Defesa & Geopolítica

Aqui está o estudo de reinício da produção F-22 que a USAF manteve em segredo por mais de um ano

Posted by

Tyler Rogoway

Joseph Trevithick

Tyler Rogoway   &  Joseph Trevithick

The Drive.com

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

 

 

 

“Nós finalmente vimos o estudo que foi estranhamente tornado secreto  e que tem nova relevância baseada no desejo do Japão por um novo caça furtivo.”

O corte na produção do cala furtivo F-22 em apenas 187 exemplares tornou-se uma das decisões mais controversas e polêmicas relacionadas à aquisição de defesa do nosso tempo. Hoje, é amplamente visto, mesmo entre os líderes da USAF, que essa decisão – feita há uma década – era míope e continuamos a descobrir novas informações sobre como exatamente isso aconteceu. Finalmente, no início de 2016, o debate em torno da necessidade de mais F-22 chegou ao auge e um estudo foi ordenado pelo congresso para que a USAF investigasse o que levaria o super caça de volta à produção.

Esse estudo foi concluído no final de 2016 com algumas de suas descobertas discutidas abertamente, mas o documento em si permaneceu em sigilo até o momento.

Obtivemos uma cópia do relatório, que custou aproximadamente US $ 37.000 para a Força Aérea produzir, por meio da Lei de Liberdade de Informação. É quase inteiramente não-redigido, mas não é tão profundo e depende em grande parte de um estudo de 2011 da RAND Corporation como base para suas conclusões. Nós publicamos o documento completo aqui para você revisar, mas também o destilamos em alguns pontos-chave e tópicos.

Trabalhando principalmente com as conclusões da RAND de 2011, a Força Aérea elaborou as seguintes estimativas de custos e suposições para aquilo que seria necessário para reiniciar a produção de F-22 e produzir 194 Raptors adicionais:

Custos iniciais não recorrentes totais ao longo de um período de cinco anos totalizariam US $ 9,869 bi em 2016, o equivalente a mais de US $ 10 bi em 2018 dólares no momento em que este artigo foi redigido.

Isso incluiu aproximadamente US $ 228 milhões para reformar as ferramentas de produção, US $ 1,218 bilhão para requalificar as fontes de componentes e matérias-primas, US $ 5,768 bilhões para redesenhar quatro subsistemas e US $ 1,156 bilhão em outros custos de reinvestimento associados, juntamente com US $ 1,498 bilhão em custos governamentais adicionais.

Dois dos quatro subsistemas que necessitam de “redesenho” seriam o radar de interceptação  AN / APG-77 (LPI) e o motor F119, nenhum dos quais ainda está em produção.

Os outros dois eram o pacote de software da aeronave e um quarto sistema não especificado, atuando como um espaço reservado para se proteger contra a Força Aérea, descobrindo que outros sistemas precisavam ser substituídos durante o processo de reinício.

Os sistemas de guerra eletrônica, comunicação, navegação e Identificação de Amigos ou Inimigos (IFF) da aeronave estavam entre aqueles que também poderiam precisar de substituição por outro sistema. Embora o estudo da RAND de 2011 tenha estimado um custo unitário médio de US $ 266 milhões, isso foi baseado em uma compra total de apenas 75 aeronaves.

A Força Aérea estimou que o custo unitário inicial para uma encomenda de 194 aeronaves seria de aproximadamente US $ 216 milhões. Isso cairia para cerca de US $ 206 milhões no momento em que o último saísse da linha de produção. O preço unitário começaria a nivelar depois que o serviço tivesse comprado as primeiras 100 aeronaves.

O custo total de aquisição seria entre US $ 40 e US $ 42 bilhões, com todo o programa custando pouco mais de US $ 50,3 bilhões.

A Força Aérea também observou que, enquanto aproximadamente 95% das ferramentas de produção relacionadas ao F-22 ainda estão disponíveis, as instalações de produção física não existem mais ou estão apoiando outros programas da Lockheed Martin, como o F-35. Após o estudo de 2011, o serviço optou por colocar o “ferramental primário de produção” em um depósito na Sierra Army Depot, na Califórnia, caso houvesse a necessidade de fazer certas peças sobressalentes no futuro.

A Pratt e Whitney, que forneceu o motor F119, também mudou o foco para a construção do motor F135 para o Joint Strike Fighter. O F135 é desenvolvido a partir do F119 até certo ponto.

A Força Aérea expressou repetidamente a preocupação de que o esforço reinicializado concorresse por recursos com seus esforços de aquisição e atualização do F-35. No entanto, o relatório também diz que o serviço não considerou se algum dos componentes, cadeias de suprimento ou infra-estrutura do Joint Strike Fighter poderia ajudar a suportar um novo programa F-22 e potencialmente produzir redução de custos.

