Defesa & Geopolítica

Ministério da Defesa russo divulga informações sobre o Míssil de propulsão nuclear “Burevestink”

Posted by

O 9M730 Burevestnik ( russo : Буревестник ; ” Petrel “, codinome OTAN: SSC-X-9 Skyfall ) é um russo de propulsão nuclear com alcance virtualmente ilimitado. Imagem Meramente ilustrativa- Arte Alexis  Levinski). 

E.M.Pinto

Uma poderosa bateria recarregável 9B280-1 será usada no recém-testado míssil russo “Burevestink”-(Petrel), o mais novo míssil tático em desenvolvimento pela Rússia, o qual é porpulsado por um motor nuclear. De acordo com Avia.pro recurso desta esta bateria é mais resistente as condições de temperatura, umidade e pressão.

Outros detalhes sobre a bateria ainda não foram informados. Porém o Ministério da Defesa Russo informou que os testes recentes foram bem sucedidos e que a arma tem superado sem problemas os testes de avaliação.
A arma tem as dimensões de um míssil tático do tipo BGM-109 Tomahawk norte americano e  é capaz de permanecer no ar por vários dias, efetuando todo o tipo de manobras  e atingindo alvos em quaisquer lugares na superfície do Planeta. Isso faz com que o míssil seja capaz de evitar todos os sistemas de defesa antimísseis existentes na atualidade.

O Burevestnik é uma das seis novas armas estratégicas russas reveladas pelo presidente russo Vladimir Putin em 1º de março de 2018. O ministério da defesa russo identificou a necessidade de desenvolver um míssil tático capaz de penetrar em qualquer sistema de defesa antimísseis e assim rensaceu o programa da iniciado ainda na guerra fria.

Essa tecnologia é de longa data. No início dos anos 1960, os Estados Unidos tentaram desenvolver uma arma semelhante. O projeto recebeu o codinome Pluto (Plutão) o qual estava sobre a  Egide do  programa de sistema de armas chamado de Supersonic Low Altitude Missile (SLAM).

A arma deveria voar a Mach 3.5 a baixa altitude e ejetar uma carga útil de bombas de hidrogênio sobre alvos inimigos durante um longo vôo. Porém o projeto Plutão foi cancelado e condenado pelo advento dos mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) e pelo fato de que não havia como testá-lo sem o controle da pulverização de materiais radioativos sobre os campos de testes.

Aliás, em novembro de 2017,  um teste de “sucesso moderado” da arma russa foi efetuado no polígono de testes de Pan’kovo na ilha de Novaya Zemlya, no Ártico e resultou em uma operação de resgate que teve de ser efetuado por vários navios russos que partiram em busca dos destroços e materiais radioativos espalhados no Mar de Barents, o Ministério da Defesa Russo classificou o teste como “parcialmente bem sucedido”.

Segundo informou o Ministério da defesa Russo, o teste realizado em 29 de janeiro de 2019 a partir do polígono de testes em Kapustin Yar, foram avaliados os perfis de voo e persistência da Arma, bem como a resiliência do reator do motor. Em nota o MD informou que todos os sistemas oepraram sem falhas.

O Ministério da Defesa russo, afirma que a campanha de testes do míssil de cruzeiro, foram concluídos com êxito em janeiro de 2019 e que o projeto “irmão” de “Burevestnik”, o drone submarino nuclear Poseidon (Status-6), também é construído em torno de uma unidade de propulsão nuclear em miniatura, semelhante a desenvolvida para o Míssil.

 

4 Comments

  1. Maus says:

    Vão servir apenas como propaganda assim como a Tsar.

    • Cristiano says:

      Assim como as armas nucleares americanas graças a Deus. Que assim continue por mil anos.

    • B&E says:

      “Ah, a verdade, sempre ela…”…

      Satyricon

    • Milton says:

      Não entendi? O Su-57 também era propaganda, acontece que o caça existi.

shared on wplocker.com