Defesa & Geopolítica

MCDONNELL DOUGLAS F-15C EAGLE. A destemida aguia da América

Posted by
F-15 6
Velocidade de cruzeiro: 1000 km/h
Velocidade máxima: 2650 km/h
Razão de subida: 15240 m/min
Potência: 1,15
Fator de carga: 9 Gs
Taxa de giro: 22º/s
Razão de rolamento: 240º/s
Raio de ação/alcance: 1967 km/ 5550 km (com tanques conformais e 3 tanques externos)
Alcance do radar: AN/ APG-63(V)3: 230 Km contra alvos aéreos de 5m2 de RCS
Empuxo: 2 X Pratt and Whitney F-100-220 com 10810 kgf de empuxo com pós combustor.
DIMENSÕES
Comprimento: 19,43 m
Envergadura: 13.05 m
Altura: 5,63 m
Peso vazio: 12700 kg (vazio)
ARMAMENTO
Ar Ar: Míssil AIM-120C Amraam, AIM-9M/ X Sidewinder.
Ar terra: Bombas JDAM (todas), Bombas paveway (todas).
Interno: 1 canhão General Electric M61A1 de 6 canos de 20X102 mm.

Por Carlos E.S.Junior

DESCRIÇÃO
O caça F-15 Eagle representa um marco na história da aviação de combate e se tornou uma lenda viva. Sua história começa nos anos 60 do século passado quando surgiram as primeiras informações de um “novo” caça soviético que foi chamado de MIG-25 Foxbat. As informações que se tinham eram escassas mas davam conta que era uma aeronave extremamente rápida (mach 3) e seu desenho sugeria (equivocadamente) que poderia se tratar de um caça com boa capacidade de manobra. Essa descrição vinda de fontes de inteligencia causou pavor no departamento de defesa dos Estados Unidos que já estavam tendo graves problemas com seus complexos caças F-4 Phanton na guerra do Vietnã, onde o modelo estava sofrendo com a manobrabilidade maior de caças simples e bem mais leves fornecidos pelos soviéticos ao Vietnã do Norte, como os MIG-17 e MIG-21. A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) solicitou que as industrias aeronáuticas norte americanas apresentassem  propostas de um novo caça que preenchesse os seguintes requisitos em relação a seu antecessor F-4 Phanton
  • Tivesse velocidade maior;
  • Que fosse bem mais ágil e manobrável;
  • Tivesse maior alcance sem necessidade de ser reabastecido;
  • Tivesse razão de subida muito maior;
  • Aceleração mais rápida.
Como se pode ver pelos requisitos, o comando da USAF queria um super caça, algo que pudesse superar com folga qualquer caça soviético e mesmo de outros países por muitos anos. O nome desse programa de desenvolvimento foi FX e foram selecionados para esta concorrência a McDonnel Douglas, a Fairchild Republic e a North American Rockwell, sendo que o vencedor acabou sendo a poderosa McDonnell Douglas com seu caça F-15 Eagle. Logicamente o resultado de uma aeronave com tantas qualidades não saiu barato e o F-15 se tornou uma aeronave muito cara o que levou a USAF a buscar uma aeronave mais leve e simples que acabou se tornando o F-16 já descrito neste site
cima: Um dos primeiros protótipos do F-15A Eagle. Nessa época o Eagle já representava um salto qualitativo importantíssimo na letalidade da aviação de combate norte americana.

Acima: Um dos primeiros protótipos do F-15A Eagle. Nessa época o Eagle já representava um salto qualitativo importantíssimo na letalidade da aviação de combate norte americana.

A versão do Eagle que tratarei nessa matéria é o F-15C, versão destinada a superioridade aérea e com diversas modernizações que tem permitido ao Eagle ser uma plataforma de armas válida mesmo nessa segunda década do século XXI.

