Satélite chineses rastreiam o Porta aviões USS Eisenhower no Mar Vermelho

Imagens recentes de satélite chinês datadas de 4 de junho revelaram que o USS Dwight D. Eisenhower (CVN-69) se moveu uma curta distância em direção ao sul, no Mar Vermelho.


Fonte: Defense Blog

PorDylan Malyasov

Tradução e adaptação- E.M.Pinto

As fotos publicadas não indicam nenhum dano ou evidência de ataque ao porta-aviões.

Seguindo as reivindicações dos rebeldes Houthi iemenitas de um ataque com mísseis ao porta aviões USS Eisenhower. Em 31 de maio, a TV Al-Masirah, controlada pelos Houthi, informou que as forças Houthi conduziram uma operação conjunta envolvendo vários mísseis de cruzeiro e balísticos visando o porta-aviões americano no Mar Vermelho.



O alegado ataque foi descrito como uma resposta aos ataques aéreos conduzidos pelos EUA e pelo Reino Unido contra as posições Houthi no Iémen. O porta-voz Houthi, Yahya Saree, afirmou que o ataque ao porta-aviões foi preciso, alertando sobre retaliação imediata contra ativos dos EUA e do Reino Unido por qualquer agressão adicional.

A Marinha dos EUA rejeitou as alegações Houthi, confirmando que todos os mísseis balísticos e drones foram interceptados. Além disso, o USS Eisenhower, o segundo porta-aviões nuclear mais antigo da Marinha dos EUA, permanecerá no Mar Vermelho por mais um mês para proteger as rotas marítimas comerciais. Apesar das afirmações Houthi de múltiplos ataques diretos ao porta-aviões e seu grupo de escolta, o Comando Central dos EUA (CENTCOM) informou que todas as munições Houthi foram neutralizadas.

O USS Eisenhower tem um histórico de operação nessas águas. Seu primeiro desdobramento, a Operação Eagle Claw, ocorreu durante a crise de reféns no Irã em 1980. O porta-aviões também desempenhou um papel proeminente durante a invasão do Kuwait em 1990, tornando-se o segundo porta-aviões nuclear a transitar pelo Canal de Suez.

A presença contínua do USS Eisenhower no Mar Vermelho sublinha a importância estratégica de manter a segurança em rotas marítimas vitais no meio de tensões regionais.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.