Categories
Conflitos Geopolítica Traduções-Plano Brasil

CENTCOM apresenta vídeo do abate da aeronave BAMS-D da Marinha dos EUA no Estreito de Ormuz

Tradução e adaptação-E.M.Pinto

O Comando Central dos EUA (CENTCOM) confirmou que uma aeronave não tripulada de Vigilância Marítima de Área extendida da Marinha dos EUA (acrônimo em inglês- BAMS-D) foi derrubada por um sistema de mísseis terra-ar iraniano. 

O comando afirmou que a aeronave estava operando no espaço aéreo internacional sobre o Estreito de Hormuz, aproximadamente às 23h35 GMT de 19 de junho de 2019.

O CENTCOM refutou as reportagens iranianas de que a aeronave estava sobrevoava o espaço aéreo do Irã.

De acordo com uma nota do New York Times, os preparativos para um ataque de retaliação pelos EUA estavam bem encaminhados quando foram abruptamente cancelados. O ataque seria realizado na madrugada de 21 de junho para minimizar o riscos de danos aos civis iranianos. Outros artigos afirmaram que os ativos da Marinha dos EUA na região foram colocados em um período de 72 horas de espera para um possível ataque.

O BAMS-D é um sistema de aeronave não tripulada de grande altitude (acrônimo – HALE), baseado na aeronave RQ-4A Global Hawk e é um predecessor do MQ-4C Triton (imagem) , que inicialmente havia sido suspeito de ter sido abatido.

Informações das redes iranianas dão conta que a aeronave sobrevoava  área conjuntamente a uma aeronave P8 Poseidon o qual possuia 35 tripulantes. Em nota, os oficiais iranianos atestam que poderiam ter abatido o P-8 com seus 35 tripulantes, mas mandaram um recado à Washington ao selecionar a aeronave não tripulada que segundo eles, sobreboava o seu espaço soberano. O pentagono refuta veementemente estas informações.

 

Fonte: Naval Today

Categories
Conflitos

Com extradição pedida por EUA, fundador do WikiLeaks é preso na embaixada do Equador em Londres

LONDRES — O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi preso na manhã desta quinta-feira pela polícia britânica em Londres. Os agentes foram autorizados pela embaixada do Equador a entrar na sede diplomática do país, na qual o ativista estava exilado desde 2012. O governo equatoriano do presidente Lenín Moreno revogou o asilo do australiano e suspendeu a cidadania que lhe havia sido concedida. Moreno rompeu com Rafael Correa, seu antecessor que concedeu o asilo a Assange, e desde o ano passado vinha indicando que a proteção poderia ser cancelada.

Manning, que servia no Iraque, foi a fonte de documentos militares americanos e de mais de 250 mil telegramas da diplomacia dos EUA vazados em 2010 e 2011 pelo WikiLeaks, a maior parte deles revelando os bastidores da chamada “guerra ao terror”. Mais recentemente, a organização publicou e-mails da campanha à Presidência de Hillary Clinton em 2016 que, segundo a Justiça americana, foram obtidos por hackers russos. Detida em 2010, Manning foi condenada a 35 anos de prisão, mas teve a pena comutada por Barack Obama depois de cumprir sete.

A prisão de Assange, de 47 anos, também atendeu a um pedido da Justiça britânica, que determinara sua detenção quando ele pediu refúgio na embaixada equatoriana, acusando-o de violar as condições da liberdade condicional que lhe havia sido imposta no âmbito de uma investigação de estupro na Suécia. Essa investigação foi posteriormente arquivada pela Justiça sueca, mas os advogados de Assange não conseguiram derrubar o pedido de prisão por violação da condicional. Nesse caso, ele pode ser condenado a até 12 meses de prisão.

 

Fonte: O Globo

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Conflitos Defesa EDITORIAL Geopolítica Síria Terrorismo

EDITORIAL-Exército Árabe Sírio Parte II – SOBRE A PROTEÇÃO DOS GUARDIÕES

EDITORIAL-Exército Árabe Sírio Parte II – SOBRE A PROTEÇÃO DOS GUARDIÕES

 

 


 

 

Autor:

E.M.Pinto

 


Leia também: EDITORIAL-Exército Árabe Sírio Parte I – A primavera das sombras

O SENSO COMUM

Assad tem que cair!!! este era o plano, mas pelo que se viu, isso seria bem mais difícil do que imaginavam. Alguns autores avaliam que ele esteve perto disso, porém, outros acreditam que esta possibilidade era remota desde o início.

O fato é que ele se levantou após uma aparente queda e a cada dia parece mais fortalecido internamente e internacionalmente. Prova disso, é que nesta semana de Fevereiro de 2019, a Síria retornou a mesa de negociação na Liga Árabe como nação membro, numa clara declaração de que o regime Sírio além de presente, mostra sua superação frente aos que patrocinaram a sua queda.

Para alguns autores, a retomada dos territórios pelas forças de Assad foi lenta e inconclusiva, para outros, reside aqui uma falha de avaliação estratégica, pois pauta-se na assertiva de que a Síria foi desmantelada e desconsidera que a cada dia, o poder de influência do regime comandado por ele, ganha força e confronta os seus inimigos internacionais.

Há ainda quem julgue o papel dos Estados Unidos como fator decisório no conflito, especialmente por destruir o seu maior inimigo, o Estado Islâmico, ainda que a participação ambígua no conflito por parte dos EUA ateste que isso seja improvável.

Pode-se creditar o mérito da ação americana no Iraque, especialmente nos conflitos deflagrados no norte em Mossul, o palco dos mais pesados combates contra o Estado Islâmico, mas na síria? não, definitivamente não, até porque os Estados Unidos por diversas vezes frearam o avanço das Forças de Assad em inúmeros episódios.

Outros ainda creditam a reviravolta no conflito exclusivamente à campanha aérea massiva da aviação de combate russa, que após cinco meses praticamente aniquilou as forças resistentes dentro do território Sírio.

Os pouco mais de 70 aviões de combate russos atuaram no apoio à “virada de mesa” do SAA, isso é um fato, porém, não é o determinante. Pode-se dizer que esta teria sido uma das grandes  ações responsáveis pela recuperação vertiginosa das forças de Assad, porém a ação do Irã dentro país desde o início do conflito é talvez a mais proeminente dentro todas.

Trabalhando nas sombras e atuando na frente de combate, o apoio iraniano ao regime de Assad chegou a ser ridicularizado e foi pouco mencionado, porém, como veremos a seguir, este talvez tenha sido a garantia de sustentação de Assad nos momentos mais difíceis do conflito.

A manutenção ainda que a duras penas do regime nos quatro primeiros anos abriu a possibilidade para um posicionamento Russo mais contundente, ao mesmo tempo em que o conflito passou a se transformar a olhos vistos, dando a impressão que a Rússia teria tido a principal função na retomada do regime de Assad.

Neste capítulo da série de artigos sobre, “como o SAA” recuperou a sua capacidade combativa, eu apresentarei uma visão pessoal sobre a influência do Irã no combate Sírio e abro a frente para as colocações que vieram após a entrada russa no conflito, o qual será apresentado no próximo artigo da série.

PRELÚDIO

Operacionais estrangeiros foram implantados na Síria e já atuavam no território antes mesmo do conflito se iniciar. Porém, quando a guerra civil começou, o Exército Árabe Sírio (SAA) se deparou com baixas aceleradas no efetivo vindos de deserções e perdas em combate, ambas acentuadas com o constante incremento do esforço para derrubar o regime de Assad.

Quando eclode a guerra civil, uma horda de mercenários e voluntários, recrutados, armados e patrocinados com recursos diretos e indiretos provenientes da Arábia Saudita, França, Qatar, Alemanha, Estados Unidos e Turquia, penetrou no território Sírio através das fronteiras da Turquia, Jordânia e Israel.

Assad convocou a massa de reservistas estimada em 270 mil homens para lutar contra o levante porém, por medo de perderem suas vidas ou mesmo por terem sido cooptados a colaborar com o esforço de derrubar o regime, cerca de 130 mil reservistas não compareceram às convocações.

Muitos deles já se encontravam em áreas que haviam caído nas mãos dos rebeldes ou do que posteriormente ficou conhecido como o Estado Islâmico (ISIS).

Nos três primeiros anos de conflito o SAA sofreu pesadas baixas e perdeu mais equipamento e pessoal do que durante todas as guerras contra Israel, 75% do território estava nas mãos dos rebeldes e muito desse território foi tomado sem muita resistência, basicamente por deserções em massa dos Soldados.

Durante os cinco primeiros anos de guerra cerca de 30 a 50 mil desertores ou largaram as armas fugindo do país ou se somaram as fileiras rebeldes contra o regime de Bashar Al Assad.

A grande maioria do exército Sírio era composta por unidades que atuavam isolados e sem coordenação com as unidades profissionais e o resto era um mal armado, carente de treinamento físico adequado e que fracamente havia recebido o treinamento de tiro. Muitas dessas unidades eram comandadas por oficiais subalternos, uma vez que na debandada do governo, os mais experientes optaram por se opor a Assad.

Como resultado, sobraram oficiais com pouca experiência em combate e recém formados em escolas militares sem um nível de conhecimento e aplicações em situações de combate.

Estes movidos apenas pelo entusiasmo patriótico e pelo o espírito de sobrevivência caíram fácil frente aos rebeldes por vezes comandados por lideres e mercenários experientes, sendo exibidos como troféus naqueles espetáculos grotescos de decapitações e execuções sumárias em praça pública.

Dentre as forças leiais a Assad, haviam militares bem treinados e experientes em combate especialmente ex combatentes que lutaram no Líbano e que garantiram a resistência do seu exército.

Porém estas forças ficaram isoladas com o colapso inicial do seu exército e a sua reorganização levou bastante tempo para ocorrer, dando a impressão de que Assad havia caído num fracasso sem retorno.

É nesse cenário que a mídia mundial prevê a queda eminente de Assad pois este não possuia um robusto apoio de nenhuma nação. O final melancólico e merecido do regime de Assad seria apenas uma questão de tempo, mas será que tudo isso é verdade?

O ATAQUE DOS LOBOS

A partir das fronteiras abertas da Jordânia, Turquia e Iraque, os grupos de guerrilheiros patrocinados pelas potências estrangeiras incursionaram no território Sírio e implantaram uma campanha de ataques às instalações do SAA, das polícias e das representações do estado, semeando o caos e fragilizando a estrutura governamental.

A primeira fase dessa campanha teve como alvo, fragilizar o Exército e debilitar a imagem do regime. Para tal, deu-se o levante que foi favorecido pela mídia e pelo apoio das redes de televisão que não se cansavam em reproduzir as execuções bárbaras e sumárias cometidas em sua maioria aos civis de minorias étnicas e religiosas.

Concomitantemente aos ataques surpresas às instalações militares, iniciou-se uma campanha de chacinas horrendas de minorias religiosas e étnicas de modo a propagar o terror e demonstrar a inaptidão do estado em proteger seus cidadãos. Para os analistas internacionais, isto enfraqueceu o poder do governo central de Damasco.

As ações dos grupos “Rebeldes” tiveram êxito e obrigaram o Exército Sírio a se dispersar pelo território para combater pequenos grupos, num país ocupado por milícias e outros mais grupos armados que apenas expandiram seus poderes frente a incapacidade do SAA de gerir a situação.

Os “Rebeldes” obtiveram êxito e a reação do SAA foi avaliada pela mídia como lenta e desastrosa, especialmente no que se refere à defesa dos civis, o principal alvo dos grupos armados.

Com um efetivo inadequado e pessimamente armado, o SAA cujas melhores unidades eram a 104ª divisão da Guarda Republicana bem como a 4ª divisão mecanizada, ambas preparadas para reações em conflitos convencionais.

Estas forças atuaram de forma contundente, porém, seu esforço foi incipiente frente a grande derrocada de outras unidades que padeceram aos pés do inimigo.
Por Exemplo apenas na tomada da Base aérea de Raqqa, o ISIS executou sumariamente 250 soldados sírios que haviam se rendido, as execuções nunca foram contestadas por observatórios dos direitos humanos ou mesmo pelos tribunais da ONU em Genebra, e até hoje mesmo as chacinas de civis foram relativizadas pela imprensa internacional. O esforço para derrubar Assad passou a ser mais importante.

Como num efeito cascata, a propaganda “Rebelde” colecionava e divulgava o fracasso das forças Sírias frente a uma campanha que demolia todas as capacidades do SAA.

Os rebeldes melhor aparelhados, apoiados por oficiais desertores do serviço Sírio que tinham um profundo conhecimento das debilidades de que dispunha o SAA, causaram perdas significativas, ademais, estes grupos foram apoiados por membros da inteligência de outras nações.

Segundo o então porta voz governo sírio Omran Al Zoebido,

“O planejamento dos ataques foi coordenado por integrantes das forças especiais turcas e da Arábia Saudita durante os três primeiros anos da Guerra”.

Nos três primeiros anos da Guerra o SAA demonstrou uma aparente inépcia e estava incapacitado de lutar aquele conflito tendo nenhuma capacidade efetiva, além disso, adotava práticas erradas sem apoio da Força Aérea que como será visto em outra oportunidade, já entrou com o “pé amarrado no conflito”.

As forças atuavam sem cobertura aérea e a tomada das principais rodovias e acessos pelos rebeldes, tornou impossível o apoio de unidades de artilharia devido a total falta de mobilidade.

Por seu lado, os Rebeldes haviam obtido máquinas e sistemas capazes de cavar túneis em altas velocidades que haviam obtido antes do início do conflito, dominavam estradas e passagens estratégicas, passando agora a dominar passagens de rios, aeródromos e centrais energéticas.

O SAA não dispunha de dispositivos capazes de detectar a existência de túneis e isto permitiu aos “Rebeldes” realizar operações que tinham ao seu favor o efeito surpresa, por sua vez, as tropas sírias, claramente incapazes de reagir ante a infiltração massiva de insurgentes perdia anualmente numerosas bases militares, fosse pela tomada surpresa, fosse pela deserção de seus comandantes em apoio ao esforço de derrubar o regime.

Por conseguinte, o exército Sírio sequer poderia garantir as medidas básicas de combate e prever as melhores dispositivos para reagir aos ataques implementados pelos Rebeldes. Alguns bastiões da resistência registraram avanços coordenados e bem arquitetados bloqueando o avanço das hordas rebeldes e do Estado Islâmico.

Estamos no segundo ano do conflito e é nesse momento que o Irã manifesta oficialmente o seu apoio e a ajuda, muito bem vinda e oportuna para o regime de Assad.

O EXÉRCITO DOS GUARDIÕES

Nas fases iniciais da guerra civil na Síria, o papel do Irã foi demasiadamente ignorado pela inteligência americana e Israelense, pois supostamente o Irã estava fornecendo à Síria apoio técnico e equipamento obsoleto e baseado nas capacidades do Irã desenvolvidas após os protestos eleitorais de 2009-2010 resultados da revolução verde que se abatera no país.

O Irã era desacreditado e ridicularizado quanto a sua capacidade de sustentar o apoio as forças Sírias naquele conflito, tanto do ponto de vista técnico, quanto econômico. Acreditava-se que uma escalada do conflito levaria a ruína econômica, diplomática e militar do Irã e de seu aliado Bashar Al Assad, “matando dois coelhos com uma cajadada só”.

Em abril de 2011, o então presidente dos Estados Unidos, Barack Hussain Obama e a embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, fizeram a primeira acusação pública de que o Irã apoiara secretamente Assad em seus esforços para reprimir os protestos e que as forças iranianas já atuavam nas operações de repressão aos manifestantes.

O The Guardian relatou em maio de 2011 que o governo iraniano estava ajudando o governo sírio com equipamentos de controle de distúrbios e técnicas de monitoramento de inteligência. Segundo o jornalista norte-americano Geneive Abdo, em setembro de 2011, o governo iraniano forneceu ao governo sírio tecnologia para monitorar e-mails, telefones celulares e mídias sociais.