O F-15C Eagle representa um dos mais importantes meios de superioridade aérea da USAF com 159 unidades operacionais. O modelo está equipado com dois motores Pratt & Whitney F-100-PW-220 que fornecem uma potência de 10810 kgf com pós combustor e 6655 kgf com empuxo seco. Esse motor é uma versão do modelo original F-100-PW-100, que tem como melhoria a operação de um controle eletrônico digital do motor DEEC que aumenta a confiabilidade e eficiência. Com essa propulsão, e um peso de 18800 kg apenas com o combustível interno, a relação empuxo peso supera a unidade chegando a 1,15, o que permite uma aceleração bastante rápida, assim como acelerações mesmo em subida vertical. Em termos de manobrabilidade, o F-15C foi na epoca de sua entrada em serviço começo dos anos 80, uma das mais manobráveis aeronaves do mundo, porém, hoje, seu desempenho é inferior a os caças delta canards europeus (JAS-39C Gripen, Dassault Rafale e Eurofighter Typhoon), aos caças russos MIG-29 Fulcrum e  poderoso Sukhoi Su-27/ 30 e 35S Flanker. Assim, sendo, sua taxa de giro instantânea é de 22º/seg a velocidade de mach 0,7 (850 km/h) e puxando uma curva de 9 Gs (seu limite estrutural). Por outro lado, a razão de subida do F-15C que atinge 15240 m/min é, ainda, um parâmetro de comparação para novos caças.
O F-15C Eagle foi o primeiro dentre todas as versões desta família de caças a poder receber os tanques de combustível conformais (CFT) com capacidade para 3215 litros, mais bem conhecidos na versão mais recente chamada F-15E Strike Eagle dedicado a missões de bombardeiro, além de ter a capacidade de transporte de combustível interna ampliada em relação ao modelo F-15A em bem vindos 825 litros de querosene JP8. Isso permitiu um alcance de translado de cerca de 5550 km quando com mais 3 tanques externos com 2271 litros de combustível cada.
Acima: Os dois motores P&W F-100-PW-220 fornecem juntos 21620 kgf de força ao F-15 que com peso menor de 20000 kg consegue uma relação peso potência que excede a unidade. Por isso o F-15 decola rápido e com pouca pista (275 metros).

Acima: Os dois motores P&W F-100-PW-220 fornecem juntos 21620 kgf de força ao F-15 que com peso menor de 20000 kg consegue uma relação peso potência que excede a unidade. Por isso o F-15 decola rápido e com pouca pista (275 metros).

O F-15C está equipado com um sistema de intercambio de dados (Data Link) MIDS-FDL (Multifunctional Information Distribution System: Fighter Data Link ), fornecido pela BAE Systems, que permite ao Eagle interoperabilidade total com o sistema Link 16, padrão da OTAN. Dessa forma, o piloto pode receber e enviar dados do alvo, posição dos aviões aliados e dos inimigos aumentando a sua consciência situacional sobre o campo de batalha. O F-15C teve, inicialmente, um radar AN/APG-63 PSP (programmable signal processor) e logo na sequência começaram a receber uma versão melhorada deste radar chamado de APG-63(V)1 que permitiu maior facilidade de modernizações, maior confiabilidade e maior capacidade de lidar com alvos múltiplos. Posteriormente, 18 F-15C receberam uma versão deste radar com antena de escaneamento eletrônico ativo (AESA) conhecido como AN/APG-63(V)2 que elevou ainda mais a capacidade de combate além do alcance visual do F-15C. Porém, a ultima versão deste radar a entrar em operação e que deve se manter como o radar definitivo dos F-15C que serão usados até 2035 é o AN/APG-63(V)3, que usa a mesma tecnologia de escaneamento eletrônico ativo encontrada no moderno radar do caça naval F/A-18E/F Super Hornet (bem conhecido de nós por causa do programa FX-2 da Força Aérea Brasileira). Este poderoso radar tem alcance de 230 km contra um alvo do tamanho de um caça (5m2) e pode engajar até 8 alvos simultaneamente. usando mísseis AIM-120 Amraam de gerações mais recentes dos quais falarei mais abaixo quando tratar do armamento do F-15C.

