Defesa & Geopolítica

Primeira análise Parte I- Armata o novo MBT Russo

Posted by

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

A análise preliminar com base em imagens coletadas antes do 9 de maio de 2015 da nova família Armata de veículos russos. Esta análise será atualizado durante toda a semana, para refletir o novo conhecimento adquirido após a primeira aparição pública do novo blindado russo.

RUSSIAN_NEW_ARMOR2-1021x483


O Ministério da Defesa Russo apresentou  publicamente hoje os primeiros membros da família de veículos blindados pesados ​​- o T-14 Armata, Bem como o veículo de infantaria blindada T-15.

Os dois veículos são designados para tornar-se a ponta de lança das formações de blindados do Exército Russo e  que substituem os T-72, BMP-2 baseados na plataforma MT-LB.

Centrada numa nova família estes dois veículos que terão variantes adicionais que ainda não foram reveladas, mas que podem incluir um veículo de comando de combate e contra-mina (BREM), plataformas de suporte de montagem e canhões automáticos, mísseis (Terminator) e arrmas termobárica (TOS), canhões autopropulsados ​​(Coalitzia), lançadores de ponte (MTU) e veículos blindados de recuperação (ARV).

As 24 plataformas  mostrados no desfile 09 de maio em Moscou são susceptíveis de serem parte da série de produção, alguns foram preparados especialmente para o desfile, de acordo com uma encomenda russa lançada pelo MOD e publicada em Novembro de 2014.

No entanto, estes modelos representam um inovador projeto ‘‘clean sheet‘ para um veículo blindado. Embora os dois veículos demonstrados apresentem diferentes configurações, eles também têm muito em comum, como seus criadores têm usado subsistemas comuns para simplificar o treinamento, melhorar o suporte de campo e reduzir o custo do ciclo de vida.

Esses elementos comuns incluem o sistema de suspensão, lagartas, transmissão, e algumas das armaduras e sistemas de proteção ativos. Ambos os veículos utilizam sete barras de torção como amortecedores para as rodas protegidos por borracha.

Os Optronicos, no entanto, são adaptados especificamente para cada sistema de armas, e, portanto, diferem consideravelmente em cada um. Os arranjos do assento também são semelhantes, com dois tripulantes sentados lado-a-lado e um terceir em conjunto com o motorista no T-14 , e com o comandante, no T-15 .

Devido ao grande interesse nos novos blindados russos estamos abrindo a nossa análise a todos os leitores. Esse tipo de análise é regularmente fornecido aos assinantes. porém  você está convidado a se juntar à nossa associação de ouro ainda hoje .

A suíte de blindagem usada no T-14 também parece compartilhar alguns elementos comuns ao T-15. Muitos dos módulos de blindagem passiva são semelhantes, se não idênticas, em alguns locais.

Os mesmos conceitos também são empregados – blindagem híbrida aço e blindagem reactiva, medidas defensivas contra minas na frente, barra de blindagem para proteger o compartimento do motor e duplo sistema de proteção ativa. As torres de armas são operadas remotamente para ambos os veículos, separando a tripulação do armamento e munições.

Ambos os veículos são operados por uma tripulação de três componentes. O T-15 também pode acomodar um esquadrão de infantaria no compartimento de passageiros. No entanto, ao contrário do BMP-2, esses soldados não possuem periscópios, escotilhas de acesso e disporo (seteiras laterais) individuais. Portanto, o esquadrão de infantaria entraria em ação apenas após o desembarque.

t14_seating725

O arranjo da tripulação no T-14. O comandante está na posição de lateral direito, o condutor na esquerda e o artilheiro na posição com escotilha fechada atrás do motorista.
A torreta deve ser virada de lado para permitir ao artilheiro abrir sua escotilha. É provável que em situações de emergência, ele possa escapar pela escotilha do motorista. A unidade de medição de referência é claramente vista na base do cano. Foto: Andrey Kryuchenko
T14_armata_counter_mine725
A plataforma Armada é configurada com um sistema de contra medidas ativas anti minas, concebido para detectar ou destruir minas posicionada na fronte do casco. O sistema é montado na extremidade frontal inferior do veículo. Foto: Vitaly-Kuzmin

A torre atual monta um canhão de 125 mm alma lisa, sem uma arma coaxial (relatórios anteriores indicavam que havia uma arma coaxial 30 mm e metralhadora 7,62 mm).

