Categories
Aviação Defesa Traduções-Plano Brasil

Força Aérea Tcheca adquirirá helicopteros Bell UH-1Y e AH-1Z

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

A Força Aérea Tcheca adquirirá oito utilitários UH-1Y Venom e quatro helicópteros de combate AH-1Z Viper O contrato de US $ 625 milhões deverá ser concluído até o final do ano.

O primeiro-ministro tcheco, Andrej Babiš, anunciou em 22 de agosto que a Força Aérea Tcheca adquirirá 12 novos helicópteros dos Estados Unidos. A República Tcheca selecionou o programa Bell Helicopter  como vencedor e vai adquirir oito utilitários UH-1Y Venom e quatro helicópteros de ataque AH-1Z Viper.

Superando a oferta da Lockheed Martin Sikorsky UH-60M. O contrato intergovernamental, estimado em US $ 625 milhões não considera o imposto sobre valor agregado, e deve ser aprovado pelo Ministério da Defesa da República Tcheca (MoD) e pelo governo nos próximos meses. A Força Aérea Tcheca pretende operar todos os 12 helicópteros a partir de 2023.

“O sistema H-1 (combinação de helicópteros Venom e Viper) oferece tudo o que solicitamos”, disse o general Aleš Opata, chefe do estado-maior geral das forças armadas da República Tcheca. Os novos helicópteros serão usados ​​para apoio ao combate, transporte de tropas e evacuação médica. “Gostaríamos de concluir o contrato até o final do ano”, disse o ministro da Defesa tcheco, Lubomír Metnar. A República Tcheca será o primeiro país da Europa Central e Oriental a operar helicópteros UH-1Y e AH-1Z.

Os helicópteros serão armados com mísseis AGM-114 Hellfire e canhões M197 20 mm. A oferta dos EUA prevê cooperação com a indústria de defesa Tcheca. Várias empresas estão interessadas no contrato, incluindo Aero Vodochody, Ray Service e LOM Praha.

Fonte: Janes

Categories
Aviação Defesa Traduções-Plano Brasil

Mi-28NM irá aumentar a velocidade devido a novas lâminas

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

O mais recente helicóptero de ataque Mi-28NM “Night Hunter” receberá um sistema de pás de rotor modernizado e mais avançado. Como resultado, a velocidade da aeronave  aumentará em 10 a 20 km/h, melhorando  o desempenho básico do vôo.

As aeronaves possuem melhoramentos nos sistemas automáticos de controle de voo da aeronave além de ser muitas vezes mais letal do que a versão anterior devido aos novos sistemas em estado de arte e capacidade de comandar o ataque de drones contra alvos em todo o campo de batalha.
Para aumentar a capacidade destrutiva, a aeronave faz uso do novo sistema de mísseis Chrysanthemum, que possui um sistema de controle eletrônico, e permite a destruição de carros com proteção de blindagem de até 1200 mm a uma distância de até seis quilômetros em quaisquer condições.
Além desta arma, Um míssil com alcance de até 25 quilometros também foi desenvolvido para o Mi-28NM.

Categories
Defesa Sistemas de Armas Tecnologia Traduções-Plano Brasil

VKS receberá 100 novos helicópteros Milmi 28 NM até 2027

A produção de 100 helicópteros Mi-28NM já foi iniciada em Rostov-on-Don e até 2027, os “Night Hunters” melhorados serão entregues às Forças Aéreas e Espaciais da Federação Russa.

“O Comandante Supremo decidiu ordenara  produção de 100 aeronaves para a VKS até 2027, os primeiros helicópteros já estão em produção “ , disse o vice-ministro Alexei Krivoruchko ao Zvezda .

Além disso, a frota existente de helicópteros de aviação do exército será equipada com sistemas de defesa aerotransportados modernos, armas e sistemas de detecção de alcance aumentados, além de sistemas mais precisos.
Um novo míssil guiado anti-carro denominado “Chrysanthemum-M” o qual possui um sistema de orientação de canal duplo aumentará o alcance de destruição de alvos blindados para 10 km. Este alcance é bem maior comparado à versão atual de 6km. Note que estes mísseis estão instalados na versão de exportação do Night Hunter, mostrado no fórum internacional Army-2018.

No entanto, a principal diferença entre o Mi-28NM e a versão anterior, que além do radar perimetral da visão circular, destaca-se também o sistema de controle duplicado,  se necessário, o artilheiro também pode pilotar o helicóptero. Além disso, o helicóptero pode agora comandar drones em vôo e controlar remotamente os drones.

