Devido a falhas graves Ministério da Defesa alemão cancela encomendas de fuzis G36

© AP Photo/ dpa, Arno Burgi,File

O parlamento alemão cancelou as encomendas de fuzis de assalto G36, de fabricação nacional, por falta de precisão e sobreaquecimento em climas quentes, informou a mídia alemã no domingo.

Um estudo encomendado pelo Ministério da Defesa alemão revelou falhas graves no fuzil G36. Alegadamente, este tende a aquecer durante o fogo contínuo e torna-se pouco confiável em caso de mudanças de temperatura ambiente, o que acontece logo depois de alguns tiros.

Além disso, uma mudança de ambiente seco para úmido leva a problemas no mecanismo da arma, relata o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung.

As revelações contidas no relatório de 372 páginas, podem vir a ser um duro golpe para o ministro da Defesa, Ursula von der Leyen, uma aliada próxima e confidente da chanceler Angela Merkel.
O exército alemão, Bundeswehr, lidera uma força de reação rápida da OTAN na Europa Oriental para defender os países europeus, incluindo a Polônia, Letônia, Lituânia e Estônia, contra uma suposta ameaça da parte da Rússia. A formação desta força de intervenção é parte de uma escalada militar sistemática por parte da OTAN na Europa Oriental, voltada diretamente contra a Rússia. Ursula von der Leyen disse que cerca de 4.000 homens das tropas do exército participarão em breve de um exercício militar conjunto na região do mar Báltico.

No entanto, agora parece que a Bundeswehr tem pouco equipamento para combater, tendo em conta os relatos de graves falhas encontradas nos seus veículos blindados e agora no rifle G36 produzido em massa.

Foi criada uma comissão especial para determinar se o rifle representa uma ameaça real para a vida dos soldados.

Ursula von der Leyen sabia dos problemas nos G36 desde o final de março e tinha planejado recolher 167.000 unidades defeituosas.

O fabricante do rifle, a empresa Heckler & Koch, rejeitou as críticas dos especialistas e ameaçou processar o governo.

O G36 foi criado no início de 1990 pela Heckler & Koch Company. Era destinado a substituir o rifle G3, já obsoleto.

Em abril de 2012, surgiram relatos de que os rifles G36 usados no Afeganistão poderiam sobreaquecer durante tiroteios prolongados.

O sobreaquecimento afetou a precisão do G36, o que torna difícil atingir alvos a 100 metros, pouco eficaz a 200 metros, e totalmente incapaz de fogo a 300 metros. O G36 tem sido considerado inadequado para longas batalhas.

A empresa declarou que o rifle não foi projetado para fogo contínuo sustentado.

Fonte: Sputnik News Brasil

 

13 Comentários

    • Giancarlos você observou a fonte?Se de fato existem problemas a engenharia alemã a resolvera rapidamente.

    • Compra sem a correta especificação dos requisitos? A industria na maioria dos casos tenta vender o que você quer comprar.

    • Meu caro, isso acontece as vezes. Mas o que faz a diferença entre os amadores eo profissionais é o poder de reação e reversão das expectativas, e pode ter certeza os alemães saberão atender as expectativas de seu exercito, eles são muito profissionais.

    • Saudações caro Giancarlos Argus.

      Essa notícia foi publicada originalmente em sites alemães. Se desejar tenho inclusive os originais, aos quais fiz tradução.
      Os testes realizados apontaram que o G-36 não suporta excesso de calor, em situações bem específicas por conta do Polietileno utilizado que é mais barato e demonstrou não ser de boa qualidade. Esses rumores sobre o G-36 surgiram antes mesmo de 2012, em meados de 2009 já haviam relatos sobre armas que entortaram o cano no Afeganistão ou que perdiam a eficácia. Lembrando que o uso de polímeros na fabricação de armas não é coisa nova, a Glock utiliza Poliamida (Nylon 6) na fabricação de suas pistolas e já vi casos de Glock aqui no Brasil que apresentou rachaduras com um determinado tempo de uso, do mesmo modo que já vi várias vezes carabinas M4 que com o passar do tempo não resistiam a disparos contínuos prolongados (negavam fogo) e olha que era arma de operador FE. Na maioria dos casos é defeito de fabricação, baixa qualidade do material utilizado ou, na pior das hipóteses falha no projeto, o que acho pouco provável, certas coisas só se descobre com o tempo. Vale salientar que os G-36 que apresentaram falhas foram casos isolados, e até agora restritos ao Afeganistão e Iraque. Curiosamente, não tem sido divulgado que essas “reclamações” partiram principalmente de operadores do G-36 no Iraque, haja vista que milhares foram entregues às forças de segurança do país e a combatentes curdos. No final das contas meu caro, lobby existe em qualquer país do mundo. Para quem quer vender seu produto sempre será melhor que o do concorrente.

