Defesa & Geopolítica

Será que ‘supersoldados’ do futuro serão como robôs humanos?

Posted by

Os planos dos EUA para aumentar as capacidades de seus soldados através de doping e outros métodos não são algo de novo na história militar.

Entretanto, a estabilidade mental das pessoas que se submetem a estes processos corre o risco de ficar seriamente afetada, adverte o doutor Michael Robillard, especializado em questões éticas relacionadas com os conflitos bélicos.

“[O aumento das capacidades] evoca toda uma série de questões éticas em relação de ‘melhorar’ as pessoas em contexto de uma guerra”, comentou à Sputnik Robillard, investigador da Universidade de Oxford.

Quanto à ampliação dos limites do ser humano, o especialista questiona se além da perfeição física, a psicologia do soldado não ficará afetada.

“Se ‘melhoramos’ uma pessoa, como isso afetaria seu corpo e sua personalidade? Poderia voltar a ser ele mesmo, se reintegrar na sociedade após sua desmobilização?”, se pergunta o médico e acrescenta que atualmente já existem enormes diferenças entre a vida civil e militar que representam um desafio para todos os veteranos.

Ao mesmo tempo, os planos para aumentar as capacidades físicas dos soldados não são algo que nunca tenha sido visto antes.

Robillard recordou o Exército de Federico, o Grande, rei da Prússia entre 1740 e 1786, que tinha como prioridade capturar as cervejarias para embebedar ligeiramente seus soldados e assim “torná-los mais valentes”. No Vietnã, se pôde assistir a outro exemplo desta prática, quando os pilotos dos EUA consumiam metanfetaminas para realizar ataques aéreos sem realizar qualquer descanso.

“Porém, é importante saber qual será esse ‘aumento’. Se falamos de substâncias neuroquímicas, da fusão com a inteligência artificial, […] o problema surge a outro nível e pode deformar a personalidade ou transtornar seu desenvolvimento”, opina o cientista.

Finalmente, o efeito psicológico nos soldados pode variar segundo seu papel. Um soldado “melhorado” pode “trabalhar com o computador ou desenvolver estratégias” sem combater na frente.

Entretanto, caso eles participem de combates, os supersoldados terão uma maior responsabilidade e assim “a formação ética deve acompanhar o aumento das capacidades do ser humano”, advertiu.

Fonte: Sputnik News

3 Comments

shared on wplocker.com