Defesa & Geopolítica

EUA tentam limitar o relacionamento da Rússia com outros países

Posted by

© Sputnik/ Grigory Sysoev

O ministro das Relações Exteriores da Rússia Sergei Lavrov, concedeu uma entrevista exclusiva ao diretor-geral da agência noticiosa “Rossiya Segodnya”, Dmitry Kiselev.

Segundo o ministro russo, EUA tentam influenciar o relacionamento de todos os países com a Rússia. “Os americanos, a princípio, tentam limitar o relacionamento de todos, sem exceção, países com a Federação da Rússia. E o fato da China estar entre objetos dessas gestões norte-americanas, que promovem alertas sobre a cooperação com a Rússia, me faz duvidar seriamente sobre o quão adequadas são as decisões em alguns dos níveis daquele estado”, disse o ministro.

Lavrov afirmou que todos os interlocutores de todas reuniões com a Rússia, nos últimos meses, sempre foram, de um modo ou de outro, abordados por autoridades americanas.
“Todos os parceiros, com os quais nos encontramos, em minhas viagens, ou então em recepções que organizamos, sentem alguma ingerência norte-americana antes das reuniões. Meus colegas são abordados ora por algum embaixador dos EUA, ora por autoridades de nível menos importante, na forma de um emissário dos Estados Unidos na região, por exemplo”, revelou o chanceler russo.

Sergei Lavrov lembrou do caso do embaixador americano em Praga, que manifestou publicamente o seu desgosto pela viajem do presidente da República Tcheca a Moscou. Esse tipo de coisa “nem eu mesmo poderia comentar”, concluiu o ministro.

Fonte: Sputnik News Brasil

Embaixadores dos EUA comportam-se na República Tcheca como em seu território

 © SPUTNIK – Sobreo escândalo em torno do embaixador norte-americano na República Tcheca Andrew Shapiro e do presidente do país Milos Zeman

Petr Hajek, ex-conselheiro do antigo presidente tcheco Vaclav Klaus e cientista político fala sobre o escândalo em torno do embaixador norte-americano na República Tcheca Andrew Shapiro e do presidente do país Milos Zeman.

Lembramos que o embaixador norte-americano Andrew Shapiro, em seu recente discurso na televisão nacional, criticou a visita planejada do presidente tcheco a Moscou para celebrar o 70º aniversário da vitória sobre o nazismo. Em resposta, o presidente Zeman disse que não iria permitir a interferência em suas viagens ao exterior por parte de qualquer embaixador e que, a partir deste momento, as portas da sua residência infelizmente ficam fechadas para o embaixador dos EUA.

Petr Hajek acredita que isto não é apenas um “tiroteio diplomático”, mas sim um problema sério. O embaixador Shapiro, segundo o cientista político, comporta-se como a República Tcheca fosse um protetorado dos EUA e não um país independente, mostrando atitudes imperialistas. Hajek lembra um conflito parecido à época da presidência de Vaclav Klaus na véspera da operação dos EUA e seus aliados no Iraque. O antigo presidente tcheco, em uma conversa privada com o embaixador estadunidense, disse que a existência de armas químicas no Iraque lhe parecia um pretexto para a invasão, e não um fato autêntico. Após isso Vaclav Klaus parou de receber convites para encontros com George Bush, presidente dos EUA na época.

Segundo Hajek, a tensão nas relações entre os EUA e a República Tcheca sempre existiu. Nada de novo, mas as tendências pioraram.
“Prevejo as consequências – o aumento de pressão por parte das nossas forças políticas que apostam em prejudicar a nossa soberania em favor dos EUA e UE. Mas estas contrariedades parecem-me menos sérias do que a alternativa. Nomeadamente se o líder do Estado se comportasse como um satélite de um outro país… A República Tcheca tem seus próprios interesses. Neste caso consistem em que o presidente efetue uma viagem a Moscou. Isto é… o reconhecimento pela República Tcheca de que a URSS (da Rússia como sua herdeira) foi a força principal que libertou a Tchecoslováquia dos nazistas”, frisou.

Petr Hajek confessou também que a sociedade tcheca neste momento está dividida em duas. Uma parte  está sob influência da propaganda em favor dos EUA e da União Europeia e a outra metade entende em que consistem os interesses nacionais tchecos. Estas pessoas apoiam o presidente Zeman na sua intenção de juntar-se com os russos na comemoração da vitória em 9 de maio.

 

Fonte: Sputnik News Brasil

 

 

shared on wplocker.com