Defesa & Geopolítica

China implanta vários batalhões de mísseis DF-21 cobrindo integralmente a superfície do Japão

Posted by

DF-21 (3)

 

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

Segundo o periódico chinês, Qianzhan, várias unidades de mísseis balísticos DF-21 estão entrando em operação e várias unidades. Considerado o sistema Balístico mais avançado da China, os mísseis possuem elevada precisão, comparável aos mais modernos mísseis de cruzeiro  e que agora são capazes de destruir absolutamente todas as bases militares dos EUA no Japão.

De acordo com a inteligência dos Estados Unidos, o DF-21 e DF-21A podem transportar ogivas nucleares epossuem alcances de 1770 e 2150 quilômetros respectivamente. Já o DF-21C carrega ogivas convencionais e tem um alcance máximo de 1.770 km.

A variante destinada ao ataque de Porta Aviões e seus grupos de ataque DF-21D, possui tem um alcance de 1.450 km, mas alguns meios de comunicação dos EUA afirma que seu alcance pode ser pelo menos duas vezes superior ao declarado, algo como 3.000 km.

DF-21 (2)

A Mídia ocidental revelou que a China implantou diversas unidades lançadoras nas províncias de Liaoning, Jiangxi, Yunnan, Fujian e Qinghai.

No entanto, já em em 2010, o Kanwa Defense Review do Canadá publicou um artigo sobre a implantação de tais mísseis em Laiwu, Shandong.

Ao mesmo tempo, uma foto de satélite apresentava a implantação de algumas das suas instalações militares da China.

A julgar pela foto, o que a China havia implantado uma bateria de mísseis em Shandong, as fontes do Kanwa acreditam que desta forma, toda a superfície do Japão está sobre o alcance dos mísseis DF-21.

Um militar chinês tornou público recentemente algumas fotos de operações de unidades de mísseis protegidos em montanhas cobertas de neve no norte da China.

Após a análise das fotos, alguns especialistas militares acreditam essas teriam sido tiradas nas montanhas de Changbai, na província de Jilin.

Isso significa que a China tem implantado DF-21 séries de mísseis que de lá podem cobrir todo o Japão.

Fonte:.Qianzhan 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

17 Comments

  1. stadeu says:

    Xing Ling Cai pecinha né ???

    Li muito isso nos blogs de defesa.

    • Julio Brasileiro says:

      Como não nasci ontem lembro que diziam o mesmo do japão quando começou a adquirir capacidades tecnológicas copiando do ocidente, depois virou exportador para o ocidentes e referencia em qualidade. Esses olhos puxados são assim, confucio disse: Pachienchia e Brabalho, no?

      • muttley says:

        A vizinhança é tudo mesmo na vida, até no quesito jardim e gramado.
        A coisa caminha para uma corrida armamentista sem precedentes na região, vamos ver os passos do Japão e da Coreia do Sul.

  2. Pingback: China implanta vários batalhões de mísseis DF-21 cobrindo integralmente a superfície do Japão | DFNS.net em Português

  3. ,..O q se espera da China ,um país q foi agredido sistematica/ pelas potencias ocidentais e pelo Japão?!?! Lembrem-se 1940 e os fatos e atroci// cometidos pelos soldados das forças Imperiais Nipos contra os Sinos..o q querem?!?! Usem de empatia…Depois da reintegração de Taiwuan, lá em 2035…50AD pelo Dragão, virá as ilhas em questão, disputadas.. e quem tiver ousadia de tentar impedir…Que Deus os ajude, nos ajude…Quem viver verá…(espero estar errado ) Sds. 😉

  4. ARC says:

    Não vejo um bom futuro pro Japão que não passe pelo caminho de boa vizinhança com a China. Os EUA já não terão poder para rivalizar a China no mar Oriental, onde a supremacia chinesa tem se estabelecido, e não arrisco mais de 10 anos pra China ditar as regras por aquelas bandas.

  5. PÉ DE CÃO says:

    o que eu sei é que quando noticias assim acontecem
    significa que isso já foi feito faz tempo !

  6. Alvez8O says:

    “Após a análise das fotos, alguns especialistas militares acreditam essas teriam sido tiradas nas montanhas de Changbai, na província de Jilin.

    Isso significa que a China tem implantado DF-21 séries de mísseis que de lá podem cobrir todo o Japão.”

