Defesa & Geopolítica

Em apoio a decisão da OPEP, Rússia congelará produção de petróleo

Posted by

Ministros dos países da OPEP chegaram a um acordo sobre o limite de produção de petróleo durante uma reunião informal em Argel, capital da Argélia, na última quarta-feira (28). Pela primeira vez desde 2008, a organização definiu um limite de produção para o produto: 32,5 milhões de barris por dia, ou seja, um milhão de barris a menos do produzido em agosto.

O ministro da Energia da Rússia, Aleksandr Novak, declarou que Moscou está disposto a apoiar a iniciativa dos membros da OPEP e outros países produtores. “Sempre fomos muito flexíveis”, declarou Novak.

Segundo ele, os limites sobre a produção impostos pelos países produtores de petróleo valerão por cerca de seis meses.

Um acordo final sobre o congelamento será assinado pelos membros da OPEP durante a reunião oficial da organização, em 30 de novembro.

A Rússia sempre apoiou o congelamento da produção de petróleo. Em 5 de setembro, durante a Cúpula do G-20 na China, o país já havia assinado com a Arábia Saudita um memorando para buscar manter a estabilidade do mercado de petróleo e garantir um nível sustentável de investimentos.

O documento foi assinado pelo ministro da Energia da Rússia, Aleksander Novak, e seu homólogo saudita, Khalid Al-Falih.

Logo após a decisão, os preços do petróleo tipo Brent subiram em 6%, o que provocou o fortalecimento das moedas nacionais dos países produtores de petróleo, principalmente do rublo.

“Assim, em 29 de Setembro, os mercados cresceram de forma constante: o indicador japonês Nikkei aumentou 1,4%, o chinês Shanghai Composite – 0,33%, o MICEX russo – 1,2%, enquanto as ações da empresas petrolíferas listadas em Wall Street cresceram 4%”, diz o diretor do banco Ultima, Vitáli Bagamanov.

“No entanto, não vamos nos empolgar com essa decisão, já que o aumento dos preços do petróleo deve durar por um curto período”, diz o analista do Sberbank, Valéri Nêsterov.

Na opinião de Nêsterov, Brasil, Canadá, Noruega, EUA e México não apoiarão a decisão da OPEP.

Além disso, os efeitos do congelamento poderão ser nivelados pelo aumento da produção em outros países.

“Diversos produtores de petróleo que não são membros da OPEP continuam estabelecendo novos recordes nos volumes de produção. Em 2017, o Cazaquistão pretende começar a explorar a maior jazida o mundo, a Kashaghan”, diz o gerente de ativos da consultoria financeira Leon Family Office, Artiom Kalínin.

De acordo Nêsterov, porém, a decisão da OPEP causará oscilações no mercado de petróleo que devem prevalecer por vários anos.

“O mercado não é capaz de manter os altos preços do petróleo. Assim, os produtores de petróleo de xisto norte-americanos têm um papel decisivo, já que conseguiram reduzir o custo médio do produto de 25% a 50%. Como resultado,  preços superiores a US$ 50 por barril levarão a um aumento da produção do petróleo de xisto nos EUA e à consequente queda dos preços”, explica Nêsterov.

“Não devemos esperar mudanças radicais no mercado de petróleo ou uma redução substancial da produção. A demanda por petróleo está crescendo de forma estável e estimula os produtores a aumentar os volumes de produção”, completa Kalínin.

KIRA EGOROVA

Foto: © Christian Hartmann / Reuters

Edição: Konner/Plano Brasil

Fonte: Gazeta Russa

6 Comments

  1. S-88 says:

    Realmente é uma alegria ver o poder do cartel da OPEP se desvanecer……

    Usaram de seu poder de forma criminosa em 1973, jogando as economias do ocidente em demoradas crises como represálias pelo fato dos exércitos agressores árabes estarem sendo impiedosamente surrados pelos israelenses na guerra do Yom Kippur.

    De lá para cá a riqueza auferida com a venda do petróleo foi usada de forma indigna por esses países bancando luxo e ostentação como no caso das monarquias do Golfo e programas populistas de assistencialismo barato como no caso da Venezuela Chavista.

    Mas o mundo e o mercado do petróleo mudaram. Novos produtores surgiram como é o caso de Noruega, Canadá, Brasil (apesar do ParTido) e em especial os EUA com o xisto. Esse último, como maior produtor e consumidor, simplesmente passou a deter o poder de estipular os preços. E uma vez que possuem a economia diversificada e precisam de petroleo barato para o setor manufatureiro, vão botar pressão para manter o preço baixo.

  2. luiz anselmo pias perlin says:

    E nós como proprietarios da maior reserva de niobio e sendo auto suficiente em petroleo nos sujeitando aos desejos das super potencias.

    • Warpath says:

      PIOR! Sujeitando-nos ao nosso sistema político corrompido e à nossa classe política vagabunda…

      • luiz anselmo pias perlin says:

        Warpath vagabunda e bomdade de sua parte.

      • Gary says:

        Em sua maioria formada por socialistas.

  3. Gary says:

    Claro que congelará. Seria tolice não faze-lo. Estavam sangrando pelos oleodutos e empobrecendo. Agora terão mais dinheiro em caixa e menos petroleo esvairá dos canos. Ruim para os consumidores que verão o valor da gasolina e derivados aumentarem no mundo todo. Bem que a OPEP tentou falir as empresas americanas de petróleo, mas não conseguiram. Elas seguem operando no azul. Ainda mais agora com essa valorização do petroleo, resultado do congelamento da produção pela OPEP.

shared on wplocker.com