Categories
Uncategorized

O Ministério da Defesa do Reino Unido está desenvolvendo armas de laser e radiofrequência

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

O Ministério da Defesa do Reino Unido está desenvolvendo armas de laser e radiofrequência de ponta que têm o potencial de revolucionar o campo de batalha. na imagem superior gerada por computador é ilustrando o uso de um sistema  “DEW” em uma Fragata Type 26 (Fonte da foto: direitos autorais Crown)

Os sistemas de armas de última geração, conhecidos como Armas de Energia Dirigida (DEW), são acionados exclusivamente por eletricidade e operam sem munição. Os sistemas poderiam ser alimentados pelo motor de um veículo ou por um gerador, reduzindo significativamente seus custos operacionais e fornecendo flexibilidade sem precedentes na linha de frente.

Em um Aviso Prévio de Informação (PIN) publicado esta semana, o MOD anunciou que está procurando desenvolver três novos demonstradores de armas tipo DEW, para explorar o potencial da tecnologia e acelerar sua introdução no campo de batalha.

Os sistemas de armas a laser empregam feixes de luz de alta energia para atacar e destruir drones e mísseis inimigos. Já as armas de radiofreqüência são projetadas para interromper e desativar computadores e sistemas eletrônicos inimigos.

A secretária de Defesa, Penny Mordaunt, declarou:

“As tecnologias de laser e radiofreqüência têm o potencial de revolucionar o campo de batalha, oferecendo sistemas de armas poderosos e econômicos para nossas Forças Armadas… Este investimento significativo demonstra nosso compromisso em garantir que nossas Forças Armadas operem na vanguarda da tecnologia militar”.

Espera-se que os novos sistemas sejam testados em 2023 em navios da Marinha Real e veículos do Exército, mas, uma vez desenvolvidos, ambas as tecnologias poderiam ser operadas pelas três Armas. As Forças Armadas usarão esses exercícios para obter um melhor entendimento sobre as DEW, testar os sistemas até seus limites e avaliar como eles poderiam ser integrados às plataformas existentes.

O MOD visa investir até £130 milhões neste pacote de Armas de Energia Dirigida, incluindo a construção dos sistemas, a criação de um novo Escritório Conjunto de Programas e o recrutamento de pessoal para administrar o programa.

Esses sistemas fazem parte do “Novel Weapons Program” do MOD, que é responsável pelo teste e implementação de sistemas de armas inovadores para garantir que o Reino Unido continue sendo um líder mundial em tecnologia militar. Espera-se que eles atinjam a linha de frente dentro de 10 anos.

O MOD já tem planos para testes iniciais de sistemas de armas a laser, com o demonstrador Dragonfire encomendado pelo Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa para ser testado ainda este ano.

O Dragonfire representa o primeiro sistema em tecnologia de armas a laser, combinando múltiplos feixes de laser para produzir um sistema de armas que é mais poderoso que seus antecessores e resistente às condições ambientais mais desafiadoras.

O MOD também tem mais de 30 anos de experiência em sistemas DEW de radiofrequência, período em que o Reino Unido se tornou líder mundial no desenvolvimento de novas tecnologias de geração de energia e um centro global para testes de desempenho e avaliação desses sistemas.

Fonte: Navy Recognition

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Defesa Sistemas de Armas Tecnologia Traduções-Plano Brasil

Empresa turca testa com sucesso seu novo sistema de armas a laser

 

Dylan Malyasov– Defence Blog

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

A empresa turca Aselsan informou que um sistema de armas a laser recentemente desenvolvido, instalado nos veículos blindados multiuso 4×4 da BMC, foi testado com sucesso.

De acordo com o comunicado da empresa, o novo sistema de defesa a laser (LSS), desenvolvido pelo gigante turco de defesa Aselsan, foi testado com sucesso neste sábado.

O LSS foi desenvolvido para eliminar efetivamente ameaças  por veículos aéreos não tripulados na faixa de 500 metros, bem como dispositivos explosivos improvisados ​​e pacotes suspeitos encontrados em estradas, na faixa de 200 metros, informou o subsecretário de indústrias de defesa Ismail Demir.

Nos testes bem-sucedidos, a fonte de laser de alta potência do sistema, o custo muito baixo dos disparos, o magazine de alta capacidade, o disparo contínuo, a detecção de alvos ópticos e o sistema avançado de rastreamento de alvos foram destacados.

O uso prioritário é para plataformas em navios, usinas de energia, bases aéreas, estações de patrulha de fronteira, sedes e rotas de comboios.Aplicações:

  • Proteção de Base
  • Defesa contra UAV
  • IED e Neutralização de Pacotes Suspeitos

A empresa de defesa ASELSAN projeta, desenvolve e fabrica sistemas de comunicação militar, sistemas de radar e guerra eletrônica, sistemas eletro-ópticos e sistemas de defesa e armamento para os militares turcos, além de exportar para o exterior.

Fonte: Defence Blog

Categories
Conflitos Defesa Estados Unidos

Pilotos americanos sofreram lesões por lasers chineses no Djibuti, diz Pentágono

AFP/Arquivos / Bonny SchoonakkerDois pilotos de um avião de carga C-130 sofreram lesões leves nos olhos ao terem lasers apontados em sua direção

Cidadãos chineses direcionaram em múltiplas ocasiões lasers de grau militar contra pilotos americanos que operam em uma base em Djibuti, na África, declarou o Pentágono nesta quinta-feira (3).

As autoridades emitiram uma queixa diplomática formal e exigiram a Pequim que investigue uma série de incidentes que datam de várias semanas, disse a porta-voz Dana White.

“São incidentes muito graves”, afirmou White, acrescentando que “representam uma verdadeira ameaça” para os pilotos.

Em um caso, dois pilotos de um avião C-130 sofreram lesões leves nos olhos quando aterrissaram na base deste país do Chifre da África, assinalou à AFP outra porta-voz, a major Sheryll Klinkel.

Localizada no aeroporto internacional de Djibuti, a base militar americana Camp Lemonnier é sua única instalação na África. É utilizada em grande medida para operações antiterroristas no leste da África e no Iêmen.

A China abriu no ano passado uma base naval em Djibuti, a apenas alguns quilômetros das instalações americanas, no que é a primeira base no exterior das Forças Armadas de Pequim.

White disse que estava “certa” de que quem direcionou os lasers de alta potência era chinês. Funcionários declararam ao jornal The Wall Street Journal que o laser provavelmente provinha da base chinesa.

 

Fonte:AFP