Fragata “Almirante Makarov” é transferida para os testes de mar

 Frigate

Rustam par ao Plano Brasil

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

Em 09 de julho de 2016, partindo de Kaliningrado do JSC Yantar no Báltico foi transferida para os testes de mar a terceira  fragata de patrulha da Marinha Russa, a ” Almirante Makarov “, navio modificado do Project 11356 (por vezes referido como o project 11356R ou 11357).

A Fragata deixará o Báltico rumo aos teses no final de julho, modificado primeira saída para o ZHI navio de Baltiysk é esperada antes do final de julh.

A “Yantar”Shipyard  em Kaliningrado concluiu dois contratos sequenciados de três navios cada foram assinados pelo estaleiro com o Ministério da Defesa.

Os respectivos contratos possuem número 704/27/2 / PMC / SC / 1176-10, de 28 de Outubro de 2010 (três primeiros navios) e  W / 1/1/0553 / GK-11-DGOZ de 13 de Setembro de 2011 (três últomos). O custo de cada contrato é de cerca de 40 bilhões de rublos algo em torno de US$ 624 milhões. Todos os seis navios inicialmente são previstos para equipar a frota do Mar Negro.

A “Almirante Makarov” é o terceiro navio de número de série 01359 e teve a sua quilha batida no “Yantar” em 29 de fevereiro de 2012, o navio foi lançado ao mar em  3 de Setembro de 2015.

O navio Cabeça de série, a fragata “Almirante Grigorovich” (número de série 01357) foi lançada no Yantar em 18 de dezembro de 2010, e lançada ao mar em 14 de Março, 2014, mudou-se de Kaliningrad no Báltico em 08 de abril de 2015 e e iniciou os testes de mar em 24 de abril de 2015.

A Grigorovich, foi foi mais tarde introduzida na Marinha Russa em 11 de março de 2016 e em 09 de junho de 2016 chegou à base em Sevastopol. O segundo navio “Almirante Essen” (número de série 01358) teve a quilha batida no “Yantar” em 08 de julho de 2011, e foi lançada no dia 7 de novembro de 2014. A fragata foi transferida de Kaliningrad no Báltico em 16 de outubro de 2015, iniciando os ensaios em 5 de novembro de 2015 e foi transferido para a Marinha da Rússia 07 de junho de 2016.

A construção da Almirante Istomin e Admiral Kornilov estão suspensas enquanto se aguarda a montagem do sistema de propulsão. Também no Yantar encontram-se em construção as  fragatas do segundo lote “Almirante Butakov” cuja quilha foi batida em 12 de julho de 2013, e lançada no dia 02 de março de 2016 com número de série 01360. A “Almirante Istomin”, Batimento de quilha em 15 de novembro de 2013, número de série 01361 e a “Almirante Kornilov” (cuja quilha ainda não foi  batida mas terá o número de série 01362.

 

9 Comentários

  1. Essa fragata sozinha deve ter mais poder de fogo que toda a Marinha do Brasil ….

    Alguém sabe dizer se ela esta apta a lançar os Kalibr?

    Deagol?

  2. Interessante a classe ‘Grigorovich’.

    Acho-a bem equilibrada no que diz respeito a armas. A propulsão COGAG também me agrada. Aliás, essa parece ser uma tendência para os novos navios russos.

    Acredito que os russos acertaram com ela e a classe ‘Gorshkov’, muito embora esta ultima tenha claramente um papel anti-submarino ao levar um sonar rebocado, sendo também melhor apta a missões longe da costa.

    Uma ideia mais racional, diriam alguns, seria uma força de alto mar com navios dentro das 6000 toneladas. E até estariam certos em certa medida… Mas no caso específico dos russos, duvido que o façam, pois sentem a necessidade de estarem presentes além de suas águas, o que implica em uma nova família de navios nucleares, ou ao menos navios convencionais acima das 8000 toneladas…

  3. US$ 624 milhões por três fragatas modernas e bem armadas e nos vamos gastar 450 milhões por uma corveta Barroso Mod II.

    • Os armamentos e sistemas são negociados a parte, o custo de um navio deste pronto para operação ronda os 700 milhões e sim é bem abaixo do que esperado, mas nem tanto, uma FREMM gira em torno de 800 a 900 milhões de dólares.

  4. Pelo visto os russos conseguiram destravar o embargo da planta propulsora ucraniana usada no projeto 11356 Grigorovich… tempos atrás os russos estavam até procurando comprador para três cascos inacabados deste modelo… ou será que implantaram uma solução caseira para a propulsão ?

  5. Essa já é a terceira fragata classe Grigorovich comissionada e ainda há mais duas em construção… fora as seis classe Talwar indianas que são basicamente o mesmo projeto

Comentários não permitidos.