O Irã desenvolveu essas capacidades na esteira dos protestos de 2009 e gastou milhões de dólares estabelecendo um “exército cibernético” para rastrear os dissidentes de forma online. Apesar de descredibilizada, esta capacidade de guerra cibernética do Irã é extremamente avançada e sua tecnologia de monitoramento talvez esteja entre as mais sofisticadas do mundo, provavelmente logo atrás da China.

Em maio de 2012, em uma entrevista à Iranian Students News Agency, a qual foi posteriormente removida de seu site, o vice-comandante da Força Quds do Irã afirmou que havia fornecido tropas especializadas para o combate e apoio as operações militares sírias.

Foi alegado pela mídia ocidental que o Irã também treinou combatentes do Hezbollah, um grupo militante Xiita baseado no Líbano. Nessa mesma altura o governo do Iraque, foi criticado pelos EUA por permitir que o Irã enviasse suprimentos militares para Assad os quais circulavam livremente sobre o espaço aéreo iraquiano.

O The Economist lançou uma matéria especial que relatava o apoio econômico do Irã em fevereiro de 2012, convertido em US $ 9 bilhões em ajuda à Assad para que este resistisse às sanções ocidentais. Além da ajuda financeira, o governo iraniano enviou combustível para o país e dois navios de guerra para um porto sírio em uma demonstração de poder e apoio.

Curiosamente as ações na Síria são pouco mencionadas pela mídia, especialmente porque os analistas duvidavam de sua eficácia, porém, o que se viu com o desenrolar do conflito foi uma crescente e atuante influência das tropas Iranianas especialmente no apoio ao SAA.

Abre-se aqui um parêntese para reafirmar o valor das tropas Iranianas que desde a revolução promovida por Khomeini, tem se especializado no conflito assimétrico.

Isto ficou latente nas guerras entre Irã e Iraque quando as forças de Saddan Russain melhor aparelhadas e dispondo de unidades de cavalaria extremamente sofisticadas foram derrotadas em solo iraniano por forças mais leves e especializadas.

Estes ensinamentos foram transferidos as milícias libanesas que  com o Hezbollah, trazem para síria uma capacidade de combate em conflito assimétrico fundamental para o SAA se sustentar.

Em março de 2012, oficiais de inteligência dos EUA alegaram um aumento significativo nas armas fornecidas pelo Irã e outras ajudas para o governo sírio.

Autoridades de segurança iranianas passaram a viajar com frequência à Damasco prestando assistência. Isto  foi confirmado em uma seção pública no senado americano de que membros do principal serviço de inteligência do Irã, o Ministério da Inteligência e Segurança, estavam ajudando os sírios à sufocar as ondas rebeldes.

De acordo com um painel da ONU em maio de 2012, o Irã forneceu armas ao governo sírio durante o ano anterior, apesar da proibição da exportação de armas pela República Islâmica.

Em 2012, autoridades turcas capturaram containers e caminhões transportando fuzis de assalto, metralhadoras, explosivos, detonadores, morteiros de 60 mm e 120 mm, além de outros itens em sua fronteira. Acreditava-se que estes fossem destinados ao governo sírio.

O relatório confidencial vazou poucas horas depois que um artigo do The Washington Post, revelar como os combatentes da oposição síria começaram a receber mais, e melhores, armas em um esforço pago pelos países árabes do Golfo Pérsico e coordenados em parte pelos EUA. Foram investigados três grandes carregamentos ilegais de armas iranianas no ano anterior e afirmou que o Irã continuou a desafiar a comunidade internacional através de remessas ilegais de armas.

Dois desses casos envolveram a Síria, assim como a maioria dos casos inspecionados pelo Painel durante seu mandato anterior, ressaltando que a Síria continuava a ser o destino principal das transferências ilícitas de armas iranianas.

Ainda em 2012, a ONU afirmou que as armas estavam se movimentando nos dois sentidos entre o Líbano e a Síria, onde armas trazidas do Líbano estavam sendo fornecidas para a oposição à Assad.

O suposto aumento do fluxo de armas iranianas foi provavelmente uma resposta a um iminente influxo de armas e munições para os rebeldes provida pelos estados do Golfo.

Em 24 de julho de 2012, o comandante da Guarda Revolucionária Iraniana, Massoud Jazayeri, afirmou publicamente que os iranianos não permitiriam que os planos inimigos mudassem o sistema político da Síria e que estes não teriam sucesso.

Em agosto de 2012, Leon Panetta, 23º Secretário de Defesa dos Estados Unidos, acusou o Irã de criar uma milícia pró-governo para combater na Síria e o comandante do Estado Maior, General Martin Dempsey a comparou ao Exército Mahdi do líder Xiita Muqtada Al-Sadr. Panetta disse que havia evidências de que a Guarda Revolucionária Iraniana estava tentando treinar uma milícia dentro da Síria para poder lutar em nome do regime.

Neste mesmo ano os rebeldes do Exército Livre da Síria (FSA) capturaram então 48 iranianos em Damasco, posteriormente as fontes oficiais dos EUA atestaram que os soldados capturados faziam parte da Guarda Revolucionária Iraniana.

Em 2013 ocorreu uma troca de prisioneiros entre os rebeldes sírios e as autoridades do governo sírio e segundo relatos, os 48 ​​iranianos foram libertados pelos rebeldes em troca de quase 2130 prisioneiros detidos pelo governo sírio. Os rebeldes confirmaram que os cativos estavam ligados à Guarda Revolucionária Iraniana.

Ainda em setembro de 2012, funcionários da inteligência dos EUA afirmaram que o Irã havia enviado 150 operacionais da Guarda Revolucionária Iraniana para a defesa pessoal de Assad, além de centenas de toneladas de equipamento militar, entre elas, armas, mísseis anti carro, antiaéreo e granadas.

OLHOS NO CÉU

O corredor aéreo entre a Síria e o Irã tornou-se uma rota de acesso fácil para os equipamentos e pessoal para treinamento das forças Sírias. Ainda nesta altura, o painel do Senado americano já alertava que a presença Iraniana havia melhorado substancialmente as capacidades do exército Sírio e das milícias pró Assad, apesar da campanha televisiva insistir no colapso  do SAA.

Em outubro de 2012, de acordo com os rebeldes, veículos aéreos não tripulados iranianos foram usados ​​para guiar os aviões, militares e artilharia síria em missões de  bombardeio as posições rebeldes. A CNN informou que drones que os rebeldes chamam de “Wizwayzi” eram facilmente visíveis do solo e vistos em vídeos feitos por combatentes rebeldes. 

Esta foi sem dúvida a primeira grande mudança no conflito e veio quando o Irã cedeu às forças de Assad as aeronaves não tripuladas de reconhecimento SHAHED 129, os quais permitiram ao exército Sírio planejar melhores ataques e obter respostas mais rápidas das movimentações das tropas inimigas.

O exército Sírio passou a implantar manobras de maior envergadura bem como, reações muito mais rápidas as mobilizações das tropas invasoras no terreno. Ao mesmo tempo o apoio diplomático russo converteu-se na cedência de armas as quais permitiram levantar as defesas ainda que pontualmente.

Apesar de tímida nesta fase do conflito, a ajuda russa veio na forma de troca de informações importantes, obtidas pelos satélites e sistemas de inteligência eletrônica. A Rússia que agia nos bastidores, no campo diplomático, passou a atuar com a inteligência Síria e Iraniana anulando e obtendo informações dos apoiantes e das estratégias de ataques organizadas de fora do território Sírio, operando em silêncio contra os opositores do regime fora de seu país.

As imagens de satélite das movimentações das tropas dos comboios de abastecimento e, dos postos de comando, de onde partiram as decisões que culminariam nas operações dos grupos insurgentes foram, de vital importância para o governo Sírio, o qual, pode respirar mais aliviado, uma vez que se antecipava aos acontecimentos, anulando os efeitos das repetidas investidas dos insurgentes que agora já não obtinham o mesmo efeito esmagador sobre as forças do SAA.

Esta relativa pausa para respirar, deu ao SAA a oportunidade de se reorganizar e com apoio iraniano passou treinar melhor as forças do fronte que por sua vez, passaram a receber equipamentos mais adequados.

Essa foi a fase na qual o avanço do ISIS e dos grupos rebeldes começou a ser freado. Nela o apoio russo foi fundamental tal como o apoio iraniano e o exército Sírio recuperou rapidamente uma de suas capacidades, a de poder planejar e executar suas operações.

Com grande parte do seu potencial efetivo confinado e isolado em regiões dominadas pelos seus adversários, o SAA passou a recorrer a estratégia implantada por um proeminente General da Guarda Revolucionária iraniana, o general Qassem Soleimani,  que executa a criação de subunidades formadas por voluntários, em sua maioria de idade avançada e oriunda de cidades atacadas pelos Rebeldes.

Estes grupos de resistência populares haviam heroicamente resistido aos avanços do ISIS e lutavam em defesa de seus lares.A inteligência Síria passou dar mais atenção aos grupos locais fortalecendo a sua capacidade de defesa.

Com a melhoria da situação e a estabilização do avanço das forças invasoras que passaram a não conseguir mais lograr territórios, o exército Sírio iniciou um amplo treinamento das milícias locais de defesa, concentrando-se no treinamento de Guerrilha Urbana por vezes empregada em combates reais, suportada por noções de Engenharia e pirotecnia, estas milícias recebiam o treinamento no fronte.

Tudo isto ainda nos primeiros anos do conflito onde o apoio dos iraniano no treinamento das milícias para defender suas posições foi fundamental o que permitiu que o SAA destacasse as suas forças militares mais preparadas para atuarem nos conflitos mais densos, passando a desloca-las para as frentes de combate, deixando a retaguarda guarnecida por uma milícia bem treinada, capaz de resistir as investidas rebeldes.

O resultado foi a modificação rápida do panorama predominante até então, que se caracterizava por perdas de território após retomadas sucessivas, uma vez que o contingente era engajado na frente e a retaguarda ficava desprotegida.

A ponte aérea entre damasco e Teerã permitiu que voluntários pudessem receber treinamento dos milicianos da Basij, uma milícia paramilitar voluntária fundada por ordem do Ayatollah Khomeini em novembro de 1979.

Os Basij são  subordinados à Guarda Revolucionária  Iraniana e o Líder Supremo Ayatollah Khamenei e servem como uma força auxiliar, engajada em atividades como segurança interna além de aplicar leis,  serviço social e policiamento moral e suprimindo reuniões dissidentes.

Assim, o treinamento cedido aos integrantes das forças regulares e milícias passou a ser dado aos Soldados do Exército Sírio, que por sua vez foi filtrado e reorganizado, passando a utilizar em suas frentes de batalha apenas combatentes experientes e profissionais, delegando aos inexperientes o treinamento básico de guerrilha e função de guarnecer os postos e posições reconquistadas com apoio das milícias estabelecidas.

As milícias populares que enfrentaram as invasões das hordas do Estado Islâmico e de outros grupos terroristas em defesa de sua sobrevivências eram agora treinadas por operacionais das forças especiais e suas táticas de defesa se aprimoraram e tornaram-se mais letais.

Agora, ao invés de apenas se defender, o SAA passou a lançar ataques contra os levantes insurgentes. Passando a programar campanhas militares além das fronteiras internas que haviam surgido após o desencadear do conflito.

Então, um evento significativo marcou um ponto de virada no conflito. As coisas começaram lentamente a mudar em 2014 quando a capacidade logística das forças rebeldes passou a enfrentar dificuldades em controlar os vastos territórios tomados ao SAA, invertendo a frente de combate em favor de Assad.

Os avanços dos rebeldes passaram a ser menos frequentes, por outro lado, as forças de elite Sírias começaram a lograr importantes vitórias por todo o país. Com o apoio técnico do Irã, em maio de 2014, duas aeronaves não tripuladas Shahed 129 foram desmontadas e transportadas por um cargueiro Ilyushin Il-76 para o Aeroporto Internacional de Damasco, juntamente com suas estações de controle terrestre e equipes de apoio. 

A primeira missão dos drones era apoiar a Força Quds e seus aliados da milícia que já atuavam em campo. As forças Quds são uma unidade especial do Exército dos Guardiões da Revolução Islâmica do Irã, cuja missão primária é de organizar, treinar, equipar e financiar movimentos revolucionários islâmicos estrangeiros, sendo responsável pela construção e manutenção de contatos com organizações militantes islâmicas clandestinas por todo o mundo islâmico.

A Quds responde diretamente ao Líder Supremo do Irã, o Aiatolá Ali Khamenei e seu  comandante atual, o Brigadeiro-General Qassem Suleimani o qual será frequentemente reportado nesta série de reportagens.

Sabe-se que os drones irianianos cedidos a Força Aérea Síria exerceram em primeira função as missões de inteligência e coordenação das tropas, porém uma mudança de filosofia, inserida pela Quds teve seu papel fundamental na mudança da gestão do conflito.

Na verdade, os Shahead não foram os únicos Drones destacados para a Força Aérea Síria,  uma infinidade de outros já operavam no território Sírio em apoio as forças iranianas desde o início do conflito. Isto pode ser constatado pelo fato dos rebeldes exibiram aeronaves capturadas que descrevem como drones construídos pelo Irã.

Em muitas ocasiões, as aeronaves eram acompanhadas por manuais de treinamento com a imagem do líder revolucionário do Irã, o falecido Aiatolá Ruhollah Khomeini.

TROPAS EM TERRA

Em junho de 2013 o conflito encontrava-se num ponto de inflexão e apesar do apoio iraniano, o SAA dava sinais de estagnação uma vez que lutava uma guerra em diversas frentes e seu efetivo estava comprometido. Foi quando o governo iraniano resolveu enviar 4000 soldados para ajudar as forças do governo sírio.

Este evento foi descrito como o “primeiro contingente” num artigo assinado pelo repórter Robert Fisk, do The Independent, acrescentando que a medida ressaltava o alinhamento Sunita x Xiita no Oriente Médio, e talvez tenha sido de fato a primeira remessa de soldados estrangeiros de forças regulares a atuar em apoio à Assad.

Soldados da Guarda Revolucionária Iraniana, junto com outras forças Xiitas do Hezbollah e membros da milícia Basij do Irã participaram da captura de Qusair um estratégico ponto de confluência de rotas que caíra nas mãos rebeldes anos antes. A batalha de 9 de junho de 2013 demonstrou que a capacidade de luta do SAA e de seus aliados estava a beira de uma viragem importante.

Em 2014, o Irã aumentou ainda mais presença de tropas na Síria e também teria proposto a abertura de uma nova frente contra Israel nas Colinas de Golan, ocorrida um dia depois de o presidente egípcio romper relações diplomáticas com a Síria e exigir que o apoio iraniano ao governo pró-Síria do Hezbollah terminasse.

As autoridades sírias chamaram a diplomacia de Morsi de “irresponsável” atribuindo aos EUA e Israel o planejamento de divisões na região.

De acordo com autoridades americanas questionadas pelo jornalista Dexter Filkins, oficiais da força de Quds, coordenaram ataques, treinaram milícias e montaram um elaborado sistema para monitorar comunicações rebeldes na Síria já nos finais de 2012 e 2013 e agora em 2014 operavam impunemente dentro do teatro Sírio.

Com a ajuda do Hezbollah, e sob a liderança do general da Força Quds, Qassem Soleimani, o governo de Assad recuperou o território estratégico dos rebeldes em 2013, em particular uma importante rota de abastecimento foi anexada durante a ofensiva de Al-Qusayr em abril e maio daquele ano.

Ainda sim, a mídia internacional relativizava o papel iraniano na viragem de poder obtida pelas forças de Assad. Para se ter uma ideia do papel iraniano no conflito, basta verificar as baixas de altos oficiais  em território Sírio, que demonstram que a presença iraniana naquele conflito não era ignorável como se havia previamente pensado.

Em 2013, o general de brigada iraniano Mohammad Jamali-Paqaleh, da Guarda Revolucionária, foi morto supostamente enquanto se voluntariava para defender um santuário Xiita. Em fevereiro do mesmo ano, o general Hassan Shateri, também da Guarda Revolucionária, foi morto enquanto viajava de Beirute para Damasco.

Com a ofensiva feroz do estado Islâmico ameaçando e retomando regiões controladas tanto pelo SAA quanto pelos Rebeldes, o Irã aumentou o apoio ao presidente sírio, fornecendo centenas de especialistas militares para coletar informações e treinar tropas.