A atualização também afetou a potência do motor e as pás, devido ao desempenho de vôo melhorado em climas de alta altitudes e quentes. A velocidade de cruzeiro do helicóptero aumentou e as possibilidades de realizar manobras acrobáticas complexas em voo aumentaram.
Em março, houve relatos de que os últimos Mi-28NM foram testados no céu da Síria e agora a VKS aumenta a carteira de pedidos para estas aeronaves.
Fonte: RG

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Defesa

Plano Brasil/EB/CAvEx/Helicóptero turco T129 ATAK no Brasil/Análise: “Demonstração do helicóptero de ataque turco T129 ATAK, derivado do italiano Leonardo A129 Mangusta, causou excelente impressão ao CAvEx”

 

 

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=wi6HFuGJvKA[/embedyt]

 

 

Helicóptero de ataque turco T129 ATAK – História do Roadshow no Brasil

 

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=kEGoYD2rHdw[/embedyt]

 

 

Hoje no Mundo Militar: O que o Brasil pode aprender com a Turquia e o seu T129 ATAK

 

 

Helicóptero turco de ataque é apresentado na Aviação do Exército em Taubaté

Por: Redação PortalR3, 27/março/2019

Foto 01: Helicóptero T129 ATAK possui alta capacidade bélica. (Foto: ComSoc CAvEx)

O CAvEx (Comando de Aviação do Exército), com sede em Taubaté (SP), recebeu no dia 26 de março, representantes da empresa Turkish Aerospace Industries (TAI), para demonstrações de um helicóptero T129 ATAK.

A aeronave está no Brasil para a 12ª edição da LAAD Defence & Security – Feira Internacional de Defesa e Segurança – e, na ocasião, realizará um evento conhecido como Road Show Brazil 2019, na qual inclui demonstrações para autoridades civis e militares. O evento inclui apresentações em Brasília e Rio de Janeiro e a empresa, solicitou ao Exército Brasileiro, uma apresentação da referida aeronave em Taubaté, no Comando de Aviação do Exército.

O T129 ATAK utiliza diversos tipos de sistemas e armamentos de última geração como canhão de 20 mm, foguetes guiados e mísseis, além de um moderno sistema de câmeras coloridas e de infra-vermelho.

O Programa Estratégico Aviação do Exército (PEE Av Ex), programa que regula e detalha os projetos de longo prazo da Aviação do Exército, prevê a melhoria das atuais capacidades e a aquisição de novas capacidades para a Aviação do Exército Brasileiro.

Foto 02: Militares do CAvEx acompanharam a apresentação da equipe turca. (Foto: ComSoc CAvEx)

A obtenção da capacidade de ataque está no escopo de Projetos do Programa Aviação. A AvEx já realizou alguns testes em helicópteros de ataque nos Estados Unidos, Itália e Rússia.

Em novembro de 2018 uma equipe da Aviação do Exército esteve na Turquia para realização de testes no modelo que agora está sendo apresentado no Brasil. Não existe ainda definição de qual helicóptero será o escolhido e nem prazo para a efetivação da compra. Outros modelos de aeronave de ataque ainda podem ser testados.

AERONAVES NO EXÉRCITO BRASILEIRO

Atualmente o Exército Brasileiro possui uma frota de aproximadamente 100 helicópteros de cinco modelos diferentes: Fennec, Pantera, Cougar, Jaguar e Black Hawk.

Eles são empregados em atividades de reconhecimento, transporte de tropas e missões diversas pelo país, porém, nenhum destes modelos é especifico para o ataque.

O objetivo com os novos modelos de aeronaves especificamente criadas para o ataque, é reforçar principalmente as fronteiras do país e apoiar as Forças de Superfície nas suas missões.

 Fonte: Redação PortalR3 

Categories
Defesa Rússia Tecnologia Traduções-Plano Brasil

Rússia está desenvolvendo um novo helicóptero de combate para a Força Aerotransportada

O novo helicóptero será uma continuação dos modelos Mil Mi-24 e Mi-35, disse uma fonte. (imagem meramente ilustrativa).

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

MOSCOU, 27 de março / TASS /. A Rússia está desenvolvendo um novo helicóptero de combate para as unidades de helicópteros móveis da Força Aérea. O novo helicóptero será um acompanhamento dos modelos Mi-24 e Mi-35, disse uma fonte da indústria de defesa doméstica à TASS na quarta-feira.

