Defesa & Geopolítica

Malásia e Azerbaijão encabeçam os esforços de vendas do JF-17 no Paquistão

Posted by

Tradução e adaptação -E.M.Pinto

A Força Aérea do Paquistão (PAF) e o Complexo Aeronáutico do Paquistão (PAC) estão renovando seus esforços para garantir mais clientes para o caça leve multi-função JF-17 Thunder, aeronave co- produzida pela Aviation Industry Corporation da China (AVIC) e PAC, aqual  é a principal aeronave de combate do PAF.

Esses esforços seguem as entregas do JF-17 a Mianmar, que teria encomendado 16 aeronaves em 2015. Recentemente o Comitê de Coordenação Econômica do Paquistão (ECC) efetuou uma venda de US $ 184 milhões para a Nigéria no final de 2018 (a Nigéria destinou US $ 35 milhões para a ordem em seu orçamento de 2018).

Atualmente, a Malásia e o Azerbaijão parecem ser as principais prioridades do PAF e do PAC para garantir as vendas – ambos os países têm perspectivas de alto valor. Com pelo menos 100 JF-17s introduzidos na frota do PAF.

Malásia

Em 22 de março, o ministro paquistanês da Fazenda, Asad Umar, disse à imprensa local que a Malásia mostrou interesse em comprar o JF-17 ao lado de mísseis anticarro do Paquistão.

Convidado de honra na Parada do Dia do Paquistão, o primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamed, concedeu uma entrevista a respeito do JF-17. No entanto, os relatos de conversas do PAC com a Malásia sobre o JF-17 são de 2015, quando surgiram os relatórios de Islamabad propondo o caça a Kuala Lumpur.

O ministro da Defesa da Malásia na época, Datuk Seri Hishammuddin Tun Hussein, havia negado tais negociações. Em 2016 e 2017, parecia que a Royal Air Force da Malásia (RMAF) compraria um caça da Europa Ocidental, especialmente porque a Saab e a BAE estariam dispostas a conceder empréstimos / linhas de crédito para apoiar o Gripen e o Typhoon, respectivamente. A Malásia favoreceu amplamente os sistemas ocidentais.

No entanto, na exposição de 2018,  Defence Services Asia (DSA) em Kuala Lumpur, a PAC disse à IHS Jane que ela e o lado malaio estavam em “conversas de nível primário” em relação ao JF-17. Esta rodada vem após a RMAF optar por adquirir caças leves para aumentar sua frota e, potencialmente, suplantar seus MiG-29.

O PAC ainda advertiu que essas negociações não são “sérias”, mas a recente visita do primeiro-ministro da Malásia ao Paquistão pode ter potencialmente levado o assunto a um nível mais substantivo.

De acordo com a UkrOboronProm, que é controladora estatal da Ucrânia e supervisiona os vários fornecedores de defesa do país – como Antonov -, o Paquistão e a Ucrânia concordaram em colaborar no desenvolvimento de munições.

O lado das relações exteriores envolve a China

Raramente as aquisições de defesa, como as de aviões de combate, separam os méritos técnicos da aquisição de suas realidades de relações exteriores. Apesar das restrições fiscais atuais da Malásia, não é realista esperar que o Paquistão supere os seus concorrentes.

No entanto, quando se trata de uma proposta JF-17, o Paquistão não é o único fator – há também a China. Assim, uma venda potencial em um mercado tão significativo quanto a Malásia provavelmente verá o PAC alavancar o suporte da AVIC (incluindo itnes de compensação, financeiras e transferência de tecnologia).

Por outro lado, a China só entrou recentemente no mercado de defesa e segurança da Malásia, com sua recente venda de quatro Navios de Missão Litoral (LMS) para a Marinha Real da Malásia. Embora o LMS tenha necessidade para até 18 navios, não há garantia de que o programa LMS chinês amadurecerá nessa extensão.

Assim, uma venda de JF-17 na Malásia provavelmente será uma batalha difícil para a AVIC e a PAC, mas o Thunder não está livre de suas próprias forças competitivas em termos de custo e versatilidade prontamente disponível.

Fonte:ThaiMilitar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com