O serviço também determinou que ainda era “tecnicamente viável” desenvolver uma versão para exportação do F-22, potencialmente ajudando a compartilhar as cargas de custo e reduzir ainda mais os custos unitários. O relatório cita um estudo separado da Força Aérea de 2010, que estimou os custos para fazer exatamente isso. Além disso, o serviço reiterou os desafios de longa data em garantir a aprovação da exportação do F-22 em qualquer configuração.

O relatporio indicou um número de partes interessadas do governo dos EUA que teria que assinar quaisquer entregas estrangeiras, mas os censores da Força Aérea redigiram todos eles. Os custos não recorrentes de colocar o Raptor de volta à produção parecem peculiarmente altos neste relatório, estimado em torno de US $ 10 bilhões. Tenha em mente que é aproximadamente metade de todo o custo de desenvolvimento do bombardeiro Stealth B-21 Raider.

Além disso, este estudo afirma que o custo unitário seria bastante estável, especialmente após os primeiros 100 exemplos, caindo para US $ 206 milhões no último exemplar. Isso não faz muito sentido, considerando que todos os outros grandes programas de defesa parecem apresentar reduções de custo unitárias mais íngremes durante uma produção e especialmente nos primeiros lotes de produção.

O programa F-35, por exemplo, colocou grande parte de seu business case apenas nesse fato. Quando se trata de custo de voar – o custo real da aeronave para se construir, sem custos de pesquisa e desenvolvimento incluídos – os últimos 60 F-22 produzidos custam em média US $ 137 milhões cada aeronave, que estava se aproximando ao custo do F-35A durante o mesmo período em sua produção. Na verdade, o então chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Michael Mosely, que perdeu o emprego porque não ficaria parado assistindo ao então Secretário de Defesa Robert Gates tomar a decisão de cortar a produção do F-22 sem uma briga, observou:

“Não fiz e ainda não preciso de mil dessas coisas…Mas você precisa do número certo … Os últimos aviões que recebemos foram de US $ 87 milhões … Se tivéssemos conseguido ir para outro [contrato] plurianual, entendíamos que seríamos capazes de obtê-los por US $ 85 milhões. .. Encontre-me um avião lá fora agora que custa 85 milhões de dólares e tem essa capacidade.”

Assim, parece provável que novas reduções no custo de produção poderiam ser realizadas além do que o estudo de reinício declara e especialmente considerando que o F-22 é um mercadoria conhecida, não algum novo caça apenas entrando em produção. O estudo usa algumas referências para dizer o contrário, mas isso também é um lembrete de como os custos dos sistemas de armas podem ser distorcidos usando cálculos diferentes para fazer com que um aspecto seja mais acessível do que outro.

A realidade é que o programa F-22 custou US $ 70 bilhões e aproximadamente US $ 30 bilhões foram gastos em custos não recorrentes e de pesquisa e desenvolvimento. Então, se você constrói menos e amortiza a pequena frota, parece fiscalmente atroz. Na realidade, o que é atroz é que os US $ 30 bilhões gastos no desenvolvimento de um sistema como o F-22 seriam desperdiçados em uma frota tão pequena.

Como já dissemos antes, as conclusões deste estudo provavelmente foram incorporadas a ele antes mesmo de terem começado e, neste momento, investir grandes somas de dinheiro no reinício da produção de F-22 não faz muito sentido. Esse dinheiro poderia ser investido em outros programas como a iniciativa “Penetrating Counter-Air” da USAF e especialmente em veículos aéreos de combate não tripulados de alto nível.

Mas se outro país, como o Japão, estivesse disposto a pagar pelos custos de reinício não recorrentes, o Pentágono estaria louco para não comprar mais Raptor, em grande parte por seu custo unitário e por muitas peças de reposição para apoiar a frota por décadas. É impossível acreditar que Tóquio poderia projetar e adquirir um caça de 5ª geração com desempenho similar ao F-22 por menos do que o custo de apenas reiniciar a linha Raptor e produzir F-22 atualizados.

Além disso, eles poderiam ter esses jatos em meia década, não em décadas. Seria também um longo caminho quando se trata de aliviar o risco de tal programa. Israel, e até mesmo a Austrália, também poderiam estar interessados em comprar um ou dois esquadrões de novos F-22 de produção. Mas, a julgar pelo relatório em si, que enfatiza repetidas vezes que qualquer dólar destinado aos F-22 pode ser retirado do programa F-35 – tanto em termos de compras nacionais quanto estrangeiras – é improvável que isso ocorra.