“Há interesse das unidades de helicópteros da Força Aérea por um novo modelo, o trabalho foi intensificado para atualizar os helicópteros existentes e desenvolver um helicóptero novo, um veículo de combate para as forças aerotransportadas”, disse a fonte, acrescentando que “O  novo  helicóptero será conceitualmente desenvolvido a partir dos helicópteros Mi-24-Mi-35M”.

Antes que um novo helicóptero de combate seja desenvolvido, os helicópteros operacionais devem ser modernizados para a Força Aerotransportada:
“O Mi-24 será convertiddo para o nível do Mi-35M, a família de helicópteros Mi-8/17 até o nível do Mi-8AMTSh- VN (a versão Mi-8 desenvolvida tendo em conta a experiência síria foi exibida pela primeira vez no fórum Army-2017), os pesados ​​helicópteros de transporte Mi-26T para o nível do Mi-26T2V “, disse a fonte.

A Força Aerotransportada da Rússia está criando novas unidades de helicópteros. Os relatórios sobre a criação de tais unidades surgiram durante os exercícios estratégicos Vostok-2018, onde essas formações foram experimentalmente empregadas pela primeira vez. As novas unidades de helicópteros deverão incluir esquadrões de transporte e helicópteros de ataque.

Fonte:TASS

Categories
Army-2018 Artigos Exclusivos do Plano Brasil

Army-2018: Versões atualizadas do Mi-35 armadas com mísseis "Igla-S"

E.M.Pinto

Foram apresentadas no Army-2018 as  versões modernizadas dos helicópteros de ataque Mi-35M e Mi-35P. A versão de exportação do famoso crocodilo soviético receberam atualizações de sistemas e  equipamentos eletrônicos de rádio e novos equipamentos de combate.

Os Mi-35P estão equipados agora com sistemas de vigilância de avistamento OPS-24N-1L  e câmara termográfica com uma matriz do sistema de terceira geração, câmera de TV e telêmetro a laser. O novo sistema de controle de vôo digital baseado no piloto automático PKV-8 melhora a controlabilidade, aumenta a estabilidade do helicóptero, e um sistema melhorado de visão e computação melhora ainda mais a precisão contra alvos.
Foi introduzido um alongamento nas asas, tornando possível instalar armas adicionais ampliando a estabilidade em vooda aeronave.

Os helicópteros do tipo Mi-24/35 são um dos mais perigosos do mundo. A história de sua operação em combate inclui mais de 30 guerras e conflitos militares.

O helicóptero de combate e transporte Mi-35 é projetado para a destruir desde veículos blindados até prover suporte de fogo para unidades terrestres. Uma das características mais importantes do Mi-35 é a possibilidade de transportar pessoal com armas, transportando até três feridos do campo de batalha, bem como carga interna na cabine ou em uma suspensão externa.

Categories
Army-2018 Artigos Exclusivos do Plano Brasil Aviação

Army-2018: Apresentada a versão modernizada " Mi-28NE" para exportação

Sugestão- Rustam- Moscou
Tradução e adaptação- E.M.Pinto

A SC “Russian Helicopters”, apresentou em Kubinka, uma versão modificada do helicóptero de combate Mi-28NE destinada a  exportação.

As características mais características do novo helicóptero modernizado são a introdução dos mísseis anticarro de longo alcance 9M123M “Chrysanthemum-VM” com um sistema de orientação de dois canais (o helicóptero manteve a capacidade de usar ATMM 9M120-1 “Ataka-VM “), e também um dispositivo de filtro de poeira multi-ciclone fundamentalmente novo.

O helicóptero também é equipado com novos motores turbo de alta potência VK-2500-01, novas pás de rotor e tanques de combustível à prova de explosão. O equipamento permite a operação conjunta com drones e um novo aparato de armas inteligentes e bombas foram introduzidas no armamento do helicóptero.

O chefe do JSC “Helicópteros da Rússia”, Andrei Boginsky, em entrevista à agência de notícias Interfax, disse o uso desses mísseis aumentará o alcance da destruição do alvo para 10 km. Além disso, o helicóptero também será equipado com um míssil guiado modernizado “Attack”. O Mi-28NE atualizado será capaz de usar bombas de aviação de calibre até 500 kg cuja eficácia de seu uso foi confirmada nos conflitos locais da última década.