      Grande abraço.
      MessiaH – Editor Adjunto Plano Brasil

      • Eu acho que o Giancaros está certo em questionar o mito.

        Afora a qualidade da engenharia alemã bem conhecida, há de fato este mito de infalibilidade criado em nossas cabeças. Eu já tive contato com muita porcaria alemã vendida por aqui como produto de primeira apenas por conta da inscrição Made in Germani. E responsabilizar o operador na maior parte dos casos também é estratégia para encobrir erros de produção ou engenharia. Creio que o exemplo clássico seria o M-16 da Armalite, que culpa o exército dos EUA por não realizar treino de manutenção para o operador da arma durante o conflito no Vietnã. Por sua vez, o exército dos EUA acusava a Armalite de vender um produto com a alegação que não precisava de manutenção por conta dos compostos que utilizava e sua arquitetura.

        Este conto de fadas de que alemães não sabem fazer coisas mal feitas serve para bobos ou mal inormados. Abs

  1. ,.. Noticias Militares…..Ministério alemão da Defesa cancela encomendas de rifles G36
    O parlamento alemão cancelou as encomendas de fuzis de assalto G36, de fabricação nacional, por falta de precisão e sobreaquecimento em climas quentes, informou a mídia alemã no domingo.

    Sputnik

    Um estudo encomendado pelo Ministério da Defesa alemão revelou falhas graves no fuzil G36. Alegadamente, este tende a aquecer durante o fogo contínuo e torna-se pouco confiável em caso de mudanças de temperatura ambiente, o que acontece logo depois de alguns tiros.

    Fuzil G36
    © AP Photo/ dpa, Arno Burgi,File

    Além disso, uma mudança de ambiente seco para úmido leva a problemas no mecanismo da arma, relata o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung.

    As revelações contidas no relatório de 372 páginas, podem vir a ser um duro golpe para o ministro da Defesa, Ursula von der Leyen, uma aliada próxima e confidente da chanceler Angela Merkel.

    O exército alemão, Bundeswehr, lidera uma força de reação rápida da OTAN na Europa Oriental para defender os países europeus, incluindo a Polônia, Letônia, Lituânia e Estônia, contra uma suposta ameaça da parte da Rússia. A formação desta força de intervenção é parte de uma escalada militar sistemática por parte da OTAN na Europa Oriental, voltada diretamente contra a Rússia. Ursula von der Leyen disse que cerca de 4.000 homens das tropas do exército participarão em breve de um exercício militar conjunto na região do mar Báltico.

    No entanto, agora parece que a Bundeswehr tem pouco equipamento para combater, tendo em conta os relatos de graves falhas encontradas nos seus veículos blindados e agora no rifle G36 produzido em massa.

    Foi criada uma comissão especial para determinar se o rifle representa uma ameaça real para a vida dos soldados.

    Ursula von der Leyen sabia dos problemas nos G36 desde o final de março e tinha planejado recolher 167.000 unidades defeituosas.

    O fabricante do rifle, a empresa Heckler & Koch, rejeitou as críticas dos especialistas e ameaçou processar o governo.

    O G36 foi criado no início de 1990 pela Heckler & Koch Company. Era destinado a substituir o rifle G3, já obsoleto.

    Em abril de 2012, surgiram relatos de que os rifles G36 usados no Afeganistão poderiam sobreaquecer durante tiroteios prolongados.

    O sobreaquecimento afetou a precisão do G36, o que torna difícil atingir alvos a 100 metros, pouco eficaz a 200 metros, e totalmente incapaz de fogo a 300 metros. O G36 tem sido considerado inadequado para longas batalhas.

    A empresa declarou que o rifle não foi projetado para fogo contínuo sustentado.

    Postado por Luiz Maia às 5:53 PM Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar com o Pinterest
    ,…Q dureza…sds. 😉

1 Trackback / Pingback

  1. Devido a falhas graves Ministério da Defesa alemão cancela encomendas de fuzis G36 | DFNS.net em Português

Comentários não permitidos.