Defesa & Geopolítica

Rússia lista OTAN como ameaça eminente em sua nova doutrina de emprego militar

Posted by

russianEconomicSanctionsSugestão: Dragão Vermelho- Taiwan

Tradução e adaptação: E.M.Pinto

A Rússia aprovou uma versão atualizada da sua doutrina de emprego militar que considera a escalada militar da OTAN como uma grande ameaça estrangeira eminente contra a sua segurança nacional.
A nova doutrina, que foi assinada pelo presidente russo, Vladimir Putin na sexta-feira, também lista o conceito Prompt Global Strike americano (PGS ) entre as principais ameaças à segurança do país,  informou a Russia Today.
O PGS é um esforço pelo qual o exército dos EUA projeta desenvolver um sistema que permitiria que o Pentágono efetuasse ataques de precisão com armas convencionais, em qualquer local remoto do mundo em uma hora.
O núcleo da nova doutrina militar permanece inalterada, tendo o exército russo como a ferramenta defensiva principal, Moscou ainda se compromete a usar a força a somente como último recurso.
Os princípios do uso de armas nucleares não mudaram uma vez que o seu principal objetivo é o de impedir potenciais ataques contra a Rússia. No entanto, o país iria usá-los para proteger a si mesmo em face dos ataques militares que poderiam ameaçar sua existência.
As novas seções da doutrina delinea as ameaças que a Rússia vê na expansão da OTAN e do fato de que a aliança militar ocidental está tomando sobre si “funções globais realizadas com violações do direito internacional.”

“A criação e implantação de sistemas de mísseis anti-balísticos estratégicos globais que minam a estabilidade estabelecida em ordem global e equilíbrio de poder nas capacidades de mísseis nucleares, a implementação do conceito de” ataques de aviso “, com a intenção de implantar armas no espaço e implantação de precisão de armas estratégicas convencionais “são listados entre os principais ameaças militares estrangeiras na doutrina.
As relações entre a Rússia e a OTAN tornaram-se tensas após a anexação da República Autônoma da Crimeia à Federação Russa na sequência de um referendo em 16 de março.

A aliança militar encerrou toda a cooperação que mantinha com a  Rússia devido a crise que se seguiu na Ucrânia em 1 de Abril.
Os Estados Unidos e seus aliados europeus acusam Moscou de desestabilizar a Ucrânia e impuseram uma série de sanções contra personalidades e empresas russas e pró-Rússia. Moscou, no entanto, rejeita a acusação.

Fonte: Asian defense

shared on wplocker.com