Boginsky afirmou que foram efetuados trabalhos  no sistema de transporte Mi-28NE e que o novo design das pás aumenta significativamente o desempenho de voo em condições de alta altitude e clima quente, amplia as capacidades do helicóptero na realização de acrobacias complexas e aumenta a velocidade de cruzeiro.

A fim de manter a controlabilidade da aeronave, foi instalado um sistema estabilizador de área maior, bem como, motores de alta potência. E finalmente, uma das inovações mais interessantes é a possibilidade de interação com veículos aéreos não tripulados. Agora eles podem ser controlados remotamente diretamente da cabine da aeronave Mi-28NE.

Categories
Defesa Traduções-Plano Brasil

A Tata Boeing Aerospace entrega a primeira fuselagem de helicóptero de combate AH-64 Apache da instalação de Hyderabad

Por: 

Tradução e adaptação- E.M.Pinto
Tata Boeing
A Tata Advanced Systems Limited é uma subsidiária da Tata Sons, focada no fornecimento de soluções integradas para a indústria aeroespacial, de defesa e de segurança interna. 
A Tata Boeing Aerospace anunciou na sexta-feira (01 de Junho) a entrega da primeira fuselagem do helicópteros de combate AH-64 Apache antes do previsto em sua instalação de última geração em Hyderabad. A fuselagem agora será transportada para a fábrica do AH-64 Apache da Boeing em Mesa, Arizona, para integração na linha de montagem final. Essa entrega ocorre dentro de um ano após a operacionalização da instalação de joint venture aeroespacial.

A instalação, que está espalhada por 14 mil metros quadrados e empregará 350 trabalhadores altamente qualificados em plena produção, foi inaugurada pela ministra da Defesa da União, Nirmala Sitharaman, em março. A instalação será a única produtora global de fuselagens para o helicóptero AH-64 Apache entregue pela Boeing para seus clientes globais, incluindo o Exército dos EUA. A instalação também produzirá estruturas secundárias e caixas verticais para o helicóptero de combate multi-função.

“Este é um passo importante no compromisso contínuo da Boeing e da Tata Advanced Systems em fabricar aeroestruturas avançadas e de alta qualidade na Índia”, disse o presidente da Boeing na Índia, Pratyush Kumar  “Nossos investimentos em tecnologia, capacitação e qualificação estão claramente compensando a qualidade e a velocidade com que esse marco de entrega foi alcançado. À medida que aceleramos nossos esforços, vemos isso como um passo importante em direção a futuras oportunidades para buscar a cooperação em desenvolvimento de sistemas integrados na indústria aeroespacial e defesa “.

Sukaran Singh, diretor executivo e diretor executivo da Tata Advanced Systems, disse:

“A entrega oportuna da fuselagem AH-64 Apache é um marco em nossa jornada colaborativa com a Boeing. Nossa parceria reflete um compromisso contínuo com o desenvolvimento de fabricação aeroespacial e de defesa…A entrega da fuselagem dentro de um ano da instalação sendo operacional é um enorme impulso para a fabricação local e também demonstra o nosso compromisso de entregar produtos de alta qualidade dentro de um curto espaço de tempo “.

A Tata Boeing Aerospace, a primeira joint venture de capital da Boeing na Índia , é o resultado de um contrato de parceria de 2015 com a TASL. A construção da fábrica começou em 2016 e foi concluída no prazo de um ano depois. Além disso, a Boeing e a TASL trabalharam em estreita colaboração para desenvolver um conjunto de talentos aeroespaciais altamente qualificados por meio de iniciativas de desenvolvimento de habilidades.

Hoje, clientes em todo o mundo operam mais de 2.300 helicópteros Apache fabricados pela Boeing desde que a aeronave entrou em produção. O helicóptero foi colocado em campo ou selecionado para aquisição pelas forças armadas de 16 países, incluindo a Índia. Somente a frota Apache do Exército dos Estados Unidos acumulou mais de 4,3 milhões de horas de vôo, incluindo mais de 1,2 milhão em combate até janeiro de 2018.