Este apoio adicional de Teerã, juntamente com as entregas de munições e equipamentos de Moscou ocorreu no início de 2014 e foi em parte uma decisão fortemente promovida por Qasem Soleimani.

Soleimani um exímio estrategista militar soube explorar a eclosão de lutas internas entre combatentes rebeldes, Al-Qaeda e o Estado Islâmico que tanto no Iraque quanto na Síria davam claros sinais de desentendimentos e buscavam cada um as suas próprias conquistas, rompendo até então com o claro interesse em comum de derrotar o regime de Assad.

Soleimani encontrou nas milícias locais sírias que resistiam ferozmente aos levantes do ISIS, a chance esperada para treinar e capacitar os populares à apoiarem o regime de Assad. A Guarda Revolucionária do Irã delegara então aos principais comandantes da força Quds a missão de aconselhar e treinar os militares de Assad e seus comandantes.

Além disso, os milhares de combatentes voluntários paramilitares Basij iranianos, passaram a se infiltrar nas regiões onde a frente de combate era mais feroz. Sua missão era preparar os populares para a a resistência tal como fora promovido no Iraque pelas milícias Xiitas e Cristãs.

A oposição síria informou que nos últimos meses de 2013 as forças lideradas pelo Irã já operavam nas áreas costeiras, onde não havia conflito de média  intensidade, isto incluía as regiões e circunscritas a Tartus e Latakia.

A Agência de Notícias ANNA chegou a informar que os operacionais iranianos possuíam documentos de identidade locais, vestiam uniformes militares sírios e trabalhavam com a unidade de inteligência da elite da Força Aérea da Síria.

Nesse ponto o leitor pode estar se perguntando, porque operar nestas regiões se o conflito circundava Damasco?

Esta é a pergunta que qualquer um poderia fazer, no entanto, uma vez que estas regiões encontravam-se mais seguras, os oficiais do SAA e iranianos puderam preparar melhor as suas forças, enviando-as as frentes de combate quando necessário, as experiências eram acumuladas e os militares passaram a propagar os ensinamentos para os integrantes das milícias populares cuja função era a de guarnecer os territórios reconquistados.

Voltando aos drones, em 10 de abril de 2014, os rebeldes na Síria registraram a presença de drones Shahed 129 voando sobre o leste de Ghouta, em Damasco. A guerra na Síria provou ser um bom ambiente para testar o Shahed 129 e mais três foram posteriormente transferidos para a Força Aérea Síria.

Um Shahed 129 foi flagrado transportando o que parecia ser uma arma guiada, sendo avistado nos céus ao sul de Aleppo em novembro de 2014.

Citando duas fontes libanesas, a Reuters informou em 1 de outubro de 2015 que centenas de soldados iranianos chegaram a síria em finais de setembro daquele ano e logo se juntariam às forças do governo Sírio e seus aliados libaneses do Hezbollah em uma grande ofensiva apoiada por ataques aéreos russos, algo que explanarei melhor na sequência.

O Wall Street Journal noticiou em 2 de outubro de 2015 que a Guarda Revolucionária do Iraniana colecionava no país naquele Outubro de 2015 um efetivo de cerca de 7000 tropas entre voluntários e paramilitares e que planejava expandir sua presença no país por meio de combatentes e milicianos locais.

Na mesma matéria o WSJ afirmou que outros vinte mil combatentes estrangeiros Xiitas estavam no terreno. Estes por sua vez seriam oriundos de países do Cáucaso e de voluntários vindos de outras quatro nações, número este que até hoje não foi confirmado por nenhum dos pares envolvidos no conflito.

É de se ressaltar que como em todo o conflito, as baixas sempre foram muito supervalorizadas pela mídia, O Midle East Monitor chegou a anunciar que cerca de 2100 iranianos teriam morrido em combate até março de 2018 sendo que  desses, ao menos 121 eram soldados e operacionais da guarda revolucionária.

O fato é que o papel do Irã no conflito foi cruscial para a retomada do poder do SAA e é inegável que as principais vitórias foram alcançadas com o apoio substancial da força Quds, nas batalhas de Al-Ghab, nas ofensivas de Aleppo, Dara’aya e Al-Qusayr ainda em 2015.

Estas ofensivas estabeleceram o controle do governo e do Hezbollah sobre a região de Qalamoun. A abertura das fronteiras com o Líbano de onde foram retomadas as passagens de material e pessoal para a Síria dentre outros, garantiu o fluxo de tropas e material de apoio à Assad liberando a fronteira que passou a  ser vigiada e que agora era menos vulnerável ao contrabando de armas para os insurgentes.

Em junho de 2015, alguns relatórios sugeriram que os militares iranianos estavam efetivamente no comando das tropas do governo sírio no campo de batalha nas regiões mais quentes do conflito como em Allepo e Idlib, uma posição estratégica para Assad, esta informação nunca chegou a ser confirmada, nem tão pouco refutada pelo regime.

CHAMEM A CAVALARIA

O Ano de 2015, começou não muito diferente do que se tinha vistoa té então, senão pela ferocidade do Estado Islâmico que naquela altura se tornara a mais perigosa ameaça ao regime. Foi quando um evento criou preocupação para o regime de Assad.

Num ataque orquestrado e perfeitamente executado pelos rebeldes apoiados pela inteligência da coalizão, a província de Idlib caiu frente a ofensiva rebelde no primeiro semestre de 2015, a situação foi considerada crítica para a sobrevivência de Assad.

Nesse momento, uma ronda de negociações de alto nível entre Moscou e Teerã passou a ganhar destaque na mídia internacional. E quando todos apostavam numa retração russa devido ao problemático conflito na Crimeia e baixo Dom, Teerã saiu vitoriosa novamente com um acordo político e em 24 de julho, o general Qasem Soleimani visitou Moscou para elaborar os detalhes do plano de ação militar coordenado na Síria.

A Rússia entra oficialmente no conflito e desafia a capacidade dos aliados contrários a Assad. No emblemático discurso na plenária das Nações Unidas, Vladimir Putin se posiciona em favor da manutenção do regime e estabelece uma aliança com o Irã para solução deste conflito.

https://www.youtube.com/watch?v=lJHdV2YvIQQ

Mais uma vez a capacidade Iraniana havia sido subestimada e em meados de setembro de 2015, chegam à Tartus e Latakia os destacamentos da Guarda revolucionária Iraniana que agora passam a operar com equipamentos mais modernos de interferência eletrônica e novas armas testadas no fronte do conflito dentre eles, drones portáteis equipamentos de rádio e armas anticarro.

Com grande parte das unidades do Exército Árabe Sírio e das Forças de Defesa Nacional posicionadas em frentes mais voláteis, os fuzileiros navais russos e a Guarda Revolucionária Iraniana liberaram suas posições instalando postos militares nas cidades de Slunfeh e Masyaf à leste de Latakia, Tartus e Ras Al-Bassit na cidade costeira.

Este primeiro contingente foi seguido de um segundo ainda maior que que chegou à Síria no início de outubro de 2015.

Em 1 de outubro de 2015, citando duas fontes libanesas, a Reuters informou que centenas de soldados iranianos haviam chegado à Síria para se unirem às forças do governo de Assad e seus aliados libaneses do Hezbollah em uma grande ofensiva terrestre apoiada pela aviação de combate russa.

As Forças Aeroespaciais Russas (VKS) começaram a operar naquele país a partir de 30 de setembro de 2015 e foram sempre relacionados como vitais para a sobrevivência de Bashar Al-Assad. A sua participação será melhor descrita na matéria subsequente a esta que tratará do papel russo no conflito.

Em 8 de outubro de 2015, o general de brigada Hossein Hamadani, primeiro homem abaixo do general Qasem Soleimani na Síria foi morto num ataque. Em 12 de outubro, mais dois comandantes da Guarda Revolucionária Iraniana, Hamid Mokhtarband e Farshad Hassounizadeh tiveram o mesmo fim.

No final de outubro de 2015, o Irã concordou em participar das negociações de paz na Síria em Viena. As negociações pela primeira vez levaram o Irã à mesa de negociações com a Arábia Saudita, que estaria envolvida em uma guerra por procuração na Síria.

As conversações, entretanto, foram prontamente seguidas por uma troca de duras críticas entre os altos funcionários do Irã e da Arábia Saudita, que lançaram dúvidas sobre a futura participação do Irã naqueles países.

Em 2017 na ofensiva pela tomada de Deir ez-Zor os Shahed 129 já haviam realizado centenas de surtidas contra o Estado Islâmico e as forças rebeldes. As autoridades militares iranianas afirmaram que os seus drones haviam aumentado de sobremaneira a capacidade de vigilância nas áreas fronteiriças, de maneira inteligente, precisa e barata.

Os Shahed 129 foram amplamente dispersos pelo território de onde passaram a ser operados a partir de pistas curtas. Em 2017, dois deles estavam baseados em Damasco na Síria e imagens de satélite apontavam modelos na base aérea de Hama e na base aérea T4.

Em 7 de junho de 2017, o Hezbollah divulgou um vídeo mostrando um UAV americano MQ-1 ou MQ-9 voando perto de Al-Tanf. Especialistas atestaram que a filmagem foi “consistente” e que realmente foi efetuada por um drone de reconhecimento Shahed-129.

Em 8 de junho de 2017, um dos cinco Shahed 129 enviados para a Síria tentou realizar um ataque aéreo contra a coalizão perto de Al-Tanf, atacando-os com um míssil guiado. Embora o ataque aéreo claramente visasse às forças da coalizão na área, ele não danificou nenhum equipamento ou pessoal americano uma vez que a munição alegadamente teria falhado

O Drone foi então abatido por um caça F-15E Strike Eagle. Dias depois, em 20 de junho de 2017, outro F-15E Strike Eagle abateu outro drone novamente perto de Al-Tanf. Este havia se aproximado do perímetro de maneira semelhante ao incidente anterior e foi abatido antes de chegar ao alcance em que poderia lançar suas armas.

Do que se tem confirmado, apenas dois Shahed 129 foram derrubados na Síria. Consta que mais dois deles foram destruídos durante os ataques aéreos israelenses na base aérea T-4 e estima-se que ao final de 2018 não havia mais Shahed-129 na Síria.

Apesar de controverso, alguns analistas militares dão como muito certa a afirmativa de que a curta participação dos Drones Iranianos foi crucial para as vitórias de Assad e pela mudança dos rumos do conflito, coincidindo com o fim do período do qual o Exército Sírio sacrificava o seu território limitando-se exclusivamente a proteger a sua população e as minorias internas perseguidas especialmente pelos grupos Jihadistas, passando a combater o inimigo de fato, chegando a atacar e desmobilizar estes grupos.

MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS

Antes do conflito, o SAA possuía como armamento individual de proteção basicamente de capacetes soviéticos SSH-68 e QGF-02 chineses, fuzis Ak-47 ou a versão chinesa Type 56, além disso, apenas alguns membros da Guarda republicana dispunham de coletes à prova de bala, basicamente nenhum sistema intensificação de luz ou visão noturna.

As forças especiais Sírias que foram formadas e treinadas pelo exército egípcio nos anos 1960, mantinham uma doutrina pautada nos comandos britânicos concebida, para os militares das unidades de Infantaria leve que contavam com qualificação de paraquedistas. No início da Guerra o SAA possuía apenas seis batalhões independentes de forças especiais e um outro Batalhão de paraquedistas, alocado 104ª brigada da Guarda republicana.

Em março de 2014 o SAA criou um grupo de comandos denominados “Leões protetores” subordinados a 4ª divisão que operava ao norte da Síria no início da Guerra, os equipamentos pessoais das forças especiais era ineficiente e os comandos não tinham no seu currículo a experiência de combate urbano e Guerrilha assimétricas.

As forças especiais eram equipadas com armas como RPG-7 e mísseis anti-carro porém seus equipamentos individuais não eram tão bons quanto aqueles que foram empregues no conflito Sírio em 1982. Naquela época eles eram muito bem equipados com armas como os RPG-7 e mísseis anti-carro 9K111 Fagot e Milan.

As armas só melhoraram de padrão com a chegada à Síria dos formadores iranianos da força Al Quds e a filosofia de emprego foi expandida com a experiência trazida pelos combatentes do Hezbollah que possuem uma grande experiência em Guerra Urbana, vale lembrar que as forças especiais iranianas foram criadas e treinadas pelos americanos e ingleses durante o governo de Heza Pahlevi e absorveram muitas das estratégias de combate que acabaram sendo o fundamento para o surgimento das forças especiais da Guarda revolucionária iraniana.

As forças libanesas na síria eram equipadas com armas muito modernas como um míssil 9M113 Konkurs,  9K115 Metis e 9M133 Kornet. As forças do Hezbollah possuem vasta experiência em combate contra as forças israelenses dotadas de veículos de combate muito superiores aos empregues no conflito e adicionalmente possuem experiência em combate assimétrico em regiões urbanas.

As forças especiais sírias passaram a conduzir operações com emprego tanto de forças leves, quanto com forças blindadas pesadas, explorando as melhores capacidades de ambas mediante a exigência do conflito.

Estes ensinamentos foram decisivos para fundamentar a doutrina de defesa local tanto para as forças regulares quanto para os milicianos até a chegada dos primeiros integrantes das unidades Spetnaz russas ainda mais especializadas e preparadas.

Com a chegada dos russos, passou-se a reavaliar todas as táticas de emprego de grupos de comandos e todos os requisitos de combate, começando pelo armamento e itens de proteção individual.

A estratégia de defesa das cidades além da estratégia de combate contra os grupos insurgentes sofreu mais uma reformulação adaptando-se ao combate noturno, incursão de forças, ataques surpersas e sabotagem.

Apesar do Irã investir uma grande quantidade de dinheiro nos equipamentos das forças especiais tanto SAA  quanto os Iranianos não podiam se comparar aos modernos sistemas estreados em combate pelas forças russas.

A Rússia passou a fornecer as tropas Sírias material mais moderno, armas mais letais e sistemas ainda mais eficientes que os iranianos.

As imagens mais recentes mostram uma transformação nas forças sírias que passaram a adotar o uso extensivo de equipamento Russo com capacetes em Kevlar 6B7 e sistemas ajustáveis de visão noturna, coletes à prova de bala com camuflagem multicam, sistemas orgânicos integrados aos aparelhos de visão noturna, coturnos de alta qualidade e novos fuzis automáticos AK-74M e Ak-103 e 104 equipados com telêmetro laser, lança-granadas termobáricas do modelo GS-17, lançadores de 40mm. O equipamento de visão noturna passou a fazer parte do equipamento individual.

FORÇAS ESPECIAIS

Dentre as transformações geradas pela experiência iraniana no conflito, destaca-se  a criação em 2013 das chamadas Qawat Al-Nimr, ou Forças Tigre.

Estas são atualmente lideradas pelo general Suheil Hussan e são considerados a força de elite do Exército Sírio. A transformação e reorganização das Forças Tigre vem na esteira dos ensinamentos e treinamentos providas pelas forças Quds iranianas, porém, parte de sua doutrina de emprego e equipamentos é proveniente da assistência russa.

As Forças Tigre estão atualmente a 10 km de distância das linhas curdas e tratam-se de uma formação de elite (unidade de forças especiais) do Exército Árabe Sírio que funciona principalmente como uma unidade ofensiva na Guerra Civil Síria.

Seu efetivo relativamente reduzido torna difícil o seu emprego  em várias frentes de uma só vez. Apesar de oficialmente ser chamado de divisão, estima-se que o tamanho real das Forças Tigre esteja mais próximo de um batalhão. Sua estrutura era bastante compacta e possuia cerca de 1000 homens e uma de suas características marcantes era sem dúvida o fato de  agirem  independentemente do resto das forças armadas sírias.

