Defesa & Geopolítica

Panorama: Fuerzas Comando 2019

Posted by

Entre 17 e 27 de junho aconteceu a competição Forças Comandos 2019 no Chile, que está na 15º edição do exercício, a competição envolveu unidades policiais e forças armadas de 19 países, sendo eles, Argentina, Belize, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, Jamaica, Panamá, Paraguai, Peru, Trinidad e Tobago, Uruguai e Estados Unidos .

Forças Comandos 2019 é um exercício anual patrocinado pelo Comando Sul dos EUA, executado pelo Comando de Operações Especiais do Sul (SOCSOUTH), que tem sido realizado principalmente na América Central, América do Sul e Caribe desde 2004. O exercício tem duas partes: uma competição de habilidades e um Seminário de Líderes Sênior voltado para o combate ao terrorismo. O evento demonstra e testa as habilidades dos participantes por meio de competições de forças de operações especiais. O concurso multinacional de habilidades operacionais e o Seminário de Liderança Sênior deste ano foram oferecidos pelo Exercito de Chile e Estado Maior Conjunto do Chile. O SOCSOUTH , com sede na Homestead Air Reserve Base, na Flórida, é o principal comando de execução dos EUA para o exercício. O SOCSOUTH serve como componente de operações especiais para o Comando Sul dos EUA.

Objetivo da Competição Forças Comandos é adestrar as unidades de Operações Especiais dos Países das Américas no que tange ao combate ao Narcotráfico, Terrorismo e Pirataria além de promover as relações e trocas de experiências entre os países.

Cada equipe participante é formada por 7 militares sendo eles, 4 militares da equipe de assalto, 2 militares atiradores de elite e 1 militar suplente. O Brasil em 2019 participou com uma equipe formada por militares do Primeiro Batalhão de Ações de Comandos(1BAC) representando o COpEsp (Comando de Operações Especiais do Exercito Brasileiro) que foram provados em uma série de tarefas e eventos críticos individuais e coletivos que incluem um teste de aptidão física, pista de obstáculos, qualificação de rifle e pistola, teste de combate a curta distância, marcha forçada e um evento de água. Os eventos testam as habilidades e proficiência do participante sob condições desconhecidas e estressantes em cenários simulados.

 

 

Análise do Brasil no Forças Comando 2019:

 

O primeiro dia do evento consistiu na prova de qualificação de armamento principal e secundário dos operadores. A equipe Brasileira Liderada pelo Primeiro Tenente Marcus Marello participou utilizando o fuzil(HK416) e a pistola(GLOCK 9mm) de dotação do COPESP, ao final desse primeiro dia de evento o Brasil alcançou a 10ª colocação com 610 pontos, o maior pontuador foi a Colômbia(AFEUR) com 765 pontos.

 

 

O segundo dia do evento consistiu na prova de Avaliação de distâncias. Cada país representado por 2 Atiradores de precisão mostraram suas habilidades contra alvos localizados em diferentes distâncias. A equipe Brasileira participou utilizando o fuzil de precisão multicalibre Remington MSR(.308 e .338). Ao final do segundo dia de evento a equipe brasileira conseguiu alcançar 625 pontos permanecendo na 10ª colocação geral. Os maiores pontuadores dessa prova foram Colômbia(AFEUR), Chile(BOE Lautaro) e EUA(7th Special Forces Group), ambos conseguindo 765 pontos.

 

 

O terceiro dia do evento consistiu na prova de Pista de Obstáculos, nessa prova os países participantes mostraram suas capacidades de trabalho em equipe para completar o percurso sem deixar nenhum homem para trás. Ao final desse dia a equipe brasileira conseguiu 150 pontos continuando na 10ª colocação geral, o maior pontuador dessa prova foi o Chile(BOE Lautaro) conseguindo 200 pontos.

 

 

O quarto dia de evento colocou à prova as capacidades anfíbias das equipes participantes. Nessa prova as equipes foram lançadas de helicóptero na costa Chilena utilizando a técnica Hello Casting(Bastante empregada pelo Brasil nos Rios da Região Amazônica), os competidores já na água tiveram que chegar a praia nadando e posteriormente realizaram um pequeno percurso de marcha e terminando com avaliação de tiros de pistola. A equipe Brasileira conseguiu alcançar 160 pontos, permanecendo na 10ª colocação geral, o maior pontuador dessa prova foi o Chile(BOE Lautaro) conseguindo 200 pontos.

 

 

 

No quinto e sexto dia as equipes participantes colocaram na prova de tarefas criticas suas habilidades de disparos de armas táticas e de precisão, Nessa Prova o Brasil acumulou 280 pontos(permanecendo na 10ª colocação geral), com o maior pontuador sendo os EUA(7th Special Forces Group) com 400 pontos.

 

 

O sétimo dia de evento foi caracterizado pela prova de combate urbano, essa prova foi iniciada com um disparo de precisão efetuado pelos Atiradores de elite de cada equipe e seguida de uma incursão das equipes de assalto em um ambiente de combate confinado(CQB) com o intuito de eliminar as ameaças e resgatar um refém fictício. A equipe Brasileira conseguiu a 3ª melhor colocação da prova(atrás de Colômbia com 580 pontos e Equador com 570 pontos) alcançando 535 pontos elevando na colocação geral para a 9ª posição.

 

 

No oitavo dia de evento as equipes participantes enfrentaram a prova física e marcha noturna com cada operador das equipes carregando 50kg de equipamentos. Nessa Prova o Brasil acumulou 175 pontos(finalizando na 9ª colocação geral), com o maior pontuador sendo o Equador(Grupo Especial de Operações-GEO) com 200 pontos.

Nos dois últimos dias de evento aconteceram o concurso multinacional de habilidades operacionais e o Seminário de Liderança Sênior ministrados pelo Exercito de Chile e Estado Maior Conjunto do Chile.

 

 

FONTE: SOCSOUTH e Ejército de Chile(Tradução, adaptação e análise de Mateus Barbosa).

7 Comments

  1. Lucas Macedo says:

    Matéria muito boa, bastante completa e com fontes fidedignas.

  2. TULIO762 says:

    Na próxima mandem os COMANFS.

    • Selvatico91 says:

      Por quê ?

    • Anônimo says:

      Ou o Grumec.

    • Na edição de 2009 o Brasil participou com pessoal do 1BFEsp e consegiu o primeiro lugar!

  3. Leon says:

    O Brasil como é o líder do bloco era para ser o primeiro é como no caso das olimpíadas não tínhamos atletas o que o Brasil fez, colocou os militares, agora que exige-se as competição entres nossos militares eu pergunto quando é que o Brasil vai ganhar isso pelo menos uma vez na história, Brasil tem intercambio com os Seals, é com diversos militares pelo mundo mais nada se aplicar nesses jogos se é estratégia eu não sei, só sei que nossas FFAA’s está levando uma surra nessas competições.

  4. Moreira says:

    Ao camarada Leon, muitos desses países tornaram seus operadores especiais em atletas. Eles não mais operam, sua única função é treinar para esta competição. No caso do Brasil, vários desses camaradas que tu vê na imagem, estavam operando dias antes da competição. Tiveram apenas duas semanas de treino que foi interrompido com o chamado de mais uma missão.

shared on wplocker.com