Enquanto a torre tem uma forma distinta ditada pelos painéis que cobrem seus vários sistemas, sua estrutura básica é provável que seja mais fino, proporcionando um quadro para um sistema modular arma que também poderia apoiar canhões de diversos calibres, morteiros automáticos ou outras armas de apoio.

O canhão de 125 milímetros é diferente dos modelos anteriores usados ​​no T-90 e T-72. A principal diferença é a ausência de um furo evacuador  (uma vez que o compartimento da arma está separado do compartimento do grupo, e não  é necessário extrair os gases de combustão para a segurança da tripulação.)

Uma pequena caixa susceptível de ser um sistema de referência da arma está localizada acima do cano, proporcionando uma medida exata para o cálculo balístico (13).

Um mastro meteorológico também está localizado na torre do T-14, ou da seção posterior do T-15 (10), para alimentação de dados para o computador balístico.

t15_725
Uma vista elevada do novo BMP T-15, baseado no chassis Armata. As medidas defensivas de mina na área frontal inferior são claramente vistas nessa imagem. Foto: Vitaly Kuzmin

O T-15 utiliza uma torreta KBP EPOCH turret,”off the shelf”, também usada no no BMP Kurganets-25 . Esta torre integra um único canhão de 30 mm com 500 recargas (AP / HE), uma metralhadora 7,62 mm coaxial, quatro mísseis Kornet-EM (dois de cada lado) e dois sistemas de controle de fogo, integrando eletro-ópticos, um telêmetro a laser e sistema de orientação de laser (para os Kornets).

Os dois sistemas estão contidos em módulos com proteção balísticas, adicionando a capacidade de resistência a este veículo de combate. (6, 9)

 A metralhadora 7,62 mm é montada na estação de arma remotamente operada, integrado com o que parece ser o visor panorâmico independente, do comandante (2). O visor principal do atirador (4) está localizado numa célula protegida à direita da arma principal, permitindo que o atirador e comandante possam engajar alvos diferentes.

Armas adicionais podem ser introduzidas em um projeto alternativo de torreta. Um compartimento localizado acima da arma poderia proporcionar espaço para um conjunto de armas adicionais montados acima da arma.

 A torre do T-14 (1, 7) abriga também dois sistemas de proteção ativa, que compreende o Afghanit hard-matar APS (tubos de cinco lançadores  na base da arma) e lançadores de contramedidas soft-kill – dois estão posicionados em pedestais com rotação e  dois estão apontando para cima (3, 10).

Estes são susceptíveis de lançar salvas de projéteis criando instantaneamente uma espessa, cortinas de fumaça multi-espectral projetada para derrotar mísseis guiados a laser e sistemas de focalização, bloqueando a luz visível e a radiação infravermelha, bem como, radar de ondas milimétricas.

Estas contramedidas soft-kill são projetadas para proteger os veículos de 3ª e 4ª geração dos mísseis Hellfire, TOW, Bill, Brimstone, JAGM, Dardo ou Spike, aproximando-se em trajetória elevada, bem como de  ataque vertical  com armas (SFW).

Um total de 10 Afghanit são utilizados, sendo cinco em cada lado da torre. Quando a torre aponta para a frente, eles protegem o arco para a frente (cerca de 60 graus em cada lado).

Quando for detectada uma ameaça que vem dos lados ou traseira, a torre defende-se automaticamente em direção a ameaça, possibilitando o lançamento do APS.

Como faltam plataformas giratórias, o T-15 utiliza os mesmos cinco tubos em posições fixas, em ambos os lados do veículo, que abrange apenas o arco para a frente. Os objetos de tubo são aparentemente uma evolução menor, mais eficiente do “explosive screen” o Drozd.

O Afghanit é provável empregar essas contramedidas à queima-roupa, neutralizando ameaças recebidas antes de atingirem a armadura do veículo. Uma versão anterior do APS da Rússia, a Arena, empregou uma carga explosiva lançada por cima da ameaça, disparando uma carga de explosão e fragmentos para baixo.

