imprensa, em abril de 2016, o ministro da Defesa colombiano, Juan Bueno revelou as intenções das forças armadas nacionais ema adquirir novos helicópteros de serviço público. Assim, a opção pelo Mi-17 parece ser favorável na Colômbia. O fornecimento de armas russas para a Colômbia em 1991-2014 foram avaliados em US$ 172 milhões.

Peru

Uma fonte da empresa russa Uralvagonzavod (UVZ), informou que um veículo T-90SM tinha sido transferido para o Peru para os ensaios. Este país da América Latina recentemente recebeu helicópteros de ataque 24 Mi-171Sh-P. O Peru também precisa de aeronaves de apoio aproximado, novos veículos IFV e APC. O estado está lutando contra o grupo terrorista Sendero Luminoso, de modo que o Peru precisa de uma grande quantidade de armas de contra-insurgência.

No passado o Peru recebeu armas soviéticas / Russas em enormes quantidades. O fornecimento de armas russas para o Peru em 1991-2014 foram avaliados em US$313 milhões. O Peru precisa de novos MBT, atualmente operam os obsoletos MBTsoviéticos T-55. Como uma fonte da empresa russa Uralvagonzavod (UVZ), disse que a T-90ms MBT tinha sido transferido para o Peru para os ensaios. Este país da América Latina recentemente recebeu 24 Mi-171Sh-P helicópteros. Peru também precisa de aeronaves de apoio próximo, novas IFVs e APCs. O estado está lutando contra o grupo militante Sendero Luminoso, de modo Peru precisa de uma grande quantidade de armas contra-insurgência.

Portanto, armas russas ainda permanecem avidamente procurados pelos clientes internacionais. Rússia parece deter a segunda posição no mercado de armas da América Latina na future.- previsível

 

Fonte: Armyrecognition

3 Comments

shared on wplocker.com