Defesa & Geopolítica

Rejeição a reforma constitucional na Itália sinaliza problemas para o euro

Posted by

O resultado do referendo de domingo na Itália reforçou a divisão crescente entre a economia necessária para sustentar a moeda comum da Europa e a forte onda de populismo no continente.

Os italianos rejeitaram com veemência a mudanças constitucionais propostas para simplificar a legislação e impulsionar a competitividade, marcando um início sóbrio para o que poderá ser um ano definidor para a União Europeia.

Eleições nacionais devem ser realizadas em 2017 em três países que são membros fundadores do bloco. O voto de domingo elevou a probabilidade de a Itália também ter eleições parlamentares no ano que vem.

Em todos esses países, os partidos mais influentes estão perdendo terreno para os movimentos populistas, muitos deles de extrema-direita. É certo que na Áustria, porém, os eleitores no domingo viraram as costas para a candidatura presidencial do populista de extrema-direita Norbert Hofer, cujas promessas de campanha incluíam a redução da imigração e reintegração das fronteiras nacionais. O líder do Partido Verde, Alexander Van der Bellen, ganhou com mais de 53% dos votos para o cargo, que é basicamente decorativo.

As votações no fim de semana provocaram uma forte oscilação no euro, que chegou a recuar 1% ante o dólar, mas se recuperou e terminou o dia ontem com alta de 1%. A volatilidade aumenta as preocupações sobre se a moeda sobreviverá numa era de populismo e de políticas divergentes.

“O euro se recupera, mas a cada um desses eventos políticos, ele leva outro golpe, então, é de se imaginar até quando vai aguentar”, diz Richard Benson, diretor do portfólio de investimentos da gestora Millennium Global Investments, de Londres. E mais golpes podem ser deferidos em breve.

O grande vencedor da eleição de domingo na Itália foi Beppe Grillo, um comediante que se tornou político, e seu partido populista Movimento 5 Estrelas, que quer um referendo não vinculativo sobre a adesão da Itália ao euro, o fim do dos limites de gastos do governo impostos pela UE e a garantia de renda para todos os cidadãos.

O primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, argumentou que seu país precisa apoiar as mudanças constitucionais ou será deixado para trás. Ele disse que a Itália precisa reduzir a burocracia e facilitar os negócios das empresas. Depois da derrota de domingo, ele apresentou sua resignação ontem.

“O sentimento de oposição às elites do governo é mais forte que o desejo de reforma”, diz Stefano Stefanini, consultor da empresa de lobby e assuntos públicos Podesta Group e auxiliar do ex-presidente italiano Giorgio Napolitano. “Há uma relutância em mudar, um conservadorismo inato na Itália.”

Este é um paradoxo existente no centro da política europeia — e americana — atualmente: uma resistência a mudanças entre os eleitores está levando a um aumento das escolhas contrárias ao governo nas urnas.

Mesmo se os movimentos populistas do Ocidente não consiguirem chegar ao poder, eles já estão agitando o centro. Partidos já estabelecidos como o de centro-esquerda de Renzi estão sitiados. O presidente francês François Hollande anunciou na semana passada que não vai disputar uma reeleição este ano — a primeira vez que isso acontece na política francesa no período do pós-guerra. Seu Partido Socialista é tão impopular que é improvável que chegue à rodada final das eleições.

Os partidos de direita estabelecidos também estão respondendo, frequentemente adotando a retórica nacionalista adotada pelos novatos e, às vezes, mudando as políticas como consequência.

Poucos economistas duvidam que a Itália, a terceira maior economia da zona do euro, precisa de reformas profundas. Sem elas, muitos questionam se o país conseguirá sobreviver no longo prazo usando a mesma moeda que a poderosa Alemanha.

Desde que a Itália adotou o euro em 1999, seu produto interno bruto se estagnou e a dívida do governo explodiu para 133% da produção econômica anual, a segunda maior da Europa depois da Grécia.

Reformar as economias nacionais é essencial para sanar os pontos fracos da zona do euro. Mas pode não ser suficiente. Muitos economistas e autoridades dizem que também é necessária uma maior união entre os 19 países que usam o euro, com um maior compartilhamento dos riscos econômicos e financeiros. As duas opções se tornaram mais difíceis com a ascensão do populismo político e do nacionalismo econômico por toda Europa, que possibilitou o resultado de domingo na Itália.

Tudo isso coloca mais pressão sobre a Alemanha e sua líder, Angela Merkel, para tentar unir uma UE cada vez mais fracionada, ao mesmo tempo em que o Reino Unido se retira do bloco, depois da decisão dos eleitores britânicos no referendo de junho.

Mas a própria Merkel está sendo desafiada pela extrema-direita, limitando seu espaço de manobra. Muitos alemães estão furiosos com a decisão da premiê de acolher mais de um milhão de refugiados no ano passado, assim como os subsídios do país para a endividada Grécia.

Com Hollande de saída — e a Frente Nacional de extrema-direita apresentando um grande desafio na França — o motor franco-germânico tradicional do progresso da UE também está limitado.

Embora Grillo tenha sido fundamental para a vitória do “não”, isso não significa que ele ganhará as próximas eleições. A iniciativa de Renzi foi desfeita por uma coalisão temporária entre o Movimento 5 Estrelas, a Liga Norte nacionalista e os eleitores da direita tradicional e da extrema-esquerda.

Eles votaram juntos no domingo para derrubar Renzi, mas seus interesses na eleição geral podem divergir e não é provável que eles governem juntos, diz Valerio de Molli, sócio-gerente do The European House-Ambrosetti, um centro de estudos de Milão.

Mas mesmo que não cheguem ao governo, Grillo e outros insurgentes estão mudando a política na Europa.

STEPHEN FIDLER

Foto: Beppe Grillo – Líder do movimento populista Cinco Estrelas, é um dos grandes vitoriosos do referendo de domingo na Itália.

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: WSJ

3 Comments

  1. nereu says:

    Ei tiroleza, esta ai o homem que vai chutar a OTAN da Itália

  2. “movimento populista de extrema direita” façam-me uma garapa.

  3. Luis says:

    Novamente: ARTIFICIALISMO. Não tem como dar certo. A Europa é uma colcha de retalhos. Não há remendo que dê jeito. São muitos interesses em disputa. Como dizia Miss Thatcher, ACABOU O DINHEIRO, ACABOU A GRAÇA DOS SOCIALISTAS. Esses engenheiros sociais se esquecem de compor em seus cálculos um fator simples e proponderante da alma humana: o INDIVIDUALISMO. Esse será o calcanhar de Aquiles dos chineses em pouco tempo. As máfias internas corroerão o dragão por dentro.

shared on wplocker.com