Cada um dos APS tem os seus próprios sensores, e são montados em cada lado da torre, cobrindo os quadrantes traseiros e frontais esquerdo e direito.

O sensor (5) juntamente com as contramedidas apontam para cima e fixa num pedestal que parece ser coberto por um painel plano. Há quatro sensores desses em cada veículo (T-14, T-15), proporcionando cobertura hemisférica, detectando, assim, potenciais ameaças de ataque superior antes de serem colocadas numa zona letal (SFW).

Embora os dois modelos compartilham a mesma suspensão e unidade de transmissão, o layout desses sistemas é diferente. Ambos têm sete rodas, quatro tensores de suspensão e trilhos de aço. O T-14 tem o motor montado na parte traseira, com uma coroa traseira e roda de tensão da frente. Este projeto coloca o principal sistema de armas no centro e a tripulação na frente para melhor visibilidade. O T-15 tem o seu motor na frente, com a roda dentada puxando suas lagartas também colocadas na parte da frente e uma roda de tensão na parte de trás. Este projeto liberta espaço para o pelotão de infantaria na parte traseira e também adiciona alguma proteção na frente.

Prover o motor com entradas de ar, refrigeração e exaustão exigiria adaptações especiais. O T-14 usa uma blindagem em grade (11) para proteger o compartimento do motor OPR, deixando o espaço necessário para a entrada de ar e de escape.

O T-15 usa uma “saia” (8) dos painéis de blindagem oblíquas que cobrem os gases de escape a partir de cima, mas estes deixam espaço suficiente para conduzir os gases de escape para longe do veículo.

Os tanques de combustível externos (12) posicionados nos lados do motor também adicionam proteção. Ao contrário dos barris jettisonable utilizados nos tanques russos anteriores, estes tanques externos são fixados, e, por conseguinte, são susceptíveis de ser consumidos em primeiro lugar para reduzir a vulnerabilidade em combate.

t14_parad
A vista frontal do T-15 mostrando as saias exteriores que protegem a ingestão de escape e motor.
t15_rear_plus_slat_door725
A vista traseira do T-15 mostra parte da blindagem em grade protegendo a porta rampa traseira. Foto: Bastion Karpenko
t15_vision_blocks_cameras
O operador de armas e comandante, ambos têm blocos de visão que rodeiam a sua cúpula, proporcionando relativamente boa visão periférica. O motorista do T-15 tem três blocos de visão integrada na cúpula.
Para uma cobertura completa, câmeras panorâmicas estão posicionadas ao redor do veículo. Um par dessas câmeras pode ser visto à esquerda do sensor plano sob os tubos lançadores de mísseis Kornet.
O sensor é acoplado com o pedestal ‘soft Kill’ visto no centro, logo atrás dos tubos Afghanit APS. Foto sistema: Bastion Karpenko
T14_aps725
O  T-14 monta dois conjuntos de defesa ativa em ambos os lados da torre. Coberto por uma armadura passiva para proteção balística, estes módulos integram o sensor Afghanit (unidade trapezoidal), cinco tubos de lançamento hard kill montados na base da torre, duas câmeras periféricas e plana (possivelmente cobertas) o sensor, provavelmente radar juntamente com o soft-kill sistema.
Algumas fontes indicam que estes sensores são derivados da tecnologia de radar AESA desenvolvido e implementado no Sukhoi T-50 avião de combate furtivo.
O lançador do soft-kill rotativo contendo 12 cartuchos pode ser visto acima, montado sobre um pedestal rotativo.
t-14_front
A vista frontal do T-14. Observe que o piloto não tem blocos de visão ou outros dispositivos de visualização notáveis ​​em sua posição, embora, quando lacrado, o motorista pode usar o sistema de visão visto no centro do tanque.
Mas um conjunto completo de periscópios fixos é colocado atrás de sua posição. Os dois faróis usam LEDs com lentes que prestam as diferentes intensidades da iluminação visível ou infravermelho sob demanda. Foto: Andrey Kryuchenko
t14_side725
A vista lateral esquerda para a frente do T-14 com base na plataforma Armata em preparação para o desfile de 09 de maio, em Moscou.
T15_top_view725
T-15 visto de cima, Foto: Andrey Kryuchenko

Fonte: Defence Update

shared on wplocker.com