Categories
Defesa Navios Rússia Sistemas de Armas Traduções-Plano Brasil

Rússia deve iniciar a construção do primeiro "Destroyer" Classe Leader em 2023

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

Segundo o diretor do Instituto de pesquisa Krylov, Pavel Filippo, a construção do mais novo destróier nuclear projeto “Líder” está prevista para começar em 2023.

O conceito e desenho avançado deste navio foi desenvolvido pelo Centro Krylov. Em 2016-2017, o Northern Design Bureau (PKB) começou a criar um projeto técnico o qual ainda está em andamento.

Segundo informou Filippo em uma entrevista a Ria Novosti, o navio foi originalmente planejado para possuir uma unidade de propulsão CODAG cujo grupo principal seria uma Turbina a Gás, o navio era planejado para deslocar de 12-13 mil toneladas.

Frente  esta realidade e dada a necessidade de um grupo propulsor mais potente, foi então optado pela adoção de propulsor movido a energia nuclear e seu deslocamento imediatamente aumentou para 18 mil toneladas.

Como relatou Filippo:

“Qual é o resultado final? nós ainda não sabemos, é necessário perguntar ao PKB do Norte. E até onde eu sei, em 2023 devemos começar a construir este “Navio a vapor”

Na criação de uma nova geração de Destroyers para as forças navais da Rússia tornou-se conhecido em 2010. Ele será armado com mísseis anti-navio, mísseis de cruzeiro para ataques contra alvos terrestres e sistemas avançados de defesa antiaérea e defesa antimísseis. Sua principal arma deve ser o sistema de disparo universal, que pode ser carregado com diferentes mísseis.
Além disso, o “Destroyer” terá sistemas antiaéreos de mísseis e canhão principal de elevado calibre, não é descartada a doção de uma arma eletromagnética que está em desenvolvimento.
Fonte: Ria Novosti

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Defesa Navios Rússia Sistemas Navais Tecnologia

Army-2018: Revelado o conceito do novo Porta Aviões "leve"

 E.M.Pinto

No fórum “Army-2018” os participantes tiveram a oportunidade de ver o modelo de um porta-aviões leve e multiuso em desenvolvimento pelo Instituto Kyrlov. A princípio não foi manifestado o interesse do navio pela Marinha Russa.

O modelo Apresentado no  estande do Centro de Pesquisa do Estado de Krylov, claramente diferia das maquetes previamente apresentadas em outras feiras e eventos. O modelo exposto exibe um deck superior cuja configuração permite a operação simultânea de várias aeronaves.

Segundo as informações o novo porta-aviões teria um deslocamento total de 44 mil toneladas e seria capaz de operar cerca de 46 aeronaves, incluindo caças pesados ​​e leves, vários helicópteros e aeronaves alerta aéreo antecipado.

Para comparação, em um cruzador Porta aviões aviões, Almirante Kuznetsov, possui um deslocamento máximo de cerca de 58 mil toneladas, o projeto previa a operação de cerca de 50 aeronaves e helicópteros, na realidade, a ala aérea sempre operou com números menores. O Kuznetsov possui um alcance da navegação é de 8000 milhas, a autonomia é de 60 dias. O porta-aviões possui uma poderosa defesa antiaérea, anti-torpedo e anti-submarino.

Segundo o instituto Kyrlov o projeto apresentado interessou inclusive à estrangeiros, em particular, os franceses.  As suposições levantadas até mesmo antes do é de que o modelo seja destinado a um cliente estrangeiro embora se afirme que o mesmo também foi apresentado para a Marinha Russa.

Até então sabe-se que a Marinha Russa pauta a sua escolha no Project 23000 (“Storm”). O esboço preliminar sugere desse navio apresenta um deslocamento de 80.000 a 90.000 toneladas. O navio será equipado com uma unidade de propulsão combinada que compreende um reator nuclear e um motor de turbina a gás. O grupo de porta-aviões deve consistir em até 60 aeronaves.

Quanto a um possível deslocamento de um avançado porta-aviões russo, o instituto havia informado previamente que as especificações da Marinha Russa, apontam para um navio com deslocamento entre 60.000 a 100.000 toneladas. Essa diferença pode ser explicada: a escolha do deslocamento de água depende diretamente do tipo de propulsão que será usada para operar um navio.

As autoridades da Marinha russa presentes no evento disseram anteriormente que a frota russa espera receber um porta-aviões avançado movido a energia nuclear com um deslocamento de não menos de 70 mil toneladas até 2030.