Categories
China Conflitos Economia Estados Unidos Geopolítica Negócios e serviços Opinião Rússia

Sob Trump, China pode substituir Rússia como “principal ameaça”

A eleição de Donald Trump como o próximo presidente dos Estados Unidos trará mudanças nas relações internacionais do país, e o deslocamento do confronto global para a esfera econômica tornará novos atritos entre Washington e Pequim inevitáveis.

Trump, que vê proteção do mercado americano como um dos pilares para defender os interesses nacionais, pretende introduzir medidas protecionistas contra a China, o que pode causar um sério golpe à economia do país e conferir à Rússia não só uma nova chance de suspender as sanções, mas também restaurar as relações com o Ocidente.

Embora ainda faltem dois meses até que Trump assuma o mandato, os mercados de capitais do mundo inteiro já começaram a se preparar para a chegada do novo líder americano.

O presidente russo, Vladímir Pútin, foi um dos primeiros líderes mundiais a felicitar Trump por sua vitória, e diversos oficiais em Moscou expressaram sua satisfação com a iminente mudança de poder em Washington.

Trump pós-campanha

Ao contrário do entusiasmo em Moscou, Pequim apresentou uma reação muito mais reservada. O porta-voz oficial do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, expressou a esperança de que a nova liderança norte-americana “tenha uma visão objetiva das relações comerciais e econômicas” entre os dois países.

A declaração de Kang foi dada, porém, a pedido de jornalistas que questionavam a posição de Pequim sobre algumas das declarações linha dura de Trump durante sua campanha.

Acredita-se, na China, que os principais dividendos do comércio bilateral recairão sobre Pequim, em vez de Washington, já que o presidente recém-eleito dos EUA afirmou repetidas vezes que, caso fosse eleito, iria mudar o estado das relações para proteger ativamente os interesses das empresas norte-americanas.

“Se não fosse para o benefício de ambas as nações, teria sido impossível chegar ao nível atual de comércio. É por isso que a cooperação comercial e econômica entre a China e os EUA é mutuamente benéfica”, reiterou Kang, antes de acrescentar que, em 2015, o comércio bilateral havia atingido a marca dos US$ 560 bilhões.

Segundo o diplomata chinês, de sua parte, Pequim espera que Trump defina uma posição clara sobre alguns dos assuntos mais delicados nas relações bilaterais que dizem respeito à segurança, incluindo a implantação do sistema de defesa antimísseis THAAD na Coreia do Sul e as disputas territoriais no mar do Sul da China.

Pragmatismo acima de ideologia

Especialistas acreditam que a eleição de Trump abra uma perspectiva para a Rússia de não ser mais percebida nos Estados Unidos como seu principal inimigo em potencial.

“Na China, há preocupação de que, sob o governo de Donald Trump, as relações entre Washington e Pequim se deteriorarem, e essas preocupações são justificadas, embora tal cenário ainda não possa ser considerado definitivo”, sugere Aleksandr Lomanov, pesquisador-chefe da Instituto do Extremo Oriente da Academia Russa de Ciências.

Lomanov ressalta também que muitas contradições políticas se acumularam nas relações entre os dois países durante a presidência de Barack Obama, entre elas a situação no mar do Sul da China, a defesa de aliados asiáticos da “ameaça chinesa” e as crescentes tensões em torno de Hong Kong.

Segundo Maksim Sutchkov, do Conselho Russo de Relações Exteriores, Moscou tem expectativa de ver, sob a futura administração norte-americana, “um novo sistema de prioridades de segurança nacional em que a principal ameaça não será a Rússia”.

Opinião semelhante é ecoada por Vladímir Sotnikov, que dirige o Centro Rússia-Oriente-Ocidente para Estudos Estratégicos e Análise.

“Vocês se lembram quem Barack Obama citou como os principais inimigos dos EUA? Rússia, Estado Islâmico e ebola”, diz Sotnikov, acrescentando ser “improvável” que adira à mesma abordagem em relação ao Kremlin.

“Ele [Trump] se guia mais por pragmatismo do que ideologia; ele percebe que a Rússia não representa nenhuma ameaça aos interesses vitais dos Estados Unidos. Esses interesses vitais não residem no território da ex-União Soviética, na Ucrânia, mas em regiões completamente diferentes”, defende Sotnikov.

“Isso significa que está se abrindo um caminho para estabelecer um diálogo com Moscou e para possíveis negociações geopolíticas com as quais o governo democrata na Casa Branca nunca teria concordado.”

SERGUÉI STROKAN / MAKSIM IÚSSIN

Foto: UPI/Barcroft Imagens – Jornal chinês estampa na primeira página vitória de Donald Trump na eleição presidencial dos EUA.

Com o jornal russo Kommersant

Edição: konner@planobrazil.com

Fonte: Gazeta Russa

2 replies on “Sob Trump, China pode substituir Rússia como “principal ameaça””

Relojoeirosays:

É um mal necessario… A esquerda precisa de mais nacionalismo e fragmentação para crescer. O atual concerto do mundo está esquisito ate para a Direita… não acredito em teorias da conspiração… mas hoje não dá pra seber qual é a desses burocratas europeus, esses caras são vazios e falsos, parecem marionetes de alguém. Melhor os Direitistas e Nacionalistas como adversários, o confronto é mais sincero.

O que? Serguei Strokan lendo o Plano Brasil? eu ja escrevi sobre esse assunto uma tres semanas passada, quando disse que Trump ve China como o grande terror para os EUA,que ele vai tentar separar Russia da alianca que ela tem com China. Quero ver como vao os Chinos reagirem com a intencao de Trump mandar o FED imprimir varios trilhoes de dolares para ele pagar a despesa com a reforma da s infraestrutura e gastos militares que faz parte do seu programa governamental. Tem uma materia no Zero Hedge de hoje dizendo que os Chinos e os Saudistas estao retornndo centenas de bilhoes de dolares em titulos do Tesouro dos EUA. O proximo ano pode ser deveras interessante

Comments are closed.