Fonte: IBT

Categories
Aviação Defesa Traduções-Plano Brasil

Ministros da Defesa da Sérvia e Rússia discutem a entrega de helicópteros Mi-35


Tradução e adaptação- E.M.Pinto
 
 Sergei Bobylev / TASS

MOSCOU, 3 de abril / TASS /. A entrega de quatro helicópteros de ataque Mi-35, quatro helicópteros de transporte Mi-17, carros de combate T-72, veículos de combate de infantaria BMP-2 e outros equipamentos militares da Rússia à Sérvia, estiveram em discussão durante o encontro do ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu e  ministro Aleksandar Vulin da Sérvia.

“Até agora falamos sobre a aquisição de quatro helicópteros de transporte Mi-17 e quatro helicópteros de ataque Mi-35. Também discutimos o futuro de nossa cooperação militar e técnica, aprimoramento e modernização de caças MiG, compra e entrega de carros T-72 veículos BMP-2, bem como outros tipos de equipamentos militares “, disse Vulin.

Ele também mencionou que a Sérvia está trabalhando duro para desenvolver e melhorar seu complexo militar.

“Sempre temos que nos preparar para o pior”, observou Vulin.

O ministro sérvio acrescentou que a Rússia e a Sérvia continuam desenvolvendo sua cooperação militar e técnica.

“Sou muito grato por isso. Uma Sérvia armada é uma Sérvia pacífica e garante estabilidade nos Bálcãs”, disse Vulin.

 

Fonte: Tass

 

E Por Falar em Mi35- Rússia e Uzbequistão assinam contrato para aquisição de mais 10 helicópteros de combate multi-função Mi-35


A Rússia e Uzbequistão fecharam um contrato para entregar de mais  dez helicópteros Mi-35, informou nessa quinta  na ocasião da ArmHiTe, Vladimir Drozhzhov, vice-diretor do Serviço Federal de Cooperação Técnica-Militar.

“Temos um contrato de entrega para helicópteros Mi-35, assinado. O trabalho foi bem-sucedido e a cooperação técnico-militar com o Uzbequistão se desenvolvendo ativamente e portanto serão adquiridas mais 10 aeronaves”, disse ele.

Uma fonte diplomática disse anteriormente à TASS sobre a assinatura pelos dois países de um contrato para entrega 12 helicópteros Mi-35.

O Mi-35M é um helicóptero de combate multi-função construído para destruir alvos blindados terrestres e fornecer apoio aéreo para missões terrestres, bem como para transportar pessoal militar, evacuar os feridos, entregar cargas e executar outras tarefas. O helicóptero é equipado com modernas armas de alta precisão e é capaz de realizar tarefas de combate 24 horas por dia sob várias condições climáticas.

Fonte: TASS  

Categories
AH X- Brasil Uncategorized

AH-X BR: Denel AH-2 Rooivalk

 

Autor: Anderson Barros e Carlos E.S. Junior

Matéria produzida em parceria com o Site Warfare

 Acompanhe a série de matérias clicando em AH-X Brasil

 

 

PREFÁCIO

A África do Sul tem mostrado grande capacidade de desenvolvimento de sistemas de armas próprios graças ao embargo internacional de armas que sofreu durante os anos 70 e 80. Com isso a industria sul africana cresceu de forma que hoje pode ser considerada um dos polos de desenvolvimento bélico do planeta.  este embargo, imposto pela ONU devido ao governo sul africano da época ser racista, obrigou aos militares sul africanos buscarem soluções próprias para sua defesa, uma vez que havia uma guerra em andamento em sua fronteira com sudoeste africano, (atual Namíbia), onde o apoio soviético e cubano começou a trazer muitos carros de combate para as tropas inimigas de Pretória. A força aérea sul africana sentiu que precisava de um helicóptero de combate dedicado para escoltar seus helicópteros de transporte de tropas e mesmo dar uma resposta a altura para os tanques de origem soviéticas que estavam fortalecendo as forças inimigas.

ORIGEM

A história do desenvolvimento do AH-2 Rooivalk começa com os estudos da então Atlas, uma empresa aeroespacial sul africana para adaptar os helicópteros em uso pela força aérea sul africana para transportar e operar armamentos. Avaliou-se o Aérospatiale Alouette III, produzindo um derivado cujo nome foi XH-1 Alpha, porém o modelo se mostrou menos potente que o ideal para a missão.

O protótipo Atlas XH-1 Alpha demonstrador de conceito desenvolvido a partir um helicóptero utilitário Aérospatiale Alouette III.

