Defesa & Geopolítica

Congresso Americano repensa a sua postura “Anti-Assad”!!!!

Posted by
O presidente sírio, Bashar al-Assad fala durante sua reunião com os chefes e membros de organizações públicas e associações profissionais em Damasco, 26 de julho de 2015. (Foto por REUTERS / SANA / Divulgação via Reuters)

O presidente sírio, Bashar al-Assad fala durante sua reunião com os chefes e membros de organizações públicas e associações profissionais em Damasco, 26 de julho de 2015. (Foto por REUTERS / SANA / Divulgação via Reuters)

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

Um número crescente de legisladores democratas estão abertamente questionando se a derrubada do regime Sírio de Bashar al-Assad ainda deve ser uma prioridade em meio as constantes conquistas por parte do Estado islâmico.

AUTOR Julian Pecquet 
POSTADO16 setembro de 2015

A questão veio à tona em 16 setembro quando um painel do Senado realizou a sua primeira audiência  sobre o primeiro lote de 54 rebeldes treinados pelos Estados Unidos, os quais desertaram assim que entraram na Síria passandoa  incorporar os efetivos do ISIS (DAESH) e para o braço da Aal-Qaeda a Jabhat al-Nusra. Relatos de que a Rússia está apoiando e fortalecendo as forças de Assad com carros de combate, tropas e artilharia só fez aumentar as chamadas de alguns democratas para uma nova estratégia.

“Eu não sei quais ganhos teremos se insistirmos em continuar batendo na mesa sobre Assad”, declarou ao Al-Monitor a membro do painel, Senadora Claire McCaskill, D-Mo.“Eu acho que seria produtivo  para nós  na luta contra o ISIS, restaurar algum tipo de ambiente de segurança e favorecer o retorno para casa do fluxo de refugiados.”

O senador Jeanne Shaheen, DN.H., compartilhada de dúvidas semelhantes.

“Eu acho que nós chegamos a um ponto em que devemos estar reavaliar a nossa estratégia em relação a Assad, ao conflito e à Síria”, disse ela. “Eu não tenho a resposta, sobre o que eu acho que deveriamos fazer, mas eu realmente penso que estamos em um ponto em que precisamos  reavaliar, porque o que estamos fazendo não está funcionando.”

O senador Joe Manchin, DW.Va., disse que está preocupado com o “vazio” deixado pela remoção de Assad e na ausência de qualquer oposição moderada viável.

“Quem é que vai substituí-lo? O que você vai fazer? Deixar um vazio?” ele disse a Al-Monitor.“Isso não funcionou com a queda de Saddam Hussein ou mesmo com Muammar Kadhafi. É uma real bagunça, real, e nós estamos apenas jogando mais dinheiro para eles e tornando a situação ainda mais confusa.”

E o senador Tim Kaine, D-Va., Advertiu ser contrário ao convite aberto para derrubar Assad. Em vez disso, ele apoiou a criação de zonas seguras humanitárias para os civis brutalizados por bombas barril do regime, bem como pelos extremistas islâmicos.

“Eu não acho que a mudança de regime deve ser uma política oficial dos Estados Unidos”, disse Kaine.

A angústia crescente segue-se a repetidos jargões da administração Barack Obama de que Assad “deve cair” e que seus dias estavam “contados”. Quatro anos mais tarde e mais de 200.000 mortes, os únicos grupos que fazem  progresso no terreno parecem ser ISIS e outros grupos militantes extremistas.

Durante a audiência, McCaskill advertiu ao general Lloyd Austin, comandante do Comando Central dos EUA, de que o Pentágono solicitou US$ 600 milhões para treinamento e equipamento ainda para o ano fiscal que começa 01 de outubro “parece muito irreal para mim.”

Os gastos de defesa na Casa Branca e no Senado reservam US $ 600 milhões e US$ 531.5 milhões para o programa ao longo dos próximos dois anos, respectivamente, mas isso era consenso antes do conhecimento sobre o fracasso “dos desertores”. A Casa Branca aprovou a lei política de defesa, por sua vez, pede a anulação US$ 531 milhões para o programa no ano fiscal de 2016. Shaheen concordou com McCaskill que o programa está em perigo.

