Defesa & Geopolítica

Austrália: Melhores SSK do Mundo?

Posted by

SubSugestão: Mauro

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

Houve um debate público considerável sobre o programa do futuro submarino Australiano, cujo foco teve grande parte centrada no fato de que os submarinos devem ser produzidos localmente ou adquiridos externamente. Mas, surpreendentemente, pouco do debate ocorreu no sentido de tornar imperativo e evitar uma lacuna na capacidade operacional, uma vez que os submarinos da classe Collins começam a ser retirados de serviço na segunda metade da próxima década. Igualmente não se debateu a forma como a Austrália pode usufruir melhor e soberanamente os recursos nos submarinos já existentes.

Dada a natureza única da exigência australiana, parece altamente improvável que a solução para o futuro submarino da Austrália iria ser uma  compra “off-the-shelf”  de um fornecedor extrangeiro ou de uma atividade de design e construção doméstica. Não obstante o fato de que a Austrália não tem os recursos de design para tocar sozinha o futuro programa de submarinos, qualquer projeto existente precisaria ser personalizado com um sistema de combate e armas dos Estados Unidos, enquanto um design doméstico apropriado, obviamente, teria significativo aumento de custos, riscos e implicações de tempo. Em vez disso, a estratégia de aquisição ideal para o programa de submarino futuro da Austrália será algo intermediário entre essas duas opções, como parte de um projeto “híbrido” e processo de projeto e construção.

Embora seja claro que a Austrália não pode, e não deve, comprometer-se em um enorme empreendimento do futuro submarino em seu próprio país, há muitas razões pelas quais uma abordagem colaborativa, englobando recursos soberanos da Austrália em submarinos e os recursos soberanos de uma nação parceira com experiência, capacidade e capacidade de design de grandes submarinos convencionais, seria a aposta mais sensata, prática e viável.

Tal abordagem recorre às capacidades de design de submarinos de um parceiro internacional; um sistema americano de combate e armas (com base nos desenvolvimentos do sistema de combate da classe Collins); Capacidades de integração naval existentes na indústria australiana; e a capacidade residente de sustentação no país. Deve igualmente facilitar a inclusão de tecnologias de ponta internacionais e australianas, construir sobre as capacidades submarinas soberanas da Austrália e, proporcionar um trabalho considerável para a indústria australiana. No geral, o resultado seria a menor abordagem de custo / risco para o fornecimento e sustentação de uma nova capacidade de submarinos para a Austrália.

De uma perspectiva, a capacidade de tal abordagem colaborativa facilitaria o fornecimento atempado de um futuro submarino adequado para a Austrália em uma programação que militam contra uma lacuna de capacidade uma vez que os submarinos da classe Collins começam a ser retirado de serviço no segundo semestre do próximo década.

Dito isto, o Governo não dispõe do luxo do tempo em seu processo de tomada de decisão. É claro que, para evitar uma lacuna de capacidade, a Austrália deve confirmar a sua estratégia de aquisição e mover tão rapidamente quanto possível para estabelecer uma parceria de colaboração a longo prazo para o projeto e construção do futuro submarino. A Raytheon Austrália “deu sua cartada”, e confirma que, o primeiro futuro submarino estaria nas águas até 2026, uma estratégia de aquisição precisa ser resolvida agora.

Do ponto de vista da indústria de defesa, tal abordagem colaborativa geraria muitos novos empregos australianos a longo prazo. Essa é uma visão que tem sido articulada pelo ASPI, argumentou o Governo, o que é confirmado por nossa própria análises.

Para ser claro, os papéis prováveis ​​para os australianos sob um modelo de projeto e-build colaborativo seria, no mínimo, incluir: em estreita colaboração com um designer estrangeiros  trabalhando no projeto do sistema de missão; integração de sistemas de missão; consolidação do casco; teste e de ativação; e a tarefa de de manutenção substancial do submarino ao longo da sua vida de aproximadamente 30 anos de operacionalidade. O potencial existe também em um nível de conjunto de plataforma no país. Tal abordagem colaborativa também exigiria uma cadeia de suprimentos substancialmente Australinos.

Através de uma abordagem de colaboração com um parceiro internacional, a Austrália tem o potencial para adquirir o submarino convencional mais capaz do mundo, otimizado para suas necessidades, empenhando ao máximo o dinheiro do contribuinte. Isso significa que a indústria australiana tem todos os motivos para acolher as oportunidades apresentadas pelo programa de submarino futuro SEA1000.

Fonte:The National Interest

shared on wplocker.com