Assim a um outro protótipo, desta vez baseada na célula do helicóptero de transporte Puma, consideravelmente mais potente e com mais espaço para integração de sistemas, foi construído sob o nome de XTP-1 Beta, que recebeu diversos sistemas de armas e sensores em uma plataforma do SA 330 Puma e que acabou encorajando a Atlas a seguir o desenvolvimento de seu helicóptero de combate dedicado, usando diversos componentes do SA-330 da versão produzida localmente sob o nome de Oryx, com modificações que melhoraram o desempenho do Puma para o ambiente quente sul africano.

O XTP-1 Beta demonstrador desenvolvido a partir de um Aérospatiale SA 330 Puma, utilizado como bancada de testes e para avaliação dos sistemas dinâmicos do futuro Rooivalk

O primeiro protótipo do “novo” helicóptero de combate ficou pronto em 1989 e fez seu primeiro voo no começo de 1990, sendo batizado de XH-2. Os protótipos foram designados como  XH-2XDM (Experimental Development Model – Modelo de Desenvolvimento Experimental Rooivalk (posteriormente designado CSH-2, e mais adiante AH-2).

O primeiro protótipo de pré-produção XH-2 XDM realizou seu primeiro vôo em 11 de fevereiro de 1990. O XH-2 XDM utilizava o sistema de transmissão e os rotores do puma, que foram adaptados e aperfeiçoados para o vetor. O XH-2 XDM tinha como função testar os sistemas mecânicos do vetor. Com a paralização dos combates em que o país estava envolvido, a SAAF interrompeu o programa, que foi posteriormente reaberto com fundos próprios, onde um segundo protótipo foi construído, sendo designado XH-2ADM (Advanced Demonstration Model – Modelo de Demonstração Avançado), realizando seu primeiro vôo durante o segundo trimestre de 1992 tendo todos os aviônicos e sistemas de armas totalmente integrados e funcionais. OXH-2 ADM foi incumbido da função de bancada de testes para testar os armamentos, incluindo o míssil antitanque Mokopa e com o canhão Vektor GI-2 de 20 mm.

https://youtu.be/GSTbYb_1H90

O terceiro protótipo de pré-produção XH-2 EDM (Engineering Development Model – Modelo de Desenvolvimento Aplicado) realizou seu primeiro vôo em 17 de novembro de 1996. Este protótipo foi equipado com supressores IR que reduziram substancialmente a assinatura infravermelha do vetor e teve uma maior utilização de materiais compostos na construção de sua estrutura e fuselagem.  Em 1992 a Atlas foi absorvida pela Denel Aviation, que por sua vez, deu sequencia ao desenvolvimento de fabricação do, agora rebatizado AH-2 Rooivalk .

Os três protótipos da esquerda para a direita: XH-2XDM (Experimental Development Model), XH-2ADM (Advanced Demonstration Model) e o XH-2 EDM (Engineering Development Model)

PROPULSÃO

O AH-2 AH-2 Rooivalk faz uso de dois motores Turbomeca Makila 1K2 que entregam uma potência de 2301 HP cada. Vale ressaltar que os motores da família Makila equipam outras aeronaves de asas rotativas como o AS-332 Super Puma, AS-532 Cougar ( H215M ) e o EC-725 (H-225M) Caracal.

Acima: As aeronaves são propulsadas por um par de turbinas Turbomeca Makila 1k2

Os motores que são instalados nas laterais da fuselagem de forma isoladas que se conectam à caixa de transmissão do rotor, de forma a ajudar evitar danos simultâneos aos motores. O vetor também está equipado com supressores IR nos dutos de exaustão dos motores e com uma tela protetora no duto de admissão do motor para impedir a ingestão de detritos do solo – FOD (Foreign Object Damage – Dano Causado por Objeto Estranho), que possam causar avarias nos propulsores.

Os dois motores Turbomeca Makila 1K2 dão ao AH-2 uma boa velocidade máxima, que chega a 309 km/h e uma excelente razão de subida de 798 m/min, permitindo ao Rooivalk  ter boa capacidade de manobra. O AH-2 possui um alcance de 740 km com combustível interno e 1335 km com combustível externo.

Acima: O AH-2 equipado com tanques extras de combustível possui um alcance de travessia de 1335 km.