“Eu acho que vai ser um desafio continuar a apoiar esse tipo de emprego do dinheiro”, disse Shaheen ao Al-Monitor. “Existem outras iniciativas que têm potencial para ter impacto significativo, tais como esforços em combater a propaganda do ISIS.  Há um centro nos Emirados Árabes Unidos que temos vindo a trabalhar para essa finalidade. Talvez isso seja o melhor lugar para colocar esses recursos. “

McCaskill e Manchin recomendaram o uso do dinheiro para pagar os soldados YPG a Milícia Kurda que resite ao ISIS na Síria. Porém, o YPG, é considerado pela  Turquia como um grupo terrorista, tem  atuado cada vez mais em coordenação com as forças de Assad em sua luta conjunta contra ISIS.

“O que devemos fazer é repensar é nos US$ 500 milhões que temos e o quanto nós já gastamos para tentar recrutar combatentes na Síria”, disse Manchin. “Sabendo que os curdos vão lutar, você pode obter um resultado muito melhor para o seu dinheirinho ali. Veja se você pode evitar que os turcos ataquem os curdos que lutam na Síria, promovendo a paz, você tem uma frente unida em termos de  forças terrestres. “

Até mesmo o presidente do Comitê de Serviços de Armas do Senado,  John McCain, republicano do Arizona, um defensor de longa data de um maior envolvimento dos Estados Unidos no combate à Assad através de zonas de exclusão aérea e outros meios, alertou que o programa de formação e equipamentos é inútil e carece de “grandes mudanças”.

McCain criticou a entrada de pleno direito da Rússia na luta como prova de que o presidente Obama permitiu que os inimigos dos EUA ganhem força no Oriente Médio. Porém, vê ai uma oportunidade.

“Eu suspeito que a razão para os russos estarem lá é a crença de que o regime de Assad está em risco, e há alguma instabilidade significativa. “Eu não acho que eles se preocupam com Assad. Eu acho que o que importa é a estabilidade. E se for esse o caso,  eles vêem a Al-Nusra e especialmente o ISIS como a mesma ameaça nós , então existem algumas possibilidades lá. “

O Senador Angus King, I-Maine, concordou. Ele manteve a necessidade de se livrar de Assad, mas disse que a administração Obama atua claramente de maneira equivocada quanto a isso.

“Parte do bom pensamento estratégico é que você modifique a sua estratégia de acordo com as mudanças de circunstâncias. Assad está perdendo as suas capacidades a cada dia – Sinto muito, em geral, eu tenho ouvido que, desde 2013: Assad está prestes a  cair, ele está prestes a entrar em colapso. Temos que encontrar uma estratégia que nos permita mover Assad de lado, de alguma forma, trabalhar com os russos, se necessário, ou os iranianos. “

Os comentários seguem os relatórios que mencionam que a Rússia em 2012 ofereceu um compromisso de Assad renunciaria. Autoridades ocidentais têm questionado a capacidade do Kremlin de entregar essa  proposta que acabou indo a lugar nenhum.

King passou a defender com McCain a instalação de um corredor humanitário que iria ser defendida contra incursões da força aérea de Assad. Kaine endossou a idéia em  21 de abril numa carta a Obama junto com McCain e os Senadores Dick Durbin, D-Ill., E Lindsey Graham, RS.C.

“Você precisaria de apoio militar, mas eu acho que você iria buscá-lo,” Kaine disse ao Al-Monitor em 16 de setembro “As nações européias participariam militarmente proporcionando segurança – com a gente, com a Turquia – para estancar o fluxo de refugiados. Você ainda poderia ter tantos mais a sair da Síria. Na verdade, eu acho que se você fizer isso, fazndo isso bem, vamos realmente aumentar as chances de alguma resolução política da situação no país. “

Fonte: AlMonitor

shared on wplocker.com