Defesa & Geopolítica

Rússia aniquilaria do campo de batalha a Grã Bretanha em uma tarde afirma Think Tank do exército britânico

Posted by

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

A capacidade militar do Reino Unido foi “esvaziada” a tal ponto, que este poderia perder toda a sua força de combate em um único engajamento, caso uma “ameaça do Oriente” emergisse, afirma um novo documento do  Centro de Análise Histórica e Pesquisa sobre Conflitos (CHACR). O documento foi publicado após uma reunião de dois dias de líderes britânicos e especialistas militares.

Embora o documento admita que o país “pode ​​não estar enfrentando um risco imediato de um ataque direto de um estado estrangeiro , este afirma que há “cenários plausíveis” em que o Reino Unido pode ser arrastado para uma guerra – digamos com a Rússia, por exemplo – enquanto este estiver apoiando um aliado da OTAN.

“Isso levanta uma questão importante: o exército britânico está pronto para tal possibilidade? Se se vê apenas a preparação através da mão-de-obra líquida e da capacidade de força cinética, a resposta pode ser um simples “não”: o exército britânico está no seu mínimo e sofreu anos de cortes orçamentários “, afirmou o estudo. O Sunday Times.

De acordo com o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), o Reino Unido tem pouco mais de 83000 soldados em tempo integral, e 102.000 reservistas, enquanto a Rússia tem 750 000 de pessoal ativo, com mais de 2.000.000 de soldados nas forças de reserva.

A única divisão britânica de “combate” será ampliada para 50.000 após a conclusão de uma reorganização este ano. De acordo com o CHACR, ter uma força de batalha relativamente pequena não é apenas uma desvantagem em si, mas pode fazer os comandantes britânicos ficarem  extra-cautelosos em qualquer envolvimento potencial.

“A”perspectiva de perder a divisão em uma tarde pesará  na cadeia de comando. . .e em  Como os políticos apreciam os interesses envolvidos em lançarem-se à batalha, ” dizem os autores.

Além disso, o Reino Unido teria dificuldade de transportar sua força para qualquer teatro de guerra, com sua frota atual apenas capaz de transportar três brigadas – cerca de 5.000 tropas – a qualquer momento. Os autores dizem que o resto dependeria de navios comerciais e aviões fretados ou requisitados.

“A capacidade de obter partes de uma divisão inteira rapidamente e com segurança em um teatro de operações é identificado como uma preocupação fundamental”, o documento afirma.

A situação é resultado do “esvaziamento ou supressão das capacidades de desdobramentos do exército, o que significa que o exército teria dificuldades de lutar ainda que num conflito tão limitado quanto a intervenção no Iraque em 2003, para o qual o Reino Unido teve meses para se preparar.

A CHACR afirma que, apesar das despesas relativamente elevadas, presumivelmente para  manter uma força militar moderna e de alta tecnologia, o Reino Unido “ainda não compreende” que a guerra cibernética tem uma “lacuna de capacidade” na defesa aérea – protegendo suas tropas contra ataques aéreos – e não possui “Algumas das ferramentas que seriam necessárias contra uma ameaça do Leste “.

O IISS afirma que o Reino Unido gasta apenas US $ 9 bilhões a menos em suas forças armadas (US $ 56,2 bi) do que Rússia, US $ 65,6 bilhões em 2015 e ainda tem o quinto maior orçamento de defesa do mundo.

A crítica é particularmente poderosa, pois vem do CHACR , o próprio grupo de reflexão do exército britânico , baseado em sua academia de oficiais de Sandhurst – um auto-proclamado “centro de estudos e debate” envolvendo “as mentes mais brilhantes do Serviço”.

No entanto, o Ministério da Defesa eliminou estas acusações, insistindo que “o exército está pronto e capaz de desdobrar uma poderosa força de combate em grande escala, a nível de divisão, com suficiente antecedência”.

Esta não é a primeira vez que altos funcionários militares britânicos alertaram sobre a superioridade militar da Rússia, quer por preocupação urgente, quer por um desejo de atrair a atenção de um governo ocupado.

Em agosto passado, um relatório foi vazado para o the Times, alegando que Moscou desfruta  da “um salto de capacidade significativa” em equipamentos avançados, bem como, de uma melhor compreensão da guerra cibernética e mais recentes técnicas de campo de alta tecnologia, como hackers de GPS.

As relações entre a Rússia e o Reino Unido têm sido frias há mais de uma década. Isto foi congelado ainda mais depois que a embaixada russa em Londres acusou o governo britânico de uma “caça às bruxas”, depois que foi revelado que a inteligência britânica transmitiu informações aos oficiais americanos sobre suposto hacking antes das eleições presidenciais dos EUA no ano passado. Além disso, o ministro britânico de Relações Exteriores, Boris Johnson, acusou Moscou de “todos os tipos de truques sujos”.