As forças Tigre  lutaram em grandes batalhas como em Aleppo e Palmyra e nas ofensivas na região de Latakia, entre outros. Em janeiro de 2017 as forças do Tigre lançaram uma ofensiva contra o ISIS a leste da cidade de Aleppo capturando mais de 600km quadrados  de territórios do ISIS, além disso, impediram que as forças apoiadas pela Turquia avançassem mais para o território sírio.

https://www.youtube.com/watch?v=kOvBTPvsXAU

Após operações bem sucedidas em Latakia e Hama, o coronel Suheil Al-Hassan foi encarregado de um projeto especial pelo Comando Central das Forças Armadas Sírias no outono de 2013, passando a treinar e liderar uma unidade das Forças Especiais Hassan escolheu a dedo muitos dos soldados que mais tarde formariam as Forças do Tigre.

Em 25 de dezembro de 2015, Suheil Al-Hassan foi promovido a major general depois de se recusar a ser general de brigada. Ele desempenhou um papel fundamental no comando das tropas sírias durante a campanha de 2016 em Aleppo. As forças Tigre foram encarregadas duas vezes de cortar as principais linhas de suprimentos para a Aleppo, até então controlada pelos rebeldes.

As Forças do Tigre obtém a primazia do uso do carro de combate russo T-90, sendo outras a 4ª Divisão Blindada e a Brigada Falões do deserto. A tática mais famosa e eficaz das Forças Tigre é sondar o inimigo a partir de múltiplos eixos para encontrar um ponto fraco, enviando então uma grande força mecanizada para essa área para capturar as pequenas vilas de uma só vez.  De acordo com Gregory Waters, eles se reportam ao Major General Jamil Hassan comandante do Diretório de Inteligência da Força Aérea.

Em  outubro de 2018, estimava-se que seu efetivo já havia aumentado significativamente, situando-se entre  6500 e 8000 membros.
As Forças Tiger possuem vários grupos de operações especiais como as Forças Cheetah  ou Qawat al-Fahoud a qual atuou na retomada da Base Aérea Militar de Ku Keires, Já a Falcões do deserto, dominou Aleppo Oriental, aniquilando a resistência do  ISIS.

As Forças Panteras foi envolvida na ofensiva de Palmyra em março de 2016, onde foram transferidos para outra frente depois que a batalha terminou.

Atualmente as Forças Tigres são destacadas em grupos na ordem de regimentos como:

  • Tarmeh
  • Taha, uma unidade de assalto formada em 2014 a qual possuia em 2018 cerca de 2500 membros.
  • Yarrob
  •  Shaheen  (possivelmente ex-forças da Pantera)
  • Shabaat
  •  Al Hawarith
  • Zaydar
  •  Al Shabbour
  •  Al-Komeet
  • Al-Luyouth
  • Hayder

As Forças do Tigre consistiam em até 24 subgrupos de tamanhos variados. Os grupos e subunidades das Forças do Tigre foram fundados por indivíduos proeminentes que frequentemente também serviam como comandantes de um grupo particular (o grupo geralmente carregava o nome do indivíduo que fundou e / ou comandou o grupo.

CONCLUSÃO

A participação desde o princípio do conflito como foi apresentado neste artigo evoca o questionamento se não teria sido o esforço iraniano o responsável pela garantia da permanecia do regime de Assad.

Para este autor, a guerra que teve várias fases, altos e baixos teria sido decidida em seus primeiros anos caso não houvesse a interferência iraniana.  A formação cedidas pelas forças Basij e a presença em campo nas principais batalhas pelas forças Quds são evidências de que o Irã foi o aliado mais proeminente do regime desde o princípio e talvez seja o maior responsável pela vitória do  SAA sobre seus adversários.

Para o Autor, a criação das milícias populares foi um ponto de virada estratégica que mais contribuiu para a estabilidade do conflito. Populares passaram a  defender seus territórios permitindo que o SAA pudesse ser enviado para a frente de combate, sanando o cronico problema da mobilidade territorial das forças que não poderiam estar em todos os lugares ao mesmo tempo.

As milícias garantiram a segurança de rotas importantes e permitiram que as forças regulares pudessem receber o treinamento adequado partindo para o frente de batalha melhor preparados. A resistência feroz implementada pelos integrantes do Hezbollah também não pode ser esquecida, as forças libanesas causaram muito dano aos insurgentes e mais do que isso, garantiram a integridade de regiões estratégicas do país.

A fase de virada do conflito se deveu a atuação sagaz do general Qasem Soleimani que na visão do autor, foi o responsável pela estabilização do conflito em primeira fase e pelo contra ataque das forças do SSA.

A presença iraniana na síria sempre foi muito supervalorizada, acredita-se que nunca passou de um contingente permanente de pouco mais de 1500 integrantes, mas que com a sua rotatividade talvez tenham chegado aos números que são apresentados nas casas dos milhares. De fato o Hezbollah foi quem forneceu o maior contingente estrangeiro, talvez entre dois a três mil integrantes deste grupo estejam em solo Sírio, o que gera preocupação a Israel.

A reestruturação provida no SAA se deveu em parte aos ensinamentos no campo, especialmente cedidos pelos Iranianos em um primeiro momento e depois pelos russo num segundo momento. Porém , para o autor, a entrada da Rússia, não se deveu a possibilidade de derrocada eminente nos anos de 2015, mas sim pela segurança e estabilidade garantida pelo Irã a partir do terceiro ano da guerra.

A estabilidade garantida pelas forças iranianas em apoio e transformação do SAA e das milícias permitiram que Rússia enviasse ao território Sírio apenas hardware para apoio as operações aéreas, sem a necessidade do envio de efetivos das forças terrestres, o que demonstra que o envolvimento de forças em solo era suficiente para não necessitar do envolvimento russo.

Porém, foi sobre a proteção dos Guardiões da revolução, o regime Sírio conseguiu se sustentar lançar-se para a segunda fase do conflito.

As forças russas passaram mais a coordenar os ataques aéreos do que propriamente envolverem-se no solo, salvo algumas exceções, isto será melhor apresentado no próximo artigo desta série será reportado o papel da Rússia no conflito e seus desdobramentos.


Sobre  o Autor:

E.M. Pinto é Físico, Mestre em Física Aplicada e Doutor em Engenharia e Ciências dos Materiais, Professor Universitário editor do site Plano Brasil e de Revistas científicas  internacionais.


EDITORIAL-Exército Árabe Sírio Parte I – A primavera das sombras

Categories
América Latina Conflitos Geopolítica

Crise na Venezuela: Brasil deveria liderar busca por solução no lugar dos EUA, diz professor de Oxford

 

Nicolás MaduroDireito de imagemEDILZON GAMEZ/GETTY IMAGES
Image captionPara David Doyle, Brasil deveria encarar o papel de maior país da América do Sul e assumir a liderança nas negociações para retirada de Nicolás Maduro do poder

Para viabilizar uma saída pacífica e rápida para a crise na Venezuela, o Brasil deveria assumir a liderança nas iniciativas por negociações com o governo de Nicolás Maduro, exercendo o “papel de maior país da América do Sul” e colocando os Estados Unidos em um segundo plano nesse processo. Essa é a visão do professor da Universidade de Oxford David Doyle, especialista em relações internacionais da América Latina.

“Se os Estados Unidos se envolvem, isso gera resistência de Nicolás Maduro e pode levantar questionamentos de Rússia e da China, aliados do governo venezuelano. A melhor solução, na verdade, envolveria uma negociação liderada pelo Brasil em busca de uma saída pacífica e isso exigiria entregar algo a Maduro”, afirma.

Em entrevista à BBC News Brasil, Doyle argumenta que, para evitar um conflito armado na Venezuela, é necessário oferecer a Nicolás Maduro anistia por crimes que tenha cometido enquanto estava no poder ou a possibilidade de viver com segurança em algum outro país.

“Numa situação de pressão para deixar o poder, os líderes fazem um cálculo racional de custo e benefício. Seria preciso garantir, nessa equação, benefícios que estimulem Maduro a optar pela renúncia”, disse o professor, que é editor da revista acadêmica Oxford Development Studies e autor de dezenas de artigos sobre política no continente americano, como “Explicando o Populismo Contemporâneo na América Latina”.

Maduro já declarou que aceitaria sentar à mesa de negociações, mas que não aceitaria ultimatos.

Para Doyle, as negociações sobre Venezuela poderiam representar uma oportunidade para o Brasil retomar um papel de liderança na América do Sul, após quase dez anos de uma política externa obscurecida por problemas internos. Seria também, segundo o professor, uma chance para o presidente Jair Bolsonaro se promover internacionalmente.

David DoyleDireito de imagemARQUIVO PESSOAL
Image captionPara David Doyle, Bolsonaro pode capitalizar em assumir negociações sobre crise na Venezuela

Mas o presidente americano, Donald Trump, vem demonstrando cada vez maior interesse em ter um papel ativo na resolução da crise na Venezuela. Em várias ocasiões, ele repetiu que uma intervenção armada não está descartada.

Enquanto isso, Brasil e outros países da América do Sul rejeitam a possibilidade de usar a força contra Maduro e enxergam uma possível ação militar dos Estados Unidos como precedente para futuras ingerências de superpotências na região.

Veja os principais trechos da entrevista:

BBC News Brasil – Nos últimos anos, os Estados Unidos demonstraram pouco interesse na América Latina, toleraram Hugo Chávez e os primeiros anos de governo Maduro. Por que Donald Trump passou a se empenhar pessoalmente em resolver a crise venezuelana?

TrumpDireito de imagemEPA/MICHAEL REYNOLDS
Image captionTrump vem repetindo que todas as opções contra Maduro ‘estão sobre a mesa’, mas países da América do Sul, inclusive o Brasil, rejeitam a possibilidade de ação militar na Venezuela

David Doyle – A resposta está relacionada à política interna dos Estados Unidos. Trump, eu suspeito, não tinha grande conhecimento sobre a Venezuela antes de se tornar presidente ou mesmo depois, até a crise surgir. Eu presumo que isso tenha a ver com grupos conservadores em Miami, aliados de exilados cubanos e venezuelanos, e com a ideia – sempre levantada por Trump – da ameaça de governos socialistas.

É uma forma de se aproximar de sua base eleitoral e de atender às demandas de parcela do eleitorado- aqueles que são de segunda ou terceira geração de americanos de origem latina. Esses grupos têm sido cruciais apoiadores do Partido Republicano na Flórida.

BBC News Brasil – Os EUA têm repetido que uma intervenção militar na Venezuela não está descartada. É uma ameaça real?

Doyle – É muito difícil saber o que é real ou não. Na eleição, Trump prometeu retirar tropas americanas de solo estrangeiro. Esse foi um dos pilares da plataforma de campanha. Ele dizia que os EUA não seriam mais a polícia global, que tropas americanas não seriam mais expostas a ameaças em guerras pelo mundo. Então, é contraditório até que ele considere algum tipo de intervenção na Venezuela. Portanto, embora haja pressões domésticas, acho que é difícil saber se essa ameaça é real. Eu ficaria muito surpreso se os EUA mandassem tropas para a Venezuela.

BBC News Brasil – Vários atores internacionais estão se envolvendo na crise venezuelana. O que esse envolvimento revela sobre as disputas por poder entre Rússia, China e EUA?

Doyle – Acho que estamos vendo, mas eu hesito em dizer, uma nova forma de divisão de Guerra Fria. Há uma divisão cada vez maior entre os Estados Unidos e Rússia. E a China operando uma estratégia até certo ponto independente. Acho que a Venezuela está se tornando um palco de disputa entre duas grandes potências (EUA e Rússia). É uma forma de Vladimir Putin demonstrar a sua vontade de se opor aos poderes do Ocidente, de construir alguma forma de apoio político e demonstrar musculatura.

Mas, na América Latina, o que a gente tem visto é uma relutância entre países da região de permitir que forças estrangeiras interfiram nos seus processos democráticos. O fato de o Grupo de Lima ter rejeitado interferência externa na Venezuela mostra que ele quer lidar com o problema no contexto da América Latina.

Juan GuaidóDireito de imagemCARLOS GARCIA/REUTERS
Image captionEstados Unidos, países europeus e a maioria dos países da América Latina reconheceram Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela

BBC News Brasil – Quais as possíveis saídas para o impasse na Venezuela?

Doyle – Nessas circunstâncias, os líderes fazem um cálculo racional de custo e benefício. Qual seria o custo de renunciar em relação aos benefícios? O custo de deixar o poder, para Maduro, envolve principalmente a possibilidade de ser preso e processado. Por causa dos mortos em manifestações e da detenção de membros da oposição, ele e seus apoiadores certamente enfrentariam algum processo judicial. Portanto, considerando esse cálculo de custo e benefício, só vejo dois caminhos para o desfecho dessa crise:

Um deles seria a remoção à força, por meio de uma guerra civil – o que seria terrível -, ou por uma intervenção liderada por países da América Latina. A segunda forma seria mudar essa equação de custo-benefício, garantindo que, se Maduro permitir uma transição, o custo para ele não seja tão alto. Para que a crise acabe de forma pacífica, Maduro e seus apoiadores precisam ter algum mecanismo de saída que garanta que eles renunciem com algum dinheiro e segurança de estar imune a processos judiciais ou que possam ir a algum lugar onde seriam imunes.

BBC News Brasil – Essa anistia não pode causar revoltar entre os que se sentiram perseguidos ou oprimidos por Maduro?

Doyle – Sim, embora essa solução permita algum tipo de transição, você vai ter uma sociedade muito polarizada e dividida. O núcleo duro dos apoiadores de Maduro ainda sentiriam que sofreram um golpe ou que tiveram sua liderança roubada. E, obviamente, teríamos membros da oposição que defendem algum tipo de justiça restaurativa pelos danos da administração de Maduro. Então, é muito difícil saber como isso vai se resolver.

BBC News Brasil – Quem deveria liderar as negociações para a oferta de uma saída a Maduro?

BolsonaroDireito de imagemREUTERS/ADRIANO MACHADO
Image caption‘A melhor solução para a Venezuela envolveria uma negociação liderada pelo Brasil, com a entrega de algo para Maduro’, defende pesquisador de Oxford

Doyle – Acho que seria apropriada uma negociação liderada por países da América Latina, sem participação dos Estados Unidos. Nas últimas duas décadas, as maiores ameaças à democracia – em Honduras, no Paraguai, nos atritos entre Colômbia e Equador, ou no Peru após Fujimori – foram gerenciadas por países da América Latina. Seria mais fácil para os venezuelanos – e até para Rússia e China – aceitarem uma negociação liderada internamente, entre países latino-americanos.

Se os Estados Unidos se envolvem, isso pode gerar resistência de Maduro e levantar questionamentos de Rússia e China. A melhor solução, na verdade, envolveria uma negociação liderada pelo Brasil em busca de uma saída pacífica e isso exigiria entregar algo a Maduro.

BBC News Brasil – Mas Maduro aceitaria uma negociação liderada pelo Brasil sob o governo Bolsonaro, que teve como uma das principais plataformas de campanha criticar o regime atual na Venezuela?

Doyle – Se o presidente fosse Lula ou Dilma, certamente seria mais fácil para o Brasil assumir essa liderança, porque Maduro aceitaria essa intermediação. O risco é Maduro dizer que Bolsonaro é muito similar a Trump ou que age conforme os interesses dos Estados Unidos. Mas o Brasil é o país mais poderoso da América do Sul e é vizinho, faz fronteira com a Venezuela. Então, teria todas as justificativas para exercer essa mediação diplomática.

BBC News Brasil – Seria uma oportunidade para o Brasil retomar liderança e influência na região?

Doyle – Definitivamente é uma oportunidade para Bolsonaro, se ele quiser demonstrar suas credenciais em política externa. Elas já estão sendo questionadas, especialmente depois de Davos, quando ele usou apenas sete minutos para falar quando tinha 45 minutos. A suposição que se faz é de que ele não tem uma verdadeira estratégia de política internacional. Lula tinha uma política de relações exteriores clara de que o Brasil deveria assumir uma liderança ideológica, numa época em que havia muitos governos de esquerda na América do Sul. Mas as crises internas do Brasil apagaram a política externa do país nos últimos anos.

ajuda huminatáriaDireito de imagemNELSON ALMEIDA/AFP
Image caption‘Definitivamente é uma oportunidade para Bolsonaro, se ele quiser demonstrar suas credenciais em política externa’, diz Doyle

Eu acredito que essa é uma oportunidade para Bolsonaro em dois sentidos: primeiro, para mostrar ao mundo que ele tem algum tipo de política externa; segundo, para mitigar temores de países vizinhos em relação a ele, demonstrando que pode ser uma liderança internacional e não algum tipo de populista demagogo. Acho que seria também uma forma de demonstrar legitimidade perante grupos no Brasil que ainda se opõem fortemente ao seu governo.

