Defesa & Geopolítica

Síria e ” Aliados” se preparam para uma grande ofensiva no Norte da Síria

Posted by

T90Tradução e adaptação: E.M.Pinto

BEIRUTE / MOSCOU: Segundo afirmaram nesta Quinta-Feira fontes do Exército Sírio , centenas de tropas iranianas chegaram à Síria para participar de uma grande ofensiva terrestre em nome do governo do presidente Bashar Assad, confirmando o mais claro sinal da rápida internacionalização de uma guerra civil na qual todos os principais países da região tem uma participação.

Aviões de combate russos bombardearam um acampamento administrado por rebeldes treinados pela CIA, afirmou o comandante do grupo após o ataque, colocando Moscou e Washington em lados opostos em um conflito no Oriente Médio pela primeira vez desde a Guerra Fria.

Os EUA e as forças armadas russas se reuniram às 11 horas (1500 GMT), através de um link de vídeo para buscar maneiras de manter as suas forças armadas à par dos eventos e coordenar as campanhas paralelas de ataques aéreos na Síria, disse uma autoridade da defesa dos EUA.

Caças russos atacaram alvos próximos às cidades de Hama e Homs na Síria ocidental, nesse que é o segundo dia oficial da campanha aérea surpresa lançada nesta quarta-feira.

Moscou afirmou que os alvos são posições do ISIS, mas a área onde os ataques foram deflagrados é dominada por uma aliança insurgente rival, que ao contrário ISIS é apoiado por aliados dos Estados Unidos, incluindo os Estados árabes e Turquia.

Hassan Haj Ali, chefe do grupo rebelde Liwa al-Jabal Suqour, disse à Reuters  que um dos alvos atacados foi a base de seu grupo na província de Idlib, atingida por cerca de 20 mísseis e bombas em duas missões separadas. Seus combatentes haviam sido treinados pela CIA no Qatar e Arábia Saudita como parte de um programa de Washington que afirma ter por objetivo apoiar grupos que se opõem tanto ISIS quanto à Assad.

“A Rússia está desafiando à todos e  dizendo que não há alternativa se não Bashar”,

disse Haj Ali ressaltando que os jatos russos tinham sido identificados por membros de seu grupo, que antes serviam como pilotos da Força Aérea Síria.

Duas fontes libanesas informaram à Reuters que centenas de soldados iranianos chegaram à Síria nos últimos 10 dias, estas unidades pesadamente armadas estão se preparando para montar uma grande ofensiva terrestre. Eles também seriam apoiados por aliados libaneses do Hezbollah pelas tropas de Assad e por milícias xiitas de combatentes no Iraque, enquanto os russos forneceriam apenas o apoio aéreo.

“A vanguarda das forças terrestres iranianas começaram a chegar na Síria:.. Soldados e oficiais especificamente preparados para participar nesta batalha, nãos e tratam de conselheiros … queremos dizer, com centenas de equipamentos e armas que serão seguidas por muito mais”,

Afirmou uma fonte.

A súbita decisão da Rússia de se juntar à guerra com ataques aéreos em nome de Bashar Assad, assim como o crescente envolvimento militar do Irã, poderia marcar um ponto de viragem crucial em um conflito que tem atraído a maioria das grandes potências militares do mundo.

Com os Estados Unidos liderando uma aliança travando uma guerra aérea contra os combatentes ISIS, as superpotências da Guerra Fria outrora inimigos, Washington e Moscou estão agora empenhados em combater no mesmo país com objetivos antagonicos, pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

Ambas potências afirmam enfrentar os mesmos inimigos  o grupo ISIS de militantes muçulmanos sunitas que proclamaram um califado em todo leste da Síria e norte do Iraque. Porém, ambos possuem também distintos aliados e visões nitidamente opostas de como resolver o conflito e guerra civil que já dura 4 anos e que já ceifou a vida de mais de 250.000 pessoas, conduzido mais de 10 milhões ao exílio e refúgio em territórios estrangeiros.

