Defesa & Geopolítica

Rússia pode re-configurar o bombardeiro Su-34 em uma aeronave de ataque “blindada”

Posted by

su34Tradução e adaptação E.M.Pinto

Segundo a agencia de notícias Russa, TASS, a Rússia pode re-configurar o seu caça bombardeiro Sukhoi Su-34 em uma aronave de ataque blindada.O projeto para desenvolver um avião de ataque blindado partindodo zero tendo o Sukhoi Su-34 como base será lançado em 2018.

“No futuro, pode ser que esta aeronave seja o substituto do Su-2, e nós vamos chegar a uma gama de diferentes modificações do Su-34”. afirmou em  junho deste anoo comandante das Força Aeroespaciais Russa, comandante Viktor Bondarev.

O Sukhoi Su-34 (OTAN- Fullback) foi desenvolvido principalmente para o papel de ataque em substituição ao Su-24, trata-se de uma aeronave derivada do Su-27 Flanker, facilmente distinguidos pela sua cabine lado-a-lado e pelo seu carcaterístico nariz de “ornitorrinco”.

Fonte: Defence Blog

12 Comments

  1. Topol says:

    Aeronave da foto está armada com dois R-73 (WVR) nas pontas das asas, dois R-27R (BVR) nos subalares ( o R-27 “R” não tem o conjunto de aletas adicional na frente), dois Kh-31 sob a fuselagem (pode ser o anti radar ou o anti navio) e há mais um míssil na estação central… pelo formato parece ser um KH-59MK anti navio… incrível esta configuração do SU-34, está fortemente equipado para atacar um grande navio e ainda prover sua auto defesa sozinho.

  2. Warpath says:

    “No futuro, pode ser que esta aeronave seja o substituto do Su-2”

    Su-2 ou Su 25?

  3. JPC says:

    O avião é projetado para ser supersônico, não pode fazer o que um o Su-25 faz. Além de ser muito mais caro para esse tipo de missão onde as baixas tendem a ser maiores.

    • Topol says:

      Não é porque ele foi projetado com capacidade supersônica que ele não possa realizar Close Air Suport… o SU-34 pode realizar essa tarefa com excelencia se estiver equipado com o pod designador Sapsan-E e com o APK-9 datalink… estes dois casulos fornecem condições para o SU-34 poder empregar praticamente todo o arsenal de armas guiadas de precisão russas, inclusive foguetes não guiados em mergulho, e também o KH-29 anti tanque, assim como é feito com o SU-25

      http://www.ausairpower.net/XIMG/Su-32FN-Weps-PLA-N.png

      • JPC says:

        Pode, Topol. Tanto quanto um F-15 blindado pode fazer o mesmo que um A-10.

        Aerodinâmica dele é feita para ganhar velocidade, não é um plataforma ideal para mergulhar em direção ao solo disparando foguetes ou canhão. Não vai fazer tão bem quanto um Su-25 que pode voar mais devagar e fazer curvas fechadas a 50 m de altura.

        Sem contar o tamanho e a assinatura muito maior que um Frogfoot. Se os russos quiserem podem adapta-lo para qualquer coisa, mas nunca vai ser como um avião especializado.

      • rprosa says:

        Degol , mas o F-35 também foi desenvolvido para ser supersônico e sera o responsável por CAS, agora me explica porque o F-35 pode fazer CAS com a mestria mais de 50 km de distância e o SU-34, não pode, será que é pelo fato dele ser russo?

      • Warpath says:

        rprosa, acho que tem haver com o tamanho do Su-34. Ele é um gigante e, no caso, o F-35 é bem menor. Também não vejo o Su-34 como um bom CAS. E a reportagem tá mal elaborada… Su-34 para substituir o Su-2?? O Su-25 é menor e mais apropriado para a função e acho q seria bacana ele ganhar um ‘irmão’ mais jovem 😉

        Sds.

      • JPC says:

        O F-35 vai fazer CAS normalmente em altitude segura, e não a baixa altitude com blindagem.

        É estranho colocar um avião desses, grande e caro, para disparar foguetes ou canhão dentro do envelope do stinger ou Igla.

        Assim como o f-35 nunca será um A-10.

      • rprosa says:

        Não a afirmativa foi de que o SU-34 não pode fazer CAS porque é supersónico ou vai desdizer o que disse:

        “O avião é projetado para ser supersônico, não pode fazer o que um o Su-25”

        Não adianta tergiversar e falar que não quiz dizer ta lá escrito e outra alguém aqui sabe o que é esta nova doutrina russa que tenciona usar o SU-34 como CAS, acredito que não seja o clássico CAS, com voos a baixa altura e metralhando a oposição em solo, mas sim o uso do SU-34 em ambiente contestado, com forte proteção AA e radar, usando de armas inteligentes e stand off.

