Defesa & Geopolítica

Rússia pode ter que declinar dos seus planos de construção de um bombardeiro furtivo

Posted by

Tu 160Tradução e adaptação: E.M.Pinto

 

Matérias referentes

Motores para o PAK DA na bancada de testes

Força Aérea Russa espera poder operar o novo bombardeiro PAK-DA já em 2023

PAK DA planejado para entrar em serviço já em 2025

PAK DA o novo bombardeiro estratégico Russo

PAK DA deverá ter motor baseado no núcleo dos propulsores Kuznetsov NK-32 que equipam os bombardeiros TU-160 Black Jack

Novo bombardeiro PAK-DA entrará em serviço em 2025

PAK DA o novo bombardeiro estratégico Russo

KH 101 o míssil de cruzeiro furtivo russo pode entrar no serviço operacional ainda em 2013

Rússia projeta novo bombardeiro estratégico

 

O projeto do novo bombardeiro estratégico furtivo Russo foi colocado em segundo plano e ao que indica, a aeronave não entrará em produção por pelo menos uma década, é o que relata Zachary Keck citando fontes oficiais russas (Clique aqui para ler) ao National Interest Nacional. 

Segundo ele o Kremlin planejava introduzir o bombardeiro de furtivo PAK DA ao serviço a partir de 2023. No entanto, o projeto PAK DA tem sido preterido na Rússia em função de uma alternativa de produção de uma versão atualizada do bombardeiro estratégico da era soviética Tu-160, um bombardeiro nuclear supersônico.

“De acordo com os planos, a produção em série do Tu-160 de nova versão, denominada do Tu-160 M2 deve ser aplicado a partir de 2023,” informou em uma conferência de imprensa o ministro da Defesa russo adjunto Yuri Borisov (Clique aqui para ler). Na referida conferência de  17 de julho  ele afirmou ” O projeto será deslocado para uma período posterior a 2023, caso contrário não haverá sentido. “

A escolha por esta alternativa (Tu 160 M2) é creditada a Vladmir Putin (Clique para ler) e teria sido tomada pelo presidente russo em maio  passado.

“[Putin] e o ministro da Defesa russo teriam tomado uma decisão sobre a reativação da produção do avião Tu-160M”, segundo afirmou p General Viktor Bondarev Comandante-em-Chefe da Força Aérea da Rússia (clique para ler).

A decisão de parar o desenvolvimento do PAK DA e em vez disso concentrar-se na modernização do Tu-160 reflete as dificuldades mais amplas que o Kremlin estão enfrentando na modernização militar do país. As sanções econômicas decorrentes das políticas agressivas da Rússia na Ucrânia e uma queda nos preços do petróleo minam a economia russa, levando a problemas no setor da defesa em todo no setor militar como um todo.

“As razões objetivas para o fracasso em satisfazer as encomendas no setor da defesa incluem as restrições ao fornecimento de peças e materiais importados em conexão com as sanções, a interrupção da produção e a perda de uma variedade de tecnologias, bem como, de instalações de produção insuficientes”, afirmou Borisov em 17 de julho ao The Moscow Times (clique para ler).

De acordo com o National Interest, a decisão pela modernização do Tu-160 em conjunto com dificuldades econômicas da Rússia poderia levar ao abandono completo do programa PAK DA. As melhorias no novo TU-160 M2 incluem muitos desenvolvimentos destinados ao PAK DA, e a aeronave modernizada também deverá ter uma vida útil de cerca de 40 anos de serviço.

Entre as atualizações  previstas para o novo TU-160 M2, destacam-se um motor recentemente modernizado que irá aumentar a autonomia de voo do avião em mais de 600 milhas, juntamente com vários novos mísseis que irão reforçar a capacidade de combate do avião, segundo noticiou o 360 do IHS Jane (Clique pra ler).

“Este será, essencialmente, um novo avião, não um Tu-160, mas um Tu-160 M2,”  Afirmou Borisov no início de junho (clique pra ler). “De acordo com os planos, isto provavelmente irá acontecer em algum momento depois de 2023.”

Este não foi um evento isolado, outros programas militares tiveram que ser postos em marcha lenta na Rússia. O Kremlin também está tendo problemas de financiamento para o seu mais novo carro de combate o MBT T-14  Armata. Um pesquisador de Harvard, Dmitry Gorenburg estima que a Rússia só será capaz de enviar ao setor operacional um máximo de 330 Armatas até 2020, uma reduzida fração dos 2300 inicialmente previstos.

O fracasso do Kremlin para acompanhar, através de projeções para o armamento high-end é um tema comum. Há um padrão na Rússia por anúncios de projetos colossais antes da entrada em escala de produção o que depois de um tempo é precedida por drásticas revisões de planos. Em março, por exemplo, a RT  informou  (clique aqui para ler) que a Rússia acabaria por ser capaz de implantar 80 cargueiros PAK TA nos efetivos da Força Aérea  apesar de a Rússia não ter construído um único protótipo dessa aeronave.

Tanto para o Armata como para estes dois aviões avançados, o Kremlin percebeu claramente que é significativamente mais fácil e mais rentável continuar a modificar os sistemas existentes para uso futuro mesmo que isso não seja tão excitante do ponto de vista da propaganda.

Fonte: Business Insider

shared on wplocker.com