Defesa & Geopolítica

Obama não é diferente dos falcões neoconservadores, afirmam analistas

Posted by

A decisão do presidente norte-americano, Barack Obama, de fornecer armamentos à chamada oposição moderada na Síria confirmou que sua política no Oriente Médio foi igual ao rumo belicista dos falcões e neoconservadores republicanos, afirmam especialistas consultados pela Sputnik.

O anúncio oficial de Obama, no qual o presidente confessou que estava fornecendo armas à oposição síria, teve relação direta com o ataque contra a cidade de Palmira, disse o presidente da Síria, Bashar Assad, ao canal de TV Russia Today nesta quarta-feira (14).

“Ele tirou a máscara do Partido Democrata, que gosta de fingir ser diferente da ala cheneyita do Partido Republicano [corrente neoconservadora na política dos EUA que tem sido usada muito ativamente nos últimos anos e arquitetada pelo ex-vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, que exerceu funções no governo Bush, entre 2001 e 2009]”, afirmou o ex-major do Exército norte-americano e historiador Todd Pierce.

Piece afirmou que as iniciativas políticas de Obama de apoiar os rebeldes sírios, inclusive a Frente al-Nusra, foram idênticas às da presidenciável democrata derrotada, Hillary Clinton, quando ela ocupava o cargo da secretária de Estado e às dos neoconservadores que apoiaram a candidata.

“Se analisarmos o apoio prestado… pelos republicanos a Clinton nas últimas eleições, podemos ver que este veio dos representantes mais extremistas e radicais do neoconservadorismo, tais como Eliot Cohen e Robert Kagan, ou seja, do Projeto para o Novo Século Americano, que nos levou à guerra no Iraque”, argumentou Pierce em uma conversa com a Sputnik Internacional.

O acadêmico advertiu que hoje em dia os neoconservadores estão buscando um pretexto para desencadear uma guerra contra a Rússia e o Irã. Os neoconservadores também reconheceram que o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, gostaria de evitar um conflito com a Rússia, adiantou.

“Eles veem Trump como menos entusiasta do que eles gostariam, e talvez bastante forte para sacudir o sistema, que exige a guerra perpétua e o expansionismo militar”, sugeriu o analista.

Obama tem seguido a agenda neoconservadora e conduzido guerras clandestinas desde 2009, mas planejava passar a tarefa de atacar a Síria diretamente para Clinton, que, segundo suas expetativas, deveria ser a próxima presidente, ressalta Pierce.

“Mas após sua derrota nas eleições… e havendo pouca probabilidade de Trump travar uma guerra na Síria, Obama foi obrigado a tirar seu disfarce e virar militarista total, tal como Clinton e seus apoiantes neoconservadores, e tentar derrubar Assad antes de deixar o cargo”, explicou.

Robert Naiman, diretor do departamento de política na organização não-governamental Just Foreign Policy, concorda que o anúncio feito por Obama não foi mais que uma ação coerente com o seu apoio contínuo dos rebeldes.

“Para mim, isto não representa grande mudança. Acho que se trata primeiramente dos curdos sírios e da campanha para conquistar Raqqa”, disse.

Se for possível, Obama, sem dúvida, vai fazer tudo o possível para terminar a batalha por Raqqa antes de deixar a Casa Branca, concluiu.

Foto: © Sputnik/ Sergey Guneev

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Sputnik News

Forças da Síria e da Rússia barram avanço de terroristas em Palmira

O Estado-Maior russo disse nesta quinta-feira (15) que o exército sírio apoiado por aviões de guerra russos conseguiu parar o avanço dos terroristas em Palmira.

As ofensivas múltiplas dos terroristas do Daesh (autodenominado Estado Islâmico) em Palmira foram repelidas, disse o Estado-Maior russo em comunicado.

Os combates principais ocorrem perto do aeródromo militar T4 e da cidade de Tiyas. O Estado-Maior também disse que a situação na antiga cidade síria se estabilizou devido à operação do exército sírio com o apoio aéreo da Rússia.

Além disso, Moscou também está ajudando Damasco a lançar uma contra-ofensiva para recapturar Palmira, que é considerada um Patrimônio da Humanidade.

“As tropas sírias apoiadas pela Força Aeroespacial da Rússia estabilizaram a situação perto da cidade de Palmira. Múltiplos ataques de militantes do Daesh foram repelidos. A principal linha de frente está localizada perto da cidade de Tiyas e do aeródromo T4. A Federação Russa está assistindo a liderança síria na organização de uma contra-ofensiva em Palmira”, disse o tenente-general Viktor Poznikhir, representante do Estado-Maior das Forças Armadas russas.

No domingo (11), o Daesh recapturou a antiga cidade, situada em um ponto estratégico da província de Homs. De acordo com fontes variadas, o número de terroristas que participaram da tomada de Palmira chegou a cerca de 5.000, incluindo centenas de homens-bomba e dezenas de veículos blindados.

De acordo com o governador de Homs, as forças governamentais conseguiram evacuar cerca de 80% da população civil da cidade. O presidente sírio, Bashar Assad, prometeu que o exército retomaria Palmira depois de libertar Aleppo.

Foto: © Sputnik/ Maksim Blinov

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Sputnik News

 

6 Comments

shared on wplocker.com