      • JPC says:

        Onde o colega leu “que o SU-34 não pode fazer CAS “?

        Eu disse “”””não pode fazer o que um o Su-25 faz””””

        Me referia as características de voo do su-25 e a capacidade de operar em pistas precárias.

        Assim como o F-35 não faz tudo que um A-10 faz.
        Não entendi porque eu iria desdizer alguma coisa.
        Até o B-1B é usado para CAS no Afeganistão.

        “”mas sim o uso do SU-34 em ambiente contestado, com forte proteção AA e radar, usando de armas inteligentes e stand off.””

        Isso já não é o que um Su-25 faz, por exemplo.

        É estranho o texto sugerir que o Su-25 possa ser substituído por um avião de 38 toneladas.

        Só quis dizer que são de categorias completamente diferentes, não desmereci o Sukhoi em nada.

  4. Henrique says:

    O Brasil perdeu diversas oportunidades ao longo da historia quando países mais desenvolvidos tecnologicamente entrarem em crise para poder absorver tecnologias e mao-de-obra especializada. Aparelhos como os acima além de diversos outros poderiam estar sendo desenvolvidos em parceria com empresas brasileiras, mas a crise pare eles passou, como passou para o Japao, EUA, Espanha entre outros e a tal “puthenfia” nao aproveitou nada disso … agora a crise esta aqui, mais forte pois nao e só econômica e sim moral e institucional …

  5. _RR_ says:

    Amigos,

    No que diz respeito a CAS, isso pede por uma aeronave que seja o mais simples e robusta o possível, visto estar em contato direto com o adversário… Logo, nem o Su-34, F-35 ou F-15 são teoricamente os mais adequados pra isso…

    Mas ocorre que, não demora, e essa atividade de suporte as tropas somente poderá ser exercida a partir de média altura…

    MANPADS e armas de cano tornam ataques a baixa altura dessa natureza algo extremamente perigoso, logo ao ponto de fazer com que essa faixa seja quase intransitável. Isso, hoje, já está se tornando uma realidade, e a tendência é piorar, quer seja em cenários assimétricos ou convencionais… Em suma, ataques a tiro de canhão, como se faz com A-10 e Su-25 podem vir a se tornar impraticáveis, restando somente atacar de posições cada vez mais altas.

    Antes de decidir o que é o que, penso ser prudente analisar os casos.

    Cenário convencional com disputa ou negação do espaço aéreo adversário ainda em vigor: aqui, deve haver um tipo de alta performance. F-35, F-15, Rafale, etc…

    Cenário convencional com espaço aéreo dominado ( caça adversária e ameaças de média altura neutralizadas ): nesse caso, já podem atuar aeronaves de performance variada, mas que carreguem pesadas cargas. A-10 e Su-25 podem entrar aqui, mas o farão atacando de altitudes superiores aos 5000 metros, com munição de precisão. Se ainda houver forte resistência no solo, então o tempo de reação ainda é importante, o que implica em tipos subsônicos.

    Cenário assimétrico: já aqui, os focos de resistência normalmente são pontuais; não há ameaça de aeronaves adversárias e a anti-aérea se resume a canhões convencionais ou MANPADS ( eventos mais raros ). Portanto, aeronaves de baixa performance, com sua carga limitada, podem atuar, mas também é conveniente que atuem a média altura, fazendo uso de armas de precisão. Não pra menos se projeta que essas funções sejam tomadas por drones; muito mais baratos de adquirir e operar. Se houver um cenário assimétrico muito degenerado (ex: Síria ), então é plausível o uso de aeronave a reação, que levam mais cargas. E se se precisa de tempo de permanência em determinada área, tipos como o KC-130J “Harvest Hawk” são plenamente empregáveis ( já havendo adaptação, inclusive, para lançamento de munições guiadas a partir dessas plataformas )…

    Ainda falando acerca de cenários assimétricos, existem outras modalidades que poderiam vir a ser aplicadas para garantir apoio a tropas terrestres. Foguetes guiados disparados de terra, bombas alto-propulsadas lançadas de terra ( ex: GLSDB ) logo também podem/poderão ser consideradas alternativas muito menos custosas que mobilizar aeronaves para apoio a forças em solo em várias situações em território ocupado.

    GLSDB:
    https://www.youtube.com/watch?v=SmUU1SUDeAo&feature=youtu.be

    KC-130J “Harvest Hawk”:
    https://www.youtube.com/watch?v=hIodcKSIARU

shared on wplocker.com