Defesa & Geopolítica

LAAD 2015 MBDA

Posted by

MBDANa exposição LAAD que será realizada de 14 a 17 de abril de 2015 no Rio de Janeiro, a MBDA demonstrará suas capacidades únicas para proporcionar soluções da mais recente tecnologia em armas guiadas para cada uma das Forças Armadas – Força Aérea, Marinha e Exército .

Uma especial atenção será consagrada ao míssil Meteor, o míssil ar-ar de alcance além do visual (BVRAAM, em inglês), que já foi descrito como o “Game-Changer” no domínio da superioridade aérea.

Outra solução em destaque no stand é a nova geração de sistemas navais e terrestres de defesa antiaérea baseada na alta flexibilidade do míssil modular CAMM.

O DOMÍNIO DOS ARES

O Meteor, programa empreendido por seis nações europeias que fornecerá o principal armamento BVR do Gripen, Rafale e Eurofighter. O alcance extremamente longo deste míssil, associado à sua velocidade induzida por motor ramjet, tem como resultado uma arma dotada de uma “No Escape Zone” inigualável. Efetivamente, o METEOR foi concebido para ser muitas vezes superior às mais sofisticadas ameaças MRAAM atuais e emergentes.

Os visitantes poderão ver pela primeira vez durante a LAAD no stand da MBDA um modelo do Meteor em escala 1/1, além de outro modelo em escala menor apresentado junto a um modelo do Gripen, cujas versões E&F foram declaradas vencedoras da concorrência para o projeto FX-2 do Brasil, em dezembro de 2013.

É importante destacar que o Gripen é uma das três plataformas europeias que participam do programa Meteor, por isso o modelo desta aeronave, compatível com o Meteor, será apresentado pela MBDA em seu stand na LAAD. O Meteor oferece a máxima velocidade, especialmente nos momentos finais da missão conhecidos por jogo final (end game), assegurando assim altíssima agilidade para derrotar o alvo mesmo em manobras evasivas.

O Gripen se tornou um ator importante no programa Meteor com os testes de disparo que ocorreram desta plataforma desde 2006. Dual Mode Brimstone (DMB) Outro míssil que também será exibido no Gripen é o Dual Mode Brimstone (DMB) da MBDA. Esta eficaz arma ar-superfície, fácil de integrar em uma ampla gama de plataformas, oferece – no que se refere à capacidade do autodiretor- tanto Radar como um Laser Semi-Ativo (SAL em inglês).

O DMB comprovou significativamente sua infalível precisão em condições de combate durante as operações no Afeganistão e na Líbia. Por outro lado, testes recentes demonstraram sua notável precisão contra veículos terrestres em movimento a uma velocidade de 112 km/h, assim como sua capacidade única de neutralizar os FIAC (Fast Inshore Attack Craft) que rapidamente emergiam como uma ameaça em águas litorâneas (o Brimstone realizou disparos contra FIAC tanto a partir do ar como em cenários terrestres).

DEFESA ANTIAÉREA

Sea Ceptor / CAMM

O último produto da MBDA destinado à defesa antiaérea é o míssil modular CAMM, que está sendo desenvolvido para as forças armadas do Reino Unido para substituir o sistema naval Seawolf e o sistema de defesa antiaérea terrestre Rapier atualmente em serviço nas Forças Armadas Britânicas. Ademais, o míssil CAMM também servirá de base tecnológica para o desenvolvimento futuro do míssil ASRAAM.

O CAMM, além de ser modular e altamente versátil em suas aplicações, também oferece diversas vantagens operacionais. Por ser um sistema de lançamento suave vertical (sem ignição do motor dentro do tubo de lançamento), é muito fácil de se instalar quer seja em um novo navio, ou como um reequipamento de um navio existente, já que não necessita nenhum ajuste especial para a gestão do fluxo de saída de gases. Em 2013, a MBDA obteve um contrato de desenvolvimento e produção para o sistema CAMM naval que equipará a Marinha Real do Reino Unido, agora conhecido como Sea Ceptor.