BBC News Brasil – A Venezuela vive uma crise econômica gravíssima e depende da importação até de produtos básicos, como alimentos. Ainda que Maduro caia, que perspectiva o país tem de voltar a ter uma economia minimamente saudável?

Doyle – Essa é a grande questão. Todos estão muito focados na transição, em acabar com o regime Maduro. Mas ignoram as realidades política e econômica que surgirão após essa queda. A (realidade) política é a que teremos uma população extremamente polarizada. Ao mesmo tempo, teremos um país totalmente dependente da exportação de petróleo, com uma moeda quase sem valor algum.

O que deve acontecer é o lançamento de algum pacote de estabilização econômica, com algum tipo de injeção de capital no país, talvez via Fundo Monetário Internacional. E será preciso um enfoque significativo em mudar o modelo de produção, reduzindo a dependência na exportação de petróleo e estimulando a produção de alimentos no interior do país. O desafio econômico é enorme, mas pode ser resolvido.

Outros países da América Latina passaram por isso após a hiperinflação dos anos 80. Mas certamente a Venezuela vai vivenciar uns bons anos de sofrimento econômico até começar a se estabilizar.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Conflitos Conflitos e Historia Militar EDITORIAL Geopolítica História Israel Síria Terrorismo

EDITORIAL-Exército Árabe Sírio Parte I - A primavera das sombras


 

 

Autor:

E.M.Pinto

 


Exército Árabe Sírio Parte I – A primavera das sombras

PREFÁCIO

De derrotas humilhantes às mais fulminantes vitórias, num dos teatros de conflito mais complexos que se tem conhecimento. Esta é a trajetória do Exército Árabe da Síria (SAA) que conseguiu “virar a mesa” no momento onde tudo parecia perdido.

O palco? O mais sangrento conflito da atualidade o qual desperta variadas interpretações e questionamentos.

O conflito ceifou cerca de meio milhão de vidas e deixou outras cerca de 1,5 milhões  de feridos em sua maioria crianças e idosos. A guerra promoveu ainda uma crise humanitária com a fuga de cerca de 5,0 milhões de pessoas para o exterior e outras 6,5 milhões tiveram que se mobilizar internamente de uma região para a outra. Atualmente cerca de 70% da população não têm acesso à água potável e a pobreza atinge 80% dos sírios que não têm condições de acesso a alimentos básicos.

O conflito considerado uma “pequena guerra mundial” envolveu efetivos entre soldados regulares, mercenários e voluntários de cerca de 80 nacionalidades num território um pouco menor que o estado do Paraná.

Para alguns o regime de Bashar Al- Assad não sobreviveria sem o apoio da Rússia, Irã e dos seus aliados Libaneses, para outros, a ajuda foi bem vinda, mas a Síria de Assad seria capaz de se sustentar mesmo com a perda de importantes territórios e do moral de exército.

 Não importa qual das opiniões prevaleçam frente à realidade, não há dúvidas de que, atualmente o Exército Sírio está bem mais adaptado e preparado para enfrentar um conflito assimétrico que à sete anos atrás.

Após esta reviravolta no conflito, chega-se a uma importante dúvida, como o exército Sírio foi convertido de uma “presa fácil” como alegavam alguns analistas nos anos iniciais do conflito, à uma eficiente máquina de combate como se viu nas retomadas de 2017 e 2018?

É sobre isso que discorro nesta nova série de matérias da coluna EDItorial que apresenta neste primeiro artigo uma recapitulação dos eventos determinantes para o desenvolver deste conflito.


A PRIMAVERA DAS SOMBRAS

O conflito que se converteu na guerra da Síria teve início em meados de 2011, resultado da movimentação internacional em prol da derrubada de líderes de governos do oriente médio e África.

Uma tempestade se abateu ao norte da África, pegando de solavanco as nações árabes do Oriente Médio, sobre o nome de “Primavera Árabe” a qual, refletiu na Síria provocando inúmeros protestos  contra o governo de Bashar Al-Assad.

O conflito que inicialmente teve suas centelhas em movimentos populares logo, logo eclodiu na mais sangrenta guerra deste século, afetando diretamente os quase 24 milhões de habitantes daquela nação.

Motivados por denúncias que surgiram na onda de divulgações de informações do WikiLeaks, um grupo de cidadãos se indignou com a corrupção envolvendo altos representantes do governo e em março de 2011 deu-se início aos protestos ao sul de Derra em favor da “democracia”.

Após a prisão de jovens e adolescentes por agentes da polícia e do serviço secreto sírio, a população revoltou-se e iniciaram uma onda de protestos nas escolas e praças públicas.

Policiais, viaturas e prédios públicos passaram a serem alvos de violência praticadas por grupos que se misturaram aos protestos. Como resposta, o governo ordenou o uso da força desmedida, abrindo fogo contra manifestantes causando inúmeras mortes, o que ressonou na revolta da população contra a repressão exigindo a renúncia do presidente Bashar Al-Assad.

Com várias nações do Oriente Médio e Norte da África mergulhadas em descontentamentos semelhantes, os demais países passaram a combater uma onda crescente de rebeldes que armados contra os seus governos incendiaram conflitos locais e desta forma, a Síria se viu isolada sem apoio político para impor a sustentação do seu governo.

A Líbia, assistia a queda de Muammar Al-Gaddafi  o dirigente máximo, Egito, Tunísia haviam experimentado transições menos violentas e ´de fora deste eixo, o Irã sufocara o levante popular na onda verde que se insurgiu. Na síria porém, Assad parecia firme e determinado a sufocar a revolta interna e a desafiar os ditames internacionais numa demonstração clara de que o seu exército estaria ao seu lado.

Ao mesmo tempo, surgia no coração da Síria, diversos grupos de oposição armada, inúmeros nomes e siglas de origens distintas mas que, maquiavelicamente compartilhavam dos mesmos objetivos políticos, derrubar Assad a qualquer custo. Uma onda de deserções em massa e entrega sem resistência de material militar para os opositores se abate à Síria dando um indicativo de que os dias de Assad estariam próximo do fim.

Estes movimentos se declararam em marcha para lutar contra as forças de segurança. Brigadas inteiras foram formadas por ditos “rebeldes” que passam a controlar cidades, pequenos vilarejos e que imediatamente foram reconhecidos, recebendo apoio técnico, militar e suprimentos dos Estados Unidos, França, Canadá, dentre outras nações europeias e do oriente médio como Arábia saudita, Turquia e até mesmo de Israel.

CONTRA TUDO E CONTRA TODOS

Na cronologia dos eventos pode-se destacar Julho de 2011, quando dezenas de milhares de manifestantes voltaram às ruas e foram reprimidos pelas forças de segurança de Bashar Al-Assad.

Uma catástrofe humanitária se instaura e centenas de milhares refugiados deixam a Síria saindo preferencialmente pela Turquia em razão dos ferozes combates e bloqueios impostos por ambos os lados do conflito.

Alimentos, combustíveis e o acesso à água são rapidamente interrompidos e por diversas vezes, as forças humanitárias são impedidas de entrar na zona de conflito.

Lideradas pelo presidente Bashar Al-Assad, as Forças Armadas Sírias tentam manter o regime e enfrentam três principais inimigos distintos, o auto intitulado  Exército  Livre da Síria, formado por vários grupos que se rebelaram contra Al-Assad após o começo do conflito em 2011 e que passaram a receber o  apoio da Turquia, Arábia Saudita e Qatar.

Ao norte, o Partido da União Democrática formado pelos curdos, reivindicava a autonomia do povo curdo na Síria juntamente e que recebiam apoio das milícias curdas do Iraque e Turquia.

No auge do conflito surge uma força ameaçadora que se demonstra mais perigosa, o auto intitulado Estado Islâmico declara a implantação de um califado na região.

Em meados de 2012 os combates chegam aos arredores de Allepo, a maior cidade do país, antes do conflito. A maioria sunita passa a se manifestar contra o regime, demonstrando a força crescente dos grupos jihadistas o que alimenta ainda mais o poder dos grupos rebeldes que se aproveitam das fragilidades geradas no conflito.

Por volta de Junho de 2013 as organizações de ajuda humanitária, endossadas pelas Nações Unidas declaram que o conflito já teria ceifado 90 mil vidas e em agosto de 2013, num dos mais controversos eventos do conflito, um ataque químico mata centenas de moradores nos subúrbios de Damasco. Até hoje o regime Sírio acusa os rebeldes patrocinados pelas nações estrangeiras por esta atrocidade, porém este não foi o único evento do tipo.

Aproveitando-se da quase inépcia do regime que parece implodir, em Junho de 2014 o Estado Islâmico toma o controle de parte da Síria e do norte do Iraque proclamando assim o califado e surge ai uma ameaça muito mais contundente ao regime.

Neste momento os Estados Unidos ameaçam intervir no conflito, porém o que se vê são apoios pontuais, que para a comunidade internacional fica evidente se limitarem aos opositores de Assad sem nenhum efeito prático contra aquela que se considera a maior ameaça  a segurança internacional, o Estado Islâmico.

O SHOW DAS PODEROSAS

Em consequência do alegado ataque químico por forças de Assad, uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos lançam um ataque aéreo contra as forças Sírias.

Assad passa a combater além do levante interno, a ameaça das nações mais poderosas do planeta. Seu exército que aparentemente não consegue conter os avanços das forças rebeldes e do Estado Islâmico, perde a cada dia mais posições para os seus inimigos, a moral do SAA chega ao seu mais baixo nível e muitos dão como perdida a tentativa de manutenção do governo.

É Agosto de 2015 e a guerra toma um rumo sombrio e bárbaro, especialmente instituído pelos combatentes do Estado Islâmico, que promovem assassinatos em massa, a maioria por decapitação. Mas também, efetuam ataques com armas químicas contra as forças de Assad e civis na cidade de Marea.

Na esfera internacional, fala-se numa Síria pós Assad e a sua queda é considerada eminente. Num emblemático pronunciamento a comunidade internacional, Vladimir  Putin faz um discurso na assembleia das Nações Unidas em 28 de setembro de 2015, declarando seu total apoio à manutenção do regime de Assad, contrariando e enfrentando aqueles que se posicionavam de forma contrária.

Pedindo apoio para formação de uma ampla aliança para uma efetiva luta contra o terrorismo internacional o mandatário russo balança o cenário internacional  e prontamente no dia 30 de setembro cumpre a sua promessa com o envio à síria de uma componente aérea de caças, aeronaves de ataque, inteligência e salvamento. 

TROIKA SÍRIA

Com a chegada do apoio militar russo a Síria, as forças aeroespaciais passam a atacar posições de comando, logísticos e depósitos de armas, posicionando-se de forma contundente em favor do regime de Assad.

Surgem assim as alianças políticas, como a Coalizão Nacional da Síria Revolucionária e das Forças de Oposição.

Com apoio aéreo e inteligência russa e iraniana, apoio em solo pelas forças iranianas e libanesas, o ano seguinte começa com derrotas humilhantes para as forças rebeldes, em Março de 2016, as forças de Al-Assad reconquistam a cidade de Palmira das mãos do Estado Islâmico. Inesperadamente o conflito começa a ganhar um novo rumo, onde se vê um protagonismo maior por parte da Rússia e Turquia que passam a mediar reuniões entre as partes beligerantes a fim de alcançar a paz.

A frente de batalha Síria avança para retomar as suas cidades principais perdidas anos antes para os rebeldes e ou Estado Islâmico e em Setembro de 2016, sob o comando e presença das forças russas, o exército sírio bombardeia maciçamente Allepo, aniquilando a sua resistência e reconquistando a cidade. A batalha pela cidade que durou quatro anos tornou-se numa vitória estratégica para Assad e declarou à comunidade internacional que o seu regime não cairia nas mãos de seus adversários.

As vitórias em campo começaram a repercutir nas frentes adversárias de Assad que começaram a se evadir do conflito, desertar e negociar acordos de paz que quase nunca eram respeitados por ambos os lados.

Em Janeiro de 2017 começam as negociações do que ficou conhecido como o “Processo de Astana” quando vários atores da guerra tentaram mediar um cessar-fogo. O Acordo de Astana foi ratificado apenas pela Russa, Irã e Turquia, não sendo ratificado pelo governo sírio ou pela oposição que passou a comandar suas operações a partir do exílio.

Um novo ataque químico novamente atribuído ao Exército Sírio à população civil da cidade de Khan Shaykhun marca um novo e perigoso episódio deixando uma centena de mortos. Como resposta, pela primeira vez, os Estados Unidos atacam diretamente a base síria d’Al-Chaayrate onde dezenas de mísseis táticos tentam liquidar a base.

Em Setembro daquele mesmo ano, as Forças Democráticas Sírias e o Estado Islâmico travam uma luta pela posse de Deir ez-Zor, região rica em petróleo.

CORRAM PARA AS MONTANHAS

E em fevereiro de 2018, o exército de Bashar al-Assad, lança uma ofensiva violenta à região de Ghouta, reduto da  oposição mais ferrenha ao regime. Seguida de bombardeips e fogo maciço da artilharia a frente blindada abriu passagem para que as forças de Assad retomassem a cidade. A comunidade internacional alega um massacre civil de mais de 300 habitantes que se encontravam na linha de fogo de ambos os lados.

Em fevereiro de 2018, a ONU decretou uma pausa humanitária a fim de fazer entrar um comboio na zona de conflito de Ghouta Oriental, a pausa inicialmente respeitada pelas forças de Assad foi forçada pela pressão do presidente russo Vladimir Putin para que se pudesse entregar remédios, roupas e alimentos para os civis. Cerca de 400.000 pessoas estavam encurraladas entre os dois exércitos combatentes. O cessar-fogo, porém, não foi respeitado por nenhum dos lados e mais mortes ocorreram.

Na sequência em Abril de 2018 mais exatamente na sua primeira semana, um ataque com armas químicas foi efetuado na localidade de Jan Sheijun. Ainda que não se soubesse com certeza os seus autores, França, Estados Unidos e Reino Unido apostaram novamente no regime de Assad e desta maneira, mais uma vez atacaram as forças Sírias na região de Duma.

Atualmente o conflito tem se esfriado e a vitória de Assad e reconquista dos territórios tem promovido o retorno dos refugiados, com impasses ainda a decidir principalmente nas regiões sobre controle dos Curdos e das forças da Coalizão lideradas pelos Estados Unidos.

UMA NOVA GUERRA ESTÁ SURGINDO?

A retirada das tropas dos Unidos do nordeste da Síria expõe os grupos curdos diante de uma possível nova ofensiva Turca e os obriga a cooperar com o governo sírio. A Turquia anunciou, em 12 de dezembro, que iniciaria uma nova operação militar contra os combatentes curdos das Unidades de Proteção Popular conhecidas como o YPG, ligado ao partido Curdo da Turquia.

As Forças Democráticas Sírias, a aliança curdo-árabe formada essencialmente pelas milícias das YPG, já advertiram que uma operação da Turquia enfraqueceria as operações contra o estado Islâmico e também poderia afetar a situação de extremistas ocidentais detidos no norte da Síria.

Dirigentes curdos agora restabelecem contatos em Damasco com o governo sírio para discutir o futuro do norte do país, do qual o regime de Bashar al-Assad perdeu o controle em 2012.

A aliança curda afirma em Janeiro de 2019 que o grupo jihadista Estado Islâmico está encurralado em uma área de seis quilômetros quadrados na província síria de Deir ez-Zor, onde utiliza milhares de civis como escudos humanos. Uma aliança militar liderada pelas milícias curdas o exército democrático da Síria lançou em setembro de 2018 uma ofensiva contra os últimos territórios controlados pelo Estado Islâmico no sudeste da Síria, com o apoio da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

O estado Islâmico que ocupou amplos territórios na Síria e no Iraque em 2014 desmorona sobre seus pés e é perseguido dentro e fora da Síria.