PROTEÇÃO

 A Denel dedicou sua atenção na segurança da aeronave e de seus tripulantes no campo de batalha, por isso o AH-2 foi desenvolvido desde o início para suportar o ambiente quente, seco, áspero e sem infraestrutura da África, o que acabou gerando um helicóptero capaz de operar em regiões sem a mínima infraestrutura, necessitando apenas de um helicóptero médio equipado com fermentas básicas, poucas peças sobressalentes e uma pequena equipe de apoio em terra de apenas 4 homens para manter o vetor operacional em combate.

O AH-2 A teve como um dos objetivos prioritários ter uma elevada capacidade de sobrevivência, para tanto o mesmo foi projetado para ser um vetor com baixa assinatura de calor (IR), visuais e acústicas visando dificultar sua detecção., mesmo assim, sua blindagem é classificada, o que, num mercado onde este dado costuma ser publico até como argumento de venda, leva duvidas sobre sua capacidade. O AH-2 possui uma estrutura primária construída em uma liga de alumínio e as estrutura secundárias, fuselagens e as lâminas dos rotores construídas em materiais compostos.

A estrutura principal do Rooivalk utiliza a tecnologia anti-crash (anti-choque) com capacidade de absorção de impacto. Os assentos foram projetados para serem resistentes e atenuarem o choque em caso de queda da aeronave. O conjunto de trens de pouso principais também foram concebidos para absorverem a energia do choque. E todos os tanques de combustíveis possuem auto vedação para impedirem que se incendeiem conseguindo manter a tripulação a salvo em caso de uma queda com estas cargas.

As pás são feitas de compósitos que reduzem o peso e aumentam a proteção balística Seu sistema de controles elétricos, hidráulicos e circuitos foram duplicados para aumentar a capacidade de sobrevivência em combate, pois em uma situação real é bem comum alguns desses sistemas serem avariados.

Acima :Nesta imagem é possível ver os supressores IR nos bocais de exaustão do AH-2 Rooivalk. Os mesmos direcionam o fluxo das turbinas para longe da estrutura, reduzem substancialmente a assinatura IR do vetor, elevando a capacidade de sobrevivência do Rooivalk.


SISTEMAS EMBARCADOS

O Rooivalk utiliza unidades de exibição com o conceito de glass cockpit visando à redução da carga de trabalho sobre a tripulação, que pode concentrar nas questões táticas da missão.

O vetor está equipado com uma completa suíte de navegação e também conta com um sistema HMD (Helmet Mounted Display) Thales TopOwl, que é um HMD que pode ser equipado com um sistema de visão noturna NVG (Night Vision Googles) integrado, e um HUD (Head-Up Display) que prove informações de navegação que permitem o vôo Nap-of-the-earth (NOE) com baixo perfil de vôo seguindo a baixa altura, utilizando o mascaramento do terreno, se escondendo atrás das imperfeições do solo e das copas das árvores evitando a detecção pelos radares inimigos a uma altura de 15 metros.

O AH-2 A é equipado com o sensor giro estabilizado Sagem STRIX, que fica montado sob o nariz do vetor e está equipado com sensores FLIR, câmeras CCD-TV, telêmetro laser com um alcance de 8 km, um designador laser, e um sistema de periscópio com visão ótica direta.

Acima: O sistema multisensor giro estabilizado francês Sagem STRIX dá ao Rooivalk a capacidade de enxergar em qualquer condição de luminosidade ou climática, além de fornecer dados para pontaria das armas guiadas a laser.

O Rooivalk está equipado com uma suíte de contramedidas eletrônicas e descartáveis totalmente integrada HEWSPS (Helicopter Electronic Warfare Self Protection System), que incorpora um sistema de alerta de radar RWR (Radar Warning Receiver), um sistema de alerta de laser LWR (Laser Warning Receiver), sistema IFF (Identification Friendor Foe – Identificação Amigo ou Inimigo) e dispensadores de Chaff e Flare.

SISTEMAS DE ARMAS

O AH-2 A utiliza como armamento primário o canhão Vektor GI-2 no calibre 20mm que possui uma cadência de disparo de 700-750 tiros por minuto, tendo uma capacidade para 700 munições. Este canhão possui uma mobilidade de 120º azimute e +15º e -65º de elevação, tendo uma taxa de movimentação de 90º por segundo.

Acima: O Rooivalk utiliza como armamento primário o canhão Vektor GI-2 no calibre 20mm que possui uma cadencia de disparo de 700-750 tiros por minuto, tendo uma capacidade para 700 munições.