Um teste recente, no qual os carros de combate do Reino Unido foram enviados através do túnel do canal da Mancha em uma simulação de um hipotético conflito com a Rússia, foi tratado como um “golpe baixo”, por um funcionário de Moscou, que rejeitou as alegações de que a Rússia poderia entrar em guerra com a Grã-Bretanha . “

Fonte: RT

7 Comments

  1. Alvez8O says:

    “esvaziada” mesmo, está sendo a soberania brasileira, junto com suas forças armadas:

    ——-

    “O jornal O Globo confirma hoje o que a CartaCapital publicou no final de semana, como ainda secreto: o ministro José Serra prepara a entrega, como gesto de boa vontade para Donald Trump, da base Aérea de Alcântara aos Estados Unidos, e nas condições que eles sempre exigiram e, até hoje, foram negadas, expostas pelo jornal, sob o mais do que expressivo título de:

    “Brasil assume de vez negociação espacial com americanos“
    ——————-

    Enquanto isto,
    as forças armadas brasileiras serão postas a perseguir narcotraficante e cuidar de presídios. E vão gostar ! Porque toda noite seus oficiais sentam em frente a tv para serem doutrinados pela programação da rede inimiga do Brasil…

  2. Alvez8O says:

    Este “Think Tank do exército britânico” soa muito saudosista do tempo em que no século 19,
    o “Império Britânico” extraindo recursos dos 4 cantos da terra, era o “sol que nunca se punha” e batia de frente com o império czarista russo…

    Hoje com muito menos recursos, a Inglaterra tem que ser realista e se adequar, possuir uma força de dissuassão que impeça ataques a “Ilha” e uma força de projeção capaz de defender seus pequenos territórios e ilhas ultramarinos como Malvinas , Ascencion, Gibraltar,etc…já é o suficiente.

    E com dois porta-aviões saindo do forno em breve, com F-35 em cima + submarinos nucleres armados com mísseis Trident com ogivas nucleares, eles tem esta dissuassão com folga, o resto, ambições de projetar poder militar com fins de dominação em outros países, são pura nostalgia, banzo do velho império…

    • muttley says:

      Sr Alvez8O
      Como dizem por ai ex-mulher é para sempre, e ex-império também. Eles vão ficar nessa nostalgia por muito tempo, mas já era, a segunda guerra Mundial sacramentou este fim.
      * Italianos também sofrem com essa nostalgia e olha que já fazem seculos que Eles foram os donos do Mundo. O ultimo a invocar esse status por lá foi Benito Mussolini e deu no que deu.
      ** Quanto a Nós nem nostalgia poderemos ter de que um dia fomos independentes, em breve seremos um novo Porto Rico para a alegria da vassalagem.
      Sds

      • César Pereira says:

        Podemos ter nostalgia dos tempos pré invasão portuguesas ,quando viviamos “”:pelados pintados de verde num eterno domingo:”‘! Bons ,tempos ”não havia pecado do lado de baixo do Equador!”

  3. ARC says:

    Não vejo a Inglaterra com uma ameaça à porta, essa retórica tem a única finalidade de aumentar as despesas militares. Hoje, num hipotético conflito contra a OTAN, a Rússia teria que transpassar os países nórdicos antes de chegar a Inglaterra, e isso não seria fácil, haja visto que as marinhas da Noruega, Dinamarca, Suécia (obviamente entraria no conflito) poderiam unir esforços e seria um empecilho para a marinha russa, o que daria tempo suficiente para a marinha inglesa tomar posições e organizar suas forças juntamente com a França. Se considerarmos pelos céus, talvez haja um perigo maior, pois uma formação de caças apoiando bombardeiros poderia garantir disparos contra as principais bases inglesas pelos mares do norte, mas seria muito arriscado, haja visto que haveriam diversos caças fazendo rondas com AWACS, além de sistemas anti aéreos operando nos limítrofes territoriais, e isso seria o suficiente para impedir o retorno dos esquadões russo a base, já que para garantir a ida e retorno de seus aviões, a Russia teria que destruir as bases de todos os países nórdicos, além da Alemanha,isso levaria tempo. Por terra a situação é utópica, a Rússia teria que varrer toda a Europa antes de entrar em combate direto com a Inglaterra, repetindo a estratégia nazista, levaria meses. Resumindo a novela, os ingleses são os que menos tem que se preocupar com uma agressão russa.

    • Eduardo Ramos says:

      Infelizmente as potências tem armas nucleares e uma guerra convencional prolongada é inviável após o inicio das hostilidades teríamos que procurar um abrigo pois não demoraria muito para alguém começa uma guerra nuclear.

      • ARC says:

        Creio que demoraria sim, se levarmos em consideração que Inglaterra e França não fariam um ataque nuclear, e sendo os únicos a perder com isso, não usariam deste artífice por qualquer motivo. Rússia tbm não fari um ataque nuclear, pois os EUA responderiam com a mesma medida. Quando olho para o possivel cenario que se instalaria, a Rússia não teria motivos nenhum pra usar tais armas, já que dificilmente o conflito chegaria ao seu solo, se passaria em território de países europeus.

shared on wplocker.com