    Nessa localização, os DF-21 cobrem com folga todo o “Mar do Japão” :

    https://www.google.com.br/maps/place/Fusong,+Baishan,+Jilin,+China/@42.397594,128.349822,4z/data=!4m2!3m1!1s0x5e347004252e61d7:0x4633c06bec2eea09

  7. _RR_ says:

    E aonde isso pode levar…? Creio ser óbvio: a nuclearização da nação japonesa e da península coreana…

    Japoneses e coreanos do sul somente não tem armas nucleares porque não querem… A partir do momento em que julgarem necessário, os primeiros petardos aparecem ( com ou sem EUA dando pitaco )…

    Quando ao DF-21D… Sou cético quanto a esse míssil… Ainda é questionável a precisão de mísseis balísticos contra alvos em movimento… A necessidade de precisão obriga que se alinhe o míssil em uma trajetória para interceptação em um ponto previsto para impacto; ou seja, deve se saber exatamente onde esta o navio e onde se prevê que ele estará no momento em que o míssil chegar. Ou seja, é quase loteria… No momento em que o míssil for detectado, os navios podem adotar uma trajetória em zigue para se esquivar, simplesmente acabando com a “matemática” da coisa, mesmo diante da possibilidade da ogiva ser direcionável, posto que a velocidade enorme do petardo na descendente não deixa muita margem para manobras … Fora isso, a própria trajetória do míssil o torna alvo para sistemas anti-balísticos, como o RIM-161. Logo, não vejo tanta vantagem… Enfim, pra mim, somente faria sentido se esse míssil fosse dotado de alguma carga nuclear tática. Aí a conversa é outra… Sinceramente, considero mais lógico o caminho dos russos, com mísseis de cruzeiro de longo alcance ( o que faria todo o sentido naqueles mares mais confinados ).

    • Deagol says:

      O difícil é saber como o DF-21D se orienta, deve precisar da cooperção de várias outras platformas como aeronaves de reconhecimento e satélites. Pois a blindagem da ogiva e o calor do atrito com o ar devem dificultar a instalação de qualquer radar ou outro sensor.

      Quanto mais plataformas forem necessárias para o engajamento mais vulnerável o sistema será. Além, dos mísseis anti-mísseis como você falou.

      Os russos tentaram um míssil balístico guiado nos anos 80 mas desitiram devido as dificuldades técnicas.

      É só especulação minha, eu não tenho base nem a intenção de dizer que não funciona.

      • Deagol, é por esta e por outras que eu reafirmo o que disse, o alvo dos DF-21 não é a frota em movimento, mas as bases navais e aeronavais fixas que sustentam a frota.

      • HMS_TIRELESS says:

        Verdade! FIca muito complicado vislumbrar como ele poderia atingir navios em movimento, especialmente NAes. Mas podem representar ameaças a bases navais e aéreas como as existentes em Guam.

      • tiosam says:

        Os mesmos sistemas antimísseis embarcados, também estão presentes nas bases em terra.A china vai ter que comer muito cachorro frito para ultrapassar os EUA.

      • Deagol says:

        Caro E.M.Pinto

        Acho plausível o seu ponto de vista, mas a propaganda chinesa afirma que o DF-21D pode mesmo atingir os Porta-Aviões.

        Claro que por enquanto é propaganda, porém li em algum lugar, se não me engano no Strategypage.com, que haveria alguma preocupação de que a alegação chinesa pudesse ser verdade.

        Mas também pode apenas ser propaganda ou exagero para assustar os americanos.

        Também acho difícl atingir alvos em movimento, e o único teste que tive no notícia era com um modelo de PA imóvel construido em terra

        Sds.

      • _RR_ says:

        Amigos,

        Tem aqui algumas informações que mais ou menos corroboram o que eu penso:

        http://www.areamilitar.net/directorio/MIS.aspx?nm=258

  8. teropode says:

    Interessante ,tudo que o nacionalismo japones precisa para perder o acanhamento ,uma potencia inimiga os ameaçando de destruiçao ! aacredito que o japao ja possua os projetos e partes de artefatos nucleares ja prontos , se a coisa esquentar montam rapiginho , nao eh atoa que os japinhas sao feras em montagens de quebra cabeças e legos !

  9. Acertou em cheio E.M.PINTO. sem suporte , sucunbem…Sds. 😉

shared on wplocker.com