Para guerra eletrônica, o F-15C está equipado com um sistema interno de interferência ativa conhecido como AN/ALQ-135 que atua contra os sensores hostis dificultando que os radares inimigos consigam travar no F-15. Este sistema também é usado pela versão F-15E Strike Eagle. Também está instalado no F-15C um sistema de alerta de radar (RWR) AN/ALR-56 que além de informar o piloto quando seu caça estiver sendo rastreado por um radar hostil, também o classifica como amigo ou inimigo (função IFF) e tem capacidade de apontar o provável tipo de inimigo que está na espreita.
O F-15C, como a grande maioria dos caças modernos, tem um lançador de iscas flares e chaffs para despistar mísseis guiados a calor e a radar, respectivamente.. No caso do F-15C, o lançador é um AN/ALE-45.
Acima: O novo radar AN/APG-63(V)3 de escaneio eletrônico ativo (AESA) aumentou significativamente a capacidade do F-15C Eagle na arena fora do alcance visual.

Acima: O novo radar AN/APG-63(V)3 de escaneio eletrônico ativo (AESA) aumentou significativamente a capacidade do F-15C Eagle na arena fora do alcance visual.

Acima: O cockpit dos F-15C é o mais analógico dentre todas as versões operacionais do Eagle. Existem programas de modernizações disponíveis para substituir todos esses instrumentos por uma tela única touchscreen mas por enquanto a USAF não adotou essa configuração.

Acima: O cockpit dos F-15C é o mais analógico dentre todas as versões operacionais do Eagle. Existem programas de modernizações disponíveis para substituir todos esses instrumentos por uma tela única touchscreen mas por enquanto a USAF não adotou essa configuração.

O F-15C é usado para missões ar ar como interceptação e escolta. Para isso, seu armamento é específico para esse tipo de situação e você não vai ver um modelo “C” armado com armamento ar superfície como bombas, foguetes ou mísseis de ataque terrestre. Para isso há a versão de bombardeiro F-15E Strike Eagle. Sendo assim, o arsenal disponível para o F-15C começa com seu canhão com 6 canos rotativos General Electric M-61A1 Vulcan em calibre 20 X 102 mm, capaz de “descarregar” 6000 (seis mil) tiros por minuto sobre o alvo. Esse armamento é empregado a distancia de menos de 1000 metros o que em combate aéreo pode ser considerado a “queima roupa”. Para engajar alvos não tão próximos, mas ainda dentro do alcance visual, são empregados o famosíssimo míssil AIM-9X Sidewinder que é guiado pelo calor do alvo. A versão AIM-9X é a ultima deste bem testado armamento ar ar e possui um alcance máximo (cinético) de 26 km, porém é mais comum ser empregado entre 2000 a 15000 metros de distancia do alvo. O sensor de calor é capaz de buscar alvos a 90º de abertura para cada lado, o que lhe dá uma das melhores capacidade off boresight dentre todos os mísseis com essa capacidade. O sensor do míssil opera integrado ao visor montado no capacete do piloto (HMD) de modelo JHMCS, que pode selecionar o alvo apenas com o movimento da cabeça, sem necessidade de manobrar a aeronave para alinhar contra a aeronave alvo. Para combates de médio alcance, ou além do alcance visual (BVR) como é chamado esse tipo de engajamento, o F-15C está armado com o míssil AIM-120C AMRAAM (todas as variantes deste modelo) e a mais moderna e capaz versão, chamada de AIM-120D. A família AMRAAM é guiada por radar ativo, ou seja, ele pode ser lançado contra um alvo com dados pré-gravados em seu sistema inercial antes do lançamento e quando está a uma determinada distancia do alvo, o  míssil liga seu próprio radar e vai de encontro ao alvo permitindo com que a aeronave lançadora possa se evadir assim que faz o lançamento. Isso é o que se chama de “dispare e esqueça”. O alcance do AMRAAM varia de acordo com sua versão. A versão AIM-120C, por exemplo, tem alcance de 105 km, enquanto que a ultima versão, a AIM-120D tem alcance aumentado para 180 km.

O uso de mísseis mais antigos como o velho e ineficiente AIM-7M Sparrow, de guiagem semi- ativa (exige que o radar do F-15 ilumine o alvo até seu impacto) podem ocorrer, porém, isso está se tornando a cada dia mais improvável.
Acima: Embora o antigo míssil AIM-7M Sparrow lançado de um F-15C Eagle tenha sido substituído pelo mais moderno AIM-120 AMRAAM, ainda é possível ver alguns F-15 operando com essas armas.