Fonte: The Drive

24 Comments

  1. BLUE EYES, NA RESISTÊNCIA says:

    Bom e “barato” para o nível de dissuasão que atinge… vamos ver se os chinas chegam sequer perto… 🙂

  2. Certo faz a Rússia que ainda fabrica e atualiza caças dos anos 70 e os custos são muito mais baratos. Os americanos se arrependeram de terem encerrado a fabricação do F-22. O F-35 se tornou um programa caríssimo e problemático.

    • Kkkkkkk, os Russos não agem assim por opção cara , kkkkk, deixe de ser bobinha , kkkkk, se não tem picanha para o churrasco só resta a eles assar pé de frango , vc viajou demais , aioaioaioaio

  3. realmente foi se sentindo gastar tanto em tão poucos caças, e pelo que já li a frota de f15 tanto dos eua quanto Japão e israel precisa se substituídas. na minha opinião pegar esse dinheiro e investem no caça sexta geração

  4. Essa aeronave teve sua produção iniciada de maneira precoce e teve seu fim também de maneira muito precoce. Há muita especulação sobre esses dois eventos, uma delas é a questão politica, coisa muito presente nos corredores do Pentágono já que a verba gorda atrai muitos financiadores de campanha. O fato é que a interrupção precoce acabou impedindo o desenvolvimento natural de novas versões (tal qual como foi visto no F-15) que provavelmente teriam um custo beneficio bem melhor, deu no que deu.
    Como dizem a politica é a quarta dimensão de um caça, e essa conta de padaria encomendada provavelmente seja tão fiável quanto aquela feita para o F-35, mas alguns (bons financiadores como disse Dwight D. Eisenhower) vão ganhar muito e isso é o que importa.

    Sds

    • BLUE EYES, NA RESISTÊNCIA says:

      Eu aposto mais na ALTA TRAIÇÃO do Obamis LESA PÁTRIA que não quis ferir sentimentos da cumpanheirada “pogressista” mundo afora… agora, que os ventos mudaram pra melhor pro povo americano na administração patriota de verdade de Trump, as coisas voltaram ao estado natural de defesa de interesses próprios em detrimento dos externos… Obamis era um CAVALO DE TROIA que o povão americano engoliu com pregos e tudo o mais… não pense que só brasileiro é otário quanto a escolher malandros para presidente… nós estamos cagando no pau a mais de 3 décadas… falta de opção não foi… perdemos a oportunidade de eleger o Enéias em detrimento do malandro fabiano FHC e depois do bandido luladrão… vamos ver se agora o povão para de fazer besteira e muda o rumo da nação que, por enquanto, só tem LESA PÁTRIA no poder…

  5. Ehhhh, pataquada fenomenal , conclui-se portanto que não havia dinheiro para tocar os dois projetos , usaram mal toda aquela grana , em vista disso é possível que russos e chineses facão algo semelhante por 1/3 da grana que os americanos jogaram fora , acredito que houve influência da lockheed nestes desmandos , talvez teria sido mais racional se tivessem entregue o programa que deu origem ao f35 a uma outra empresa , a própria Boeing poderia ter dado continuidade ao projeto , vejam o B-21 , tudo indica que tá fluindo fácil, pegar uma plataforma e dar três destinos para ela tá se revelando uma dor de cabeça, versão pra usar, usmc e usnavy , poderiam ter aproveitado as plataformas do F 23 e do Y32 , a redução de custos pretendida acabou não ocorrendo !

  6. A questão da volta da produção do F-22 não é tão superficial, preto no branco, como os articulistas acima mostram.
    Foram dois fatores chaves que encerraram a, produção do F-22, um deles quase não existe mais, e o outro ainda está firme e forte:
    1º) Quando do surgimento do F-22 sua superioridade frente às defesas inimigas eram tão grandes a ponto de ele não ter adversários a altura, que o número então já fabricado (e caríssimo) já dava mais do que conta do recado. Para que então continuar com a produção? Conclusão lógica, a quantidade fabricada já bastava.
    Porém, hoje, já começam a aparecer certos possíveis adversários, até novos radares mais eficientes, daí essa questão hoje levantada e discutida de que um número maior de F-22 feitos teria sido melhor.
    2º) Além de ele não ter adversários o que forçava a limitar o número a ser produzido, apareceu outra realidade, o custo da sua hora de voo, que se mostrou super elevado, o que também limitava a possível formação de uma enorme frota deles.

