Categories
Aviação Defesa Economia Equipamentos Estados Unidos Geopolítica Meios Navais Negócios e serviços Sistemas de Armas Sistemas Navais Traduções-Plano Brasil

Quase 2/3 dos caças F/A-18 da Marinha dos EUA estão inoperantes e baseados no solo

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

A incapacidade do Congresso para aprovar um orçamento está prejudicando a frota, dizem líderes

WASHINGTON (Reuters) – Os aviões F/A-18 Super Hornet são a ponta da lança, da Marinha dos Estados Unidos incorporando a maior parte do poder de ataque do grupo de ataque de porta-aviões. Mas quase dois terços das aeronaves não podem voar – aterrados porque estão ou passando por manutenção ou simplesmente esperando por peças enquanto aguardam no depósito de aviões em solo,

No geral, mais da metade dos aviões da Marinha estão aterrados, a maioria porque não há dinheiro suficiente para consertá-los.

Além disso, não há dinheiro suficiente para consertar os navios da frota e o número de embarcações que precisam de trabalho continua a crescer. As revisões – “disponibilidades” na linguagem da Marinha – estão sendo canceladas ou adiadas e, quando os navios retornarem, precisam de mais tempo para manutenção.

Cada vez que um Porta aviões entra em revisão em geral leva-se pelo menos longos três e alguns submarinos estão fora de serviço por períodos prolongados, até quatro anos ou mais. Um submarino, o USS Boise (SSN-764), perdeu sua certificação de mergulho e não pode operar estando dependente dos trabalhos no estaleiro.

Os líderes alegam que se não for disponibilizado mais dinheiro, cinco submarinos estarão no mesmo estado até o final deste ano.

A Marinha não pode obter dinheiro para mover os membros do serviço e suas famílias para mudar as atribuições e cerca de US $ 440 milhões são necessários para pagar os marinheiros. E o serviço afirma que 15 % de suas instalações de terra estão em condição de falha – aguardando reparo, substituição ou demolição.

O quadro sombrio apresentado pelos líderes de serviço está em contraste com o plano amplamente apresentado pela administração Trump de aumentar  a frota da marinha de 308 navios para 355 segundo o novo chefe de operações navais Almirante John Richardson. A equipe de Richardson está elaborando mais detalhes sobre como o crescimento será realizado – planos que os líderes do Congresso estão ansiosos para ouvir. Soa assim para muitos como se a marinha será regada com dinheiro para atingir tais objetivos considerados elevados.

 No entanto, por agora, o dinheiro é apertado, devido aos vários anos de orçamentos decrescentes ordenados pela administração Obama, depois pelo Congresso e pela crônica incapacidade dos legisladores de fornecer fundos ininterruptos aos serviços militares e ao governo em geral. Os orçamentos foram cortados, apesar de não ter diminuído a procura dos serviços da frota; e a Marinha, para preservar os fundos da construção naval, teve de fazer escolhas conscientes para reduzir os orçamentos de manutenção e treinamento em vez de eliminar os navios, que levam muitos anos para serem construídos e não podem ser produzidos prontamente, mesmo quando o financiamento está disponível.

O Congresso falhou, pelo nono ano consecutivo, em produzir um orçamento antes do começo do 1º de outubro do ano fiscal de 2017, voltando a resoluções que mantêm o fluxo de dinheiro nos níveis anteriores. No entanto, os CR (continuing resolution)  têm numerosas ressalvas, e muitos novos projetos ou planos não podem ser financiados, uma vez que não existiam no ano anterior. Existe um consenso generalizado de que o financiamento de CR cria estragos em todo o Pentágono e na base industrial que o apoia – muitas vezes, levando substancialmente os custos a se recuperar de longos atrasos. No entanto, como o tempo proverbial que todos falam, mas ninguém pode mudar, parece haver pouca urgência no Congresso para voltar a um perfil de orçamento mais empresarial.

A atual resolução até 28 de abril marca a maior medida de interrupção desde o ano fiscal de 1977 – superando em 2011 em apenas algumas semanas, observou em um post no Twitter, Todd Harrison, do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. Isso também marca a primeira situação de CR durante um ano de transição presidencial.

E enquanto a conversa sobre a construção de dezenas de navios ganha as manchetes, não é de todo claro quando ou mesmo se o Congresso irá revogar a Lei de Controle Orçamentário – seqüestro – e continuarão as suas restrições para 2021.

Enquanto isso, alguns detalhes estão surgindo dos esforços da nova administração para avançar no processo orçamentário. Em um memorando de 31 de janeiro, o secretário de Defesa, James Mattis, descreveu um plano trifásico que incluía a apresentação pelo Pentágono de um pedido de emenda do orçamento de 2017. O pedido seria enviado ao Escritório de Gestão e Orçamento da Casa Branca (OMB) até o dia 1 de março.

