Categories
Defesa Traduções-Plano Brasil

The National Interest compara o A-10 "Warthog" ao Su-25 modernizado

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

Desenvolvido na União Soviética, o Su-25 ‘Grach’ possui um grande potencial de modernização, após o qual será capaz de competir com A-10 “Warthog” dos Estados Unidos. Esta é conclusão dos especialistas da revista The National Interest .

Esta é a mais recente versão atualizada do avião de ataque russo Su-25SM3. Na opinião dos especialistas da revista, durante a modernização da Força Aérea Russa, uma aeronave de combate praticamente nova foi obtida através da instalação de novos motores, a substituição de equipamentos de bordo e aviônicos. Os Storm Troopers (Apelido dado aos Su-25) foram capazes de resistir aos jatos de combate e destruir os drones com a ajuda dos mísseis ar-ar R-77 e R-27.

Para aumentar a capacidade de sobrevivência, sistemas foram instalados no Su-25SM “Vitebsk-25”, os quais criam para mísseis inimigos “imagens fantasmas de alvos”. Além disso, os novos sistemas EW dificultarão o ataque de aeronaves de ataque por mísseis guiados por radar. 

Um novo sistema de ataque de alta precisão o SVP-24 “Hefesto”,  permite o uso de munições convencionais como se fossem bombas “inteligentes”. Um novo sistema de navegação, GLONASS, permite a destruição de alvos apesar das condições meteorológicas  com uma precisão de até dez metros.

“Comparado com o A-10C, o russo Su-25SM3 é mais rápido e tem mais uma vantagem -. Seu sistema de orientação está localizado na proa, no entanto, é um pouco limitada a sua capacidade”, – diz um especialista em defesa e segurança nacional Charlie Gao.

No entanto, o americano A-10  ainda mantém a supremacia no uso de eletro-ópticos e de mísseis “dispare e esqueça” de mísseis mas estes têm a desvantagem – os modernos meios de guerra eletrônica aprenderam a lidar eficazmente contra eles. Por sua vez, o equipamento para a mira a laser de munição instalada no Su-25 torna possível apontar claramente o míssil para o alvo em condições de contramedidas eletrônicas. No entanto, neste caso, a aeronave deve continuar a guiar o míssil até que ele atinja.

“Cada aeronave tem suas vantagens, o A-10 é focado no uso de armas poderosas e mísseis electro-óptico, e o Su-25 -. Para a munição convencional, bombardeio preciso e o uso de mísseis e armas guiadas a laser”, – aponta o especialista.

Fonte: RGRU