Por seu lado, Damasco e Teerã assinaram em 28 de janeiro de 2019 amplos acordos e protocolos, incluindo um pacto de cooperação econômica “estratégica” e “de longo prazo”, para reforçar a cooperação entre ambos os países, aliados na guerra que assola o primeiro país desde 2011.

CONCLUSÃO

O conflito na Síria surgiu de uma forma inesperada e, tanto o governo como forças armadas foram pegos de surpresa, estavam completamente despreparados para aquela situação.

A dinâmica do conflito e a velocidade com que os eventos ocorriam tornavam difícil a possibilidade de se reverter o quadro,  especialmente porque as forças armadas Sírias estavam preparadas para uma guerra convencional e se depararam da noite para o dia com uma força oponente com características distintas, com táticas de combate totalmente novas e criativas, num conflito que se propagou pulverizado em muitos territórios, exigindo do exército Sírio uma mobilidade e rapidez da qual ele não era capacitado a atender.

A sua resposta foi lenta e inicialmente muito difícil, pois exigia uni presença no seu território. Além disso as condições da Guerra exigiram mudanças radicais nas estratégias de combate, os oponentes dispunham de drones, fuzis de assalto, mísseis anticarro modernos e uma variada gama de estratégias de combate apoiadas por potências internacionais. Nos primeiros anos do conflito os estrategistas sírios pouco puderam fazer para garantir a superioridade no conflito. Era frequente que as tropas sírias fossem pegas de surpresa e sem o apoio da Força Aérea, os avanços das frentes de combate eram praticamente nulos.

Assad demorou pelo menos três anos até conseguir organizar as forças, porém num dado momento o avanço dos oponentes cessou e o SAA passou a progredir   e passou a controlar as situações, logrando êxitos no campo de batalha.

Porém é de se ponderar que mesmo nos momentos em que se demonstrou fraqueza e eminente derrota, o Exército Sírio manteve-se forte e heroicamente resistiu a guerra implementada por soldados e armas de quase 80 nações na frente de batalha, enfrentando um inimigo  cujas formas de combate não eram compatíveis com aquilo que a Síria tinha se preparado para enfrentar.

Por essa razão as baixas foram pesadas nos primeiros anos, até que pouco a pouco a situação foi sendo controlada pelo regime,  até chegar em  2018 onde se registrou o menor número de mortos do conflito, com o exército sírio recuperando a maior parte do território e retomando naquela data cerca de 80% do território que antes estava nas mãos do Estado Islâmico.

O apoio do Irã, Líbano e Rússia contribuíram muito para esta vitória, mas ao contrário do que se pensa, não foram os únicos fatores responsáveis pela “virada de mesa” de Assad.

Nos próximos artigos serão abordados os demais fatores e o papel central do SAA na reconquista do território Sírio. Será apresentado o atual status das  Forças Armadas sírias e as ameaças que se enquadram no norte e nordeste do país, da possibilidade do ressurgimento do Estado islâmico e das intervenções internacionais, desejo das potências contrárias a manutenção do governo Assad.


Sobre  o Autor:

E.M. Pinto é Físico, Mestre em Física Aplicada e Doutor em Engenharia e Ciências dos Materiais, Professor Universitário editor do site Plano Brasil e de Revistas científicas  internacionais.

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Conflitos Estados Unidos Geopolítica Vídeo

Geopolítica dos Estados Unidos

De Leon Petta para o Plano Brasil

De Leon é Autor associado ao Plano Brasil e Professor das Faculdades Integradas Rio Branco. Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Com estágio sanduíche na Virginia Commonwealth University (Estados Unidos) e University of Hong Kong (China). Tem experiência na área de Geopolítica e Crime Organizado. 

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Conflitos Geopolítica

Análise Geopolítica: a crise na Venezuela

Prof. Dr. Edgar Indalecio Smaniotto[i]

Estamos em meio a uma crise geopolítica na América do Sul, envolvendo a Venezuela, atualmente sob o comando do presidente Nicolás Maduro, presidente da Venezuela desde 2013, reeleito em 20 de maio de 2018, para um segundo mandato de seis anos, com abstenção de cerca de 54 por cento dos eleitores venezuelanos, a reeleição é contestada pelos opositores do regime.

No decorrer do acirramento das disputas entre o governo bolivariano e a oposição, intensificada após a morte de Hugo Chávez e a eleição de Nicolás Maduro, quase toda a oposição foi presa, exilada ou mesmo proibida de concorrer às eleições. Nesse cenário surgiu como líder oposicionista o deputado Juan Guaidó de 35 anos, figura inexpressiva até então, mas que soube agora aproveitar do momento político e se projetar como líder nacional da oposição.

Nesta quarta-feira, 23 de janeiro de 2019, em meio a protestos civis, que começaram no dia 21 e já resultaram, dependendo da fonte entre 13 e 26 mortos, o deputado líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó se declarou presidente interino da Venezuela. Dando, assim, início a uma crise não apenas interna, mas também geopolítica.

Previsivelmente Rússia, China e Cuba declararam apoio ao governo Maduro, mas não foram os únicos, Bolívia, México e Turquia também declararam apoio ao regime vigente.

 

A Rússia tem contratos de fornecimento de armas para a Venezuela em um montante de 11 a 20 bilhões de dólares, concedeu ao governo venezuelano 17 bilhões em empréstimos, também pretende investir 6 bilhões em infraestrutura petroleira e 1 bilhão em infraestrutura de mineração; a empresa russa Rosneft controla 40% de 5 campos de petróleo e 49,9% da Citgo (subsidiária da PDVSA nos EUA), já a russa Gazprom tem 40% de dois campos de gás[ii].

 

Os russos também pretendem instalar fábrica do famoso fuzil Kalashnikov AK-47 na Venezuela, bem como instalar uma base militar russa em Puerto Cabello (território venezuelano)[iii].

 

Em reunião do Conselho de Segurança da ONU, no dia 26 de janeiro, o embaixador russo Vassily Nebenzia declarou “a Venezuela não representa uma ameaça para a paz e a segurança. O que representa uma ameaça para a paz é a tentativa de Washington de orquestrar um golpe de Estado”[iv]. Se referia ao apoio dos EUA a Juan Guaidó.

 

A China, por sua vez, concedeu 62 bilhões de dólares em empréstimos para a Venezuela desde 2008, empresas chinesas têm participações minoritárias na PDVSA, também forneceu 8 cargueiros Y-8, sistemas de radar e 24 treinadores K-8 ao governo venezuelano[v].

 

China e Rússia, portanto, têm interesses econômicos importantes na Venezuela, e possivelmente não abandonaram o governo de Maduro à própria sorte.  Dificilmente russos ou chineses (principalmente) mobilizarão tropas para lutar na Venezuela, mas apoio diplomático e possivelmente financeiro, esses países vão conceder a Maduro, mesmo que não venham a participar de operações bélicas.

 

A União Europeia, ONU, França, Portugal e Uruguai apoiam uma nova eleição, supervisionada, como caminho para a crise no país sul-americano. Não reconheceram o governo de oposição, mas também não apoiam Maduro e preferem uma saída por vias eleitorais. O que, na verdade, seria a melhor saída para a atual crise.

 

Espanha, França, Alemanha, Reino Unido e Portugal no sábado 26 de janeiro, deram um ultimato ao governo Maduro, ou este convoca eleições em oito dias, ou vão reconhecer o governo oposicionista de Juan Guaidó. Em resposta, o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, na sessão extraordinária do Conselho de Segurança da ONU, realizado também no sábado (26 de janeiro), declarou “A Europa está nos dando oito dias para que? De onde vocês tiraram que têm autoridade para dar prazos ou ultimatos a um povo soberano? Como lhes ocorre tal ação de ingerência e diria até infantil? Ninguém nos vai dar prazos, nem vai dizer se fazemos eleições ou não. Dediquem-se a seus assuntos”[vi], finaliza o chanceler.

 

Declararam apoio a Juan Guaidó: EUA, Brasil, Argentina, Colômbia, Peru, Chile, Paraguai, Equador, Panamá, Costa Rica, Honduras, Canadá, Guatemala, Espanha e Reino Unido. Aqui o peso do Brasil é enorme, qualquer ação contra o governo Maduro, mesmo diplomática, era contrária à geopolítica do governo PT, agora se torna adequada à geopolítica do governo Bolsonaro.

 

O secretário geral da Organização dos Estados Americanos também declarou apoio a Guaidó, bem como  Grupo de Lima. Este grupo foi formado em 8 de agosto de 2017, na capital do Peru, Lima. O grupo reune chanceleres de 12 países (Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru), firmaram o documento conhecido como Declaração de Lima, que postula “a restauração da democracia naquele país através de uma saída pacífica e negociada”.

 

Já, internamente, Guaidó conta apenas com o apoio da Assembleia Nacional e  do Tribunal Supremo de Justiça (no exílio). Maduro por sua vez conta com o apoio do Tribunal Supremo de Justiça, do Conselho Nacional Eleitoral, da Assembleia Constituinte, da PDVSA (Petróleos de Venezuela) e principalmente das Forças Armadas Venezuelanas[vii].

 

Sobre a população venezuelana em si, ainda é uma incógnita, o chavismo, mais do que Maduro em si, ainda conta com muito apoio. Mas a crise econômica provoca a revolta entre parte da população. A inflação chega a 1.000,000%, faltam produtos básicos e 3 milhões de venezuelanos já abandonaram seu país em busca de sobrevivência[viii].  Outros 5.000 abandonam o país diariamente[ix]. Uma situação insustentável!

 

Para aqueles cidadãos que possuem o “carnê da pátria”, que atesta a fidelidade ao governo, é possível adquirir bens, como uma cesta básica. A últimas, entregues em 25 de janeiro, surpreenderam alguns por conterem carne e salsicha, quando o normal é ter apenas “farinha, café, leite em pó, azeite” entre outras coisas. Aqueles que se identificam com a oposição não tem o mesmo direito, então não recebe nem a cesta básica[x]. Um alerta do perigo de governos que ao invés de tratar todos como cidadãos, procuram dividir o país entre nós e eles. Não importa a ideologia, isto nunca acaba bem.

 

Não se tem certeza também se existem grupos dentro das forças armadas venezuelanas que poderiam desertar do governo Maduro em apoio a Guaidó. Sem apoio de parte das forças armadas, caso elas continuem leais a Maduro, o governo interino de Guaidó não terá futuro, a não ser como um ato de desestabilização permanente do governo, mas sem efetivamente ser capaz de destituir o governo venezuelano[xi]. Para conseguir apoio das forças armadas Guaidó promete anistia geral a ex-militares que passarem para o lado de seu governo interino[xii]. Medida inteligente, mas que deveria ser estendida também a funcionários civis, assim ele conseguiria a adesão de membros de alto escalão do governo, que descontentes, mas com medo de retaliação de um governo de oposição, acabariam não se revoltando contra Maduro.

 

Entretanto, como alerta o professor Orlando Pérez, em depoimento na Folha de São Paulo “Os militares estão tão profundamente envolvidos com o regime que não podem dissocie-se dele”[xiii], lógico que talvez nem todos os militares podem estar tão comprometidos com o governo a ponto de não serem mais capazes de apoiar uma transição democrática. De qualquer forma, o caso da Venezuela é um alerta para outras nações dos limites que deve existir entre o governo civil e as forças militares, para assegurar a democracia.

 

Uma revolta da população civil é incerta, e será rapidamente esmagada sem apoio de parte das forças armadas. Caso civis armados e uma parte pequena das forças armadas decidam por uma ação armada, ao invés de um rápido golpe de Estado e a substituição do governo vigente, pode-se ter o início de uma guerra civil, principalmente se grupos antimaduro tiverem apoio dos Estados Unidos.

 

Nesse cenário pode-se visualizar duas alternativas, uma Líbia em que o governo cai relativamente rápido, ou se tem o início de uma guerra civil longa, como na Síria, com resultados imprevistos.

 

A Rússia, apesar da retórica, não tem condições de deslocar tropas ou aviões para agirem na Venezuela, como ocorreu na Síria, mas pode contribuir com consultores e armamento. A China, que tradicionalmente não se envolve em questões militares fora de seu entorno geopolítico, poderia contribuir financeiramente.

 

É incerto se Donald Trump se aventuraria em uma campanha militar de grandes proporções na Venezuela. Se obtiver uma vitória rápida, isso seria uma grande conquista para o presidente americano, que poderia até lhe garantir uma reeleição. Mas, uma guerra civil prolongada pode levar a um atoleiro de recursos e homens em um cenário de guerra na selva, um terreno que lembra a guerra do Vietnam.

 

É pouco provável, por enquanto, uma aventura militar assim, mas não impossível.    Os  norte–americanos podem querer o apoio do Brasil, mas fora o apoio diplomático, é incerto que o Brasil se aventure também em uma guerra na Venezuela. Apesar da retórica mais beligerante do presidente e do ministro das relações exteriores, o vice-presidente, General Mourão, se colocou contrário a uma intervenção de tropas brasileiras na Venezuela. Para Mourão “não é de nossa política externa intervir nos assuntos internos de outros países”[xiv], ele está certo, e como general, certamente representa o pensamento de setores importantes das forças armadas brasileiras. A Colômbia também anunciou não estar interessada em conceder aos EUA bases militares para ataques ao território venezuelano[xv], o que dificultaria um ataque por parte desse país ao território venezuelano.

 

As forças armadas brasileiras são plenamente capazes de derrotar as forças armadas venezuelanas, nossos soldados são preparados para guerra na selva, e apesar da força aérea venezuelana contar com caças Sukhoi-30, superiores aos brasileiros, pelo menos até o início da entrega dos Gripen NG em 2022. A Venezuela também dispõe de dezesseis aviões de combate F-16 A/B, o Brasil, mesmo com uma força tecnologicamente inferior em aviões de combate, tem à sua disposição um número maior de vetores aéreos de combate: 48 F-5EM/Tiger II, 15  A-1A  e 90 A-29 A/B Super Tucano. Destaco que os equipamentos supracitados estão dispostos mediante o número correspondente ao inventário militar, a disponibilidade e a capacidade operacional de cada um não estão consideradas neste artigo, servem apenas para ilustrar a dimensão das forças e seus equipamentos.

 

Porém, o maior desafio em uma guerra área na Venezuela viria dos sofisticados mísseis S-300 (baterias antiaéreas), mas isso é um fator rapidamente contornável, principalmente devido à presença da força aérea norte-americana, que destruiria a força aérea venezuelana e suas baterias antiaéreas em dias, se tanto.

 

A Marinha Venezuela também não é um grande desafio, conta com dois velhos submarinos, fragatas e navios-patrulha. Bem inferior à Marinha Brasileira, que dispõe de nove submarinos, um porta-helicóptero, 8 fragatas da Classe Niterói, 2 da Classe Greenhalgh, 2 corvetas da Classe Inhaúma, 4 corvetas da Classe Tamandaré e uma da Classe Barroso, o NDM Bahia, navio-anfíbio de multipropósito, isso para ficarmos nos navios de combate mais importantes.

 

Em matéria de forças terrestres, a superioridade brasileira é enorme em tanques, carros de combate e artilharia autopropulsada. Já em matéria de homens, o Brasil é o país com as Forças Armadas mais numerosa, são 366.614 militares; a Venezuela dispões de 365.315 efetivos. Com uma população muito maior, 210 milhões, enquanto a da Venezuela é de cerca de 32 milhões, o Brasil poderia modelizar um efetivo de reservistas muito superior.

 

Logicamente a Venezuela (mesmo com apoio da Rússia e China, e até de eventuais tropas de Cuba) seria derrotada em uma guerra em que tivesse de enfrentar EUA e Brasil, mas uma guerra não é apenas questão de superioridade militar.

 

A população brasileira, por exemplo, se encontraria dividida sobre tal empreitada, se fosse uma intervenção rápida, isso poderia ser contornado. Se falarmos em uma guerra prolongada, com caixões chegando do front, a população brasileira pode rapidamente ficar contra tal intervenção, até porque, não temos uma tradição de intervenções militares na região, desde o século XIX.