Acima: Embora o antigo míssil AIM-7M Sparrow lançado de um F-15C Eagle tenha sido substituído pelo mais moderno AIM-120 AMRAAM, ainda é possível ver alguns F-15 operando com essas armas.

A caça F-15C é um projeto que já passa dos 40 anos de idade e teve muitas melhorias significativas para se manter combativo frente a impressionante evolução da aviação de combate tradicionalmente adversária dos Estados Unidos (Russia e China). Porém é claro que a garantia de se atingir superioridade aérea que os Estados Unidos sempre almejaram com seus caças e aeronaves de apoio e inteligencia como seus E-3C Sentry (AWACS) ficou seriamente comprometida com os avanços conseguidos pela engenharia russa e chinesa nos últimos 15 anos. O encerramento prematuro da linha de montagem do poderoso caça F-22 Raptor, que deveria ser o substituto do F-15 foi um erro crasso para a manutenção da capacidade de superioridade aérea norte americana em teatros de operação de alta complexidade que seria a hipótese de conflito contra chineses e russos.

O comando da USAF, todavia, tem o entendimento que com o uso do F-15C e do F-22 juntos, de forma integrada em uma estratégia de engajamento contra caças de alta performance como os aviões da família Flanker e os novos caças de 5º geração que devem entrar em serviço na Rússia e China nos próximos anos como o Sukhoi T-50 Pak Fa e o J-20, ambos com claras soluções para furtividade (em especial o modelo russo) possa ser a resposta a esse tremendo avanço de seus adversários.
O modelo F-15C ultima versão especializada desse extremamente bem sucedido projeto continuará em serviço na USAF junto com o F-22 Raptor, pelo menos até 2035, quando deverá entrar em serviço um novo caça de 6º geração resultado do programa FX que substituirá tanto o F-15C quanto o F-22.
Acima: Em primeiro plano temos um F-15C junto com o F-22 Raptor, caça que deveria ter substituído o F-15. A dupla F-15/ F-22 vão operar por mais 20 anos antes de começarem a ser substituídos.

Acima: Em primeiro plano temos um F-15C junto com o F-22 Raptor, caça que deveria ter substituído o F-15. A dupla F-15/ F-22 vão operar por mais 20 anos antes de começarem a ser substituídos.

mcdonnell_douglas_f_15-02171 F-15C CUTAWAY mcdonnell-douglas-f-15c-eagle

Acima: O capacete JHMCS elevou a consciência situacional do piloto a níveis inéditos na história da aviação de combate.

Acima: O capacete JHMCS elevou a consciência situacional do piloto a níveis inéditos na história da aviação de combate.

Acima: Uma dupla de F-15C escolta um avião de patrulha marítima Tupolev Tu-142 Bear. Esse tipo de encontro sempre foram muito comuns no histórico operacional do Eagle.

Acima: Uma dupla de F-15C escolta um avião de patrulha marítima Tupolev Tu-142 Bear. Esse tipo de encontro sempre foram muito comuns no histórico operacional do Eagle.

 

Acima: A capacidade de manobra do F-15 pode ser considerada "comportada" para os padrões atuais. Mas modernizado e com armamentos de nova geração, é bom não subestimar a velha águia da USAF.

Acima: A capacidade de manobra do F-15 pode ser considerada “comportada” para os padrões atuais. Mas modernizado e com armamentos de nova geração, é bom não subestimar a velha águia da USAF.

Acima: Uma rara foto com dois F-15C voando em formação com dois caças Su-30 Flanker indianos.

Acima: Uma rara foto com dois F-15C voando em formação com dois caças Su-30 Flanker indianos.

 

[embedplusvideo height=”395″ width=”650″ editlink=”http://bit.ly/1YgbNY8″ standard=”http://www.youtube.com/v/JjNjVx_uOz8?fs=1&vq=hd720″ vars=”ytid=JjNjVx_uOz8&width=650&height=395&start=&stop=&rs=w&hd=1&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep3111″ /]

shared on wplocker.com