Washington e seus aliados se opõem tanto ao ISIS quanto à  Assad, acreditando que ele deve deixar o poder em qualquer acordo de paz. Washington acredita que uma parte central de sua estratégia é a construção de insurgentes “moderados” treinados para lutar contra ambos, Assad e ISIS, embora até agora as tentativas de treinar e preparar estes combatentes tenha resultados pífios.

Por sua vez, Moscou apoia o presidente sírio e acredita que o seu governo deveria ser a peça central dos esforços internacionais para combater os grupos extremistas. Moscou parece estar usando a campanha contra ISIS como um pretexto para atacar também os grupos apoiados por Washington e os seus aliados, como uma forma de defender o governo de Damasco com que Moscou tem sido aliado desde a Guerra Fria.

Os ataques russos representam um movimento ousado pelo presidente Vladimir Putin para afirmar a influência para além do seu próprio território: é a primeira vez que Moscou ordenou suas forças em combate fora das fronteiras da ex-União Soviética desde a sua desastrosa campanha no Afeganistão na década de 1980.

JOGADOR DESAFIANTE

No segundo dia de ataques, a Rússia informou que lançou oito missões com caças bombardeiros Sukhoi  Su-24 e Su-25 durante a noite, acertando quatro alvos do ISIS. No entanto, nenhuma das áreas informadas dos ataques é dominada pelo ISIS.

Al-Mayadeen, do canal de televisão Sírio  pró-Damasco e baseado no Líbano, disse que os caças russos realizaram pelo menos 30 ataques contra uma aliança insurgente conhecida como o Exército da Conquista. A aliança inclui a Frente Al Nusra, ramo sírio da Al-Qaeda, mas que não se trata do ISIS.

A intervenção russa e iraniana em apoio Assad vem num momento em que o impulso no conflito havia balançado contra seu governo Sírio e parecem destinadas a reverter os ganhos dos insurgentes.

“Os ataques russos são um divisor de águas. Damasco está fora do gancho”, disse um diplomata rastreamento Síria.

O Exército da Conquista, em particular, tinha obtido significativos avançando contra as forças do governo no noroeste da Síria e é uma das unidades apoiadas pelos países regionaise  que se opõem tanto à Assad quanto ao ISIS.

A Rússia afirma que seus ataques aéreos, ao contrário dos de Washington, são legítimos, porque eles têm a solicitação e autorização de Assad, e ressaltam que tem sido mais eficazes, porque estes podem ser coordenados com as forças do governo Sírio em solo de modo à encontrar e travar alvos.

O Ministério da Defesa da Rússia informou que os caças Sukhoi-24M e aviões  de ataque Sukhoi-25 atingiram um depósito de munição perto de Idlib, um prédio de três andares que funcionava como centro de comando do ISIS perto de Hama e uma fábrica de carros-bomba no norte de Homs.

O canal de notícias libanesa informou que os aviões russos bombardearam áreas rurais perto da cidade de Jisr al noroeste de Shughour, esta região é controlada pelo Exército da Conquista. Os ataques também atingiram outras áreas na província de Idlib, incluindo a região montanhosa de Zawiya, bem como áreas na província de Hama ao sul.

O canal anti-Assad Orient News também confirmou que os ataques russos tinham atingido posições rebeldes no campo Hama. A província de Idlib controlada pelos insurgentes é de particular importância estratégica para o governo sírio, pois fica próximo ao coração de Assad na costa do Mediterrâneo, onde a Rússia também instalou a sua única base naval do Mediterrâneo, Tartus.

Uma fonte militar síria, informou nesta quinta-feira que o apoio militar russo traria uma “grande mudança” no curso do conflito, em particular, por meio de recursos avançados de vigilância que poderiam localizar alvos insurgentes.

Fonte: DailyStar

shared on wplocker.com