 

Outro fator, são os gastos e possíveis efeitos negativos de uma guerra contra a Venezuela na economia brasileira. Por isso, apesar da retórica, tudo indica que uma guerra ainda é um cenário pouco provável, e uma guerra com envio de tropas por parte do Brasil, mais improvável ainda. Não afirmamos ser impossível, mas improvável.

 

O cenário mais provável é de que a oposição ao governo venezuelano, com a ajuda dos EUA, e agora com a legitimidade dada também pelo governo brasileiro, continue em uma campanha de desgaste contínuo do governo Maduro, até que esse entre em colapso.

 

Certamente, oposição e o governo americano esperam o melhor cenário possível para ambos, ou seja, que militares descontentes deem fim ao governo Maduro, empossem Guaidó, e ele convoque novas eleições. Uma guerra é sempre um cenário imprevisível, e não importa o vitorioso, poderia trazer graves consequências políticas e econômicas para os envolvidos.

 

O governo Maduro não é um regime democrático, como bem aponta Steven Levitsky e Daniel Ziblatt no indispensável “Como as democracias morrem” (Rio de Janeiro: Zahar, 2018), o regime alterou a composição da suprema corte, fechou órgãos de impressa oposicionista, acabou com o limite de mandatos presidenciais, nega a legitimidade da oposição, tolera a violência contra opositores e restringi as liberdades civis de oposicionistas. O governo Maduro é uma autocracia.

 

A grande questão agora é como fazer uma transição democrática, sem guerra, na Venezuela. Coloco aqui um caminho, para finalizar este texto.

 

Uma forma de evitar uma guerra civil, uma intervenção estrangeira ou um longo declínio do governo Maduro, todos penalizando a população civil, seria uma intervenção da ONU. Quando eu cursava meu primeiro ano de faculdade em 1999 acompanhei com interesse o caso de Timor Leste, ex-colônia portuguesa nos limites entre Ásia e Oceania, ocupada pela Indonésia. Li na época o livro “Timor Leste: este país quer ser livre” (São Paulo: Martin Claret, 1997), e acompanha as notícias diariamente em jornais.

 

A ONU na época criou uma força internacional para intervir no Timor Leste a Missão das Nações Unidas em Timor-Leste ou UNAMET, sob comando dos australianos, que administrou a região e assegurou eleições livres e democráticas. O mesmo veio a ocorrer também no Haiti, com a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti ou MINUSTAH,  agora sob comando de tropas brasileiras, entre 2004 e 2017.

 

Apesar de serem cenários diversos, uma saída semelhante poderia ser pensada para a Venezuela. O governo brasileiro poderia demostrar seu compromisso com a democracia na América do Sul, e ao mesmo tempo com sua tradição não belicista nas relações internacionais, se levasse ao Conselho de Segurança da ONU semelhante proposta. Com a experiência obtida no Haiti poderia inclusive comandar a transição. Seria uma vitória política para o governo Bolsonaro, tanto interna, como externamente, e um compromisso humanitário e não belicista.

 

O Brasil se projetaria internacionalmente, cumpriria um papel de estabilizar e evitar conflitos em seu entorno estratégico, dentro da lei internacional, e sem se envolver em conflitos bélicos que podem ser custosos demais em recursos e vidas.

 

Agora é esperar, e ver como se desenrolam os próximos acontecimentos.

[i]Filósofo, antropólogo e doutor em Ciências Sociais, membro da Associação Brasileira de Geopolítica (ASBRAGEO).

[ii] “Intervenção na Venezuela seria ‘banho de sangue’, diz Rússia. Folha de São Paulo. Sexta-feira, 25 de janeiro de 2019. p. A14.

[iii] GODOY, Roberto. Russos reforçam ajuda militar ao chavismo. O Estado de São Paulo. Sábado, 26 de Janeiro de 2019. p. A10.

[iv] “Países europeus dão ultimato a regime para convocar eleições”. Folha de São Paulo. Domingo, 27 de janeiro de 209. p. A12.

[v] “Intervenção na Venezuela seria ‘banho de sangue’, diz Rússia. Folha de São Paulo. Sexta-feira, 25 de janeiro de 2019. p. A14.

[vi] “Países europeus dão ultimato a regime para convocar eleições”. Folha de São Paulo. Domingo, 27 de janeiro de 209. p. A12.

[vii] “Bolsonaro se diz otimista, mas não há consenso no governo sobre Venezuela”. Folha de São Paulo, sexta-feira, 25 de janeiro de 2019. p. A16.

[viii] LIRIO, Sergio. A Venezuela eriçada. Revista Carta Capital, nº 1039, 30 de janeiro de 2019. pp. 10-11.

[ix] “Maduro amplia distribuição de comida em busca de apoio popular”. Folha de São Paulo. Domingo, 27 de janeiro de 209. p. A12.

[x] “Maduro amplia distribuição de comida em busca de apoio popular”. Folha de São Paulo. Domingo, 27 de janeiro de 209. p. A12.

[xi] “Cúpula do Exército declara lealdade a Maduro”.  Folha de São Paulo, sexta-feira, 25 de janeiro de 2019. p. A12.

[xii] “Guaidó desafia Maduro e põe anistia a militares entre primeiras medidas”. O Estado de São Paulo. Sábado, 26 de Janeiro de 2019. p. A10.

[xiii] ROSSI, Clóvis. Venezuela, ante o Precipício. Folha de São Paulo. Domingo, 27 de janeiro de 209. p. A14.

[xiv] LIRIO, Sergio. A Venezuela eriçada. Revista Carta Capital, nº 1039, 30 de janeiro de 2019. pp. 10-11.

[xv] “Colômbia não planeja conceder a EUA bases para invasão da Venezuela”. Disponível em: https://br.sputniknews.com/americas/2019012613186841-colombia-eua-venezuela-base-militar-planejar/. Postado as 07:50 de 26.01.2019.

Categories
Artigos Exclusivos do Plano Brasil Brasil Conflitos Geopolítica Geopolitica

Bolsonaro e o problema da Venezuela

De Leon Petta para o Plano Brasil

            Cada vez mais a situação na Venezuela puxa o Brasil para alguma posição desconfortável. É muito comum após declarações agressivas do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, contra o recém-empossado presidente Jair Bolsonaro ver vários comentários nas redes sociais exaltando a capacidade militar brasileira e chamando para o “pau” os venezuelanos ou ainda diminuindo e subestimando a capacidade venezuelana.

Porém, a situação é bem mais complicada do que apenas a comparação de força militar entre os dois países, Brasil e Venezuela.

            Em 2017, durante a conferência anual da AAG (American Association of Geographers) em Boston, apresentei uma simulação de uma possível crise geopolítica na fronteira brasileira, apontando dois problemas principais. Primeiro, o risco de uma enxurrada de refugiados venezuelanos em Roraima, que pioraria em muito a situação já que o estado não tem grande capacidade de infraestrutura (algo que acabou se concretizando); Em segundo, em caso de guerra civil na Venezuela, alguma facção rebelde poderia vir a atravessar a fronteira arrastando consigo ações militares do governo venezuelano em território brasileiro.

            Neste segundo caso, a questão seria como as forças armadas brasileiras responderiam a isso. Uma vez que a capacidade aérea e antiaérea das forças armadas venezuelanas poderiam eventualmente neutralizar a capacidade logística área do Brasil na região, podendo facilmente levar a um confronto na fronteira, embora não a uma guerra total. Neste caso isso ainda não aconteceu.

            Na plateia um coronel dos Fuzileiros Navais Americanos assistia bastante interessado sobre como isso poderia respingar nos interesses norte-americanos na região, principalmente no Caribe e na Colômbia. Por outro, lado um professor de uma universidade federal de Minas Gerais que também estava presente, logo descartou que aquilo era bobagem, afinal de contas “a Venezuela está muito bem e não existe risco nem de crise de refugiados nem de guerra civil. Não entendo por que você iria simular uma coisa tão fantasiosa como essa”.

 Risco de guerra?

            Para quem quer guerra (mas provavelmente não está disposto a lutar nela), tenho más notícias. Como disse o General Augusto Heleno em Outubro de 2018: “Para declarar guerra não é fácil assim, não. Se para uma missão de paz é complicado para caramba, imagina para declarar guerra”.

            A complexidade de uma guerra é ABSURDA. No Brasil não temos absolutamente nenhuma experiência ou capacidade técnica para uma Guerra Total. Aliás, são poucos os países que possuem essa capacidade de forma unilateral.

            As guerras não são como eram até a Primeira Guerra Mundial. Colocar um capacete, uniforme e fuzil no soldado e manda-lo para o conflito desejando boa sorte não é o suficiente. Além dos custos exorbitantes que cada combate vale nos dias de hoje (lembre-se, ainda não nos recuperamos da crise) ainda há questões como logística, inteligência, apoio político (interno e externo) e etc.

            É um erro muito comum as pessoas pegarem os “números crus” das forças armadas de diferentes países e ver quem é o mais forte. Porém, toda guerra supera apenas a questão militar. Aliás, cada vez menos o fator “soldados” é importante para a guerra, cada vez mais toda uma estrutura anterior ao combatente se faz tão importante quanto o próprio combatente em si. Sem entrar em detalhes para o texto não ficar longo, o Brasil não possui capacidade de invadir e ocupar a Venezuela e a Venezuela obviamente também não o tem contra o Brasil.

Problemas indiretos

            O grande problema então não é um conflito aberto que se algo acontecesse estaria limitado a embates fronteiriços, mas sim os efeitos colaterais do regime venezuelano sobre a região norte e nordeste do Brasil.

            Em 2011, o então presidente Hugo Chávez que de bobo não tinha nada e aprendia lições. Assistiu a intervenção da OTAN que após meses de bombardeios sobre a Líbia acabaram por ruir com o governo líbio e terminaram com Gaddafi sendo linchado nas ruas. Preocupado de que estaria na fila para ser deposto no futuro, prontamente tomou três medidas preventivas e que se mostraram frutíferas ao seu sucesso Nicolás Maduro:

            A primeira, a repatriação das 160 toneladas das reservas de Ouro da Venezuela bem como outros ativos. Blindando o país de eventuais confiscos por governos estrangeiros em caso de sanções ou intervenção externa.

            O segundo, a compra em larga escala de diversos sistemas antiaéreos para causar danos insustentáveis a qualquer força aérea que eventualmente tentasse se meter na Venezuela. Dentre os equipamentos militares comprados, os sistemas antiaéreos eram a prioridade.

            E finalmente, a compra de milhares de fuzis Kalashnikov (AK-47 e outros) para serem distribuídos por entre as milícias bolivarianas. Compra que Nicolás Maduro iria repetir.

            Este terceiro é o grande soco no estomago do brasileiro entusiasta que subestima o tamanho do problema venezuelano e de Maduro. Pois essa compra dirigida as milícias bolivarianas geram como efeito preocupante não só o aspecto de que as próprias forças armadas venezuelanas fiquem limitadas caso resolvam se rebelar ou tentem um Golpe de Estado, como ainda para a preocupação do Brasil, um fornecimento quase ilimitado de armamento pesado para o Crime Organizado na região norte e também no nordeste.

            Ou seja, se por um lado tanto o Brasil como a Venezuela não conseguiriam invadir um ao outro. Por outro, a Venezuela consegue projetar sua capacidade de instabilidade de forma indireta, não importa se intencional ou não, sobre uma região que já vinha sofrendo com altos índices de violência (apesar de ser longe, os problemas recentes no estado do Ceará não são uma coincidência).

            Abastecidos por armamento pesado venezuelano, com refúgio e passe livre garantido em terras venezuelanas (uma vez que as autoridades venezuelanas fazem vista grossa para a presença do Crime Organizado e do narcotráfico) estas facções possuem o potencial de tumultuar toda a região desgastando pesadamente o novo governo. Deixando de ser um “mero” problema de Segurança Pública para evoluir a uma crise militar dentro do próprio território brasileiro.

 

Sobre o Autor:

De Leon é Autor associado ao Plano Brasil e Professor das Faculdades Integradas Rio Branco. Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Com estágio sanduíche na Virginia Commonwealth University (Estados Unidos) e University of Hong Kong (China). Tem experiência na área de Geopolítica e Crime Organizado. 

Categories
Conflitos Geopolitica Terrorismo

Gabão: Militares tentam golpe de Estado

Militares invadiram a rádio pública e anunciaram um golpe de Estado para salvar o Gabão “do caos”. O Presidente Ali Bongo está fora do país. Mas Governo gabonês garante que já está tudo “sob controlo”.

Militares gaboneses anunciaram, esta segunda-feira (07.01) de madrugada, terem assumido o controlo do Governo para “restaurar a democracia” no país. Ouviram-se tiros junto à sede da televisão estatal e, na rádio, um grupo de oficiais apelou à criação de um “conselho nacional da restauração”.

“Chegou o tão esperado dia em que o Exército decidiu colocar-se do lado da população para salvar o Gabão do caos”, afirmaram os militares. “Se estão a comer, parem. Se estão a beber, parem. Se estão a dormir, acordem. Acordem os vizinhos… Ergam-se e tomem o controlo das ruas”. Os golpistas pediram ainda à população para ocupar edifícios públicos e os aeroportos do país.

A internet foi cortada. Nas imediações da rádio estatal, soldados leais ao Governo dispararam gás lacrimogéneo para dispersar 300 pessoas que tinham ido para as ruas, em apoio aos golpistas, contou uma testemunha à agência de notícias Reuters.

Gabun - Präsident Ali Bongo Ondimba - 2018 Illegal Wildlife Trade ConferencePresidente do Gabão, Ali Bongo

A meio da manhã, o porta-voz do Governo, Guy-Bertrand Mapangou, garantiu que “a situação está sob controlo”.

Segundo Mapangou, dos cinco militares que assumiram o controlo da televisão e rádio estatais, “quatro foram detidos e um está em fuga.” À DW, o porta-voz disse que o militar que fugiu é o líder dos golpistas, o tenente Kelly Ondo Obiang.

Militares insatisfeitos com Presidente

Os militares golpistas disseram estar insatisfeitos com a governação do Presidente Ali Bongo, de 59 anos. Segundo o líder Kelly Ondo Obiang, o discurso de Ano Novo de Bondo, emitido a 31 de dezembro, “aumentou as dúvidas sobre a capacidade do Presidente de continuar a desempenhar as suas responsabilidades”.

Ali Bongo, no poder desde 2009, ficou doente em outubro passado. Está atualmente em recuperação, em Marrocos. A sua família governa o Gabão há cinco décadas.

O porta-voz do Governo, Guy-Bertrand Mapangou, disse que a segurança na capital foi reforçada, e que esse reforço se deverá manter nos próximos dias.

Fonte: DW

Categories
Conflitos Estado Islãmico Estados Unidos Geopolítica Israel Terrorismo

Israel admite vitória militar de Assad e manutenção do regime na Síria

Regime toma províncias meridionais, e sua aliada Rússia já se instala nas Colinas de Golã

Forças sírias erguem bandeiras em Quneitra após retomada de território nas Colinas de Golã das mãos de rebeldes – YOUSSEF KARWASHAN / AFP

JERUSALÉM E DAMASCO – Com as recentes vitórias do regime de Bashar al-Assad na Síria, que o colocam virtualmente como vitorioso na guerra civil que há mais de sete anos assola o país, o vizinho Israel já admite a manutenção do presidente sírio no poder e não pretende intervir no conflito.

— Na Síria, do nosso ponto de vista, a situação volta a ser a que prevalecia antes da guerra civil (2011). Ou seja, que está claro a quem se dirigir, há alguém que é responsável e há um poder central — afirmou Lieberman durante uma visita a instalações de defesa antiaérea no Norte de Israel.

Forças iranianas recuam artilharia das Colinas de Golã

Rússia apela na ONU por reconstrução da Síria e repatriação de refugiados

Para Lieberman, há vantagens na vitória de Assad.

— Não nos misturamos, nem intervimos nos assuntos internos da Síria, com a condição de que se respeitem três pontos importantes para nós — insistiu Lieberman, mencionando “respeito dos acordos de separação de 1974” que estabelecem uma zona desmilitarizada nas Colinas de Golã, em grande parte ocupados por Israel e agora liberados de rebeldes na porção síria. A ONU e a Síria consideram ilegal a ocupação israelense.

