Defesa & Geopolítica

Rascunho de mandado de prisão contra Kirchner é encontrado no apartamento do promotor Alberto Nisman

Posted by

Ministério Público argentino confirma ter identificado documento no lixo do apartamento do promotor Alberto Nisman. Ele morreu um dia antes de apresentar detalhes de uma denúncia contra a presidente.

Um rascunho de mandado de prisão para a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi encontrado na casa do promotor Alberto Nisman, confirmaram fontes judiciais argentinas nesta terça-feira (03/02). Nisman morreu em 18 de janeiro, um dia antes de apresentar detalhes de uma denúncia contra a presidente no Congresso. O documento de 26 páginas foi encontrado num lixo do apartamento do promotor.

O diário argentino Clarín já havia publicado a descoberta do documento no domingo. No entanto, a procuradora Viviana Fein, que investiga a morte de Nisman, confirmou somente nesta terça-feira que o rascunho faz parte das provas coletadas no apartamento. Fein também afirmou que havia sido um “erro voluntário” seu quando negou a existência do rascunho no dia anterior.

A funcionária do Ministério Público esclareceu também que o mandado de prisão não estava incluído na denúncia que Nisman havia feito contra a presidente, o ministro do Exterior, Héctor Timerman, e outros dirigentes kirchneristas.

O promotor estava investigando o atentado contra um centro judaico em Buenos Aires, em 1994, que deixou 85 mortos. Nisman havia elaborado um mandado que acusava Kirchner de tentar encobrir a participação de suspeitos iranianos no ataque.

Na época, a Justiça argentina indiciou sete ex-funcionários de alto escalão do governo iraniano como mandantes do ataque à Associação Mutual Israelita Argentina (Amia). O governo de Teerã se negou a entregar os suspeitos, apesar do mandado de prisão emitido pela Interpol. Entre eles estava o ex-presidente Alí Rafsanjani.

Nisman havia pedido a um juiz federal que Kirchner e Timerman fossem convocados para um interrogatório e solicitou um embargo preventivo de bens no valor de 23,3 milhões de dólares. As circunstâncias da morte do promotor seguem desconhecidas.

Fonte: DW.DE

27 Comments

shared on wplocker.com