Defesa & Geopolítica

Beneficiada por ‘monopólio’, Taurus financiou 21 políticos e 4 partidos em 2014

Posted by

Principais beneficiados pelas doações foram os parlamentares da “bancada da bala”, como é chamado o grupo que luta para alterar o Estatuto do Desarmamento

Principal fornecedora de armas para as polícias e Forças Armadas graças às legislações vigentes que permitem uma espécie de reserva de mercado às empresas nacionais, a Taurus doou R$ 870 mil para financiar campanhas de políticos e partidos durante as eleições de 2014. Os principais beneficiados pelas doações foram os parlamentares da “bancada da bala”, como é chamado o grupo que luta para alterar o Estatuto do Desarmamento. Em 2014, ainda eram permitidas doações de empresas a campanhas eleitorais.
A Taurus doou R$ 595 mil diretamente a 21 candidatos nas eleições de 2014. A maioria era de candidatos a deputado federal e estadual. Somente uma doação foi feita a candidato a governador. Trata-se do ex-deputado federal e procurador de Justiça Carlos Eduardo Vieira da Cunha, que concorreu pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) ao cargo de governador do Rio Grande do Sul. Ele recebeu R$ 40 mil da Taurus para financiar sua campanha. Acabou derrotado ainda no primeiro turno.

Das outras doações a candidatos, 12 foram feitas para quem disputou vaga de deputado federal. Dessas, quatro foram para políticos do Rio Grande do Sul: Darci Pompeo de Mattos (PDT), Onyx Dornelles Lorenzoni (DEM), Jerônimo Pizzolotto Goergen (PP) e Nelson Marchezan Junior (PSDB). Eles receberam, respectivamente, R$ 20 mil, R$ 50 mil, R$ 30 mil e R$ 30 mil. Todos eles foram reeleitos.

Depois, aparecem dois políticos de Minas Gerais. Marcos Montes Cordeiro (PSD) recebeu R$ 15 mil e Misael Artur Ferreira Varella (DEM), R$ 10 mil. Os dois foram eleitos para o cargo de deputado federal. Ou outros seis políticos que tiveram sua candidatura a deputado federal financiada pela Taurus foram Luiz Gonzaga Patriota (PSB-PE), com R$ 30 mil; Sandro Torres Avelar (PMDB-DF), com R$ 20 mil; Efraim de Araújo Morais Filho (DEM-PB), com R$ 50 mil; Marcelo Borges Sereno (PT-RJ), com R$ 20 mil; Ronaldo José Benedet (PMDB-SC), com R$ 20 mil; e Guilherme Campos Junior (PSD-SP), com R$ 30 mil. Foram eleitos Gonzaga Patriota, Efraim Filho e Ronaldo Benedet.

A Taurus também financiou a campanha de oito candidatos a deputado estadual. A maioria é do Rio Grande do Sul: Marcio Ferreira Bins Ely (PDT), Enio Egon Bergmann Bacci (PDT), Lucas Bello Redecker (PSDB) e Tiago Chanan Simon (PMDB). Eles receberam, respectivamente, R$ 10 mil, R$ 20 mil, R$ 20 mil e R$ 30 mil. Bacci e Redecker foram eleitos.

Os outros quatro candidatos que tiveram sua candidatura a deputado estadual financiada pela Taurus foram João Lúcio Magalhães Bifano (PMDB-MG), com R$ 30 mil; Aldo Schneider (PMDB-SC), com R$ 40 mil; Jose Francisco Cerqueira Tenorio (PMN-AL), com R$ 30 mil; e Nelson Souza Leal (PSL-BA), com R$ 50 mil.

O grande número de doações a candidatos do Rio Grande do Sul é explicado pelo fato de a sede da Taurus ser em São Leopoldo (RS), estado onde também está instalada uma das suas fábricas. As outras fábricas da companha estão situadas no Paraná, na Bahia e nos Estados Unidos.

Doações para partidos

Além das doações diretas a candidatos, a Taurus doou R$ 275 mil a quatro partidos, sendo duas vezes para o DEM. O PP e o PMDB do Rio Grande do Sul receberam, cada um, R$ 50 mil. O maior valor foi pago ao DEM do Distrito Federal, que ganhou R$ 80 mil, seguido pelo DEM do Paraná, com R$ 75 mil. O PSC de Pernambuco recebeu o menor valor, R$ 20 mil.

Em alguns casos, há informações sobre o que foi feito com o dinheiro pelo partido. O DEM-PR repassou R$ 74,9 mil à campanha de Pedro Deboni Lupion Mello, candidato eleito deputado estadual em 2014. Já o DEM do Distrito Federal transferiu R$ 80 mil à campanha de João Alberto Fraga Silva, eleito deputado federal em 2014.

O PP do Rio Grande do Sul repassou R$ 25 mil para Adilson Troca e mais R$ 25 mil a Jorge Cladistone Pozzobom, ambos eleitos deputado estadual. Não há dados sobre o destino das doações feitas ao PMDB-RS e PSC-PE.

Abertura do Mrcado

Apesar de a empresa ser uma das principais financiadoras de campanhas de parlamentares ligados à bancada da bala, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) afirma que vai acabar com o “monopólio da Taurus” se eleito presidente.

A ideia do pré-candidato é abrir o mercado para que companhias estrangeiras possam vender produtos controlados pelo Exército. Atualmente, Estados e Forças Armadas só conseguem comprar armas estrangeiras quando não há produto similar nacional. Ainda assim, precisam da autorização do Exército.

Dona da Taurus, CBC doou mais de R$ 1 milhão

Outra grande financiadora de campanhas foi a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC), fabricante de armas e munições que anunciou a compra do controle acionário da Taurus em 2014, com a operação sendo concluída e aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) em 2015. Atualmente, a CBC detém 91,90% das ações ordinárias (com direito a voto) da Taurus.

Em 2014, a CBC doou R$ 615 mil diretamente à campanha de 16 candidatos e R$ 425 mil a quatro partidos. Os principais beneficiados pelas doações foram os parlamentares e partidos ligados à bancada da bala, assim como aconteceu com as doações da Taurus.

Prestação de contas

Todos os valores citados nesta matéria constam no sistema de prestação de contas eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Eles são referentes às eleições de 2014.

Fonte: Gazeta do Povo

12 Comments

shared on wplocker.com