Defesa & Geopolítica

Fragatas e helicópteros americanos para Taiwan não assustam a china

Posted by

110824-N-QL533-002Texto: Dragão Vermelho- Taiwan

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

A oferta dos EUA de quatro fragatas da classe O.H. Perry para Taiwan tornou-se um tema quente nas últimas semanas, ufanistas de ambos os lados comemoram e simulam cenários de possíveis confrontos entre as forças continentais chinesas e a defesa da ilha…

… como se algo do tipo tivesse hora, razão e data para ocorrer…

Porém uma análise simples do fato demonstra que, o jogo que está na mesa, não é o que pensamos jogar.

Segundo matéria divulgada no Qianzhan intitulada “ PLA looks down on Perry, Apache not even if US provides Taiwan with such weapons for three more armies” (summary by Chan Kai Yee based on the report in Chinese)”, os comentários reforçam a tese de que os Estados Unidos estão “cansando” seus esforços no apoio declarado a Taiwan. Nela um alto oficial do PLA afirma que, mesmo com tais armas, Taiwan estaria a pelo menos duas décadas defasada em relação a China, “Nada com que se preocupar” segundo ele.

Especialmente a notícia referente as fragatas da classe Oliver H. Perry, citada pelo oficial que as classificou como “navios de guerra ultrapassados” os quais os EUA estão desmantelamento e pondo a venda para obter alguns fundos, de modo a aliviar o efeito da redução do orçamento militar causado pelos cortes impostos pela administração Barack Hussein Obama.

Washington parece ter perdido  o “pique” e a vontade de apoiar “incondicionalmente” a ilha a qual a China declara ser sua.

Anos atrás, uma frota composta por quatro porta aviões nucleares circundaram o estreito de Taiwan, o que foi considerado pela China como “claramente uma afronta e provocação ao governo continental da China”. A manobra tinha um único recado, humilhar a China e declarar, “estamos aqui e vocês nada podem fazer”. Naquele momento os Taiwaneses anto governo central de Pequin, comemoram vibrantes.

Porém, os ventos parecem ter mudado e aquele episódio que marcou definitivamente a história da China Moderna,ficou conhecido como o “Ano da Humilhação”, delineou as estratégias do PLA consoante a defesa do Mar territorial da China e dos territórios além das cadeias de ilhas as quais o país Asiático declara ser sua propriedade. 

Não obstante ao fato dos EUA estarem dispostos a vender para Taiwan algumas armas realmente avançadas, serão precisos muitos anos para que Taiwan possa aprender a operá-las. O fornecimento de serviços de logística é demorado e num eventual conflito, mesmo que este viesse a ocorrer, apresentaria um pesadelo logístico, inviabilizando o apoio técnico dos EUA à ilha.

Durante a última década, o PLA encomendou lotes de armas avançadas e criou um sistema de combate muito superior ao de Taiwan. A guerra, se travada nos dias de hoje, traria para Taiwan um custo econômico tão grande que a ilha não poderia pagar.

O ano da humilhação fez com que a China despertasse e se equipasse com armas em estado de arte, em números consideráveis e o mais importante,  construísse a sua doutrina própria de defesa a qual, nos dias de hoje, ultraja até mesmo o poder da US Navy no pacífico. 

Por esta razão, os ânimos aqui em Taiwan estão se esvaindo e se resumem a “motins”, “greves” e “ações de destabilização do estado”. Estas tem sido as únicas armas que os Taiwaneses dispõe para se posicionarem contrários as vontades da China continental.

O apoio diplomático, bélico e ideológico dos Estados Unidos estão esmorecendo e se definhando a medida que a China surge como a potência asiática que reclama aquela parte do mundo para si.

O fato é que, se a guerra através do estreito emergisse num futuro, digamos, em 10 a 15 anos, a situação seria ainda mais catastrófica para Taiwan. A China está aumentando a sua força militar muito mais rápido do que qualquer outra nação no mundo, até mesmo mais rápido que a Rússia que detém muito mais tecnologia e capacidades militares no momento atual.

A China embarca na era dos caças de 5ª geração, Drones, mísseis de defesa e navios furtivos, por seu lado, Taiwan recebe helicópteros de ataque, cujo cenário de emprego se restringiriam a ilha, sendo alvos fáceis para  uma Força Aérea que se projeta no caça J-20,  armas hipersônicas e Porta aviões para lançar ataques a qualquer ponto do Pacífico.

De acordo com o oficial do PLA, a China quer uma solução pacífica para a questão de Taiwan e para este o efeito, ela está desenvolvendo as suas forças armadas para torná-lo muito mais superiores as de  Taiwan e de prováveis aliados, que numa coalizão em defesa de outros interesses viesse a tentar ultrajar novamente a China como o fez anos atrás.

Os EUA sabem muito bem que são incapazes de ajudar a Taiwan, mas é necessário manter o status pró-forma de “o defensor de seus aliados”. Por trás da cortina está apenas mais um negócio envolvendo armas obsoletas e um levantamento de moral da resistência.

Os EUA se renderam as pressões de Pequin, renderam-se a sua crescente capacidade de causar dano ao próprio EUA e não defenderão as ilhas como tem propalado. Trata-se apenas de mais um caso de “Business” a moda antiga.

Aqui em Taiwan sabemos que essas armas não vão ajudar em nada caso um conflito se estenda por esta parte do mundo. Para alguns as vendas mostram que os EUA estão do nosso lado. Isso dá para muitos Taiwaneses a sensação de segurança e para muitos isso é o suficiente…

Fonte: Qianzhan

shared on wplocker.com