Em uma primeira fase, o Sea Ceptor substituirá o VL Seawolf dos atuais navios Tipo 23 e depois será transferido às novas fragatas Tipo 26 da Marinha Real Britânica (Global Combat Ship). No ano passado o Sea Ceptor ganhou seu primeiro contrato de exportação, com a seleção do sistema pela Marinha Real da Nova Zelândia, como parte de seu programa de atualização para suas fragatas da classe ANZAC.

No fim de 2014, a Marinha Brasileira se tornou o segundo cliente de exportação a selecionar o Sea Ceptor para suas futuras Corvetas classe Tamandaré. O CAMM como parte do Sea Ceptor para futuras operações navais Sendo um elemento do sistema Sea Ceptor, o míssil CAMM fornece às forças navais uma capacidade de defesa antiaérea de 360° com alcances superiores a 25km, contra as ameaças aéreas atuais e futuras. Não exigindo qualquer radar especial de busca/iluminador, o CAMM pode ser orientado pelo próprio radar de vigilância standard do navio para assegurar altos níveis de proteção contra diversos alvos simultâneos em alto mar e em áreas litorâneas. Pode também ser usado contra alvos de superfície.

A introdução de técnicas de lançamento suave vertical (SVL) reduz a massa do sistema e permite obter uma maior flexibilidade na escolha de locais de instalação dos lançadores à bordo do navio. O CAMM para futuras operações terrestres Como parte de um sistema de armamento baseado em terra, o míssil CAMM fornecerá às futuras forças terrestres um equipamento de defesa aérea de zona local facilmente transportável e rapidamente instalável, que poderá operar como unidade independente ou ser integrado numa futura rede de combate.

Se informações de alvo provenientes de terceiros estiverem disponíveis através da rede de combate o CAMM será então capaz de atacar alvos fora da linha de visão (NLOS). Esta característica NLOS é particularmente interessante para atacar helicópteros de ataque ocultos e mísseis de cruzeiro voando a baixa altitude e acompanhando o relevo.

Aster

A MBDA está associada aos principais programas mundiais de desenvolvimento em defesa antiaérea terrestre e naval. Com os mísseis Aster, a MBDA se situa na vanguarda da tecnologia, com sistemas capazes de derrotar um ampla gama de ameaças aéreas, desde aviões de combate até UAVs e mísseis de cruzeiro. Os misseis Aster demonstraram sua capacidade em numerosos disparos de teste bem sucedidos contra alvos indo desde mísseis supersônicos antinavio até mísseis balísticos.

O Aster também será apresentado no stand da MBDA durante a feira LAAD. Mistral MPCV: (Multi Purpose Combat Vehicle) O Mistral MPCV, desenvolvido pela MBDA, foi projetado para equipar as unidades de defesa antiaérea com um sistema de misseis de baixa altura montado em veículos extremamente móvel assegurando uma excelente proteção do pessoal e um elevado poder de fogo.

Este sistema beneficia de todas as vantagens do míssil Mistral, em particular sua capacidade “fire-and-forget”, assim como sua facilidade de operação, sua alta confiabilidade e sua inigualável probabilidade de destruição do alvo. Apropriado para engajamentos de dia ou de noite, o sistema, que pode ser integrado em uma ampla linha de veículos blindados de alta mobilidade e compreende: – uma torreta automatizada com um conjunto sensor eletro-óptico e uma metralhadora de autodefesa – um sistema de controle do disparo – sistemas de comunicação.

A torreta comporta um conjunto sensor giro-estabilizado EOSS dia/térmico com telêmetro laser integrado, desenvolvido pela Rheinmetall Defence Electronics (RDE) da Alemanha. O MPCV, com quatro mísseis Mistral prontos para o disparo (mais 4 munições adicionais no interior do veículo), permite a intercepção de alvos aéreos em manobras num alcance superior a 6 km e a altitudes de mais de 3.000 m.

SUPERIORIDADE MARÍTIMA

Exocet e Marte

Muitos países latino-americanos se caracterizam por seus extensos litorais, portanto a capacidade de detecção e de controle de navios externos, tanto em alto mar como na beiramar, é crucial para sua segurança nacional. Com este objetivo, a MBDA oferece a mais ampla gama de alternativas de segurança e vigilância, entre as quais se encontram os mísseis Exocet e Marte.