Fonte: BBC

FORÇAS ISRAELENSES E JORDANIANAS MATAM JIHADISTAS

Depois de semanas de bombardeio intenso da Rússia, o governo sírio retomou o controle das três províncias meridionais do país, Deraa, Quneitra e Sueida, e também da fronteira com a Jordânia, anunciou nesta quinta-feira o Exército da Rússia, que apoia as Forças Armadas da Síria. Os últimos combates foram com grupos jihadistas ligados ao Estado Islâmico.

A liberação das áreas, inclusive de planícies férteis ao longo do Rio Yarmouk, propiciou uma grande mudança no quadro anterior ao conflito iniciado em 2011, com a polícia militar russa começando a se mobilizar na parte de Golã sob controle sírio e planeja montar oito postos de observação na área, informou o Ministério da Defesa em Moscou.

Moradores de Idlib observam destruição após ataque aéreo: região deve ser alvo da ofensiva final do regime – OMAR HAJ KADOUR / AFP

— Estão criadas as condições para que as forças de manutenção da paz da ONU nas Colinas de Golã retomem suas atividades — declarou em Moscou o general Serguei Rudskoi, do Estado-Maior russo.

Nesta quinta-feira, Israel e Jordânia comunicaram ainda que suas forças mataram insurgentes do Estado Islâmico que se aproximaram de suas fronteiras depois de serem expulsos do Sudoeste da Síria pelo Exército. Israel afirmou ter matado ao menos sete jihadistas, utilizando ataques aéreos. Já militares da Jordânia disseram ter confrontado combatentes do mesmo grupo, o chamado Exército Khaled Bin Walid, durante 24 horas entre terça e quarta-feira, matando um número não especificado deles.

SETE ANOS DE HORROR NA GUERRA SÍRIA EM IMAGENS

Ainda no período inicial da guerra civil na Síria, em 2011, manifestantes em Banias pedem liberdade na Síria. Conflito, que nasceu na esteira das manifestações da Primavera Árabe, acabou se tornando cada vez mais violento com atritos entre governo e rebeldes de diferentes facçõesFoto: AFP

Os ataques do governo, com bombardeios, começaram a fazer cada vez mais vítimas em várias cidades pontos de atrito. Alguns dos primeiros grandes foram em 2012, no bairro de Baba Amr, reduto da rebelião em Homs (centro). A imagem mostra o velório de um homem morto nos ataquesFoto: AFP

Menino passa por cima de corpos de crianças mortas em ataque químico em Ghouta, na Síria, em 2013: ataque deixou centenas de mortos. Número é incerto até hojeFoto: Reprodução

Em 2014, o Estado Islâmico conquista a cidade de Raqqa. É o início do autoproclamado califado do grupo, que se expande de maneira veloz e cria um estado de terror em várias cidades sírias e iraquianasFoto: Reuters

Ônibus são usados como barricada em bairro rebelde de Aleppo, em 2015Foto: KARAM AL-MASRI / AFP

Fila de refugiados palestinos se forma no campo de Yarmouk, em Damasco, para receber ajuda humanitária em 2015Foto: UNRWA / AP

A morte do menino sírio Aylan Kurdi, afogado em setembro de 2015 quando a família tentava ir da Turquia para a Europa, chama a atenção do mundo para a questão dos refugiados: com cada vez mais pessoas deixando a Síria, a Europa passa a viver uma grave crise migratóriaFoto: Reuters

Outro menino, o pequeno Omran, chama a atenção para os horrores da guerra ao ser clicado após ser resgatado em estado de choque de um bombardeio em Aleppo, em 2016Foto: MAHMOUD RSLAN / AFP

Em setembro de 2016, sírios carregam bebês em meio a bombardeios contra Aleppo: ofensiva sangrenta do regime reconquistou maior bastião rebelde da guerra, ao custo de dezenas de milhares de civis mortosFoto: AMEER ALHALBI / AFP

Rouhani, Putin e Erdogan se reúnem em Sochi: acordo de 2017 muda os rumos da guerra síria e afasta os EUAFoto: MIKHAIL METZEL / AFP

Explosão na cidade histórica de Palmira, na Síria: Estado Islâmico destruiu parte do patrimônio mundial, mas acabou perdendo terreno com ofensivas de coalizão pró-EUA e da Rússia, junto a AssadFoto: –

Em outubro de 2017, com o Estado Islâmico em forte recuo, forças de maioria curda conseguem reconquistar Raqqa, antes capital dos terroristas. Na imagem, o local é ocupado também por milicianas mulheres — elas eram as mais cerceadas pela visão ultrarradical do grupoFoto: ERIK DE CASTRO / Reuters

Fumaça de bombardeios entre os prédios de Ghouta Oriental, no subúrbio da capital síria Damasco: mais de 500 mortos em apenas uma semana de fevereiroFoto: HAMZA AL-AJWEH / AFP

Homem ferido em bombardeio recebe atendimento em Ghouta Oriental. A ofensiva do regime ao enclave, no início de 2018, marca uma das empreitadas finais de Assad para garantir a vitória na guerra. Com o bastião prestes a ser retomado, resta ao governo reconquistar apenas a província de IdlibFoto: AMER ALMOHIBANY / AFP

Fonte : O Globo

Categories
Estado Islãmico Traduções-Plano Brasil

Foi divulgado um dos canais de fornecimento de armas aos militantes sírios

Tradução e adaptação– E.M.Pinto

Militantes na Síria receberam armas europeias modernas da Arábia Saudita, escreve o britânico The Independent . O jornalista da publicação acompanhou toda a cadeia.

Libertada dos terroristas de Aleppo, Robert Fisk, entre outros jornalistas, visitou o porão, onde havia arsenais da Al-Qaeda. Em um dos abrigos antiaéreos, Fisk encontrou um livro de registros – um formulário de fábrica para um lote de morteiros M75 de 120 mm do padrão da OTAN produzido na Bósnia. O documento foi assinado pelo chefe da empresa Ifta Krnjik.

“Sim, esta é a minha assinatura e lembro-me deste lote de 500 morteiros – um número muito grande para a Europa, nós os enviamos para a Arábia Saudita. No início de 2016, seus representantes visitaram a fábrica, inspecionaram as amostras e assinamos um contrato “, disse Krnjik em sua casa em Nowe Travnik. 

Ele ressaltou que a entrega foi oficial: o destino era Yer-Riyadh e os documentos anexos indicavam que a arma só podia ser usada pelo país para o qual foi enviada.

found in bombed Nusrah militia basements in eastern Aleppo

A embaixada saudita em Londres rejeitou a possibilidade de transferir armas para uma organização terrorista. Enquanto isso, Robert Fisk encontrou nos armazéns em Aleppo outros contêineres dos mísseis guiados anticarro que foram vendidos nos Estados Unidos.

 

Fonte: The Independent 

Categories
Braço Forte Conflitos Geopolítica Terrorismo

Crimes de Guerra e Ação Fiscalizatória em Conflitos Armados

A respeito da repressão às violações das normas incriminadoras ou do cometimento dos intitulados crimes de guerra, cabe, inicialmente, uma remissão sobre as regras que regem a conduta dos participantes de um conflito armado.

O comportamento nesse cenário é regulado pelo Direito Internacional dos Conflitos Armados (DICA), também denominado Direito Internacional Humanitário (DIH)Trata-se de área do Direito Internacional dedicada à regulação do limite das hostilidades, com uso de determinados meios e métodos, e ao resguardo de certos bens e do zelo humanitário com pessoas protegidas, como feridos, enfermos, prisioneiros de guerra, internados civis, populações civis, e suas subcategorias.

O DICA estabelece mecanismos para garantir o respeito a essas normas, reconhece a responsabilidade individual e considera responsáveis pelas violações às regras os próprios indivíduos que as cometeram, ou que tenham dado ordens a terceiros para as cometerem, exigindo que esses infratores sejam punidos. Entre as infrações estabelecidas pelo DICA, as mais graves são consideradas crimes de guerrae seus autores são processados e julgados como criminosos.

No universo dos delitos de maior gravidade, incluem-se: homicídio intencional, tortura, tratamentos desumanos e atos que causem, intencionalmente, grandes sofrimentos desnecessários, conforme a previsão contida nas Convenções de Genebra de 1949, nos seus Protocolos Adicionais de 1977, e no Artigo 8º do Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional. O Brasil internalizou esses atos internacionais ao seu ordenamento jurídico pátrio, os quais estão em plena vigência.

Quanto à ação fiscalizatória do dever de cumprir e fazer cumprir as disposições normativas, o Estado é o principal garantidor do Direito Internacional dos Conflitos Armados e assume obrigações para afastar e mitigar violações que possam ser cometidas por seus agentes; ele também é o responsável pela ação ou omissão diante de particulares ou grupos que realizem, sem autorização, funções “próprias de Estado” e incorram em infrações decorrentes desse exercício.

Portanto, a fiscalização primária é do Estado, que tem a obrigação de reprimir todas as violações ao regramento humanitário e de dar publicidade aos atos infracionais também cometidos pela parte oponente. Aduzindo a esse dever fiscalizatório, há a previsão no Artigo 90 do Protocolo Adicional I às Convenções de Genebra de 1949 (PA I), da constituição de uma Comissão Internacional para o Apuramento dos Fatos.

A Comissão é um órgão permanente, cuja função principal consiste em investigar todos os fatos que se alega constituírem infrações graves às disposições do DICA. É um mecanismo importante, que cuida da aplicação e do cumprimento do regramento humanitário em tempos de conflito armado.

Outra fonte de informações sobre supostas violações às leis do Conflito Armado é o jornalismo, considerando-o subárea das Ciências Sociais impregnada de responsabilidade social. Em determinado instante, uma matéria jornalística se transforma em documento relevante na busca do sancionamento das violações.

Quanto ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), como instituição neutra, imparcial e independente, faz-se imperioso ressaltar sua condição de principal promotor e divulgador do DICA no âmbito mundial. Uma vez que a qualidade de fiscal é incompatível com os requerimentos de neutralidade, pode ser que não se contemple nenhuma atribuição dessa espécie ao CICV, pois seu papel é de guardião e não de fiscal, e menos ainda de juiz.

São exemplos de violações graves ao DICA: matar ou ferir militares que tenham deposto suas armas e que não participam mais das hostilidades; e recrutar crianças para participar das hostilidades. A primeira condenação proferida pelo Tribunal Penal Internacional foi anunciada na Câmara de Julgamento pelos crimes de guerra de recrutamento e alistamento de crianças menores de 15 anos e pelo uso delas em conflitos no Congo, nos anos de 2002 e 2003.

Fica claro e evidenciado que crimes de guerra podem ocorrer não somente em conflitos armados internacionais (CAI), como também em conflitos armados não internacionais (CANI). A esse respeito, há um paradoxo devido à configuração da lei penal militar brasileira. É possível o cometimento de crime de guerra por agentes envolvidos em um conflito armado não internacional de fato, contudo, a denúncia deverá ser por violação da norma incriminadora inerente aos crimes militares em tempo de paz, diante das condições conceituais exigidas pelo Código de Penal Militar – “Crimes militares em tempo de guerra” (Art. 10), “Tempo de guerra” (Art. 15) e “Crime praticado em presença do inimigo” (Art. 25).

Por oportuno, merece destaque a adequada preparação das Forças Armadas como fato gerador do efeito dissuasório desejado para inibir as práticas contrárias à lei. O Estado brasileiro obriga-se a atuar de maneira concordante com diversas obrigações internacionais assumidas, observando as convergências entre as Convenções de Genebra e as disposições da Convenção Americana de Direitos Humanos, como o direito à vida das pessoas fora de combate e o direito de não ser submetido a torturas e tratamentos desumanos, discriminatórios, cruéis ou degradantes.

Inevitavelmente, o regramento humanitário e os direitos humanos incidem, cada vez mais, no amplo espectro das operações militares, o que demanda das Forças Armadas atuação mais cuidadosa, precisa, eficiente e eficaz na utilização da força legal para enfrentar a violência, sob avaliação dos parâmetros de efetividade e de controle dos organismos de supervisão e da opinião pública.

Nesse contexto, a atual “Diretriz para Integração do Direito Internacional dos Conflitos Armados às Atividades do Exército Brasileiro” (2016) visa estabelecer as orientações básicas, de caráter geral, para subsidiar o planejamento e as ações de integração do DICA, em todos os níveis de ensino, preparo e emprego do Exército Brasileiro, por meio de operadores qualificados, fortificando a cultura de respeito aos direitos fundamentais da pessoa e aos bens protegidos, durante o cumprimento da missão constitucional da Força Terrestre.

O Exército Brasileiro vem atuando por meio do aproveitamento de lições aprendidas de países que atravessam conflitos armados e da designação de militares para capacitação em Direito Internacional dos Conflitos Armados (DICA) e em Direito Internacional dos Direitos Humanos (DIDH) nas nações amigas. Além disso, tem cooperado com envio de instrutores para o International Institute of Humanitarian Law, na Itália, e de especialistas nas consultas temáticas promovidas pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

Medidas sancionatórias devem ser aplicadas, com eficácia, nos casos de desrespeito ao DICA, para impedir que um comportamento reprovável seja tolerado ou mesmo aceito. As sanções penais e disciplinares assumem a função preventiva dissuasória, a fim de contribuir com a conscientização do dever de observar as normas e a demonstração de que a cadeia de comando defende, com firmeza, os valores éticos, profissionais, militares e fundamentais do DICA.

A regulamentação do uso seletivo da força exige operar sempre nos limites da lei, permitindo a conquista de parâmetros de confiança da opinião pública. O apoio da população às ações empreendidas pelo Exército Brasileiro, sob os contornos legais e a ética profissional militar, faz parte do êxito operacional para se alcançar o estado final desejado.

Sobre o Autor

Coronel de Artilharia BITTENCOURT é Adjunto da Assessoria de Apoio para Assuntos Jurídicos (A2), do Gabinete do Comandante do Exército. Serviu na 5ª Subchefia do Estado-Maior do Exército, que trata do Direito Internacional dos Conflitos Armados (DICA). Possui o Grau de Mestre em Operações Militares e o Curso de Gestão e Assessoramento de Estado-Maior, pela Escola de Comando e Estado – Maior do Exército (ECEME). É bacharel em Direito, especialista em Direito Militar, Direito em Administração Pública e Gestão em Administração Pública. No exterior, concluiu o Curso de DICA, na Suíça, e os Cursos Básico e Avançado de Direito Internacional Humanitário, em Sanremo, Itália, onde tem sido instrutor ad hoc do International Institute of Humanitarian Law, desde 2013. Representou o Brasil nos Encontros de Especialistas Governamentais para Fortalecimento do Direito Internacional Humanitário, em San Jose e Genebra, promovido pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha nos anos de 2012 e 2014, respectivamente. Participou da capacitação sobre Dilemas Éticos em Operações de Paz, promovido pelo Ministério da Defesa e o Exército Canadense, 2015. Possui artigos científicos publicados sobre o DICA, entre eles o trabalho premiado no Concurso de Artigos Científicos para apresentação no VI Seminário do Livro Branco de Defesa Nacional, em 2011, e o intitulado Direito Internacional dos Conflitos Armados:Preparação Ética da Força Terrestre, no periódico Doutrina Militar Terrestre em Revista, do C Dout Ex, Edição 005, de junho de 2014. Em 2015, concluiu o Curso de Tutoria em Educação à Distância, na Escola Superior de Guerra, Instituto de Altos Estudos do Ministério da Defesa, do qual é colaborador do Curso de DICA, desde 2012. Assumiu a relatoria da Diretriz para Integração do Direito Internacional dos Conflitos Armados às Atividades do Exército Brasileiro, aprovada em 2016. Nesse mesmo ano, foi concludente do
37º Curso para Diretores e Planejadores dos Programas de Formação em Direito Internacional Humanitário, realizado no International Institute of Humanitarian Law, na Itália.vindo a ser designado, em 2017, Vice-Diretor dessa atividade de capacitação de experts nas leis aplicáveis aos conflitos armados.

 

Fonte: EBLOG