    Conclusão: A interrupção na produção dos F-22 foi, na época, baseada em fatos concretos e quase inquestionáveis… Era um avião sem adversários e caríssimo de fazer e de manter.
    E, hoje, por exemplo, o que está faltando no artigo acima, é a questão do custo elevado da hora de voo do F-22.
    A USAF vai ter orçamento para manter voando um maior número de caros F-22? Pois este fator de custo da hora de voo, não desapareceu com o tempo que passou. E haverá compradores com dinheiro suficiente para injetar continuamente neste sugador de orçamentos?
    Parece relativamente fácil reabrir a linha de produção, e até é, mas será voltar com um poço sem fundo de gastos do caça mais caro já construído.
    Não vale a pena.

  7. E os neguinhos ainda querem refazer o motor e ….
    Caramba, será mais uma arapuca de gastos 100… fim, tal qual está acontecendo com o F-35.

    Mas claro, que certos espertalhões estão esfregando as mãos sonhando com os ganhos desse retorno…
    F-22: “I’ll be back”
    Será?

  8. Eu creio que com o advento dos mísseis hipersonicos o cenário de guerra mudará.

  9. A Máquina Troll says:

    Com um pais que produz caças que custam na casa de centenas de milhões de dólares e bombardeiros bilhões…os inimigos não precisam vence-los…eles mesmos se auto sabotam e se destroem…rs…

    • Se pensar assim te faz dormir melhor , não vou te contrariar @

    • Ferreira Junior says:

      Disse tudo Máquina Troll. 21 TRILHÕES DE DÓLARES em dívida. Inclusive para um certo país que está fora dos trilhos desde 2016.

      • BLUE EYES, NA RESISTÊNCIA says:

        Socialista sempre preocupados com o dinheiro… DOS OUTROS, é claro… 🙂

      • Burrice também deveria ser fiscalizada pelo MPF , que aliás faz vistas grossas para os crimes de ódio que ocorrem na sputnik !

    • A Máquina Troll says:

      “Casuar
      5 de Maio de 2018 at 22:29

      Se pensar assim te faz dormir melhor , não vou te contrariar”

      eu te devolvo com a mesma colocação…se pensar assim te faz dormir melhor , não vou te contrariar…que gastem trilhões então…rs..

      • BLUE EYES, NA RESISTÊNCIA says:

        Só que os TRILHÕES deles não vão parar nas mãos dos cumpanheiros bolivarianus venezuelanos e de africanos bandidos… rsrsrssrsrsss… esses trilhões reverteram em desenvolvimento de suas próprias indústrias… a sorte deles é que lá eles não tem socialistas pra chamar de seus… 🙂

      • Eles sabem disso , kkkkk, uma coisa é o estado gastar bilhões comprando produtos feitos no próprio país , onde este dinheiro retorna na geração de empregos e impostos , um ciclo , outra coisa é gastar bilhões com bolsa família que vai parar na Bolívia e no Peru,kkkkk, nem menciono a grana que gastam com os castros ,kkkkkkkk

      • A Máquina Troll says:

        não vai parar nas mãos dos cumpanheiros bolivarianus e sim nas mãos dos empresários da indústria de armas e políticos envolvidos nas bandalheiras de gastos e superfaturamentos irregulares de seus programas militares…o que tentam fazer aqui neste pais é apenas imitar ou aprender as maracutaias que se praticam no dito “primeiro mundo”…. 😀

      • BLUE EYES, NA RESISTÊNCIA says:

        Ah se fosse… pelo contrário… nossos ladrões são internacionalistas… essa é a diferença… é de origem… INTERNACIONAL COMUNISTA… 🙂

        ” Capa Preta
        5 de Maio de 2018 at 16:07

        Pois é, a internacional comunista vive nos corações destes canhotos que acham que dinheiro de contribuinte brasileiro e capim. Venezuela, Moçambique, Cuba, Angola…quando será que vão cobrar destas bibocas o dinheiro que nos roubaram junto com o sindicato do crime chamado PeTê?
        Os intelectualebas de esquerda tudo caladinhos?

        Saudações Blue Eyes.”…

    • Foi exatamente isso que os Estados Unidos fez na época da finada União Soviética. Forçou o urso a tentar acompanhar os americanos e deu no que deu. Veja os exemplos: Almirante Kuznetsov, Buran, Classe Typhon etc.

  10. Aliás foto magnífica deste F22 !

  11. Capa Preta says:

    Mataram a produção do F22 por conta do projeto do F35. O arrependimento deve estar mordendo as canelas deles, o F22 atualizado e o caça mais poderoso desta era, sem similar no mundo. (Alem de ser a coisa mais linda com asas já construída)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

shared on wplocker.com