Ambos são muito versáteis e possuem versões fixas e móveis, além de mísseis que podem ser lançados desde a superfície. Exocet As capacidades do Exocet, que tem constantemente evoluído desde a sua primeira introdução em serviço, são amplamente reconhecidas em mais de 30 países que o utilizam como principal dispositivo antinavios (mais de 3.500 unidades foram vendidas).

A versão Exocet AM39 lançado do ar foi digitalizada de modo a cumprir os requisitos das plataformas aéreas mais modernas, como o helicóptero EC725 Caracal, que estarão expostos no stand da Helibras durante a LAAD.

O Exocet MM40 Block 3 se tornou o armamento mais avançado da classe 200 km, que além de suas características excepcionais que o converteram em líder mundial, possui agora a capacidade para atacar objetivos fixos no litoral. O Exocet SM39 é lançado de submarino dentro de tubos de torpedo conhecidos como VSM (veiculo submarino).

O VSM, um recipiente autopropulsado e guiado, manobra antes de emergir de modo a para não revelar a posição do submarino. Uma vez no ar, o míssil Exocet deixa o VSM e continua sua trajetória em direção ao alvo como a versão de superfície do míssil.

O Exocet SM39 foi comprado por diversos clientes de exportação para equipar submarinos da classe Scorpène. Marte O míssil antinavio Marte também é muito versátil. Durante a LAAD, será exposta a versão MK2/S junto ao modelo do CN295, uma aeronave atualmente operada pelas Forças Armadas do Brasil, do Chile e da Colômbia. Para demonstrar as capacidades de lançamento em terra do míssil Marte (tanto desde navios como desde lanchas costeiras), a variante MK/N do míssil também estará exposta.

Sea Venom

A MBDA desenvolve atualmente o futuro míssil antinavio lançado por helicóptero para atender às exigências das marinhas da França e do Reino Unido, No Reino Unido, este míssil é chamado Future Anti-Surface Guided Weapon (Heavy) ou FASGW (H) e na França, Anti-Navire Léger (Antinavio Ligeiro) ou ANL.

Muitas das especificações são comuns, inclusive o conjunto de alvos marítimos e terrestres, que cobrem um espectro de FIAC a Corvetas e alvos costeiros típicos em terra. Pesando cerca de 100 kg, este míssil substituirá dois outros mísseis antinavio da MBDA.

O Sea Skua é usado nos Lynx da Royal Navy do R.U. e nos helicópteros Sea King, Lynx e AB212 das marinhas de sete outros países, incluindo a Alemanha, o Brasil, a Malásia, o Kuwait, a Turquia e a Coreia do Sul. O AS15TT é usado nos helicópteros Panther operados pela forças do Oriente Médio.

O FASGW/ANL equipará os helicópteros Wildcat AW159 e os helicópteros da Marinha Francesa. Adequado tanto para operações em mar aberto como em litorais obstruídos, de um ponto de vista tecnológico o FASGW/ANL representa um importante avanço em relação à geração de mísseis que irá substituir.

DOMINIO DO CAMPO DE BATALHA MMP

No fim de 2013, a França estabeleceu um contrato com a MBDA para o desenvolvimento e a produção de um verdadeiro sistema de combate terrestre de quinta geração conhecido como MMP. Este sistema será um acréscimo vital à gama de sistemas para campo de batalha da MBDA, já que será o digno sucessor do míssil anti-tanques Hot. Graças àsexperiências adquiridas em recentes conflitos que mostraram que obter resultados sem provocar danos colaterais é uma importante exigência operacional, a MBDA está desenvolvendo o MMP que apresentará capacidades “man in the loop” e “fire and forget”.

O míssil dupla banda (uncooled infrared e TV channel) pode ser disparado a partir de espaços confinados e contra alvos fora da linha de visão; em um ambiente de rede também pode receber coordenadas de alvo de terceiros. Apropriado para uma ampla gama de alvos de campo de batalha (de tanques a infraestruturas) e para infantaria assim como para desdobramento a partir de veículos de combate, a arquitetura e as tecnologias da MMP posicionam o míssil de 4km de alcance muito à frente da concorrência.

shared on wplocker.com