O AH-2 também pode ser equipado com até 4 PODs lançadores de foguetes Hydra 70 19x70mm, com capacidade para 19 foguetes totalizando 76 unidades, ou com Hydra 70 9x70mm com capacidade para 9 foguetes Hydra 70 totalizando 36 unidades.

No quesito misseis ar-solo o AH-2 pode ser armado com até 16 misseis guiados por laser semi-ativo Denel Dynamics ZT-6 Mokopa que possui um alcance máximo de 10 km e uma excelente precisão com um CEP de 30 centímetros.

Acima: Denel Dynamics ZT-6 Mokopa que possui um alcance máximo de 10 km e uma excelente precisão com um CEP de 30 centímetros.

O AH-2 A também pode ser equipado com o míssil AGM-114 Hellfire com um alcance máximo de 8 km ou com o MBDA HOT 3 com um alcance máximo de 4,3 km. Para auto defesa contra outro helicóptero ou aeronave leve, o  Rooivalk pode ser equipado com até 4 mísseis ar-ar MBDA Mistral com um alcance máximo de 6 km.

 


CONCLUSÃO

A Aafrica do Sul fez a lição de casa e conseguiu desenvolver seu helicóptero de ataque dedicado em um momento critico de sua história, onde os fornecedores tradicionais fecharam as portas devido ao regime do apartheid vigente na época. A aeronave não teve clientes externos e assim, só a Africa do Sul utiliza esta aeronave, onde 12 aeronaves foram construídas e 11 servem a força aérea do país, atualmente. Com esse numero extremamente pequeno de unidades, certamente  o custo de aquisição foi alto.

A África do Sul utiliza os helicópteros Rooivalk em missões de paz das Nações Unidas.

A linha de produção se encerrou em 2007 com a entrega da ultima aeronave.  Quando comparado com helicópteros de ataque disponíveis no mercado internacional, o Rooivalk se posiciona na categoria do consagrado (e clássico) Bell AH-1W Super Cobra. Porém, a favor do modelo norte americano, tem a quantidade muito maior de unidades fabricadas que facilita e barateia a reposição de peças.

O Rooivalk continuará a fazer parte do arsenal sul africano por muitos anos e deverá passar por um programa de modernização para um padrão que foi designado Rooivalk MK2 e que, caso siga em frente, poderá reabrir a linha de montagem para exportação do novo modelo, o que pode facilitar a aquisição de um helicóptero de ataque dedicado, principalmente para países que não tem liberação para aquisição de helicópteros de ataque dos fornecedores tradicionais.

https://youtu.be/FLeTTX4ngOw

Categories
Rússia Sistemas de Armas Tecnologia Traduções-Plano Brasil

As Forças Aeroespaciais Russas receberão dois helicópteros de ataque Mi-28NM até o final de 2018

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

As Forças Aeroespaciais Russas (VKS) receberão os dois primeiros helicópteros de ataque produzidos em série Mi-28NM, versão mais  avançada da aeronave russa antes do final de 2018, foi o que informou o presidente do Grupo Russo de Helicópteros, Andrei Boginsky, nesta terça-feira à agência de notícias TASS.

“Agora, um lote de pré-produção está em andamento e o contrato deve ser concluído em novembro deste ano. Em conformidade, estamos cumprindo o cronograma. Até agora, dois helicópteros estão estipulados no contrato”, disse o executivo-chefe do fabricante de helicópteros.

MilMi -28 NM ( Rustam para o Plano Brasil).

A Rússia começou a desenvolver o helicóptero Mi-28NM em 2009. Sua versão modernizada difere consideravelmente do seu protótipo. O Mi-28NM contará com um inovador sistema de exibição de alvos montados no capacete como parte de seu equipamento de radar a bordo.

O helicóptero é fornecido com o radar de vigilância total N025 e um novo sistema de guerra eletrônica. A Aeronave de combate foi projetada para procurar e destruir alvos aéreos em rotas de baixas altitudes e velocidade, carros de combate, hardware blindado e não blindado e tropas dia e noite e em quaisquer condições climáticas.

http://www.planobrazil.com/voce-viu-primeiro-aqui-mil-mi-28-nm-e-revelado/

http://www.planobrazil.com/versao-atualizada-do-mi28nm-faz-primeiro-voo/

http://www.planobrazil.com/russia-desenvolve-projeto-do-mi-28nm-helicoptero-de-quinta-geracao/

 

 

Fonte: Rusaviation