De acordo com o plano, o pedido de orçamento completo de 2018 deve chegar ao OMB o mais tardar em 1º de maio.

A terceira fase do plano envolve uma nova Estratégia de Defesa Nacional e o programa de defesa FY2019-2023, que “incluirá uma nova construção de dimensionamento de força” para “informar nossos objetivos de crescimento de estrutura de força”, disse Mattis no memorando.

Os servidores apresentarão a situação ao Congresso esta semana quando os vice-chefes da Força Aérea, Exército, Marinha e Corpo de Fuzileiros Navais testemunharem em audiências de prontidão ante ao Comitê de Serviços Armados da Câmara na terça-feira e ao Comitê de Serviços Armados do Senado no dia seguinte.

Os vice-chefes devem fazer seus pedidos por dinheiro que pode ser gasto imediatamente, ao invés de fundos para projetos de longo prazo que, com apenas cinco meses deixados no ano fiscal, mesmo se o Congresso passa um orçamento de 2017, não pode ser rapidamente utilizado.

“Se conseguirmos algum dinheiro, a primeira coisa que vamos fazer é jogá-lo para os lugares onde podemos executá-lo”, disse uma fonte da Marinha em 2 de fevereiro. “Todos esses lugares estão na manutenção de navios, na aviação que está nos Depósitos – peças e peças sobressalentes – mudanças permanentes de estação para que possamos mobilizar nossas famílias ao redor e preencher os buracos que estão sendo gerados pela falta de dinheiro “.

O atraso é alto. “Há cerca de US $ 6-8 bilhões podemos executar em abril, se tivermos o dinheiro”, disse a fonte da Marinha. “Podemos colocá-lo em contrato, podemos entregar-lo imediatamente.”

 Mesmo se a linha superior do orçamento for aumentada, os líderes da marinha dizem, que há necessidade imediata por dinheiro para a manutenção e não cobre a construção de novos navios. Uma lista suplementar da Marinha de requisitos não-financiados para 2017 foi enviada ao Congresso no início de janeiro e ainda está sendo revisada, este documento deixou claro que as necessidades de manutenção são primordiais.

“Nossas prioridades são inequivocamente focadas na prontidão – aquelas coisas necessárias para manter aviões no ar, navios e submarinos no mar, marinheiros treinados e prontos”, declarou um oficial da Marinha. “Sem novos Starts.”

A situação extrema da aviação naval é sóbria. Segundo a Marinha, 53% de todos os aviões da Marinha não podem voar – cerca de 1.700 aeronaves de combate, patrulha e helicópteros de transporte. Nem todos são devido a problemas de orçamento – em um determinado momento, cerca de um quarto a um terço das aeronaves estão fora de serviço para manutenção regular. Mas o valor de 53 % representa cerca de duas vezes a norma histórica.

A situação da aviação de caça à mais greve e mais notável, uma vez que os aviões são de vital importância para projetar o poder de combate da frota. Sessenta e dois por cento 62% dos F / A-18 estão fora de serviço; 27% no depósito e 35% por cento simplesmente aguardando manutenção ou peças, informou a Marinha.

 Com o treinamento e os fundos de horas de vôo cortados, as tripulações aéreas da Marinha estão lutando para manter as mesmas exigências mínimas de vôo, informou uma fonte sênior da Marinha. A retenção está se tornando um problema, também. Em 2013, 17 % dos oficiais de vôo declinaram dos postos em seus departamentos após terem sido selecionados. O percentual cresceu para 29% em 2016.

As insuficiências de financiamento significam que muitos membros do serviço são incapazes de se mudar para assumir novas atribuições. Até agora, em 2017, a Marinha informou que houve 15.250 mobilizações a menos em relação a 2016.

Sob a resolução contínua, um alto funcionário da Marinha disse que outras 14 disponibilidades serão adiadas em 2018 – um submarino, um cruzador, seis destróieres, dois navios de desembarque de docas, um cais de transporte anfíbio e três dragadores de minas. Os programas que buscam comprar itens que não foram incluídos no orçamento de 2016 não podem avançar, isto inclui os helicópteros CH-53K, o sistema de míssil ar-terra comum, mísseis anti-navio de longo alcance e armas do módulo de Navio de combate de litoral. Muitos mais programas não poderão ser executados em 2017 por não constarem em 2016.

E com apenas cinco meses no exercício financeiro de 2017, mesmo que um orçamento seja aprovado no final de abril, há algumas conversas sobre uma resolução contínua de um ano – uma perspectiva em que o alto funcionário da Marinha abanou a cabeça com um “não”.

“O CR completo não é uma boa situação”, disse ele.

Fonte: Defence News