Assad ridiculariza estratégia de bombardeios de Cameron

Bashar al-Assad: "Eles vão falhar de novo", disse o presidente da Síria
Bashar al-Assad: “Eles vão falhar de novo”, disse o presidente da Síria

Londres — Os ataques aéreos britânicos sobre o Estado Islâmico vão falhar em derrotar os militantes do grupo, disse o presidente da Síria, Bashar al-Assad, em entrevista ao jornal Sunday Times na qual ridicularizou a estratégia do primeiro ministro do Reino Unido, David Cameron, para a região.

O Poder Legislativo britânico aprovou o bombardeio de alvos do Estado Islâmico da Síria na quarta-feira. Horas depois, a força aérea do país atacou campos de petróleo que o governo de Cameron diz que estão sendo utilizados para financiar ataques contra o Ocidente.

Falando em uma entrevista realizada antes da votação no parlamento, cujo resultado havia sido amplamente antecipado, Assad disse que a estratégia de Cameron tornaria a situação pior, e não melhor.

“Eles vão falhar de novo”, disse. “Você não pode cortar uma parte de um câncer. Você tem que extraí-lo. Esse tipo de operação está como que retirando uma parte de um câncer. Isso vai fazê-lo se espalhar pelo corpo mais rápido”. A polícia de Londres disse que está tratando um esfaqueamento no sábado como um incidente terrorista, depois de um homem com uma faca atacar outro, gritando, segundo a imprensa britânica, “isso é pela Síria“. Assad ridicularizou a afirmação de Cameron de que existem cerca de 70 mil combatentes da oposição na Síria apoiados pelo Ocidente que poderiam abrir uma solução política para a guerra civil e retomar território de jihadistas enfraquecidos pelos ataques aéreos.

“Este é um novo episódio de uma longa série de farsas clássicas de David Cameron… onde estão eles? Onde estão os 70 mil moderados de quem ele está falando? Não há 70 mil. Não há nem 7 mil”. Cameron se opõe ao governo de Assad na Síria, onde mais de quatro anos de guerra civil forçaram milhões de refugiados a fugir do país. Em 2013, Cameron havia falhado em obter aprovação do parlamento para ataques aéreos às forças de Assad.

Fonte: Exame

7 Comentários

  1. Off topic:
    Esta muito difícil, e até desistimulante, postar comentários quando a edição deles é super demorada. A demora ocasiona até que o tópico a ser comentado e recomentado já esteja na área de páginas antigas.

    A não ser que isso aconteça só comigo…
    E os outros comentaristas não sofram com este aborrecimento.

    Uma das principais atrações da internet é a interatividade. Infelizmente essa participação, interação, dos leitores do Plano Brasil anda muito complicada.

    Mas se o problema é meu computador cancelem tudo o que observei acima…
    E sempre desejando o maior sucesso e felicidades para todos do Plano Brasil, o site brasileiro de assuntos de Defesa nacional e internacional mais democrático deste país.

    • Não é só com vc, amigo… creio que seja falta de tempo dos Srs. editores em liberar os coments… eles também tem direito ao final de semana… tenhamos paciência… saudações…

  2. ViventtBR,

    Também concordo contigo. PB está demorando demais para liberar os comentários e isso acaba desestimulando a comentar. Os comentários nos post está demorando 24 horas para ser liberado..
    Não consigo entender tanta demora para liberar simples comentários. Esse excesso de controlado exagerado está atrapalhando PB. A maioria que comentam já são antigo e não entendo esse controle exagerado…

  3. Infelizmente a arrogância e prepotência dos francos e dos anglos-americanos lhes tem resultado, nos últimos anos, só em equívocos estratégicos no Oriente Médio.
    As considerações do Assad estão corretas…

    No caso dos russos eles estão trabalhando em conjunto com o governo formal do Assad, nas suas operações de combate contra os radicais do ISIS. Ou seja, estão fazendo um trabalho com coordenação local, e apoiando a reestruturação política da Síria no meio do caos criado pelos terroristas maliciosamente germinados.

    No caso dos americanos e membros da OTAN, e seus bombardeios atuais na Síria, eles estão jogando centenas de toneladas bombas em cima de possíveis alvos importantes, porém atualmente numa estratégia dissociada de nenhuma liderança síria factível e séria. O que resulta em apenas mais ódio e caos generalizado.

    Não há mais estrategistas coerentes, neste século 21, com um mínimo de bom senso, na OTAN?



    Pois é bobsap, abraço!!

Comentários não permitidos.